Notícias

Boletim Semanal de 22 a 26/05 – Notícias e Performance

Brasil

Brasil registra novo superávit recorde para maio

De acordo com a SECEX (Secretaria de Comércio Exterior), a segunda semana de maio registrou superávit de U$2 bi, superando resultado da semana anterior, de U$ 994 milhões. Se mantida a performance das duas primeiras semanas do mês, o resultado em maio deveria atingir um superávit de U$ 7,4 bilhões. Ainda com base nas duas primeiras semanas do mês, o nosso índice de preços implícitos de exportações de commodities, que representa cerca de 55% das exportações, cai 4,6% em maio, mas ainda registra alta de 16,5% ao ano.

Inflação mantém trajetória de queda

Coincidentemente, tanto o IPC-Fipe quanto o IPC-S registraram alta de 0,30% m/m para a 2ª semana de maio. Este foi o menor nível para o IPC-Fipe desde maio de 2013, e no IPC-S foi o nível mais baixo registrado nos últimos cinco anos, confirmando novamente que o cenário de inflação vem se comportando de forma benigna. O índice de difusão, aquele que mede o percentual de produtos que teve aumento, mostrou também bom comportamento nos dois índices: 61% para o IPC-S e 57% para o IPC-Fipe, abaixo dos patamares verificados nos últimos quatro anos, para o mesmo período. Conforme antecipado em nosso relatório anterior, em função das diferenças metodológicas do IPC-Fipe em relação aos demais índices de preços, o movimento baixista causado pelos descontos nas contas de energia elétrica seria verificado ao longo do mês de maio, consequentemente, isto explica a forte deflação (4,3% m/m) registrada no segmento. No IPC-S, no entanto, conforme esperado, os efeitos verificados seriam altistas, portanto um avanço de 1,5% m/m, em função da dissipação dos descontos na energia elétrica, além dos efeitos da bandeira tarifária. Concluindo, o mês de maio terá como principais fatores os desdobramentos dos efeitos em energia elétrica, acompanhado do bom comportamento da inflação de alimentos.

Mundo

EUA: Mesmo com a crise política, Fed Filadélfia aponta recuperação
econômica

O principal destaque da última semana foi a alta aversão ao risco em relação aos Estados Unidos, por conta da crise política que envolve o governo Trump, sob ameaça de não ter condições políticas para implementar sua agenda econômica. Por outro lado, uma fração de recuperação foi apontada em maio por uma sondagem industrial do Fed Filadélfia. Este índice subiu de 22 para 38 pontos em comparação com o mês passado, o que indica um quadro favorável para a indústria da região, com ganho de força das entregas e manutenções dos pedidos e do emprego no setor.

EUA: Produção Industrial avança em abril

Mantendo a tendência de alta, resultado da produção industrial americana referente ao mês de abril surpreendeu, apresentando o maior crescimento em mais de três anos. O desempenho apresentado reforça o cenário de crescimento acentuado do PIB neste trimestre. Dentre os fatores contribuintes para o resultado, destaque para a produção automobilística, que apresentou resultado positivo (5,7% ao mês), além da volta à normalidade dos serviços de utilidade pública (0,7% ao mês), que haviam sofrido com o clima anormal. A utilização da capacidade instalada também aumentou para 76,7% no mês de abril, em linha com o avanço da produção e reforçando a expectativa de crescimento adiante.

Performance dos Mercados

O principal índice da Bovespa apresentou forte queda de 8,18% na semana, fechando aos 62.639,31 pontos, com extrema volatilidade e Circuit Breaker acionado na quinta-feira. O mercado sofreu um dos seus piores dias desde a crise de 2008 nos Estados Unidos, com notícias relacionando o presidente Michel Temer e o grupo JBS ao pagamento de propina a parlamentares. Na sexta feira houve uma leve recuperação de 1,69% com um pouco mais de calma no mercado nacional.

No mercado de juros, a LTN com vencimento em julho abriu de 10,50% para 10,80% ao ano. A curva de juros longa com vencimento em 2020 teve grande abertura, passando de 9,64% ao ano para 11.28%. O dólar americano medido pela Ptax também teve forte influência do cenário político na semana, com forte alta na quinta-feira de 8,72%. O mercado compensou um pouco na sexta, fechando a semana em R$ 3,28, com um acumulado de 5,08%. O preço futuro (WTI) do petróleo apresentou valorização de 5,52% e fechou a semana em US$ 50,48. Cortes esperados com a reunião da Opep na próxima semana fizeram com que o petróleo ultrapassasse a barreira dos 50 dólares. Nesse contexto, a Argélia anunciou que também vai aderir ao corte de produção, aumentando a expectativa de valorização do WTI.

