Buscando informações sobre o Tesouro Selic e aplicações seguras para abandonar a poupança de uma vez por todas? Então você chegou ao lugar certo.

Inscreva-se em nossa newsletter

Preencha com um e-mail válido

Inscrição concluída com sucesso!

Neste artigo, vamos detalhar tudo o que você precisa saber antes de investir em Tesouro Selic. Confira os principais tópicos deste artigo:

  • Qual é a rentabilidade do Tesouro Selic?
  • Qual é a tributação desse tipo de título?
  • Quais são as taxas envolvidas no Tesouro Direto?
  • Quais são as diferenças entre Tesouro Selic, Tesouro IPCA e Tesouro Prefixado?
  • Como fazer uma aplicação no Tesouro Direto?
  • Qual é o valor mínimo do investimento para um título?
  • O Tesouro Selic pode se desvalorizar?
  • É possível vender títulos assim antes do vencimento?
  • É uma aplicação segura?
  • Em que cenário o Tesouro Selic vale mais a pena?
  • Como projetar o ganho real que você terá ao investir em Tesouro Selic?
  • Existem fundos de investimento que oferecem vantagens para aplicações em títulos do Tesouro?

O que é o Tesouro Selic (LFT)?

Tesouro Selic é um título atrelado à taxa de juros básicos da economia, oferecido pelo Tesouro Direto, um programa de negociação de papéis do Tesouro Nacional. É uma boa aplicação para quem busca baixo risco, alta liquidez e retornos ligados ao motor básico da renda fixa.

Muita gente se pergunta se títulos como esse do Tesouro Direto têm a proteção do FGC (Fundo Garantidor de Crédito), aquele mecanismo que garante o saldo do investimento em aplicações como CDB (Certificado de Depósito Bancário) e LCI/LCA (Letra de Crédito Imobiliário e Letra de Crédito do Agronegócio) em caso de quebra do emissor.

Essa proteção ocorre até um limite de R$ 250 mil por CPF por instituição financeira.

Mas o Fundo Garantidor de Crédito não precisa entrar em ação em títulos federais.

O baixo risco fica por conta da segurança de investir em uma aplicação garantida pelo governo.

Na prática, esse detalhe significa que, se houver um calote do Tesouro, provavelmente todo o sistema financeiro brasileiro entrará em colapso, incluindo aqueles CDBs, LCIs e LCAs.

A liquidez do Tesouro Selic é alta, de D+1. O Banco Central se compromete a comprar qualquer título antes do vencimento e oferece os valores do resgate em um dia útil. Você negocia em um dia e recebe no próximo dia útil.

Por isso, títulos do Tesouro Selic podem ser usados dentro daquele colchão financeiro de emergência, aquele portfólio de investimento de alta liquidez usado em qualquer evento extraordinário. Nessa carteira, Fundos DI e CDBs com liquidez diária também são opções.

Além da facilidade do resgate, o Tesouro Selic oferece a certeza de rendimento positivo, independentemente do cenário da economia.

Por outro lado, outros títulos do Tesouro Direto, como os Prefixados e os Tesouro IPCA, têm volatilidade maior e, se vendidos antes do vencimento, podem dar até prejuízo financeiro.

Assim, o Tesouro Selic é um investimento mais seguro e conservador, embora ofereça retorno inferior a eles se carregado até o vencimento, na maior parte dos casos.

Ao fazer suas projeções de rendimento, é importante calcular a tributação do Imposto de Renda (22,5% a 15%, dependendo do tempo de aplicação, de menos de 180 dias a mais de 720 dias) e a taxa de custódia, de 0,3% ao ano sobre o total da aplicação.

A seguir, vamos entender melhor cada uma dessas características e como saber se o Tesouro Selic é o melhor título para o seu caso.

