O que é Mercado de Ações, como funciona, como investir e vantagens

Investir no mercado de ações não é privilégio de poucos.

Se você quer alcançar maiores rentabilidades, basta ampliar seu conhecimento para entrar no mundo da renda variável.

Você vai ver neste artigo que o mercado de ações para iniciantes tem muito mais de oportunidade do que de ciladas.

Mas, é claro, é preciso que esse tipo de operação atenda ao seu perfil de investidor e aos seus objetivos financeiros, como acontece com qualquer aplicação financeira.

Então, faça deste texto um início da sua incursão pelo mercado de ações.

Você vai conferir a partir de agora como ele funciona, quais suas vantagens, riscos, custos envolvidos e possibilidades de ganhar dinheiro.

Mas antes de explicar o mercado de ações, é preciso estar ciente sobre o próprio conceito de ação.

Talvez você já saiba, mas não custa relembrar rapidamente.

Ação é um título que pode ser negociado e que representa uma pequena parcela de uma empresa.

Ao comprar uma ação, você se torna dono de uma parte da companhia, junto com todas as outras pessoas (físicas ou jurídicas) que detêm ações dela.

Simples, não é mesmo?

Interessado em saber o que é mercado de ações no Brasil e como fazer para investir nele?

Então, siga a leitura!

O que é mercado de ações?

O mercado de ações é o ambiente no qual empresas de capital aberto negociam frações de seu patrimônio. Em geral, as operações de compra e venda acontecem em uma bolsa de valores, mas também podem ocorrer em mercados de balcão.

Você já deve ter visto no noticiário como o mercado financeiro se movimenta.

A repercussão dos movimentos político e econômico de um governo, seja do Brasil ou de qualquer país relevante na economia mundial, ou mesmo de alguma empresa importante no cenário internacional, é normalmente medida pela reação das bolsas de valores.

É neste ambiente em que são negociadas as ações das empresas de capital aberto, aquelas que abrem para qualquer interessado a possibilidade de compra de uma fração da companhia em questão.

O cenário do mercado de ações é um tanto complexo, de maior risco, mas também de maiores possibilidades de lucro ao investidor.

Aos poucos, vai ganhando espaço em um ambiente dominado pela segurança proporcionada pelas aplicações em renda fixa, como é comum ao mercado brasileiro.

O mercado de ações não tem a simplicidade de regras da caderneta de poupança, mas também não é o bicho papão imaginado por tantos interessados em investir.

Ele é cheio de altos e baixos, mas, na prática, com um pouco de conhecimento sobre as suas regras, pode com toda a certeza reverter em bons lucros com um risco até certo ponto controlado.

São muitos os mitos e ideias equivocadas sobre o mercado de ações que ainda estão na mente do público em geral.

Mas ao entender sobre o seu funcionamento, fica mais fácil dar o destino certo ao seu dinheiro.

Como funciona?

O mercado de ações funciona como uma feira. No entanto, em vez de mercadorias, as empresas vendem suas ações, também conhecidos como “papéis”.

Ou seja, negociam uma pequena fração do seu patrimônio.

Assim, quanto maior o interesse dos compradores, mais dinheiro elas arrecadam e mais elas se valorizam.

Ao comprar um lote de ações de uma empresa, o investidor acredita que aqueles papéis irão se valorizar e que, dessa forma, irá obter lucratividade com sua aplicação.

Se a avaliação for de que o valor atingiu um patamar adequado ou que atingiu o seu objetivo de investimento, o interessado pode vender as ações.

Essa negociação acontece prioritariamente na bolsa de valores.

No Brasil, existe a B3, combinação entre a BM&FBovespa e a Cetip.

É interessante observar que os valores das ações mudam a todo momento, sendo definidos pelas transações (compra e venda) que estão ocorrendo durante o pregão.

Outra questão importante é sobre o papel do dono da ação.

