Investir é, sem sombra de dúvida, uma parte chave da educação financeira de pessoas que estão buscando mais conhecimento nessa área e uma vida financeira mais saudável. Pensando nisso, é muito comum que as pessoas busquem as melhores opções de investimento para comprar um carro, comprar uma casa ou até mesmo para planejar sua aposentadoria. Porém, uma parte desse universo de aplicações financeiras que muitas pessoas desconhecem é a montagem da reserva de emergência.

O que é e para o que serve a reserva de emergência?

A reserva de emergência, como o próprio nome indica, nada mais é do que aquele montante de dinheiro que precisamos ter à mão em um momento emergencial, como um acidente de carro, a perda de um emprego, alguma reforma inesperada em casa ou até mesmo um falecimento inesperado. Esse recurso guardado é o que garante que a pessoa terá segurança e tranquilidade para quitar seus débitos sem grandes perdas de padrão de vida em momentos de maior dificuldade.

Qual deve ser o tamanho de uma reserva de emergência?

Isso vai depender muito de pessoa para pessoa e de seu padrão de vida. Na média, a conta básica é de seis meses de despesas cobertas por esse montante. Então, caso uma pessoa tenha despesas médias na casa de R$ 5 mil por mês, isso significaria um total de R$ 30 mil na reserva de emergência, já alguém com despesas de R$ 10 mil mensais precisaria de R$ 60 mil guardados.

Porém, esse é apenas um arredondamento e varia bastante em cada caso. Funcionários públicos que contam com estabilidade maior no emprego, por exemplo, podem ter uma reserva menor, na casa de 3 a 4 meses de despesas pagas. Já profissionais autônomos, como médicos ou dentistas, podem precisar de uma reserva maior, de 9 a 12 meses, uma vez que não contam com benefícios de empregados no regime CLT, como o FGTS, ou o aviso prévio.

Como investir na reserva de emergência?

Como é possível perceber, um dos principais requisitos para a sua reserva de emergência é a liquidez. Afinal de contas, o dinheiro investido precisa ser acessado rapidamente na hora de uma urgência. Por isso, títulos de renda fixa em que o investidor deixa seu dinheiro travado por um período mais longo ou fundos de investimento com menos liquidez acabam não sendo escolhas interessantes nesse caso.

Outro ponto é em relação à volatilidade da aplicação financeira, ou seja, as oscilações para cima ou para baixo que esse investimento pode sofrer. Obviamente, por ser um recurso para situações emergenciais e que pode ser sacado a qualquer momento, o investidor precisa buscar aplicações que não contem com grande volatilidade, para assim não correr o risco de ter surpresas negativas. Com isso, o investimento em ativos de renda variável, por exemplo, fica descartado para esse objetivo.

E qual o melhor investimento para a reserva de emergência?

Não é por ser um investimento que precisa estar em um produto de perfil mais conservador e com boa liquidez que o investidor precisa deixar em péssimas aplicações, como a poupança que é conhecida por sua baixa rentabilidade e remuneração apenas mensal e não diária.

No BTG Pactual digital  temos em nossa plataforma  o fundo Tesouro Selic Simples (BTG Pactual digital Tesouro Selic Simples FI RF), que tem como objetivo acompanhar a variação do CDI (Certificado de Depósito Interbancário), índice que anda muito perto da taxa Selic. A variação do CDI, objetivo que o fundo busca acompanhar, teve variação superior a poupança, independente da faixa de cobrança de imposto de renda, além de ter remuneração diária aos seus cotistas.

Além disso, esse fundo conta com liquidez em D+0 para pedidos de resgate em dias úteis feitos até as 15h30 e taxa de administração de apenas 0,09%, a menor entre todos os fundos para investidores em geral, abertos para captação em sua categoria no mercado, tudo isso com investimento mínimo de R$ 500 e movimentações adicionais mínimas de R$ 100. Assim, ele acaba sendo uma boa pedida tanto para quem está começando a investir, quanto para quem quer montar a sua reserva de emergência, mas com uma rentabilidade maior do que em produtos como a poupança.

Posts relacionados

Deixe seu comentário 11

  1. Olá pessoal, tenho minha reserva de emergência no fundo BTG pactual yeld, seria interessante pra mim fazer a migração da mesma para esse fundo tesouro Selic simples, pois observei que a taxa de administração desse fundo é mas baixa.
    O que vcs me indicam, obrigado.

    1. Olá, Tiago! Pediremos para nossa equipe entrar em contato para te auxiliar. Estamos à disposição.

  2. Posso ir aplicando R$ 100 todo mês no tesouro Selic e quando tiver R$500 posso migrar para o BTG PACTUAL ???

    1. Olá, Jaine! Sim, a partir de 500 reais você já pode investir no fundo BTG Pactual digital Tesouro Selic Simples FI RF.

  3. Boa noite, eu comecei meu fundo de reserva no BTG Pactual Selic simples e tenho uma dúvida, tenho que esperar um mês para a movimentação mínima que é de 100 reais ou a qualquer dia eu posso colocar mais dinheiro no investimento? Eu faço o depósito na conta e vocês já aplica no mesmo investimento, ou tenho que colocar no meu investimento, como faço por favor.
    Muito obrigado desde já.