Principais características

tesouro-selic-03

O Tesouro Selic apresenta sete características principais:

  • A remuneração se dá apenas no resgate ou na venda do título, com pagamento e liquidez em um dia útil (D+1).
  • O Tesouro Selic sofre a cobrança de Imposto de Renda conforme o tempo de aplicação, de menos de 180 dias (22,5%) a mais de 720 dias (15%).
  • Existe uma taxa fixa de custódia, anual, de 0,3% sobre o total da aplicação.
  • Há corretoras e bancos que cobram outras taxas além dessa mencionada acima para investimentos em Tesouro Direto.
  • O Tesouro Selic oferece rentabilidade levemente superior à Taxa Selic (antes de Imposto de Renda e da taxa de custódia).
  • O Tesouro Selic é o mais líquido dos títulos do Tesouro Direto, já que sofre menor volatilidade e garante rendimento positivo.
  • Essa aplicação sofre em tempos de redução da Taxa Selic, como no momento atual, em que a perspectiva a projeta em 8,5% até o fim do ano.

Rentabilidade

tesouro-selic-04

A rentabilidade do Tesouro Selic, como já adianta o nome, é atrelada à Taxa Selic.

Você já ouviu falar sobre esse termo, mas entende exatamente o que ele significa?

Selic se refere a “Sistema Especial de Liquidação e Custódia”.

Calma, você não vai precisar compreender o mecanismo de liquidação e custódia interbancárias.

Deve apenas entender como essa taxa afeta a sua vida de investidor.

Então, vamos lá: a taxa Selic são os juros básicos da economia, definidos pelo Comitê de Política Monetária do Banco Central.

Esse comitê tem reuniões periódicos para a definição de uma meta para a Selic.

Trata-se de uma ferramenta do governo para controlar o crédito e segurar a inflação ou impulsionar a economia, dependendo do cenário econômico e de suas projeções.

Certo, mas por que a Selic faz tanta diferença na vida do investidor?

Resumindo e simplificando bastante, essa é a taxa de juros que o governo topa pagar por títulos da dívida federal.

E são esses papéis (adquiridos em grande parte por instituições financeiras) que servem de base para as aplicações de renda fixa.

Assim, a Selic tem impacto direto nos juros da renda fixa, tanto nos títulos do Tesouro quanto em aplicações como LCA, LCI e CDB.

Na data de publicação desse texto, 03 de julho de 2017, a Selic se encontra em 10,25% ao ano. A perspectiva de mercado é de que o ano acabe com a Meta Selic estabelecida em 8,5%.

Estamos, portanto, em uma trajetória de queda da Selic, que vai resultar em rendimentos menores em toda a renda fixa na comparação com anos anteriores e vai levar gestores de fundos a ter que arriscar mais na renda variável para superar as metas.

Toda a renda fixa será impactada, mas o título que mais transparece a valorização da Selic é o Tesouro Selic.

Isso significa que você deve se manter longe dessa aplicação? Não.

Mas que você deve colocar nesse investimento apenas aqueles recursos que não podem ser alocados em aplicações mais longas e menos líquidas, como CDBs e LCIs/LCAs superiores a dois anos.

E não esqueça, ao verificar os rendimentos do Tesouro Direto, de que mesmo os títulos vinculados ao IPCA e os prefixados também usam como referência a Selic.

Na prática, você até pode encontrar brechas para obter rendimentos um pouco superiores, mas não vai conseguir fugir de uma queda de rentabilidade na renda fixa.

Com a Selic sofrendo tesouradas do Banco Central, a solução é procurar títulos bem mais longos e aplicar parte (bem pequena, no início) de seu patrimônio em renda variável, em fundos multimercados e de ações.

Para isso, não vá com muita sede ao pote: reserva algo entre 5% e 10% de seu portfólio. E lembre: esse capital investido em renda variável deve mirar o longo prazo (de preferência, mais de cinco anos).

Já aquela fatia maior de sua carteira terá que se contentar com rendimentos menores mas garantidos, para fazer seu dinheiro crescer de forma sustentável, sem acidentes de percurso.

Tesouro Selic e a Inflação

tesouro-selic-05

O Tesouro Selic é um título que não remunera o investidor de acordo com a inflação. Mas, em média, a Selic fica acima do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo, considerado a inflação oficial do Brasil).

Esta é uma premissa bastante importante em qualquer investimento: bater a inflação. Apenas aí é que se tem um ganho real.