Ao comprar uma pequena parcela de uma companhia, o interessado não precisará participar de decisões sobre a gestão da empresa, nem terá dívidas em caso de falência.

Isso evita que o risco que já é inerente ao investimento ultrapasse os seus próprios limites.

De modo geral, os valores das ações são afetados por uma série de acontecimentos políticos e econômicos, nacionais e internacionais.

Ou seja, você pode tanto ganhar um bom dinheiro quanto ter perdas consideráveis.

Por este motivo, investir no mercado acionário é recomendado para aquele investidor que fuja do padrão conservador, pois ele terá que lidar com uma série de oscilações.

Controlar os nervos é fundamental para tomar as melhores decisões.

Ter estômago forte é recomendável para suportar grandes perdas momentâneas.

Objetivos do mercado de ações

Embora o investidor possa perder ou ganhar muito dinheiro no mercado de ações, como já destacamos, o seu objetivo não está relacionado a essa volatilidade, salvo para aqueles investidores que busquem retornos em operações de curto prazo, como, por exemplo, day trades.

Ela é uma característica marcante em títulos de renda variável, mas a compra e venda de ações cumpre funções diferentes para a economia, para as empresas de capital aberto e para os próprios investidores.

Vamos entender melhor?

Para a empresa

A oferta de papéis no mercado de ações é uma forma de a empresa se capitalizar, ou seja, levantar recursos para realizar investimentos e expansões.

Assim, a companhia cria as condições para crescer, produzir mais, gerar renda e assim tornar-se mais atrativa para investidores.

É um ciclo virtuoso.

Para os investidores

O mercado possibilita que o investidor obtenha o melhor de um negócio – lucro e rentabilidade – sem participar da burocracia – administração e gestão.

Para a economia

Como explicamos no início, a repercussão de uma decisão econômica geralmente é medida pelo movimento do mercado de ações, da bolsa de valores.

Ao analisar os movimentos de compra e venda das ações das empresas mais importantes, é possível avaliar a evolução da economia de um país.

Se as principais empresas vão mal, esse é um indicativo que se transfere ao país como um todo. O mesmo acontece quando elas vão bem.

Como investir em ações

Há, basicamente, quatro formas diferentes de você investir em ações: por fundos, ETFs (Exchange Traded Funds – os Fundos de Investimento em Índice de Mercado), clubes de investimentos ou individualmente, montando a própria carteira.

Vamos saber mais sobre elas?

FIA

Os Fundos de Investimentos em Ações representam uma das portas de entrada nesse mercado.

Esse é um produto que reúne o dinheiro de diversos investidores (cotistas) para contratar um gestor que cuide da verba ali investida.

Esse administrador será responsável por procurar os melhores negócios e alternativas de rentabilidade, visando a garantir os ganhos de seus cotistas no mercado financeiro.

Contar com um especialista é um das principais vantagens desta modalidade.

Fundo de ações

Como explicamos anteriormente, um fundo de investimento é um produto que reúne o dinheiro de diversos investidores (cotistas) para contratar um gestor que cuide da verba.

É uma forma de investimento que permite a aplicação do seu dinheiro em diferentes produtos.

Além disso, eles possuem variados graus de rentabilidade e risco (diversificação de investimentos), sem necessariamente ter que desembolsar valores muito elevados.

Em um Fundo de Investimento em Ações, ou FIA, ocorre o mesmo processo.

Mas a verba dos cotistas é destinada especialmente a negociações na bolsa de valores (pelo menos 67% dos seus ativos devem ser ações).

Os investidores que aplicam nesses fundos têm por objetivo diversificar sua carteira para ficarem menos suscetíveis às variações de preços de ações específicas, já que o gestor do fundo irá acompanhar o mercado.

O FIA tem como principal fator de risco a variação de cotações de ações, admitidas à negociação em mercados organizados.

Antes de aplicar no FIA, é fundamental se informar bem sobre as regras de investimento atreladas a ele.

