Investimentos

Ibovespa: o que é e como investir no principal índice da Bolsa de Valores

O Ibovespa sempre aparece nos noticiários quando o assunto é a economia brasileira. Suas oscilações estão sob os olhos dos grandes veículos de comunicação, dos usuários das redes sociais e até mesmo dos amigos nas rodas de conversa. Tudo isso, devido à sua importância diante do mercado e também pelas possibilidades de ganho que existem em torno desse índice.

Nesse post, você vai descobrir o que é o Ibovespa, como funciona e ainda vai conhecer diferentes formas de investir no principal indicador da Bolsa de Valores do país.

O que é Ibovespa?

O termo Ibovespa significa Índice da Bolsa de Valores de São Paulo. Ele representa uma carteira teórica das ações com maior negociabilidade na Bolsa de Valores brasileira.

Esse índice é um indicador de comportamento das ações mais negociadas na Bolsa em um determinado período. Isso faz com que o Ibovespa, representado pela sigla IBOV, seja conhecido como o termômetro do mercado de ações do país.

Existem índices de Bolsas de Valores no mundo inteiro, não apenas no Brasil. Na própria Bolsa, é possível negociar índices de Bolsas estrangeiras, como o S&P 500, que é negociado nas principais Bolsas norte-americanas.

Entenda o Ibovespa

Entender como funciona o Ibovespa não é uma tarefa complicada. O primeiro passo é ter em mente que o índice é formado por uma carteira teórica de ações negociadas na Bolsa de Valores.

Nem todas as ações que estão na Bolsa fazem parte do índice. Existe uma metodologia para compor a carteira. São incluídas ações que atendem a alguns critérios, entre eles estão a liquidez e o volume financeiro de negociação das ações, considerando os últimos doze meses.

Periodicamente, a Bolsa faz uma avaliação dos papéis com maior representatividade e um número determinado de ações passa a compor o índice. Vale ressaltar que, tanto o número quanto as ações que fazem parte da carteira podem variar.

As oscilações do Ibovespa refletem o que foi o mercado como um todo, por isso, é um indicador importante para quem quer investir na Bolsa de Valores.

O peso dentro do Ibovespa é o mesmo para todas as ações?

É muito comum ver nos noticiários que o Ibovespa subiu ou caiu em função de uma determinada ação. Isso acontece porque a ação em questão é muito negociada na Bolsa de Valores e, com isso, seu impacto é maior no índice do que as demais que fazem parte da carteira e são menos negociadas.

Dessa forma, uma ação mais representativa consegue criar um movimento no índice devido ao seu maior peso no cálculo.

As ações que estão no Ibovespa são as melhores do mercado?

O fato de uma ação não estar presente na carteira teórica do Ibovespa, não significa necessariamente que ela seja pior ou melhor do que aquelas que fazem parte do índice. Pode significar que ela é menos negociada e num volume financeiro menor.

Quais ações fazem parte da carteira teórica do Ibovespa?

As ações que compõe o Ibovespa são de empresas conhecidas pelos investidores. Mas, como foi visto no último tópico, o índice avalia o desempenho das ações nos últimos doze meses com revisões periódicas. Dessa forma, as ações não são fixas, ou seja, a carteira teórica do índice pode sofrer variações em sua composição.

Veja abaixo algumas ações que fazem parte do Ibovespa atualmente:

  • Ambev (ABEV3)
  • Bradesco (BBSC3)
  • Cielo (CIEL3)
  • Eletrobras (ELET3)
  • Gerdau (GGBR4)
  • Gol (GOLL4)
  • Itau Unibanco (ITUB4)
  • Localiza (RENT3)
  • Magazine Luiza (MGLU3)
  • Natura (NATU3)
  • Lojas Americanas (LAME4)
  • Petrobras (PETR4)
  • Vale (VALE3)
  • Via Varejo (VVAR3)

A lista completa de ações que fazem parte do índice, além de informações como participação e quantidade teórica pode ser encontrada no site da Bolsa de Valores. Clique aqui para acessar.

Como investir no Índice Bovespa

Existem diferentes formas de investir no Ibovespa e buscar lucrar com as suas oscilações. A seguir, vamos conhecer algumas delas.

Contrato futuro de Ibovespa

O Contrato Futuro de Ibovespa é uma forma de negociar expectativas futuras do mercado de ações. Com esse contrato, é possível investir em diferentes ações sem que seja preciso realizar a compra de todas elas separadamente.

O código de negociação do Ibovespa na Bolsa de Valores é representado pelas letras “IND”. Sua variação se dá em pontos e não em reais, como acontece com as ações, por exemplo. Cada ponto do Ibovespa Futuro equivale a R$ 1,00. O tamanho do contrato se dá pelos pontos da cotação atual multiplicado pelo valor de cada ponto.