Quando se diz que o Brasil tem um dos maiores juros reais do mundo, o significado é que o país apresenta um resultado amplamente favorável à Selic quando descontada a inflação.

Nos últimos anos, o valor anual acumulado do IPCA mais alto foi o de 2015: 10,67%.

Em 2016, já houve uma queda significativa: o ano fechou com o índice acumulado em 6,28%.

Em 2014, foi registrado acúmulo anual de 6,40%; em 2013, de 5,91%; em 2012, de 5,83% e, em 2011, de 6,50%.

Você pode enxergar melhor algumas dessas variações ao observar a tabela abaixo:

AnoAcumulado do ano
200212,53%
20039,30%
20047,60%
20055,69%
20063,14%
20074,45%
20085,90%
20094,31%
20105,90%
20116,50%
20125,83%
20135,91%
20146,40%
201510,67%
20166,28%

Fonte: IBGE

Neste ano, os últimos boletins Focus preveem inflação abaixo da meta, que é de 4,5% ao ano.

Considerando essa informação e os ajustes feitos pela equipe econômica, é consenso que o IPCA se mantenha dentro da meta nos próximos anos.

Já a Meta Selic tem previsão de encerrar o ano em 8,5% e se manter nesse patamar ou um pouco abaixo em 2018.

AnoAcumulado do ano
200219,21%
200323,47%
200416,38%
200519,13%
200614,91%
200712,04%
200812,45%
200910,13%
20109,90%
201111,76%
20128,62%
20138,29%
201410,96%
201513,47%
201614,18%

Fonte: Banco Central

Mesmo que os próximos anos tragam uma relação favorável à Selic na comparação com o IPCA, você pode querer se proteger da inflação no curto prazo, medida interessante que deve mirar em um outro título: o Tesouro IPCA.

Esse título, também disponível no Tesouro Direto, paga a variação do IPCA no período acrescido de um fixo anual.

Quando vale a pena investir?

tesouro-selic-06

O Tesouro Selic vale a pena em diversos momentos, e não apenas em períodos de elevação da Selic. Ele é mais recomendado para compor aquela reserva financeira de maior liquidez, que pode incluir também Fundos DI, CDBs com liquidez diária e LCIs/LCAs com prazo curto de vencimento.

Como investir em Tesouro Selic

Para investir em Tesouro Selic e outras aplicações interessantes em renda fixa, você deve antes se cadastrar em uma corretora ou banco de investimento.

Assim, você ganhará acesso ao sistema do Tesouro, no qual poderá negociar os títulos e obter os dados mais atualizados de cada um.

A melhor dica nessa hora é abrir a conta em uma instituição financeira sólida, com taxas atraentes, uma ótima assistência e sem custos para aplicação em Tesouro Direto.

Esse é o caso do BTG Pactual digital, que não cobrará taxas para investimentos em Tesouro Direto.

Além dessas facilidades, o banco de investimentos oferece alguns fundos da família Tesouro, que podem ser bastante interessantes e sobre os quais falaremos mais abaixo.

Venda antecipada

Para quem pensa em não segurar o título até o seu vencimento no Tesouro Direto, o mais recomendado é mirar no Tesouro Selic, que garante valorização sem a chance de ter prejuízo na negociação.

Já os títulos Prefixados e Tesouro IPCA têm volatilidade maior e, se negociados em momento errado, podem prejudicar bastante sua projeção de retorno.

Um título prefixado comprado em momento de queda da Selic, por exemplo, pode se desvalorizar bastante se vendido em momento de elevação da taxa de juros.

Na prática, o que acontece é que o título vai deixar de ser tão interessante quanto era na compra.

Mesmo assim, é possível evitar qualquer perda ao carregar o título até o vencimento, quando são pagos todos os rendimentos conforme o prometido.

Para trazer o valor de um título até o presente (ou seja, quanto ele vale hoje se você decidir negociá-lo), use a calculadora oferecida pela Cetip. Basta escolher o título, a taxa da compra e a data.

Com ela, você pode determinar se vale a pena vender seu título antes do prazo.

