Investimentos

Como investir meu dinheiro? Opções de investimentos para você

Afinal, como investir meu dinheiro?

Essa é uma pergunta que muitos brasileiros se fazem.

E não é por acaso, pois esse universo de investimentos e aplicações financeiros ainda é desconhecido para muita gente, que prefere ficar na poupança.

Mas, se você quer investir conscientemente, deve saber que depender da caderneta pode não ser o melhor negócio.

Neste artigo, você vai ver algumas dicas de como investir seu dinheiro em aplicações de baixo risco e que podem ter rendimento mais elevado do que a poupança.

Você vai tirar suas dúvidas sobre os seguintes tópicos:

  • Por que migrar da poupança?
  • Como analisar as melhores opções de renda fixa
  • Por que diversificar seus investimentos?
  • Como criar um colchão de liquidez para a proteção do seu patrimônio.

Ficou interessado? Então, siga a leitura.

Por que investir seu dinheiro?

Longe de ser uma tarefa impossível, fazer investimentos é cada vez mais um objetivo do brasileiro.

Apesar de parecer um trabalho complexo, cheio de termos novos, com bastante informação e objetivos concretos é possível fazer com que o dinheiro trabalhe em seu benefício, gerando renda para auxiliar na construção do patrimônio.

Assim, investir seu dinheiro significa valorizar adequadamente seu trabalho, já que você perde muitas horas de vida dedicadas a obter esses recursos.

Depois, deixar o dinheiro parado significa perder para a inflação e manter os recursos em uma aplicação ruim, como a poupança, significa deixar de ganhar.

Para quem gosta de segurança aliada à rentabilidade nos investimentos, uma característica predominante no perfil do brasileiro, são muitas as alternativas existentes hoje no mercado.

Abaixo, conheça alguns dos passos recomendados antes de iniciar a desbravar esse universo e algumas dicas de aplicações que estão entre as mais populares oferecidas por bancos e seguradoras, que passam longe da caderneta de poupança.

Abra sua conta em um banco de investimentos

O banco de investimentos é uma instituição que auxiliará o interessado na busca pelas alternativas mais adequadas ao seu perfil de investimento, de modo a ajudar a atingir os objetivos definidos pelo investidor.

São diversas as opções existentes hoje, desde grandes bancos a instituições menores.

Com exceção da poupança, que tem uma regra fixa de rentabilidade que deve ser usada por toda instituição, as demais modalidades podem sofrer variações neste quesito e por isso pesquisar é tão importante.

A melhor dica nessa hora é buscar opções sólidas e confiáveis, como o BTG Pactual digital.

Esse banco de investimentos oferece excelentes títulos de renda fixa, com baixo risco e total assistência para o novo investidor.

Além disso, abrir a conta pode ser muito simples, e você não precisa nem sair de casa.

Faça um planejamento financeiro

Aqui está o trabalho-chave para quem busca investir.

Uma vida financeira tranquila é o objetivo de grande parte dos brasileiros, mas, no entanto, ainda são poucos os interessados que buscam informação sobre como realizar um planejamento financeiro.

Para começar um planejamento financeiro, é preciso conhecer as motivações e objetivos do investidor.

Definir metas é o primeiro passo nessa caminhada, e elas devem ser pensadas com muita atenção.

Um bom planejamento financeiro é a chave para tornar realidade qualquer objetivo definido. E além de tornar possível transformar em realidade, torna o caminho muito mais tranquilo para quem o traça.

Ok. Mas e na prática, como fazer um planejamento financeiro?

Bom, o primeiro passo para um bom planejamento de finanças pessoais é conhecer a realidade atual.

Para isso, é preciso estimar todas as receitas mensais e as despesas, de modo a permitir uma visão geral e também detalhada.

Você também deve categorizar os ganhos e também os gastos.

As despesas podem ser divididas em duas categorias: as fixas, que são os gastos com aluguel, energia elétrica, condomínio, água e internet, por exemplo, e os variáveis, que são os gastos com lazer, viagens e situações esporádicas.