Em síntese, a principal diferença entre investir em ações e investir em um fundo de ações é que, no primeiro caso, é o cliente quem vai comprar e vender papéis específicos, administrando a própria carteira de investimentos.

No segundo caso, essa tarefa ficará a cargo de uma equipe de especialistas da corretora ou do banco.

Clubes de Investimentos

Os clubes de investimentos são grupos fechados de investidores com um número determinado de participantes.

Neles, o custo de corretagem, a  custódia e a taxa de administração (valor cobrado pela instituição custodiante) são diluídos entre os participantes.

ETFS

As Exchange Traded Funds são Fundos de Investimento em Índice de Mercado.

Por meio delas, o interessado pode comprar uma variedade maior de papéis de uma só vez, pois ao adquirir uma cota, é como se o investidor comprasse uma fração de várias ações.

É o caso de BOVA11, que replica o Ibovespa, aquele índice que reúne as ações mais negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo.

Essa é uma maneira de diversificar bastante a sua carteira de uma vez, pagando apenas taxa de corretagem e emolumentos.

Busque conhecimento

Buscar conhecimento é uma etapa importante para quem quer entrar de vez no mercado de ações.

Tradicionalmente, para a grande maioria dos brasileiros, a caderneta de poupança ainda representa o principal entendimento quando o assunto é finanças e investimentos.

Só que ela ficou muito para trás e vem perdendo até mesmo para a inflação nos últimos anos.

Além disso, com a queda da Taxa Selic para menos de 7% ao ano, a poupança se torna ainda menos atrativa.

Para investir em ações, não é necessário nenhum título acadêmico importante, mas é recomendável que o interessado estude sobre o mundo em que está se aventurando.

Hoje, existem diversos sites e aplicativos de celular que auxiliam a obter mais conhecimento sobre o tema.

Se quer entrar no mercado de ações e se dar bem, dedique-se a isso.

Busque um número grande de fontes na internet, compare as informações e converse também com quem está na mesma leva de interesse – pode ser um amigo, colega ou parente.

Conheça seu perfil de investidor

Conhecer o perfil de investidor é fundamental para definir se as melhores aplicações serão modalidades de renda fixa, em que há maior segurança e uma rentabilidade mais comedida, ou se o mercado de ações e suas oscilações devem ser considerados.

O simulador do BTG Pactual digital ajuda você a descobrir o seu perfil de investidor e as melhores alternativas de aplicação.

Para fazer o teste agora, acesse a ferramenta neste link.

E só responder breves perguntas e o simulador vai guiar você para as aplicações mais indicadas, de acordo com o seu perfil.

É uma das melhores estratégias para definir o que fazer com o futuro do seu dinheiro.

Vantagens de investir em ações

O investimento no mercado de ações tem importantes vantagens, em especial no cenário de longo prazo.

Entre elas, estão:

  • A tributação reduzida
  • A chance de investir na produção do país (já que as empresas se capitalizam com este objetivo)
  • O potencial de rentabilidade do mercado (muito maior se comparado à renda fixa)
  • A diversificação da carteira de negócios (medida essencial para a tranquilidade de qualquer investidor).

Quanto à tributação, vale um destaque à parte.

Aqueles que investem em renda variável por conta própria e não por fundos, por exemplo, estão livres do Imposto de Renda no caso de vendas de até R$ 20 mil em ações em um mês.

Riscos

Conhecendo bem as opções do mercado de ações, é preciso estar atento à questão do risco.

Investir em ações na bolsa de valores, apesar da crescente popularidade entre os investidores, exige  certa ousadia e sangue frio.

Afinal, há chance de ganhos vantajosos, mas também de perdas consideráveis.

E esses movimentos são difíceis, ou melhor, impossíveis de prever com precisão.

Por isso, antes de se aventurar no mercado de ações é essencial avaliar o contexto econômico, o histórico da empresa e o desempenho dela na bolsa de valores (mesmo sabendo que resultado positivo no passado não garante lucros futuros).

