Notícias

CMN confirma dois cortes na meta de inflação para os próximos três anos

Tendo ficado fixada em 4,5% por 14 anos seguidos (2005-2018), a meta de inflação atribuída ao Banco Central do Brasil prepara-se para dar “dois passos e meio” para baixo.

O primeiro “passo” a que nos referimos acontecerá em 2019. Conforme amplamente esperado pelos mercados e devidamente refletido nas expectativas de inflação captadas pelo relatório Focus, o CMN anunciou na quinta-feira que a meta para 2019 será de 4,25%.

Foi bastante inesperado, por outro lado, o decreto publicado na própria quinta-feira estipulando que, doravante, o CMN passará a fixar, em junho de cada ano, a meta para o terceiro ano à frente. Junto com a meta de 2019, o decreto proporcionou ao CMN a oportunidade de dar mais um passo no processo de redução das metas de inflação, fixando a de 2020 em 4%. De certa forma, essa sequência de duas reduções vale como uma decisão salomônica entre simplesmente anunciar a meta de 4,25% para 2019, e a alternativa mais ambiciosa considerada pelos analistas de mercado, de reduzir a meta de 2019 direto para 4% – mantendo silêncio, em ambos os casos, a respeito de horizontes mais distantes. Comparada com essa segunda opção, contudo, a sequência de duas reduções tem o atrativo extra de ilustrar mais vividamente que nosso regime de política monetária está embarcando num processo de convergência em direção às metas de inflação típicas de mercados emergentes – ou seja, de 3% – em vez de sofrer um ajuste baixista mais frontloaded porém talvez pontual.

A promessa de um processo gradual de convergência em direção aos “padrões globais” foi inclusive explicitada pelos membros do CMN na entrevista coletiva que concederam na quinta-feira. O alongamento do horizonte para o qual as metas serão fixadas a cada ano reforça a credibilidade dessa promessa, na medida em que a escolha da meta para 2021 deverá ficar a cargo do time econômico atual, em junho de 2018, e não do seu potencial sucessor no mandato presidencial que se inicia em 2019. Embora não assuma compromisso com uma terceira redução de 25 pontos-base na meta, o guidance implícito do atual time econômico aponta, tentativamente, para uma meta de 3,75% em 2021. É a esse guidance preliminar para 2021 que nos referimos como um “meio passo” adicional no processo de convergência, além das duas reduções de já formalizadas para 2019 e 2020.

Ao rebater recomendações de reduzir também a meta de 2018 já fixada no ano passado (motivadas pela constatação de que, com a expectativa de uma inflação abaixo de 4% em 2017 e o BCB mirando em 4,25% em 2019, a meta de 4,5% para 2018 sinalizaria, nesse ínterim, uma corcova inflacionária pouco atraente e presumivelmente evitável) o presidente do BCB, Ilan Goldfajn, argumentou que as metas de inflação, uma vez fixadas, não devem ser alteradas ao sabor das circunstâncias do momento. Caso se reduzisse agora a meta do ano que vem somente porque uma inflação mais baixa passou a parecer alcançável em 2018, também seria defensável, pelo mesmo critério, elevar a meta quando as pressões inflacionárias recrudescessem. Esse argumento contribui para consolidar uma cultura que protegerá a trajetória descendente da meta que está sendo fixada para os próximos anos contra alteração posterior, na eventualidade de assumirem autoridades com menor disposição para desinflar. Para horizontes além de 2021, por sua vez, a continuação do processo de convergência dependerá inevitavelmente das preferências do time que estará encarregado de fixar as metas de inflação subsequentes.

À luz da mudança já anunciada nas metas, estamos revisando a nossa projeção para o IPCA para 4,25% em 2019 e para 4% de 2020 em diante (contra os 4,5% que tínhamos para todos esses horizontes). Essa estabilização no patamar de 4% equivale a encarar a possibilidade de metas ainda menores a partir de 2021 – por mais preliminar que tal sugestão tenha sido até agora – como capaz de contrabalançar os riscos de implementação a que tal estratégia de desinflação estará sujeita, principalmente no que depender de futuras administrações. Também em função da ancoragem mais firme estabelecida agora para os próximos anos e da nossa avaliação da dinâmica inflacionária de prazo mais curto, estamos reduzindo ainda a nossa projeção de 2018, para 4,2% (de 4,5%), e mantendo a nossa projeção para 2017 em 3,6%.