Conhecer esse fluxo permitirá ao interessado em investir uma reflexão sobre os gastos realizados e promover mudanças que venham a auxiliar a atingir o objetivo definido.

Por exemplo, as despesas fixas provavelmente terão uma margem menor de manobra.

Ainda assim, é possível promover mudanças que gerem economia de energia elétrica ou pesquisar operadoras que ofereçam o serviço de telefonia por um custo menor e ao mesmo tempo mais adequado ao perfil de uso.

Entre as despesas variáveis, é preciso analisar a qualidade dos gastos realizados.

Depois disso, você pode formar o seu colchão de liquidez, uma reserva técnica equivalente a seis meses de custo de vida, que deve ser aplicada em investimentos de fácil resgate, como títulos Tesouro Selic, fundos do Tesouro Direto, fundos DI, CDB com liquidez diária, entre outros.

Apenas após a formação do colchão de liquidez é que você vai mirar retornos mais altos, em títulos mais longos.

Comece a investir o quanto antes

Evidentemente não existe idade certa para começar a investir, mas tão logo seus objetivos estejam estabelecidos é o momento de iniciar o processo, que passa por um bom planejamento financeiro.

Quanto antes a consciência sobre os benefícios de investir chegar, melhor para o cliente. Isso significará que antes as suas economias passarão a trabalhar para você, gerando uma renda extra que auxiliará a alcançar os objetivos estabelecidos inicialmente.

Defina uma meta para poupar

Ao realizar o inventário da vida financeira, analisando a qualidade dos gastos feitos, é possível enxergar onde se pode economizar para investir.

Na hora de estabelecer uma meta, existem duas situações mais comuns:

  • Valor fixo mensal: Estabelecer um valor fixo mensal é uma possibilidade interessante para quem conta com uma renda fixa por mês, como trabalhador assalariado. Pode-se estabelecer um valor mínimo fixo, por exemplo, R$ 200, e caso seja possível acrescentar mais, assim o será.
  • Valor proporcional à renda: por exemplo, para profissionais autônomos, cuja renda varia de acordo com a época do ano, uma perspectiva interessante para estabelecer uma meta de poupar é estimar um valor proporcional à renda. Assim, as economias ganham um reforço sem sobrecarregar a rotina.

Mas independentemente da alternativa escolhida para poupar, é importante que o interessado leve sua opção muito a sério.

É extremamente comum ouvir ao final de um período mais longo que a economia não gerou resultados, porém a pessoa que reclama não levou regularidade à alternativa escolhida.

Disciplina faz toda a diferença na hora de poupar e fará toda a diferença também no momento de colher os frutos dos investimentos.

Diversifique seus investimentos

Diversificar a carteira de investimentos é a recomendação mais difundida entre os educadores financeiros.

Apenas a diversificação é capaz de criar uma carteira de investimentos sólida, segura e que ao mesmo tempo busca as maiores rentabilidades.

Ao aplicar as economias em diferentes modalidades é possível construir rentabilidades e prazos que se adequem aos objetivos estabelecidos pelo investidor no curto, médio e longo prazos.

Mesmo em caso de oscilações, que podem acontecer com frequência, um portfólio diversificado permite a proteção em caso de alguma ocorrência que fuja a cartilha da previsibilidade.

Mas obviamente, não é preciso ter uma carteira com 100 diferentes modalidades de aplicação para que isso reverta em benefícios.

Diversifique de maneira a ainda manter o controle sobre as aplicações, para que os investimentos trabalhem para você e não se tornem um sacrifício de manutenção.

Investimentos seguros e rentáveis para você começar a investir

Como dissemos anteriormente, o perfil do investidor brasileiro é tradicionalmente mais conservador, ou seja, opta por aplicações que aliam segurança e rentabilidade.

Abaixo seguem algumas alternativas populares do mercado que podem se encaixar neste perfil.

Tesouro Direto

Criado pelo Tesouro Nacional em parceria com a BM&FBovespa no início dos anos 2000, o Tesouro Direto é considerado um dos investimentos mais seguro no Brasil.