IOF

O IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) é um tributo razoavelmente assustador. Você vai entender ao analisar abaixo sua tabela, cuja alíquota se reduz conforme o tempo de aplicação, de um a 29 dias.

Veja a tabela do IOF, que vale para Tesouro Direto e outros investimentos:

Dias corridosIOF sobre o rendimentoDias corridosIOF sobre o rendimento
196%1646%
293%1743%
390%1840%
486%1936%
583%2033%
680%2130%
776%2226%
873%2323%
970%2420%
1066%2516%
1163%2613%
1260%2710%
1356%286%
1453%293%
1550%300%

Ei, 96% parece um exagero, não?

Bom, esse é um alerta importante: as aplicações se beneficiam de prazos mais longos, especialmente no que se refere aos tributos.

A seguir, vamos entender como é calculado o Imposto de Renda no Tesouro Selic.

Imposto de Renda

tesouro-selic-07

O Imposto do Tesouro Selic segue a tabela de renda fixa, cuja alíquota se reduz ao longo do tempo, de 22,5% a 15%.

Veja como é a tabela do Imposto de Renda:

Tempo de InvestimentoAlíquota do Imposto de Renda
Até 180 dias22,5%
De 181 dias a 365 dias20%
De 365 dias a 720 dias 17,5%
Acima de 720 dias 15%

Então, o ideal em investimentos com incidência de Imposto de Renda é que você possa esperar pelo menos dois anos antes de fazer o resgate, já que nesse momento a alíquota cai para seu patamar mais baixo, em 15%.

Só não esqueça que o IR incide apenas sobre o rendimento, e não sobre todo o título, ok?

Taxas

Há uma taxa no Tesouro Direto da qual você não vai escapar: a taxa de custódia, que é de 0,3% anual sobre o valor total de investimento.

Além dela, algumas corretoras e alguns bancos de investimento podem cobrar taxas extras, mas é cada vez mais raro que isso aconteça.

Por isso, é importante verificar antes de fazer o cadastro em uma instituição financeira. O BTG Pactual digital, por exemplo, não irá cobrar nada do investidor que optar em investir em Tesouro Direto.

Além disso, o BTG Pactual digital oferece uma opção bastante interessante de fundos de investimentos, sobre os quais falaremos agora.

Fundos de investimento da família tesouro no BTG Pactual

tesouro-selic-08

Existe um jeito mais simples de investir em Tesouro Direto. Que tal utilizar fundos de investimento com alta liquidez, sem a oscilação das vendas antecipadas dos títulos e com taxas reduzidas?

Essa é a proposta da família Tesouro, oferecida pelo BTG Pactual digital.

Esses fundos de investimento aplicam recursos dos cotistas em títulos do Tesouro com variados vencimentos e rendimentos, para obter o melhor retorno para cada perfil.

Com eles, em vez de pagar uma taxa de custódia anual de 0,3% no Tesouro Direto, você paga uma taxa de administração anual de 0,2%.

Existem quatro fundos dessa família: o IPCA Curto, o IPCA Longo, o IPCA Geral e o Tesouro Selic.

Ficou interessado? Então confira os detalhes sobre cada um abaixo. Para maiores informações, como enquadramento a perfil de risco e outros materiais desses fundos, consulte o site do BTG Pactual digital.

IPCA Curto

O fundo IPCA Curto busca rentabilidade atrelada ao IPCA e coloca os recursos dos cotistas em títulos Tesouro IPCA com prazo de até cinco anos.

É uma maneira acessível e prática proteger seus investimentos da inflação e com alta liquidez.

Liquidez financeira: D+1 (em um dia útil).

Investimento mínimo: R$ 3.000,00.

IPCA Longo

O fundo IPCA Longo mira a superação do índice IMA-B5+ e coloca a maior parte dos recursos dos cotistas em títulos Tesouro IPCA com prazos superiores a cinco anos.

Ele oferece a rentabilidade do Tesouro atrelada ao IPCA e serve para quem busca se blindar da inflação no longo prazo.

Liquidez financeira: D+2 (em dois dias úteis).

