O aluguel de ações ainda é uma atividade pouco conhecida por alguns investidores. Ela permite que você empreste os seus papéis em troca de uma taxa.

Então ela pode ser uma forma de aumentar a rentabilidade da sua carteira. Já para o locatário, esta é uma oportunidade de investimento.

Sob uma visão macro, a operação tem como objetivo uma relação de ganha-ganha, principalmente para quem empresta os ativos.

Antes de optar pelo aluguel de ações, você precisa conhecer como funciona essa atividade, os compromissos de cada parte e os riscos envolvidos.

Quer saber mais? Então continue lendo esse artigo. Hoje, vamos tirar as suas dúvidas sobre a operação através das seguintes questões:

  • O que é o aluguel de ações?
  • Como funciona o aluguel de ações?
  • A quem o empréstimo de ações se destina?
  • Quais são os custos operacionais envolvidos no aluguel de ações?
  • Quais são os proventos e os tipos de operações existentes?
  • Quais são os riscos oferecidos pelo aluguel de ações?
  • Quais são os prazos de locação?
  • Como ocorre a liquidação financeira?
  • Qual é a remuneração do aluguel de ações?
  • Quais são os direitos e os deveres das partes envolvidas?
  • Como descobrir o seu perfil de investidor?

 

O que é aluguel de ações?

Aluguel de ações - 2

O aluguel de ações é uma operação composta por duas partes: doador e o tomador.

O primeiro é o investidor que é proprietário dos papéis. Já o segundo, é a pessoa que toma o empréstimo.

Basicamente, o acordo deve ter uma remuneração, garantia e prazos específicos. Os ativos que podem ser alugados atualmente são:

Para a segurança dos envolvidos, a BM&FBOVESPA atua como administradora do serviço e contraparte central de todas as operações..

 

Como funciona o aluguel de ações?

Aluguel de ações - 3

O funcionamento do aluguel de ações é semelhante ao processo de alugar uma casa ou um equipamento, por exemplo.

O doador precisa informar à corretora sobre o seu interesse em alugar os seus papéis, com a definição da quantidade, remuneração e prazo.

Se você quer participar como tomador, é necessário ter a garantia exigida pela corretora. .

Essa garantia pode ser composta por ativos como,  títulos do Tesouro Direto, CDBs, LCI/LCA e inclusive outras ações..

O objetivo é garantir que você terá capital suficiente para cobrir a liquidação na data do vencimento do contrato. Depois do depósito do valor, você já está apto a alugar as ações.

A partir daqui, a instituição mediadora tem a função de ligar as duas partes do acordo.

Na efetivação, ocorre a transferência das ações do doador para o tomador até o prazo estipulado.

 

A quem o empréstimo de ações se destina?

Aluguel de ações - 4

O empréstimo de ações é um serviço que pode ser utilizado pelos investidores em geral: pessoa física e jurídica.

As instituições financeiras também são permitidas, porém, há algumas restrições legais que devem ser cumpridas.

 

Quais são os custos operacionais envolvidos no aluguel de ações?

Aluguel de ações - 5

Para alugar as suas ações, você precisa conhecer os custos operacionais envolvidos.

Se você entrar como locatário dos papéis, esse fator deve ser bem analisado, porque as taxas muito altas podem inviabilizar a operação.

Em ambos casos, as despesas influenciam nos rendimentos obtidos perante o acordo. Veja como funciona em cada uma das partes:

 

Para o doador

O doador das ações não tem o custo!

 

Para o tomador

Para o tomador existe, a taxa de registro da BM&F Bovespa. Ela corresponde a 0,25% ao ano sobre o valor total negociado, com o mínimo de R$ 10,00.

A instituição financeira faz a mediação da operação. Geralmente esse custo é variável de acordo com o volume do contrato em questão, com um valor mínimo definido por cada instituição.

Além destes, há a taxa de corretagem. O objetivo dela é levar a sua ordem de venda da corretora ou banco até a bolsa de valores.

Então o preço é determinado pela instituição financeira. Por fim, temos os emolumentos, que servem para efetivar as negociações realizadas.

 

 Proventos e tipos de operações

Aluguel de ações - 6

O aluguel de ações é um serviço que costuma gerar dúvidas, principalmente em relação aos proventos (dividendos e juros sobre capital próprio).

Neste caso, eles são recebidos apenas pelo doador da mesma forma que ocorria antes da operação.

Para as bonificações, os valores são corrigidos e repassados apenas na data de liquidação.

Outra dúvida frequente está relacionada aos tipos de operações que o tomador pode fazer com os papéis alugados. Veja quais são elas:

  • Utilizar como margem de garantia para operar no Mercado Futuro
  • Ter como cobertura ao lançar Opções de compra (call)
  • Vender os papéis no mercado à vista
  • Utilizar os ativos na liquidação das operações do mercado à vista

Riscos do aluguel de ações

Agora que você já sabe o que é o aluguel de ações e como esse serviço funciona, chegou a hora de conhecer os riscos oferecidos para as duas partes.