Tudo isso é importante para atenuar as chances de erro, mas ainda assim, é possível ser surpreendido.

Custos

Quais os custos de investir no mercado de ações?

Ao aplicar, serão três as taxas que o interessado deve prestar atenção:

  • Taxa de corretagem: que é o valor cobrado pelas corretoras pelo acesso ao mercado. Dependendo da corretora, pode ser uma porcentagem da operação realizada ou um valor fixo
  • Taxa de custódia: que é o valor mensal cobrado pela guarda das ações pela BM&FBOVESPA e pelos serviços oferecidos pela corretora, que pode ou não ser cobrado pela corretora
  • Imposto de Renda: no caso do IR, caso as vendas de ações sejam inferiores a R$ 20 mil em um mês, ainda que o cliente tenha obtido lucro na operação, este não será tributado no Imposto de Renda. Ou seja: o lucro é isento.

Para operações de maior valor, a alíquota sobre a valorização é de 15% – ainda vantajosa se comparada com outros investimentos em renda fixa.

Invista com o BTG Pactual digital

Então, interessado pelo mercado de ações?

Ou ainda acha que deve ficar mais tempo apostando em títulos de renda fixa?

Seja qual for a sua escolha, para quem quer investir e não sabe bem por onde começar, a dica é ter nessa hora o apoio de uma instituição financeira sólida, como o BTG Pactual digital.

Esse é um banco de investimentos conhecido por oferecer opções de investimento com retornos atrativos, muitas aplicações em renda fixa e uma excelente assistência para os investidores.

Veja só como é muito fácil abrir a sua conta:

1. Abra uma conta

Basta preencher os dados e enviar uma foto do seu RG, comprovante de residência e uma selfie. Depois disso, aguarde um retorno por e-mail.

2. Descubra seu perfil de investidor

Depois de responder um questionário bem simples e curtinho, você vai desvendar qual é o seu perfil de investidor, uma informação que o ajudará a garantir as ações são um bom destino para suas economias.

3. Transfira o dinheiro

Transfira o dinheiro de sua conta bancária para sua conta do BTG Pactual digital.

4. Consulte um assessor

Assim que você fizer o cadastro e tiver seu perfil em mãos, poderá consultar um assessor, que o auxiliará a definir melhor os seus primeiros passos em investimentos ao te mostrar aplicações adequadas ao seu perfil e que irão facilitar a sua escolha.

5. Acompanhe seus investimentos

Depois de fazer suas primeiras aplicações, você poderá monitorar diariamente suas posições em fundos e aplicações e suas rentabilidades no site do BTG Pactual digital e no aplicativo de smartphone.

6. Tenha acesso a relatórios

A cada mês, você terá acesso a um relatório completo e personalizado com todos os números que vão mostrar como o seu dinheiro está sendo bem tratado e o quanto ele está se valorizando.

Conclusão

 

Se o quesito principal a ser avaliado for rentabilidade, o investimento no mercado de ações pode valer muito a pena.

Entre as alternativas mais conhecidas do mercado, e aí incluímos todas as opções em renda fixa, o mercado de ações é o que possibilita o maior ganho, sem dúvida.

Claro, o risco também é mais elevado se fizermos qualquer comparação.

Por isso, antes de aplicar no mercado de ações, é preciso buscar muita informação sobre o seu funcionamento.

A formação de uma carteira de investimentos contempla aplicações de diferentes os tipos, da renda fixa ao mercado de renda variável, sempre considerando o seu perfil de investidor.

Então, mesmo que o seu perfil de investimento seja mais arrojado, é bom começar aos poucos e sempre preservar uma parte dos recursos em investimentos de menor risco.

Com uma boa estratégia e atenção aos acontecimentos e movimentos do mercado, é possível sim rentabilizar de forma eficiente e muito duradoura as economias.

Gostou do artigo? Então, deixe seu comentário e compartilhe este conteúdo!

 

Deixe seu comentário 0