Investimento mínimo: R$ 3.000,00.

IPCA Geral

O fundo IPCA Geral busca proporcionar rentabilidade superior ao índice IMA-B, que representa o desempenho de uma carteira de títulos federais atrelados à inflação.

A alocação dos recursos se destina prioritariamente a títulos Tesouro IPCA com prazos variados. Serve para quem busca se proteger da inflação e alcançar bons rendimentos reais.

Liquidez financeira: D+2 (em dois dias úteis).

Investimento mínimo: R$ 3.000,00.

Tesouro Selic

O fundo BTG Pactual Tesouro Selic aplica em títulos Tesouro Selic, ou seja, na taxa de juros definida pelo Banco Central. É um fundo indicado para clientes de perfil conservador.

Liquidez financeira: D+0 (no mesmo dia).

Investimento mínimo: R$ 3.000,00.

É importante lembrar que esses fundos têm a incidência de um elemento de nome curioso, o “come-cotas”, que é o responsável pela antecipação do recolhimento do IR a cada seis meses.

Com ele, ocorre o pagamento da alíquota mínima, de 15% sobre o rendimento, no fim de maio e no fim de novembro. Ou seja, você não vai pagar o IR só lá no fim, no resgate.

Assim, o rendimento retirado por esse recolhimento deixa de ficar se valorizando. Em alguns casos, esse fator prejudica a rentabilidade final e deve ser devidamente dimensionado na hora da aplicação.

Por outro lado, os fundos apresentam facilidades e segurança que podem compensar a ocorrência do come-cotas.

Tesouro IPCA ou Selic?

tesouro-selic-09

A dúvida entre Tesouro IPCA e Tesouro Selic é bastante comum. A resposta depende principalmente daquele tópico em que falamos sobre a venda antecipada, lembra? Além disso, o investidor terá de analisar o produto para verificar se ele se encaixa em seu perfil.

Em momentos de queda da Selic, como o atual, o Tesouro IPCA oferece uma forma de investir no longo prazo com blindagem da inflação e um ganho real.

Mas, se você quiser vender o título antes do vencimento, corre o risco de perder dinheiro.

Nesse caso, especialmente se você está começando nesse universo de investimentos, o Tesouro Selic pode ser negociado sem esse prejuízo, em qualquer momento, pois não tem a mesma volatilidade.

Conclusão

tesouro-selic-10

O Tesouro Selic é uma opção bastante interessante de investimento em renda fixa.

Neste momento, de perspectiva de queda da Selic, ele deve ser encarado com cautela: vale mais como um aliado em termos de liquidez, como substituto da poupança, para garantir aquele colchão financeiro mais imediato, para emergências.

Parece terrível, mas a verdade é que toda a renda fixa sofrerá avarias na rentabilidade.

Para contornar essa situação, recorra a alternativas, como CDBs prefixados de longo prazo, LCIs e LCAs prefixadas e aplicadas atreladas ao IPCA, para se blindar de qualquer movimento adverso da inflação, como títulos Tesouro IPCA.

Gostou das dicas sobre o Tesouro Selic? Então conte com a assistência do BTG Pactual digital para dar seus primeiros passos nesse novo universo de renda fixa e fazer as melhores escolhas de curto, médio e longo prazo. Em breve, o BTG Pactual disponibilizará esse e outros produtos. Acompanhe nosso blog e nossas redes sociais para mais informações!

Posts relacionados

Deixe seu comentário 21

    1. Ivone, tudo bom?

      Você pode fazer investimentos no Tesouro Direto diretamente através da nossa plataforma, que é taxa zero, mas para isso você primeiro precisa abrir uma conta. Para abrir uma conta no BTG Pactual digital é bem simples e o processo é feito através aplicativo “BTG Pactual digital” ou do site:

      1) Entre no seguinte link: //www.btgpactualdigital.com
      2) Clique em “Abra Sua Conta Agora”
      3) Siga as instruções que você ver na tela