JUROSFechamentoSEMANAMÊSANO12M24M
CDI-0.17%0.59%4.46%13.46%29.17%
Poupança--0.58%2.37%8.06%17.06%
IMA-B---2.80%3.56%16.59%36.72%
IRFM---1.54%4.84%17.62%36.41%
BOLSAFechamentoSEMANAMÊSANO12M24M
Ibovespa62,639.31-8.18%-4.23%4.00%23.89%11.45%
S&P 500*2,381.73-0.38%-0.10%6.38%16.32%11.86%
MOEDASFechamentoSEMANAMÊSANO12M24M
Dólar / Real3.28755.08%2.80%0.88%-7.04%9.07%
Euro / Real3.64566.78%5.32%6.52%-8.92%7.12%

Fonte: BR Investing

Deixe seu comentário 0

Posts relacionados

Você está a um passo para investir com mais segurança e tranquilidade.
Crie sua conta agora


Preencha com seu nome

Preencha com seu e-mail

Preencha com seu telefone

Está com dúvidas? Entre em contato com a gente!

ENTRE EM CONTATO

O Grupo BTG Pactual (“BTG Pactual”) não fornece opiniões jurídicas ou tributárias. Sendo assim, essa apresentação não constitui aconselhamento legal de qualquer natureza. Essa apresentação é um breve resumo de cunho meramente informativo, não configurando análise de valores mobiliários nos termos da Instrução CVM Nº 598, de 03 de maio de 2018, e não tendo como objetivo a consultoria, oferta, solicitação de oferta e/ou recomendação para a compra ou venda de qualquer investimento e/ou produto específico. Embora as informações e opiniões expressas aqui tenham sido obtidas de fontes confiáveis e fidedignas, nenhuma garantia ou responsabilidade, expressa ou implícita é feita a respeito da exatidão, fidelidade e/ou totalidade das informações. Todas as informações, opiniões e valores eventualmente indicados estão sujeitos à alteração sem prévio aviso. Ressaltamos também, que as opiniões expressas neste material refletem a opinião do respectivo profissional convidado e não necessariamente expressam a opinião do BTG Pactual, não devendo ser tratadas como tal. As informações contidas nesta apresentação não podem ser consideradas como única fonte de informações no processo decisório do investidor, que, antes de tomar qualquer decisão, deverá realizar uma avaliação minuciosa do produto e respectivos riscos, face aos seus objetivos pessoais e ao seu perfil de risco ("Suitability"). Para maiores informações, acesse www.btgpactualdigital.com

Os riscos da operação com títulos de renda fixa (CDB, LCI e LCA) estão na capacidade de o emissor honrar a dívida; na impossibilidade de venda do título ou na ausência de investidores interessados em adquiri-lo; e na possibilidade de variação da taxa de juros e dos indexadores. É importante a adequada compreensão da natureza, forma de rentabilidade e riscos dos títulos de renda fixa antes da sua aquisição. CDB, LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante a devolução do principal investido acrescido de juros referente a rendimentos, na hipótese da incapacidade de pagamento da instituição financeira, de até R$ 250 mil reais por CPF e por instituição financeira, considerando o limite de garantia de R$ 1 milhão para cada período de quatro anos.

FUNDOS DE INVESTIMENTO NÃO CONTAM COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA. E recomendada a leitura cuidadosa do Formulário de Informações Complementares e Regulamento do Fundo de Investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos.

Ressaltamos que as opiniões e projeções referente COE, aqui apresentadas representam a opinião da área Structured Products do BTG Pactual, mas não necessariamente a opinião institucional do BTG Pactual, podendo o BTG Pactual, suas subsidiárias e/ou seus empregados podem, eventualmente, possuir uma posição comprada ou vendida, atuar em nome próprio e/ou como coordenador ou agente em operações envolvendo ações ou demais investimentos relevantes. COE NÃO CONTA COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA.

Os regulamentos completos dos Planos de Previdência da BTG Pactual Vida e Previdência S/A deverão ser lidos previamente a sua contratação. Os direitos e obrigações das partes estão definidos na Proposta e nos Regulamentos do plano contratado. É recomendada a leitura cuidadosa do regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. O registro do plano na Susep não implica, por parte da autarquia, incentivo ou recomendação de comercialização. O Participante/Segurado poderá consultar a situação cadastral de seu corretor de seguros no site www.susep.gov.br, por meio do número de seu registro na Susep, nome completo, CNPJ ou CPF. BTG Pactual Vida e Previdência S/A - CNPJ: 19.449.767/0001-20. Processos SUSEP PGBL: 15414.901924/2014-44 e VGBL: 15414.901922/2014-55.

Fundos de investimento não contam com garantia do administrador do fundo, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do fundo garantidor de créditos FGC. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de rentabilidade futura. É recomendada a leitura cuidadosa do prospecto e regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. Os investidores devem estar preparados para aceitar os riscos inerentes aos diversos mercados em que os fundos atuam e, consequentemente, possíveis variações no patrimônio investido. Os produtos e serviços aqui mencionados podem não estar disponíveis em todas as jurisdições ou para determinadas categorias de investidores. Adicionalmente, a legislação e regulamentação de proteção a investidores de determinadas jurisdições/países, pode não se aplicar a produtos e serviços registrados em outras jurisdições/países, sujeitos à legislação e regulamentação respectivamente aplicáveis, além de previsões contratuais específicas.

Anbima Anbima