LCI e LCA Pré ou Pós-fixado? Como investir em Renda Fixa

 

Você já ouviu falar em LCI/LCA pré ou pós-fixado, mas não tem ideia clara do que essas siglas significam, nem qual tipo de rendimento escolher?

Então, saiba que as três letrinhas se referem a investimentos muito interessantes, que contam com isenção de Imposto de Renda, são tão seguros quanto a poupança e servem perfeitamente para quem busca colocar pela primeira vez os pés para fora da caderneta.

Neste artigo, você vai tirar todas as suas dúvidas sobre os seguintes tópicos:

  • Por que investir em LCI ou LCA
  • Qual é o rendimento de LCIs ou LCAs
  • Como escolher entre LCI/LCA pré ou pós-fixado
  • Qual é o papel da Selic nos rendimentos
  • Como escolher uma corretora ou banco de investimentos
  • Exemplo de LCI/LCA que paga 97% do CDI
  • Comparação de rendimento entre poupança e LCI/LCA
  • Por que a poupança é uma armadilha
  • Como abrir conta no BTG Pactual digital.

Ficou interessado? Então, siga a leitura, que promete ser bem rentável.

O que é LCI/LCA

 

LCI e LCA são siglas que se referem a Letras de Crédito Imobiliário e Letras de Crédito do Agronegócio. Essas aplicações costumam ser mencionadas em conjunto por terem características bastante semelhantes para o investidor.

Para quem está ouvindo pela primeira vez sobre esses títulos, é importante mencionar que eles são tão seguros quanto a poupança, já que são bancados pelo mesmo mecanismo de proteção ao investidor, considerando alguns limites, que você entenderá abaixo.

As principais características das LCIs e LCAs são as seguintes:

  • A rentabilidade que supera a poupança, normalmente atrelada ao CDI
  • A isenção de Imposto de Renda sobre a valorização do investimento
  • Proteção do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que cobre o saldo de aplicações em caso de falência ou intervenção no banco ou na corretora, até um valor máximo de R$ 250 mil por CPF e por instituição financeira emissora do título
  • A determinação de um período mínimo e um valor mínimo para a aplicação, que variam conforme os títulos e as instituições financeiras.

Esses títulos são emitidos para captação de recursos para financiamentos imobiliários e agropecuários, duas áreas consideradas essenciais para a economia. Por isso, contam com a isenção do Imposto de Renda.

Esse fator é importante no cálculo de rendimento, já que em um investimento concorrente, como o CDB, é preciso pagar de 22,5% a 15% sobre a valorização do dinheiro, a depender do período de duração desse investimento.

Considerando esse cenário, a rentabilidade de uma LCI e de uma LCA dificilmente perderia para a poupança.

Isso não é uma garantia, já que há diferentes títulos de LCI e LCA em diferentes corretoras, mas é possível ter certeza disso na hora da aplicação.

A remuneração desses títulos pode ser prefixada, com uma taxa de juros ao ano já estabelecida, ou pós-fixada, normalmente atrelada ao CDI (Certificado de Depósito Interbancário), que é um indicador usado como referência de rentabilidade pelas instituições financeiras.

Um título de LCA pós-fixado pode, por exemplo, oferecer uma remuneração de 95% do CDI. Nesse exemplo, o resultado final dos juros ficaria bem próximo à Taxa Selic, já que o CDI segue de perto a taxa básica de juros.

Já um título de LCI prefixado poderia ter uma taxa de juros de 10,5% ao ano. Nesse exemplo, você tem certeza de quanto terá de resultado ao fim do período.

Na hora dos cálculos e de decidir onde alocar o seu dinheiro, lembre-se de que LCI e LCA não cobram taxas de administração em corretoras ou bancos (como os fundos) nem custódia (como Tesouro Direto) nem sofrem descontos do Imposto de Renda (como CDB e boa parte da renda fixa).

Isso significa que a valorização contratada na hora do investimento não sofre descontos.