Por exemplo:

Se a cotação do índice estiver em 95 mil pontos, multiplicamos os 95 mil pontos por R$ 1,00, que é o valor de cada ponto, resultando num contrato de futuro de Ibovespa no valor de R$ 95 mil.

Contudo, você não precisa pagar o valor total do contrato, apenas a diferença entre o valor da compra e o da venda. Se der lucro, você recebe o ganho da operação. Se a operação terminar em prejuízo, você paga a diferença.

O lote padrão de compra, de acordo com a Bolsa, é de 5 contratos. Ou seja, você não consegue comprar um contrato separado, apenas de cinco em cinco.

Uma das vantagens de negociar contratos futuros de índice é a possibilidade de replicar o comportamento do Índice Bovespa sem ter os custos do mercado à vista. Além disso, pode ser uma estratégia de proteção (hedge) contra exposição em renda variável.

Mini Índice Bovespa

Os Minicontratos de Ibovespa são contratos futuros com o objetivo de atender o pequeno investidor. Eles possuem o aporte e lote mínimos menores do que os contratos cheios.

O código de negociação utilizado para representar o Mini Índice Bovespa é o “WIN”. Cada ponto do WIN vale R$ 0,20 e o lote mínimo de negociação é de 1 contrato.

Com esses Minicontratos, pessoas físicas podem começar sua jornada de investimentos no mercado de derivativos listados administrados pela Bolsa.

ETF

O Exchange Traded Fund (ETF), é um fundo de ações que busca replicar a carteira de um índice de referência no mercado, como o Ibovespa, por exemplo.

O investidor pode comprar cotas de ETFs na Bolsa de Valores e fazer negociações com boa liquidez, baixo custo e diversificação.

Como existem ETFs que replicam a carteira teórica do Índice Bovespa, eles podem ser uma alternativa para se investir no principal índice da Bolsa de Valores brasileira.

Fundo Ibovespa Indexado

O BTG Pactual Ibovespa Indexado FIA é um fundo de ações que oferece a mesma exposição ao Índice Bovespa, só que de forma mais fácil e barata do que investir individualmente em cada ação na proporção desta no índice. Esse fundo acompanha a rentabilidade do Ibovespa com uma taxa de administração atrativa, de apenas 0,15% ao ano.

Outra vantagem diz respeito à tributação. Neste fundo, o Imposto de Renda é recolhido na fonte e o investidor não precisa se preocupar em fazer o recolhimento manualmente.

Além da facilidade, praticidade e baixo custo, é uma ótima alternativa para quem quer diversificar a carteira. Tendo em vista que quem investe nesse fundo, estará investindo nas principais empresas do Brasil ao mesmo tempo.

História do Ibovespa

A história do Índice Bovespa começa em janeiro de 1968, quando ele foi apurado pela primeira vez no mercado. Na época, ele estava na casa dos 100 pontos, era calculado manualmente e atualizado a cada cinco minutos, um tempo gigantesco para o mercado de capitais.

Ainda no século passado, a Bolsa de Valores era formada por uma sala barulhenta, cheia de operadores falando ao telefone. Cada investidor que decidia comprar ou vender um ativo precisava ligar para o operador, que realizava a negociação.

Em 1971, a bolsa sofreu com as especulações dos investidores e, no ano seguinte, o índice acumulou uma queda de mais de 40%.

Ao longo do tempo, muita coisa mudou. Com o avanço da tecnologia, as negociações passaram a ser realizadas através da internet. Aquela sala cheia de pessoas falando ao telefone se tornou uma plataforma silenciosa, onde os investidores acompanham as oscilações do Ibovespa que são divulgadas a cada 30 segundos.

Em maio de 2007, o Índice Bovespa chegou a 50 mil pontos. Dez anos depois, em 2017, o índice alcançou a marca de 75 mil pontos, uma marca que já era histórica. Até que, em 2019, chegou um novo recorde: o Ibovespa bateu os 100 mil pontos.

Entre as altas de quedas do Ibovespa, o número de investidores brasileiros na Bolsa tem crescido cada vez mais. Com o acesso à informação facilitado pela tecnologia, as pessoas têm entendido que a bolsa de valores pode ser uma ótima oportunidade para rentabilizar seu capital.

Como começar a investir no Ibovespa?

Para quem quer começar a investir no principal Índice da Bolsa de Valores brasileira, o primeiro passo é abrir conta em uma instituição financeira autorizada. Essa escolha é de extrema importância. É preciso avaliar fatores como segurança, qualidade no atendimento e é claro, os custos.

Contudo, as taxas cobradas não devem ser o fator determinante. O ideal é avaliar o custo-benefício, ponderando as vantagens e serviços oferecidos versus os custos.

Vale lembrar que o conhecimento é um dos grandes segredos de sucesso quando o assunto é Bolsa de Valores. Além disso, o apoio de um profissional qualificado pode ser de grande relevância em sua jornada.