      No final do processo de criação de conta, você precisará enviar algumas imagens de seus documentos para que possamos fazer a verificação de segurança. Você tem a opção de fazer o envio dos documentos tanto pelo site quanto pelo nosso aplicativo “BTG Pactual digital”. Precisaremos dos seguintes documentos:

      • RG ou CNH completos e válidos
      • Comprovante de residência dos últimos seis meses
      • Ficha cadastral, apenas se essa for feita através do site

      Quando sua conta for aprovada, um dos nossos assessores de investimento entrará em contato para lhe ajudar com o processo de investimentos no Tesouro Direto. Qualquer dúvida, também estamos à disposição para te ajudar por meio dos nossos canais de atendimento: (011) 3383-2222 ou atendimento@btgpactualdigital.com.

  1. Excelente conteúdo – completo, detalhado, não muito rebuscado, profundo ou técnico demais para iniciantes. Continuem assim!

    1. Olá, Jessica, tudo bom? No caso dos títulos do Tesouro Selic, o governo se compromete a recomprar o título, no atual valor de mercado (que no caso do Tesouro Selic tende a oscilar muito pouco), garantindo uma liquidez quase diária, e a incidência do imposto de renda segue a tabela regressiva, começando em 22,5% nos 6 primeiros meses e depois caindo para 20%, 17,5% e 15%. Qualquer dúvida, também estamos à disposição para te ajudar por meio dos nossos canais de atendimento: (011) 3383-2222 ou atendimento@btgpactualdigital.com.

  2. Prezados Srs. Gostaria de saber, se é possível investir uma quantia x, e render, a ponto de poder retirar outra quantia x mensalmente sem prejudicar o rendimento da conta?

  3. Tenho um valor para aplicar e vou precisar retirá-lo mais ou menos de três a quatro meses. qual seria o melhor investimento?

    1. Oi, Luciano. Tudo bem? Como podemos te ajudar? Já conseguiu abrir a sua conta?

  4. Tenho um investimento hoje em VGBL que alem do capital já aplicado faço depositos mensais. Se eu mudar para tesouro selic ainda poderei realizar depósitos mensais? Quero resgatar somente daqui a 230 meses é possível?

    1. Olá, Hebert,

      Sim, é possível fazer depósitos mensais no Tesouro Selic sem problemas.

      Muito obrigado!

  5. Boa tarde, nunca investi nada mas como moro de aluguel hoje e penso em ter meu imóvel no futuro, tava vendo alguns videos na net pra entender e vi que alguns dizem que da pra começar a investir com 30 reais, isso é verdade?
    no caso minha ideia seria depósitos mensais pois a ideia seria resgatar daqui a 30 ou 33 anos
    como faço?
    uma outra duvida, caso eu invista um valor sou obrigado a depositar todo mes ou seria quase como uma poupança onde posso depositar quando eu tiver?

    1. Oi, Ismael!

      Sim, com apenas R$ 30 é possível já é possível investir em Tesouro Direto. A periodicidade desses investimentos fica totalmente a seu critério, sem nenhuma obrigação.

      Muito obrigado!

  6. Conteúdo bem didático e de fácil entendimento, perfeito para iniciantes como eu para entender um pouco do mundo dos investimentos.

  7. Olá,
    gostaria de saber se o tesouro selic permite aportes mensais em um mesmo título.

    Grato desde já
    Lucas

    1. Lucas, tudo bem?

      Sim, enquanto o título for oferecido pelo Tesouro Direto é possível fazer aportes periódicos nele.

      Muito obrigado!

    1. Jucelia, tudo bem?

      Nossa equipe vai entrar em contato para ajudá-la em seus investimentos!

      Obrigado

Você está a um passo para investir com mais segurança e tranquilidade.
Crie sua conta agora


Preencha com seu nome

Preencha com seu e-mail

Preencha com seu telefone

Está com dúvidas? Entre em contato com a gente!