O que explica essa característica é quem garante a sua remuneração, o Tesouro Nacional, ou seja, o Governo Federal.

Ao escolher o Tesouro Direto, o dinheiro do investidor para comprar um título do Tesouro é usado pelo Governo Federal para se financiar, ou seja, permitir a execução das políticas definidas e garantir a prestação de serviços que beneficiem a população de todo o país.

Na prática, ao comprar o título o cliente tem um prazo para receber de volta o valor investido, com o acréscimo de juros, o que supera os ganhos da caderneta de poupança.

Entre as principais características do Tesouro Direto, está o baixo valor inicial exigido para aplicação.

A partir de R$ 30, é possível investir.

Existem hoje diferentes títulos do Tesouro Direto. Eles podem ser:

  • Prefixados: nesta alternativa a remuneração do título é definida no momento da compra. Isso significa que o título não será afetado por nenhum indicador ou mudança na economia. A taxa definida ao adquirir será a referência para o pagamento no momento do resgate.
  • Pós-fixado: é o título mais comum. Nesta opção, o comprador pode indexar o investimento a um índice como, por exemplo, a Selic, que é a taxa básica da economia brasileira. Não é possível conhecer de antemão a rentabilidade, somente no momento do resgate do título.
  • Híbrido: o título de tesouro direto híbrido combina as duas modalidades de remuneração citadas acima. Ele é o resultado de uma taxa de juros somada a um índice de inflação, normalmente o IPCA, que é o índice oficial usado pelo Governo Federal para medir as oscilações de preço no país.

CDB

É provável que você já tenha ouvido falar muito no Certificado de Depósito Bancário, o CDB.

Ele está entre as opções mais populares de investimento do público brasileiro devido à garantia de baixo risco – conta com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos nos mesmos moldes que a poupança –, facilidade de aplicação e, em geral, rendimento maior do que o da poupança.

O CDB é oferecido pelas grandes instituições bancárias.

Ao contratá-lo, o cliente faz uma espécie de empréstimo ao banco, onde este determina o valor e fixa períodos em que o interessado não pode movimentar o dinheiro.

Durante este tempo, a instituição remunera com juros o valor depositado.

De modo geral, quanto maior o período sem movimentação, maior será a possibilidade de escolher uma alternativa com rendimento mais elevado.

O CDB pode ter liquidez diária ou pode ter um prazo para resgate, a depender do produto e da instituição. Por isso, é recomendável que entenda bem o produto em que está investindo antes de aplicar para não ser surpreendido.

Ao contrário da caderneta de poupança, que conta com uma rentabilidade fixa determinada pelo Governo Federal que independente do banco escolhido pelo cliente, o CDB conta com uma remuneração variável de acordo com a instituição.

Assim como os títulos do Tesouro Direto, tradicionalmente são três os tipos de CDB oferecidos aos clientes:

  • CDB prefixado: nessa opção o cliente sabe exatamente em quanto será remunerado já no momento da contratação. Por exemplo, se no momento da compra foi acertada uma taxa de 10,5% ao ano, independente de qualquer alteração no mercado, o cliente garante esse rendimento.
  • CDB pós-fixado: alternativa mais utilizada de CDB. Nele, a aplicação tem a taxa de remuneração atrelada ao valor do CDI, o Certificado de Depósito Interbancário. Essa taxa de juros tem valor próximo à Selic, a taxa básica de juros da economia brasileira. Se, por exemplo, um CDB pagar 110% do CDI, quando este for de 10%, a remuneração anual ficará em 11%.
  • CDB híbrido: o híbrido tem esse nome pois a sua remuneração normalmente associa uma taxa fixa de juros e a variação de um índice de inflação, normalmente o IPCA.

LCI/LCA

Com rendimentos similares ao do CDB, a LCI (Letra de Crédito Imobiliário) e a LCA (Letra de Crédito do Agronegócio) estão entre os mais populares títulos de renda fixa isentos da cobrança de Imposto de Renda.

As modalidades foram criadas com o objetivo de fomentar o crédito imobiliário e do agronegócio no país.