Assim fica mais fácil decidir a posição ideal, entre doador e tomador, que deve ser assumida em relação às suas estratégias de ganhos na renda variável.

Conheça agora os riscos que você pode correr em cada um dos lados da operação:

 

Doador

Os riscos associados à locação das ações são baixos, pois, todas os trâmites são realizados pela B3.

Caso o tomador não pague os aluguéis acertados ou atrase a liquidação, você receberá a garantia oferecida por ele no contrato e também a devolução dos seus papéis.

 

Tomador

O tomador de ações corre riscos mais elevados que o doador. O primeiro deles é a atualização diária das garantias exigidas.

Caso seja exigido um novo valor de margem (Seja pela B3 ou pela Corretora) e você não tiver capital suficiente, há a possibilidade de se ver obrigado a reduzir a operação, ou até encerrá-la.

 

Prazos de locação

Um dos pontos que deve ser determinado no aluguel de ações é o prazo de locação.

Esta é uma função do doador, que por sua vez, tem o direito de estabelecer a data mais conveniente aos seus objetivos.

Geralmente, os contratos giram em torno de alguns meses. Então não há período de vigência mínimo e máximo.

Liquidação financeira

Aluguel de ações - 8

A liquidação financeira ocorre quando o tomador não consegue comprar as ações alugadas de volta e precisa ressarcir o doador.

Então a etapa consiste em pagar em dinheiro pelos papéis do contrato. O cálculo do valor é feito através da seguinte equação:

Onde:

Aluguel de ações - 9

LF: taxa de liquidação a ser paga em reais

Q: quantidade de ativos

C: cotação do ativo-alvo estabelecido no contrato

i: taxa de liquidação do empréstimo baseada na quantidade de dias úteis do ano

n: número de dias entre o início e o fim do contrato

Tributação

Na liquidação, há a cobrança do Imposto de Renda (IR). A alíquota repassada para o doador é a mesma da renda fixa e incide sobre os aluguéis recebidos.

Acompanhe a tabela abaixo:

 

Prazo Alíquota (%)
Até 180 dias 22,5
De 181 a 360 dias 20,0
De 361 a 720 dias 17,5
Acima de 720 dias 15,0

Tabela da alíquota do Imposto de Renda que incide sobre os aluguéis – Fonte: Receita Federal

 

Para o tomador de ações, a tributação é diferente. O IR é cobrado apenas sobre os rendimentos da operação com os ativos alugados.

 

Remuneração

A remuneração do aluguel de ações é estabelecido pelo doador. Geralmente, ela é um percentual sobre o valor total do ativo-alvo.

Entenda melhor através deste exemplo: você quer alugar 1.000 papéis de ITUB4 com taxa de 2,0% ao ano. No contrato, há a determinação do preço de ITUB4, que é de R$ 38,00 cada.

Assim, o aluguel que você receberá é R$ 760,00 por ano. Se o acordo for de seis meses, então o valor bruto total será R$ 380,00.

Note que o percentual é repassado de forma proporcional ao tempo de vigência do contrato. Outro ponto importante é a cotação do ativo-alvo.

Ele é fixado no contrato e serve como referência para a remuneração. Caso ele sofra alta ou queda, não há alteração do preço do aluguel recebido.

 

Vantagens do Aluguel de Ações

O aluguel de ações pode ser um serviço vantajoso para os participantes, pois, ele permite que cada um realize os seus objetivos na bolsa de valores.

Veja quais são os pontos positivos:

 

Para o doador

O doador é a parte mais beneficiada do acordo do aluguel de ações. A principal vantagem é o recebimento dos aluguéis que incrementa os rendimentos da carteira.

Se você está investindo para o longo prazo, esta pode ser uma boa opção para ter mais rentabilidade e manter a mesma composição por um período maior.

Além disso, você continua a receber os benefícios pagos pelos papéis. Então são duas fontes de renda extra para aumentar os seus rendimentos.

 

Para o tomador

Ao alugar ações, você pode ganhar dinheiro na bolsa de valores através da venda com preço maior e compra em cotações mais baixas.

Essa estratégia é chamada de venda a descoberto e costuma ser utilizada pelos especuladores, principalmente antes da devolução dos papéis ao doador.

Outra vantagem é a utilização do aluguel de ações na estratégia long and short.

Basicamente, ela consiste em dois ativos, em que um é o long, onde se compra o ativo e se espera a valorização e o short, que é o lado vendido e o papel alugado, no qual, a expectativa é a queda.

A lucratividade da estratégia vem da diferença entre as cotações destes dois ativos. Quanto maior ela for, mais retorno para a sua carteira.