Quer aprender mais sobre o universo dos investimentos? Clique aqui e conheça o nosso canal do YouTube. Lá, você encontra vídeos educativos que vão desmistificar conceitos que até hoje pareciam complicados para você.

Posts relacionados

Deixe seu comentário 0

Você está a um passo para investir com mais segurança e tranquilidade.
Crie sua conta agora


Preencha com seu nome

Preencha com seu e-mail

Preencha com seu telefone

Está com dúvidas? Entre em contato com a gente!

ENTRE EM CONTATO

O Grupo BTG Pactual (“BTG Pactual”) não fornece opiniões jurídicas ou tributárias. Sendo assim, essa apresentação não constitui aconselhamento legal de qualquer natureza. Essa apresentação é um breve resumo de cunho meramente informativo, não configurando análise de valores mobiliários nos termos da Instrução CVM Nº 598, de 03 de maio de 2018, e não tendo como objetivo a consultoria, oferta, solicitação de oferta e/ou recomendação para a compra ou venda de qualquer investimento e/ou produto específico. Embora as informações e opiniões expressas aqui tenham sido obtidas de fontes confiáveis e fidedignas, nenhuma garantia ou responsabilidade, expressa ou implícita é feita a respeito da exatidão, fidelidade e/ou totalidade das informações. Todas as informações, opiniões e valores eventualmente indicados estão sujeitos à alteração sem prévio aviso. Ressaltamos também, que as opiniões expressas neste material refletem a opinião do respectivo profissional convidado e não necessariamente expressam a opinião do BTG Pactual, não devendo ser tratadas como tal. As informações contidas nesta apresentação não podem ser consideradas como única fonte de informações no processo decisório do investidor, que, antes de tomar qualquer decisão, deverá realizar uma avaliação minuciosa do produto e respectivos riscos, face aos seus objetivos pessoais e ao seu perfil de risco ("Suitability"). Para maiores informações, acesse www.btgpactualdigital.com

Os riscos da operação com títulos de renda fixa (CDB, LCI e LCA) estão na capacidade de o emissor honrar a dívida; na impossibilidade de venda do título ou na ausência de investidores interessados em adquiri-lo; e na possibilidade de variação da taxa de juros e dos indexadores. É importante a adequada compreensão da natureza, forma de rentabilidade e riscos dos títulos de renda fixa antes da sua aquisição. CDB, LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante a devolução do principal investido acrescido de juros referente a rendimentos, na hipótese da incapacidade de pagamento da instituição financeira, de até R$ 250 mil reais por CPF e por instituição financeira, considerando o limite de garantia de R$ 1 milhão para cada período de quatro anos.

FUNDOS DE INVESTIMENTO NÃO CONTAM COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA. E recomendada a leitura cuidadosa do Formulário de Informações Complementares e Regulamento do Fundo de Investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos.

Ressaltamos que as opiniões e projeções referente COE, aqui apresentadas representam a opinião da área Structured Products do BTG Pactual, mas não necessariamente a opinião institucional do BTG Pactual, podendo o BTG Pactual, suas subsidiárias e/ou seus empregados podem, eventualmente, possuir uma posição comprada ou vendida, atuar em nome próprio e/ou como coordenador ou agente em operações envolvendo ações ou demais investimentos relevantes. COE NÃO CONTA COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA.

Os regulamentos completos dos Planos de Previdência da BTG Pactual Vida e Previdência S/A deverão ser lidos previamente a sua contratação. Os direitos e obrigações das partes estão definidos na Proposta e nos Regulamentos do plano contratado. É recomendada a leitura cuidadosa do regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. O registro do plano na Susep não implica, por parte da autarquia, incentivo ou recomendação de comercialização. O Participante/Segurado poderá consultar a situação cadastral de seu corretor de seguros no site www.susep.gov.br, por meio do número de seu registro na Susep, nome completo, CNPJ ou CPF. BTG Pactual Vida e Previdência S/A - CNPJ: 19.449.767/0001-20. Processos SUSEP PGBL: 15414.901924/2014-44 e VGBL: 15414.901922/2014-55.

Fundos de investimento não contam com garantia do administrador do fundo, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do fundo garantidor de créditos FGC. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de rentabilidade futura. É recomendada a leitura cuidadosa do prospecto e regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. Os investidores devem estar preparados para aceitar os riscos inerentes aos diversos mercados em que os fundos atuam e, consequentemente, possíveis variações no patrimônio investido. Os produtos e serviços aqui mencionados podem não estar disponíveis em todas as jurisdições ou para determinadas categorias de investidores. Adicionalmente, a legislação e regulamentação de proteção a investidores de determinadas jurisdições/países, pode não se aplicar a produtos e serviços registrados em outras jurisdições/países, sujeitos à legislação e regulamentação respectivamente aplicáveis, além de previsões contratuais específicas.

Anbima Anbima