ENTRE EM CONTATO

O Grupo BTG Pactual (“BTG Pactual”) não fornece opiniões jurídicas ou tributárias. Sendo assim, essa apresentação não constitui aconselhamento legal de qualquer natureza. Essa apresentação é um breve resumo de cunho meramente informativo, não configurando análise de valores mobiliários nos termos da Instrução CVM Nº 598, de 03 de maio de 2018, e não tendo como objetivo a consultoria, oferta, solicitação de oferta e/ou recomendação para a compra ou venda de qualquer investimento e/ou produto específico. Embora as informações e opiniões expressas aqui tenham sido obtidas de fontes confiáveis e fidedignas, nenhuma garantia ou responsabilidade, expressa ou implícita é feita a respeito da exatidão, fidelidade e/ou totalidade das informações. Todas as informações, opiniões e valores eventualmente indicados estão sujeitos à alteração sem prévio aviso. Ressaltamos também, que as opiniões expressas neste material refletem a opinião do respectivo profissional convidado e não necessariamente expressam a opinião do BTG Pactual, não devendo ser tratadas como tal. As informações contidas nesta apresentação não podem ser consideradas como única fonte de informações no processo decisório do investidor, que, antes de tomar qualquer decisão, deverá realizar uma avaliação minuciosa do produto e respectivos riscos, face aos seus objetivos pessoais e ao seu perfil de risco ("Suitability"). Para maiores informações, acesse www.btgpactualdigital.com

Os riscos da operação com títulos de renda fixa (CDB, LCI e LCA) estão na capacidade de o emissor honrar a dívida; na impossibilidade de venda do título ou na ausência de investidores interessados em adquiri-lo; e na possibilidade de variação da taxa de juros e dos indexadores. É importante a adequada compreensão da natureza, forma de rentabilidade e riscos dos títulos de renda fixa antes da sua aquisição. CDB, LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante a devolução do principal investido acrescido de juros referente a rendimentos, na hipótese da incapacidade de pagamento da instituição financeira, de até R$ 250 mil reais por CPF e por instituição financeira, considerando o limite de garantia de R$ 1 milhão para cada período de quatro anos.

FUNDOS DE INVESTIMENTO NÃO CONTAM COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA. E recomendada a leitura cuidadosa do Formulário de Informações Complementares e Regulamento do Fundo de Investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos.

Ressaltamos que as opiniões e projeções referente COE, aqui apresentadas representam a opinião da área Structured Products do BTG Pactual, mas não necessariamente a opinião institucional do BTG Pactual, podendo o BTG Pactual, suas subsidiárias e/ou seus empregados podem, eventualmente, possuir uma posição comprada ou vendida, atuar em nome próprio e/ou como coordenador ou agente em operações envolvendo ações ou demais investimentos relevantes. COE NÃO CONTA COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA.

Os regulamentos completos dos Planos de Previdência da BTG Pactual Vida e Previdência S/A deverão ser lidos previamente a sua contratação. Os direitos e obrigações das partes estão definidos na Proposta e nos Regulamentos do plano contratado. É recomendada a leitura cuidadosa do regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. O registro do plano na Susep não implica, por parte da autarquia, incentivo ou recomendação de comercialização. O Participante/Segurado poderá consultar a situação cadastral de seu corretor de seguros no site www.susep.gov.br, por meio do número de seu registro na Susep, nome completo, CNPJ ou CPF. BTG Pactual Vida e Previdência S/A - CNPJ: 19.449.767/0001-20. Processos SUSEP PGBL: 15414.901924/2014-44 e VGBL: 15414.901922/2014-55.

Fundos de investimento não contam com garantia do administrador do fundo, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do fundo garantidor de créditos FGC. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de rentabilidade futura. É recomendada a leitura cuidadosa do prospecto e regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. Os investidores devem estar preparados para aceitar os riscos inerentes aos diversos mercados em que os fundos atuam e, consequentemente, possíveis variações no patrimônio investido. Os produtos e serviços aqui mencionados podem não estar disponíveis em todas as jurisdições ou para determinadas categorias de investidores. Adicionalmente, a legislação e regulamentação de proteção a investidores de determinadas jurisdições/países, pode não se aplicar a produtos e serviços registrados em outras jurisdições/países, sujeitos à legislação e regulamentação respectivamente aplicáveis, além de previsões contratuais específicas.

Anbima Anbima