Um ponto que ficará claro ao analisar rendimentos em renda fixa é que o CDB costuma oferecer uma taxa de juros maior do que os títulos de LCI e LCA.

Mas, como já alertamos, essa aplicação sofre a incidência do Imposto de Renda, que segue uma tabela regressiva de acordo com o tempo de investimento, de 22,5% (para menos de 180 dias) a 15% (para mais de 720 dias).

A seguir, vamos entender melhor o que você deve analisar ao investir pela primeira vez em LCI ou LCA.

LCI/LCA Pré-fixados

 

LCI e LCA pré-fixados são as Letras de Crédito Imobiliário e Letras de Crédito do Agronegócio com juro anual definido na hora da compra do título.

Se a Taxa Selic cair três pontos percentuais ao longo do período do título, seu rendimento, que se reduziria bastante no pós-fixado, se manteria inalterado no prefixado (depois da compra).

Assim, se esse título tem rendimento pré-fixado de 10,5% ao ano, é essa valorização que você pode esperar, sem espaços para surpresas ou flutuações.

Mesmo assim, é importante salientar que essas taxas prefixadas já têm embutidos os juros futuros, de acordo com as projeções do mercado.

Ou seja, se há um consenso de que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central vai promover um corte intenso na Meta Selic ao longo dos próximos meses, é esperado que caiam os juros dos prefixados oferecidos pelas LCIs e LCAs.

Nesses e outros investimentos com juros prefixados, você precisa ficar atento, primeiro, para que a valorização supere a inflação.

Uma aplicação que não supera o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) não oferece proteção ao seu dinheiro, pois o valor investido tem seu poder de compra reduzido ao longo do período.

É isso que acontece, muitas vezes, com quem mantém o dinheiro na poupança.

Em 2015, por exemplo, quem investiu na caderneta perdeu 2,28% de seu poder de compra ao longo do ano.

LCI/LCA Pós-fixados

 

Títulos de LCIs e LCAs pós-fixados têm retornos geralmente atrelados ao CDI, que é um benchmark de investimentos e acompanha de perto a Taxa Selic.

Exemplo: caso aplique em uma LCI de 48 meses que paga 97% do CDI, isso significa que ela vai acompanhar quase inteiramente a variação anual da Selic.

Em um caso como esse, o investidor não sabe exatamente quanto o seu dinheiro vai render – pode valorizar mais ou menos dependendo da política monetária do Banco Central e suas definições dos juros.

Em 2016, um investimento de R$ 10.000,00 em uma LCI com esse retorno de 97% do CDI teria se valorizado aproximadamente 13,5%.

Em 12 meses, portanto, o investidor teria ganho R$ 1.350,00. Na poupança, o mesmo valor, durante esse intervalo e no ano de 2016, investido teria rendido 8,3%, ou seja, R$ 830,00.

Uma boa maneira para simular rendimentos e analisar cenários é a Calculadora do Cidadão, uma ferramenta gratuita disponibilizada pelo Banco Central. Nela, você pode calcular correções de valores atrelados à Selic, ao CDI, à TR, entre outros.

Há ainda títulos de LCI e LCA atrelados ao IPCA, que é considerada a inflação oficial do país.

Nesse caso, os papéis oferecem a variação do IPCA mais um juro anual. Trata-se de uma maneira interessante de se proteger da inflação.

Papel da Selic nos rendimentos

 

Por definição, a Taxa Selic é um índice que baliza as taxas de juros cobradas pelas instituições financeiras no Brasil. Trata-se de uma abreviação de Sistema Especial de Liquidação e Custódia. Essa taxa serve de base para que as instituições financeiras definam seus juros.

A definição da meta da Selic tem, como objetivos, garantir o controle da emissão, compra e venda de títulos públicos e regular a inflação.

Uma elevação dos juros reduz o crédito no mercado, já que os bancos e corretoras também aumentam seus juros de financiamentos e empréstimos, o que impacta tanto pessoas físicas quanto jurídicas.

No dia 26 de julho, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central reduziu a meta da taxa de juros para 9,25% ao ano.