Elas são emitidas por bancos para captar recursos e destinar a empréstimos no setor imobiliário e agronegócio.

Os tipos de LCI e LCA são a prefixada e a pós-fixada, que tem a mesma característica das aplicações anteriores.

Ambas são títulos de renda fixa considerados muito seguros no mercado, uma vez que estão entre as modalidades protegidas pelo FGC, a instituição que garante o retorno do investimento ao cliente em caso de falência do banco escolhido nos mesmos moldes que a caderneta de poupança e o CDB.

Outra vantagem da LCI/LCA está na isenção de taxas de administração.

Entre as desvantagens da LCI/LCA está o fato de não possuir liquidez diária, ou seja, só podem ser resgatadas após o período determinado no momento da contratação.

Fundos DI

O Fundo DI é uma aplicação com alta liquidez, que serve para aquele percentual do portfólio dedicado a solucionar qualquer emergência, com resgate diário.

Ele tem a cobrança de uma pequena taxa de administração anual e do come-cotas, um elemento que antecipa o recolhimento do Imposto de Renda a cada seis meses.

Apesar de fundos de investimento poderem apresentar uma rentabilidade maior do que de títulos de renda fixa, é importante saber que eles não contam com a garantia do FGC.

Abra sua conta no BTG Pactual digital

Para quem quer investir e não sabe bem por onde começar, nada melhor do que contar com uma instituição financeira sólida como o BTG Pactual digital, um banco de investimentos que oferece excelentes produtos, diferentes alternativas em renda fixa e variável, além de uma assistência para os novos investidores.

Veja como é fácil abrir uma conta:

  1. Cadastro sem sair de casa: Basta acessar o site do BTG Pactual digital, preencher alguns dados e enviar comprovante de residência, foto do RG e uma selfie. Depois disso, aguarde um retorno por e-mail confirmando a abertura da sua conta.
  2. Descubra seu perfil de investidor: responda a um pequeno questionário para desvendar sua tolerância ao risco e o tipo de investimento que mais combina com você.
  3. Transfira o dinheiro: Envie o dinheiro de sua conta bancária para sua nova conta do BTG Pactual digital.
  4. Consulte um dos assessores de investimento: você terá o auxílio de um assessor de investimento que o orientará passo a passo em suas aplicações.
  5. Acompanhe os investimentos: através do site do aplicativo, você pode consultar a qualquer momento suas posições e rendimentos.
  6. Tenha acesso a relatórios personalizados: periodicamente, você vai receber relatórios completos com todos os resultados de suas aplicações.

Conclusão

O primeiro passo para investir seu dinheiro você já deu: começou a procurar informações de qualidade sobre o assunto.

Essa é uma excelente medida, que vai fazer a diferença nos seus rendimentos.

Se você investir sem analisar adequadamente suas opções, você pode ter prejuízo ou, no mínimo, deixar de ganhar dinheiro.

Esse é o caso, por exemplo, de quem mantém aplicação na poupança.

O investidor que deixou seu dinheiro na caderneta no início de 2015 e fez um resgate no fim de 2016 teve rendimento praticamente zero nesse período.

A poupança até rendeu um pouquinho, mas não o suficiente para vencer a inflação.

E essa luta contra a inflação pode ser vencida, desde que você analise as opções de renda fixa e invista com consciência.

Nessa jornada, conte com o BTG Pactual digital, que pode auxiliar nas suas escolhas em renda fixa e variável.

Gostou das dicas para investir seu dinheiro? Comente.

Deixe seu comentário 0

Você está a um passo para investir com mais segurança e tranquilidade.
Crie sua conta agora


Preencha com seu nome

Preencha com seu e-mail

Preencha com seu telefone

Está com dúvidas? Entre em contato com a gente!

