Banco Central divulga balanço de pagamentos e indicadores de crédito

Dentre os eventos da semana passada, destacamos o resultado do balanço de pagamentos e os indicadores de crédito de agosto, ambos divulgados pelo Banco Central, além do IGP-M de setembro (FGV) e a taxa de desemprego de agosto (IBGE).

Agosto foi um bom mês no segmento de crédito não direcionado, enquanto que o segmento direcionado – em particular no caso de empréstimos do BNDES às pessoas jurídicas – continuou recuando. As taxas de juros diminuíram embora ainda continuem elevadas para as famílias. Ao mesmo tempo, as taxas de inadimplência caíram para pessoas jurídicas mas permaneceram estáveis para pessoas físicas. Finalmente, os indicadores de crédito de agosto sugerem que a recuperação econômica está acontecendo, mas deve ser lenta, com vários altos e baixos pelo caminho.

Ainda nos dados de atividade, a taxa de desemprego foi de 12,6% em agosto ante 11,8% no mesmo período do ano anterior. Um destaque do resultado de agosto foi a melhora das contratações no setor privado formal, acompanhando os avanços do setor informal, que já vinha mostrando tendência de melhora. Os últimos números reforçaram a nossa percepção de que a melhora recente nos indicadores de consumo refletem os avanços no mercado de trabalho.

Em relação ao setor externo, o balanço de pagamentos registrou déficit de US$302 milhões na conta corrente em agosto, diminuindo o déficit acumulado em 12 meses para US$13,5 bilhões (0,68% do PIB) em comparação com o déficit de US$13,8 (0,71% do PIB) em julho. Para o restante do ano, esperamos que a conta corrente continue melhorando em relação ao ano anterior devido aos sucessivos superávits que vem sendo registrados na balança comercial.

No campo inflacionário, o IGP-M de setembro registrou alta de 0,47% m/m, acima do 0,10% registrado em agosto, principalmente devido a inflação forte no atacado (tanto no segmento agrícola quanto no industrial). No segmento dos preços ao consumidor, houve deflação explicada principalmente pela deflação das tarifas de energia elétrica.

Deixe seu comentário 0