Para quem investe em títulos atrelados ao CDI (como prefixados de LCI e LCA), há um revés em seus rendimentos, já que o CDI fica bem próximo do juro da Selic.

Mesmo nos títulos prefixados, é importante lembrar que os juros futuros já estão embutidos. Ou seja, o mercado já define as perspectivas de comportamento da economia e da Selic para ajustar aquele juro oferecido no papel prefixado.

Se há um consenso de queda de juros, o prefixado já consolida esse cenário, oferecendo retornos menos atraentes.

Investir em LCI/LCA é seguro?

 

Investir em LCI e LCA é tão seguro quanto deixar seu dinheiro parado na conta corrente ou aplicado em uma caderneta de poupança.

O mecanismo de proteção é o mesmo: ele se chama Fundo Garantidor de Créditos e segura o saldo de investimentos (ou parte deles, até um limite) em caso de quebra ou intervenção de uma instituição financeira.

O FGC cobre o investimento em LCI e LCA de até R$ 250 mil por CPF por instituição financeira emissora desse título.

Isso significa que seu dinheiro estará protegido, até esse limite, mesmo que a instituição que ofereceu o título quebre e feche as portas.

Mantido com aportes mensais das instituições financeiras do Brasil, o FGC entra em ação para bancar o saldo dos investidores e até auxiliar em questões de solvência de bancos e corretoras em dificuldade.

Mas fique atento às regras do FGC, que não cobre todos os investimentos. Além de LCI e LCA, esse fundo garante segurança em aplicações como poupança, CDBs, LCs e saldos de conta corrente.

Ao definir seus investimentos, tenha cautela em relação a esse teto coberto pelo FGC. Esses R$ 250 mil não se referem ao valor original investido, e sim ao saldo da aplicação, incluindo suas rentabilidades.

Portanto, você deve contabilizar nessa história os rendimentos projetados para o período da LCI ou da LCA.

Se as somas que você deseja investir superarem a marca de R$ 250 mil, você pode dividi-las em diferentes instituições financeiras ou investir em títulos emitidos por instituições diferentes através de uma mesma plataforma, como é possível por meio da plataforma do BTG Pactual digital.

Isenção de Imposto de Renda

 

A isenção do Imposto de Renda é uma das principais vantagens da LCI e da LCA.

Trata-se de um dos fatores mais lembrados por quem insiste em manter o dinheiro parado na poupança. E de fato faz diferença no cálculo de rentabilidade de um título.

Na renda fixa, normalmente, o Imposto de Renda é cobrado conforme o tempo de aplicação, de 22,5% a 15% sobre os rendimentos (e não sobre o valor total).

Tomando como exemplo um CDB, que é uma aplicação que compete em rendimentos com a LCI e a LCA, há a cobrança de Imposto de Renda.

A tabela, regressiva, é esta que segue abaixo:

Prazo de AplicaçãoAlíquota IR
Acima de 720 dias15%
Até 180 dias22,5%
De 181 a 360 dias20%
De 361 a 720 dias17,5%

Assim, se além de LCI/LCA você está considerando o CDB, não esqueça que, para um tempo pequeno de aplicação, conforme tabela acima, o Certificado de Depósito Bancário sofre com uma alíquota alta, de 22,5%.

Para compreender bem o efeito da tributação sobre os rendimentos, que tal um exemplo?

Imagine que você tivesse investido R$ 100.000,00 em um CDB que pagava 100% do CDI no início de janeiro de 2016 e tivesse mantido o título até o fim daquele ano, completando pouco menos de 365 dias de aplicação.

Ao fim do período, o investimento se transformaria em R$ 113.941,32, com rendimento de 13,95% nesse exemplo hipotético e durante o ano de 2016. Mas aí aparece o Imposto de Renda sobre o rendimento, que ficou, pelo tempo, na faixa dos 20%.

Como você apurou ganho de R$ 13.941,32, esse valor é taxado em 20%. Então, R$ 2.788,26 vão para o IR, e você leva para casa R$ 11.153,06 além da soma inicial.