Deixe seu comentário 0

Você está a um passo para investir com mais segurança e tranquilidade.
Crie sua conta agora


Preencha com seu nome

Preencha com seu e-mail

Preencha com seu telefone

Está com dúvidas? Entre em contato com a gente!

ENTRE EM CONTATO

O Grupo BTG Pactual (“BTG Pactual”) não fornece opiniões jurídicas ou tributárias. Sendo assim, essa apresentação não constitui aconselhamento legal de qualquer natureza. Essa apresentação é um breve resumo de cunho meramente informativo, não configurando análise de valores mobiliários nos termos da Instrução CVM Nº 598, de 03 de maio de 2018, e não tendo como objetivo a consultoria, oferta, solicitação de oferta e/ou recomendação para a compra ou venda de qualquer investimento e/ou produto específico. Embora as informações e opiniões expressas aqui tenham sido obtidas de fontes confiáveis e fidedignas, nenhuma garantia ou responsabilidade, expressa ou implícita é feita a respeito da exatidão, fidelidade e/ou totalidade das informações. Todas as informações, opiniões e valores eventualmente indicados estão sujeitos à alteração sem prévio aviso. Ressaltamos também, que as opiniões expressas neste material refletem a opinião do respectivo profissional convidado e não necessariamente expressam a opinião do BTG Pactual, não devendo ser tratadas como tal. As informações contidas nesta apresentação não podem ser consideradas como única fonte de informações no processo decisório do investidor, que, antes de tomar qualquer decisão, deverá realizar uma avaliação minuciosa do produto e respectivos riscos, face aos seus objetivos pessoais e ao seu perfil de risco ("Suitability"). Para maiores informações, acesse www.btgpactualdigital.com

Os riscos da operação com títulos de renda fixa (CDB, LCI e LCA) estão na capacidade de o emissor honrar a dívida; na impossibilidade de venda do título ou na ausência de investidores interessados em adquiri-lo; e na possibilidade de variação da taxa de juros e dos indexadores. É importante a adequada compreensão da natureza, forma de rentabilidade e riscos dos títulos de renda fixa antes da sua aquisição. CDB, LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante a devolução do principal investido acrescido de juros referente a rendimentos, na hipótese da incapacidade de pagamento da instituição financeira, de até R$ 250 mil reais por CPF e por instituição financeira, considerando o limite de garantia de R$ 1 milhão para cada período de quatro anos.

FUNDOS DE INVESTIMENTO NÃO CONTAM COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA. E recomendada a leitura cuidadosa do Formulário de Informações Complementares e Regulamento do Fundo de Investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos.

Ressaltamos que as opiniões e projeções referente COE, aqui apresentadas representam a opinião da área Structured Products do BTG Pactual, mas não necessariamente a opinião institucional do BTG Pactual, podendo o BTG Pactual, suas subsidiárias e/ou seus empregados podem, eventualmente, possuir uma posição comprada ou vendida, atuar em nome próprio e/ou como coordenador ou agente em operações envolvendo ações ou demais investimentos relevantes. COE NÃO CONTA COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA.

Os regulamentos completos dos Planos de Previdência da BTG Pactual Vida e Previdência S/A deverão ser lidos previamente a sua contratação. Os direitos e obrigações das partes estão definidos na Proposta e nos Regulamentos do plano contratado. É recomendada a leitura cuidadosa do regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. O registro do plano na Susep não implica, por parte da autarquia, incentivo ou recomendação de comercialização. O Participante/Segurado poderá consultar a situação cadastral de seu corretor de seguros no site www.susep.gov.br, por meio do número de seu registro na Susep, nome completo, CNPJ ou CPF. BTG Pactual Vida e Previdência S/A - CNPJ: 19.449.767/0001-20. Processos SUSEP PGBL: 15414.901924/2014-44 e VGBL: 15414.901922/2014-55.

Fundos de investimento não contam com garantia do administrador do fundo, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do fundo garantidor de créditos FGC. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de rentabilidade futura. É recomendada a leitura cuidadosa do prospecto e regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. Os investidores devem estar preparados para aceitar os riscos inerentes aos diversos mercados em que os fundos atuam e, consequentemente, possíveis variações no patrimônio investido. Os produtos e serviços aqui mencionados podem não estar disponíveis em todas as jurisdições ou para determinadas categorias de investidores. Adicionalmente, a legislação e regulamentação de proteção a investidores de determinadas jurisdições/países, pode não se aplicar a produtos e serviços registrados em outras jurisdições/países, sujeitos à legislação e regulamentação respectivamente aplicáveis, além de previsões contratuais específicas.

Anbima Anbima