ENTRE EM CONTATO

O Grupo BTG Pactual (“BTG Pactual”) não fornece opiniões jurídicas ou tributárias. Sendo assim, essa apresentação não constitui aconselhamento legal de qualquer natureza. Essa apresentação é um breve resumo de cunho meramente informativo, não configurando análise de valores mobiliários nos termos da Instrução CVM Nº 598, de 03 de maio de 2018, e não tendo como objetivo a consultoria, oferta, solicitação de oferta e/ou recomendação para a compra ou venda de qualquer investimento e/ou produto específico. Embora as informações e opiniões expressas aqui tenham sido obtidas de fontes confiáveis e fidedignas, nenhuma garantia ou responsabilidade, expressa ou implícita é feita a respeito da exatidão, fidelidade e/ou totalidade das informações. Todas as informações, opiniões e valores eventualmente indicados estão sujeitos à alteração sem prévio aviso. Ressaltamos também, que as opiniões expressas neste material refletem a opinião do respectivo profissional convidado e não necessariamente expressam a opinião do BTG Pactual, não devendo ser tratadas como tal. As informações contidas nesta apresentação não podem ser consideradas como única fonte de informações no processo decisório do investidor, que, antes de tomar qualquer decisão, deverá realizar uma avaliação minuciosa do produto e respectivos riscos, face aos seus objetivos pessoais e ao seu perfil de risco ("Suitability"). Para maiores informações, acesse www.btgpactualdigital.com

Os riscos da operação com títulos de renda fixa (CDB, LCI e LCA) estão na capacidade de o emissor honrar a dívida; na impossibilidade de venda do título ou na ausência de investidores interessados em adquiri-lo; e na possibilidade de variação da taxa de juros e dos indexadores. É importante a adequada compreensão da natureza, forma de rentabilidade e riscos dos títulos de renda fixa antes da sua aquisição. CDB, LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante a devolução do principal investido acrescido de juros referente a rendimentos, na hipótese da incapacidade de pagamento da instituição financeira, de até R$ 250 mil reais por CPF e por instituição financeira, considerando o limite de garantia de R$ 1 milhão para cada período de quatro anos.

FUNDOS DE INVESTIMENTO NÃO CONTAM COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA. E recomendada a leitura cuidadosa do Formulário de Informações Complementares e Regulamento do Fundo de Investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos.

Ressaltamos que as opiniões e projeções referente COE, aqui apresentadas representam a opinião da área Structured Products do BTG Pactual, mas não necessariamente a opinião institucional do BTG Pactual, podendo o BTG Pactual, suas subsidiárias e/ou seus empregados podem, eventualmente, possuir uma posição comprada ou vendida, atuar em nome próprio e/ou como coordenador ou agente em operações envolvendo ações ou demais investimentos relevantes. COE NÃO CONTA COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA.

Os regulamentos completos dos Planos de Previdência da BTG Pactual Vida e Previdência S/A deverão ser lidos previamente a sua contratação. Os direitos e obrigações das partes estão definidos na Proposta e nos Regulamentos do plano contratado. É recomendada a leitura cuidadosa do regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. O registro do plano na Susep não implica, por parte da autarquia, incentivo ou recomendação de comercialização. O Participante/Segurado poderá consultar a situação cadastral de seu corretor de seguros no site www.susep.gov.br, por meio do número de seu registro na Susep, nome completo, CNPJ ou CPF. BTG Pactual Vida e Previdência S/A - CNPJ: 19.449.767/0001-20. Processos SUSEP PGBL: 15414.901924/2014-44 e VGBL: 15414.901922/2014-55.

Fundos de investimento não contam com garantia do administrador do fundo, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do fundo garantidor de créditos FGC. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de rentabilidade futura. É recomendada a leitura cuidadosa do prospecto e regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. Os investidores devem estar preparados para aceitar os riscos inerentes aos diversos mercados em que os fundos atuam e, consequentemente, possíveis variações no patrimônio investido. Os produtos e serviços aqui mencionados podem não estar disponíveis em todas as jurisdições ou para determinadas categorias de investidores. Adicionalmente, a legislação e regulamentação de proteção a investidores de determinadas jurisdições/países, pode não se aplicar a produtos e serviços registrados em outras jurisdições/países, sujeitos à legislação e regulamentação respectivamente aplicáveis, além de previsões contratuais específicas.

Anbima Anbima