Quais direitos e os deveres das partes envolvidas?

Aluguel de ações - 11

Assim como todos os contratos de locação, o de aluguel de ações também possui direitos e deveres que devem ser conhecidos e seguidos pelas partes envolvidas.

Desta forma, a vigência poderá trazer benefícios para ambos, além de evitar problemas relacionados à falta de informação.

Diante de qualquer descumprimento, a BM&FBovespa tomará as medidas cabíveis para minimizar os efeitos causados.

Conheça agora os direitos e deveres do doador e do tomador:

 

Direitos do doador

  • Receber os aluguéis dos ativos estabelecidos no contrato
  • Continuar a ser remunerado pelos proventos dos papéis

Deveres do doador

  • Não negociar as ações emprestadas
  • Transferência do direito do voto nas assembleias para o tomador durante a vigência do contrato

Direitos do tomador

  • Vender as ações sob a cotação e período desejados sem qualquer influência do doador
  • Exercer o poder de voto nas assembleias, no caso do aluguel de ações ordinárias

Deveres do tomador

  • Pagar a taxa de aluguel determinada no contrato
  • Devolver os ativos alugados na mesma quantidade. Lembre-se que a liquidação leva três dias úteis, então você precisa fazer a compra com esse prazo de antecedência
  • Oferecer a garantia exigida pela BM&F Bovespa e Corretora

 

Descubra seu perfil de investidor

Aluguel de ações - 12

O aluguel de ações é uma forma de operar no mercado renda variável. Apesar do serviço oferecer baixo risco, esse tipo de operação pode ser arriscada se você está operando como tomador do aluguel, uma vez que está sujeito às oscilações do ativo no mercado.

Por outro lado, o doador mantém a exposição em bolsa, portanto, as oscilações e possibilidades de perdas permanecem.

Então o aluguel de ações costuma ser indicado para investidores que aceitem assumir riscos e tenham conhecimento sobre essa forma de operar.

Antes de utilizar a operação, o primeiro passo é conhecer o seu perfil de investidor. Ele determina a sua tolerância aos riscos e as aplicações recomendadas para a sua carteira.

Aqui no BTG, disponibilizamos o nosso Simulador de Investimentos. Basta preencher os seus dados pessoais, informar o seu principal objetivo como investidor e responder algumas perguntas relacionadas ao mundo dos investimentos.

 

Invista com o BTG Pactual digital

Aluguel de ações - 13

O BTG Pactual já possui mais de trinta anos de tradição. Aqui, prezamos pela excelência na gestão de investimentos.

Veja como é simples abrir a sua conta:

  1. Acesse o site do BTG Pactual digital e preencha com os seus dados pessoais. Envie também as fotos do seu RG, comprovante de residência e uma selfie.
  2. Recebeu o nosso retorno por email? Então o próximo passo é transferir o dinheiro que você deseja investir para a sua conta do BTG Pactual.
  3. Ao montar a sua carteira de investimentos, consulte um dos nossos assessores especializados. Eles vão auxiliar você na sua tomada das decisões mais adequadas.
  4. Acompanhe as suas posições e o desempenho dos seus investimentos a qualquer instante por meio do aplicativo do BTG Pactual.
  5. Você também receberá os relatórios completos com os resultados de todas as suas aplicações.

Conclusão

Aluguel de ações - 14

O aluguel de ações é um contrato entre dois investidores que tem como objetivo uma relação de ganhos para as duas partes.

Eles são conhecidos como doador e tomador. O primeiro oferece os seus ativos em troca de uma remuneração fixa. Em contrapartida, não pode negociá-los até a data do vencimento.

Já o segundo, utiliza o aluguel de ações com forma apostar na queda de um ativo..

A negociação pode ser utilizada na especulação ou em estratégias mais avançadas como, o long and short.

As ações devem ser devolvidas ao doador até a data do vencimento. Caso contrário, ele tem direito a receber a garantia oferecida ou o pagamento em dinheiro.

Continue aprendendo a investir com estes outros artigos do nosso blog:

Esse serviço pode ser muito vantajoso para os investidores que aplicam em renda variável com foco no longo prazo.

O valor do aluguel gera uma renda extra. Além disso, os proventos continuam a ser repassados.

Para a posição de tomador, o ideal é ter mais experiência no mercado financeiro ou perfil arrojado. Assim, a possibilidade de fazer operações bem-sucedidas é maior.

Então para saber se o aluguel de ações é indicado para você e também a sua posição no contrato, é necessário conhecer o seu perfil de investidor.

A dica é utilizar o nosso Simulador de Investimentos. Em poucos minutos, a resposta chega diretamente no seu e-mail e você fica sabendo quais são as aplicações ideais para o seu portfólio. Aproveite e faça o teste agora mesmo!