    1. Lúcio, tudo bem? Pediremos para a equipe de atendimento entrar em contato com você via e-mail para ajudá-lo.

    1. Olá, Dário! Os fundos de investimento são tributáveis e devem constar na declaração do imposto. A tributação dependerá do período em que você permaneceu na aplicação.

  4. Interessante eu n sei como fazer ou como investir .gostaria muito pra mim pode comprar minha casa

Você está a um passo para investir com mais segurança e tranquilidade.
Crie sua conta agora


Preencha com seu nome

Preencha com seu e-mail

Preencha com seu telefone

Está com dúvidas? Entre em contato com a gente!

ENTRE EM CONTATO

O Grupo BTG Pactual (“BTG Pactual”) não fornece opiniões jurídicas ou tributárias. Sendo assim, essa apresentação não constitui aconselhamento legal de qualquer natureza. Essa apresentação é um breve resumo de cunho meramente informativo, não configurando análise de valores mobiliários nos termos da Instrução CVM Nº 598, de 03 de maio de 2018, e não tendo como objetivo a consultoria, oferta, solicitação de oferta e/ou recomendação para a compra ou venda de qualquer investimento e/ou produto específico. Embora as informações e opiniões expressas aqui tenham sido obtidas de fontes confiáveis e fidedignas, nenhuma garantia ou responsabilidade, expressa ou implícita é feita a respeito da exatidão, fidelidade e/ou totalidade das informações. Todas as informações, opiniões e valores eventualmente indicados estão sujeitos à alteração sem prévio aviso. Ressaltamos também, que as opiniões expressas neste material refletem a opinião do respectivo profissional convidado e não necessariamente expressam a opinião do BTG Pactual, não devendo ser tratadas como tal. As informações contidas nesta apresentação não podem ser consideradas como única fonte de informações no processo decisório do investidor, que, antes de tomar qualquer decisão, deverá realizar uma avaliação minuciosa do produto e respectivos riscos, face aos seus objetivos pessoais e ao seu perfil de risco ("Suitability"). Para maiores informações, acesse www.btgpactualdigital.com

Os riscos da operação com títulos de renda fixa (CDB, LCI e LCA) estão na capacidade de o emissor honrar a dívida; na impossibilidade de venda do título ou na ausência de investidores interessados em adquiri-lo; e na possibilidade de variação da taxa de juros e dos indexadores. É importante a adequada compreensão da natureza, forma de rentabilidade e riscos dos títulos de renda fixa antes da sua aquisição. CDB, LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante a devolução do principal investido acrescido de juros referente a rendimentos, na hipótese da incapacidade de pagamento da instituição financeira, de até R$ 250 mil reais por CPF e por instituição financeira, considerando o limite de garantia de R$ 1 milhão para cada período de quatro anos.

FUNDOS DE INVESTIMENTO NÃO CONTAM COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA. E recomendada a leitura cuidadosa do Formulário de Informações Complementares e Regulamento do Fundo de Investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos.

Ressaltamos que as opiniões e projeções referente COE, aqui apresentadas representam a opinião da área Structured Products do BTG Pactual, mas não necessariamente a opinião institucional do BTG Pactual, podendo o BTG Pactual, suas subsidiárias e/ou seus empregados podem, eventualmente, possuir uma posição comprada ou vendida, atuar em nome próprio e/ou como coordenador ou agente em operações envolvendo ações ou demais investimentos relevantes. COE NÃO CONTA COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA.

Os regulamentos completos dos Planos de Previdência da BTG Pactual Vida e Previdência S/A deverão ser lidos previamente a sua contratação. Os direitos e obrigações das partes estão definidos na Proposta e nos Regulamentos do plano contratado. É recomendada a leitura cuidadosa do regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. O registro do plano na Susep não implica, por parte da autarquia, incentivo ou recomendação de comercialização. O Participante/Segurado poderá consultar a situação cadastral de seu corretor de seguros no site www.susep.gov.br, por meio do número de seu registro na Susep, nome completo, CNPJ ou CPF. BTG Pactual Vida e Previdência S/A - CNPJ: 19.449.767/0001-20. Processos SUSEP PGBL: 15414.901924/2014-44 e VGBL: 15414.901922/2014-55.

Fundos de investimento não contam com garantia do administrador do fundo, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do fundo garantidor de créditos FGC. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de rentabilidade futura. É recomendada a leitura cuidadosa do prospecto e regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. Os investidores devem estar preparados para aceitar os riscos inerentes aos diversos mercados em que os fundos atuam e, consequentemente, possíveis variações no patrimônio investido. Os produtos e serviços aqui mencionados podem não estar disponíveis em todas as jurisdições ou para determinadas categorias de investidores. Adicionalmente, a legislação e regulamentação de proteção a investidores de determinadas jurisdições/países, pode não se aplicar a produtos e serviços registrados em outras jurisdições/países, sujeitos à legislação e regulamentação respectivamente aplicáveis, além de previsões contratuais específicas.

Anbima Anbima