Mercado brasileiro de aços: um pouco mais do mesmo

Novo mês, mesmas tendências: aços longos ainda mal

Observamos no Brasil duas velocidades diferentes na recuperação dos aços longos e planos. Enquanto que os aços planos, voltados para a indústria automotiva, mostram uma recuperação relevante, os aços longos vêm caminhando a passos de tartaruga — insumos de construção civil e infraestrutura –. Ainda há pouca esperança sobre uma possível recuperação no curto prazo da taxa de utilização da capacidade operacional da indústria, hoje em 60%. Continuamos acreditando que a importação de ações planos ainda deve pesar pouco sobre o mercado local, com 12% do consumo, e poucas chances de aumento de preço no curto prazo.

Dois ritmos de recuperação: +10% a/a planos e -10% a/a planos

O Instituto Aço Brasil divulgou os dados referentes a junho sobre a indústria de aços no Brasil. As vendas domesticas alcançaram 1,491 milhões de toneladas, com um aumento mensal de 5%.
• Longos: Demanda subiu 6% m/m, porém apresentou queda de 10% a/a
• Planos: Demanda subiu 8% m/m e 10% a/a
• Demanda Aparente (vendas domésticas + importação): 1,683 milhões de toneladas, com um aumento mensal de 2% e de 7% anual.
A demanda aparente maior que as vendas domesticas indicam um ganho de mercado pelas importações.

Importações: nada alarmante, mas vale prestar atenção

As importações de aços planos duplicaram em comparação com o mesmo período do ano passado, atingindo 12% de penetração no mercado local. No mercado de longos os importados representam apenas 5% do mercado, com volume de 32 mil toneladas. No outro lado da balança as exportações de aços planos subiram no mês 25% em comparação com o ano passado, porém a exportação de planos se manteve estável.

Bons sinais no mercado de aço…

O mercado tem sofrido com constantes altos e baixos, mas parece que o ambiente externo tem melhorado para o setor. O preço do aço no mercado internacional tem se fortalecido devido alguns cortes de capacidade na China e aumento da demanda e nos estoques, empurrando o preço das bobinas laminadas a quente (HRC em inglês) para o pico de US$ 500 por tonelada. Mesmo com os fatores positivos não acreditamos que no mercado local haja aumento de preço.

Deixe seu comentário 0