Viu como o Imposto de Renda faz diferença e pode abocanhar parcela grande dos rendimentos na renda fixa?

Isso não quer dizer que você deva desprezar qualquer título que tenha IR, e sim que é preciso levar em conta o rendimento líquido, já descontados todos os custos. Faça as contas!

LCI/LCA x Poupança

 

Se você tem dinheiro investido na poupança e está pensando em migrar para títulos de LCI e LCA, é importante ver a diferença que essa atitude terá nos seus rendimentos.

É fácil ver, na prática, quanto você está perdendo por deixar seu dinheiro na caderneta.

A conta pode até assustar quem investe na poupança há muito tempo. Mas é melhor encarar logo a realidade.

Vejamos dois investimentos de R$ 100.000,00, sempre com base no cenário de 2016, um na poupança e outro em uma LCI ou LCA.

R$ 100.000,00 na poupança

No ano de 2016, a aplicação de R$ 100.000,00 na poupança teria se valorizado em 8,3% no ano. Ou seja, ao valor inicial seriam acrescidos R$ 8.300,00. Resultado final: R$ 108.300,00.

Considerando que o IPCA (inflação oficial) daquele período foi de 6,29%, a valorização real teria sido de 1,9%.

R$ 100.000,00 em LCI ou LCA

No mesmo ano, o investimento em uma LCA ou LCI com vencimento de um ano que rendesse 90% do CDI teria se valorizado 12,46% em 12 meses. Ou seja, houve um acréscimo de R$ 12.464,00 ao valor original.

Aplicando inflação daquele período, de 6,29%, temos uma valorização real de 5,8 %.

Essa comparação deve servir como um impulso para você dar o passo nos estudos a opções à poupança.

Como já mencionamos antes, esses cálculos de rendimentos podem ser feitos com a Calculadora do Cidadão, uma ferramenta disponibilizada pelo Banco Central.

Se você tem interesse em saber mais sobre a comparação entre poupança e LCI/LCA, temos um artigo completo sobre o assunto: Poupança ou LCI e LCA? Em qual investir?

Vale lembra, no entanto, que o resgate das aplicações em LCI e LCA não é exatamente igual ao da poupança.

A poupança tem liquidez diária. Seus rendimentos são calculados apenas no “aniversário” da aplicação, ou seja, se você aplicou no dia 5 de agosto, o rendimento será calculado nos dias “5” dos outros meses, salvo quando essa data cair em finais de semana ou feriados.

LCI e LCA não podem ser resgatadas antes de seus vencimentos! Há alguns casos em que o valor deve ficar aplicado durante anos sem que você possa resgatá-lo. Dessa forma, antes de aplicar em algum desses títulos, entenda bem as suas vantagens e desvantagens, como a liquidez.

Como investir em LCI/LCA

 

Investir em LCI e LCA não é difícil. Você primeiro precisa comparar corretoras e bancos de investimentos e escolher uma instituição financeira que ofereça boa assistência, tenha solidez, taxas atraentes e bons retornos.

Depois, é hora de comparar os melhores títulos.

As opções podem ser consultadas na plataforma online de sua corretora ou de seu banco de investimentos.

Normalmente, as boas taxas não se encontram naquele banco onde você mantém conta desde criança.

Lembre-se: o apego a uma instituição financeira não vai ajudar nessa hora. Por isso, consulte bem as opções disponíveis em diversas instituições.

Cheque sempre as opções disponíveis no BTG Pactual digital! Em julho de 2017, inclusive, o BTG Pactual digital foi reconhecido como a plataforma online que oferece os maiores retornos médios em LCI e LCA.

Investir em LCI/LCA com o BTG Pactual digital

 

O BTG Pactual digital oferece muitos títulos atraentes de LCIs e LCAs pré ou pós-fixados.

Com a mesma segurança que você tem na poupança, é possível fazer seu dinheiro render muito mais.