Gostou de aprender sobre o aluguel de ações? Então deixe o seu comentário.

 

Obrigado por ler até aqui!

Deixe seu comentário 0

Você está a um passo para investir com mais segurança e tranquilidade.
Crie sua conta agora


Preencha com seu nome

Preencha com seu e-mail

Preencha com seu telefone

Está com dúvidas? Entre em contato com a gente!

ENTRE EM CONTATO

O Grupo BTG Pactual (“BTG Pactual”) não fornece opiniões jurídicas ou tributárias. Sendo assim, essa apresentação não constitui aconselhamento legal de qualquer natureza. Essa apresentação é um breve resumo de cunho meramente informativo, não configurando análise de valores mobiliários nos termos da Instrução CVM Nº 598, de 03 de maio de 2018, e não tendo como objetivo a consultoria, oferta, solicitação de oferta e/ou recomendação para a compra ou venda de qualquer investimento e/ou produto específico. Embora as informações e opiniões expressas aqui tenham sido obtidas de fontes confiáveis e fidedignas, nenhuma garantia ou responsabilidade, expressa ou implícita é feita a respeito da exatidão, fidelidade e/ou totalidade das informações. Todas as informações, opiniões e valores eventualmente indicados estão sujeitos à alteração sem prévio aviso. Ressaltamos também, que as opiniões expressas neste material refletem a opinião do respectivo profissional convidado e não necessariamente expressam a opinião do BTG Pactual, não devendo ser tratadas como tal. As informações contidas nesta apresentação não podem ser consideradas como única fonte de informações no processo decisório do investidor, que, antes de tomar qualquer decisão, deverá realizar uma avaliação minuciosa do produto e respectivos riscos, face aos seus objetivos pessoais e ao seu perfil de risco ("Suitability"). Para maiores informações, acesse www.btgpactualdigital.com

Os riscos da operação com títulos de renda fixa (CDB, LCI e LCA) estão na capacidade de o emissor honrar a dívida; na impossibilidade de venda do título ou na ausência de investidores interessados em adquiri-lo; e na possibilidade de variação da taxa de juros e dos indexadores. É importante a adequada compreensão da natureza, forma de rentabilidade e riscos dos títulos de renda fixa antes da sua aquisição. CDB, LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante a devolução do principal investido acrescido de juros referente a rendimentos, na hipótese da incapacidade de pagamento da instituição financeira, de até R$ 250 mil reais por CPF e por instituição financeira, considerando o limite de garantia de R$ 1 milhão para cada período de quatro anos.

FUNDOS DE INVESTIMENTO NÃO CONTAM COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA. E recomendada a leitura cuidadosa do Formulário de Informações Complementares e Regulamento do Fundo de Investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos.

Ressaltamos que as opiniões e projeções referente COE, aqui apresentadas representam a opinião da área Structured Products do BTG Pactual, mas não necessariamente a opinião institucional do BTG Pactual, podendo o BTG Pactual, suas subsidiárias e/ou seus empregados podem, eventualmente, possuir uma posição comprada ou vendida, atuar em nome próprio e/ou como coordenador ou agente em operações envolvendo ações ou demais investimentos relevantes. COE NÃO CONTA COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA.

Os regulamentos completos dos Planos de Previdência da BTG Pactual Vida e Previdência S/A deverão ser lidos previamente a sua contratação. Os direitos e obrigações das partes estão definidos na Proposta e nos Regulamentos do plano contratado. É recomendada a leitura cuidadosa do regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. O registro do plano na Susep não implica, por parte da autarquia, incentivo ou recomendação de comercialização. O Participante/Segurado poderá consultar a situação cadastral de seu corretor de seguros no site www.susep.gov.br, por meio do número de seu registro na Susep, nome completo, CNPJ ou CPF. BTG Pactual Vida e Previdência S/A - CNPJ: 19.449.767/0001-20. Processos SUSEP PGBL: 15414.901924/2014-44 e VGBL: 15414.901922/2014-55.

Fundos de investimento não contam com garantia do administrador do fundo, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do fundo garantidor de créditos FGC. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de rentabilidade futura. É recomendada a leitura cuidadosa do prospecto e regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. Os investidores devem estar preparados para aceitar os riscos inerentes aos diversos mercados em que os fundos atuam e, consequentemente, possíveis variações no patrimônio investido. Os produtos e serviços aqui mencionados podem não estar disponíveis em todas as jurisdições ou para determinadas categorias de investidores. Adicionalmente, a legislação e regulamentação de proteção a investidores de determinadas jurisdições/países, pode não se aplicar a produtos e serviços registrados em outras jurisdições/países, sujeitos à legislação e regulamentação respectivamente aplicáveis, além de previsões contratuais específicas.

Anbima Anbima