Veja a lista dos títulos disponíveis na data de hoje aqui: títulos de renda fixa oferecidos pelo BTG Pactual digital

Para quem se interessa em conhecer um banco de investimentos que oferece uma assistência completa para o novo investidor, uma plataforma de aplicações fácil e intuitiva e algumas das melhores opções de títulos de LCI e LCA do mercado, é hora de abrir uma conta no BTG Pactual digital.

Veja passo a passo o que você deve fazer para ingressar em um novo universo de investimentos:

1. Abra uma conta no BTG Pactual digital

Preencha os dados e envie foto do seu RG, comprovante de residência e uma selfie. Depois de enviar todas as informações, aguarde um retorno de nossa equipe de cadastro!

2. Descubra seu perfil de investidor

Vamos descobrir qual é o seu perfil de investidor? Esse teste vai ajudar a definir sua percepção de risco. Responda um questionário simples e veja em qual perfil você se encaixa. Essa informação o ajudará a escolher onde colocar seu dinheiro.

3. Transfira o dinheiro

Com o cadastro feito, é hora de transferir o dinheiro de sua conta bancária para sua conta do BTG Pactual digital.

4. Consulte um especialista

No BTG Pactual digita, você não está sozinho. Aqui, você tem acesso a um time de especialistas que vão te mostrar as melhores opções de investimento de acordo com o seu perfil de investidor.

5. Acompanhe seus investimentos

Fez seus primeiros investimentos? Então, é hora de monitorar diariamente suas posições no site do BTG Pactual digital e no aplicativo de smartphone. Os dados são atualizadas sempre para que você possa tomar as melhores decisões, acompanhando de perto as suas aplicações.

6. Receba relatórios

Mensalmente, você terá um relatório personalizado que lhe mostrará com clareza como os seus investimentos estão rendendo e como esses números se comparam a aplicações e indicadores do mercado.

Conclusão

LCI e LCA são títulos que atraem muita gente por conta da isenção do Imposto de Renda.

Mas é importante ficar claro que suas vantagens vão além desse fator e seus rendimentos podem ser interessantes, especialmente para títulos com prazo maior, como dois, três e quatro anos.

Por isso, é bom que papéis como esses estejam no seu horizonte de investimentos.

Eles podem fazer parte de seu portfólio ou se tornarem o seu primeiro passo nesse universo de aplicações fora da poupança.

De qualquer forma, é importante ter em mente as principais características desses títulos:

  • LCI é a sigla de Letra de Crédito Imobiliário
  • LCA é a sigla de Letra de Crédito do Agronegócio
  • LCI e LCA têm características muito semelhantes para o investidor
  • LCIs e LCAs têm isenção de Imposto de Renda e não cobram taxas de administração, custódia ou performance
  • As LCIs e as LCAs têm proteção do Fundo Garantidor de Créditos (FGC). limite bancado pelo FGC é de R$ 250 mil por CPF e por instituição financeira emissora
  • Um investimento “concorrente” da LCI e da LCA é o CDB, que oferece juros maiores, mas tem incidência de Imposto de Renda sobre os rendimentos
  • Ao considerar o investimento em uma LCI ou LCA, fique atento ao prazo de carência e ao vencimento do título, para considerar de fato o período durante o qual você não precisará daquele dinheiro.

Para quem ainda está decidindo se vale a pena o investimento, lembre-se das comparações que fizemos entre poupança e LCI/LCA.

Se você está inseguro em relação à aplicação, comece a fazer um diagnóstico de suas finanças para entender de fato quanto você gasta por mês, quanto você recebe, qual será o seu cenário financeiros nos próximos 12 meses e quanto você pode separar para alocar em um investimento por um, dois ou três anos (ou mais).

Se não contar com folga financeira para um período tão longo quanto 12 meses, busque LCIs e LCAs com vencimento menor. Há opções de até três meses, que podem entrar em um planejamento de curto ou longo prazo.

E aí, curtiu as dicas sobre LCI e LCA pré e pós-fixados? Compartilhe!

Deixe seu comentário 0