CDB vs. Poupança: vantagens, desvantagens e rendimento

cdb-ou-poupanca-btg-pactual

Você quer um investimento seguro, com baixo risco e está em dúvida entre aplicar em CDB ou poupança?

Neste artigo, nós reunimos todas as vantagens e desvantagens dessas aplicações e mostramos exemplos que vão ajudá-lo a tomar a melhor decisão para fazer seu dinheiro crescer de forma sustentável.

E se você já tem dinheiro aplicado na poupança, este artigo pode ajudar ainda mais. É provável que você esteja perdendo poder de compra ou, pelo menos, deixando de ganhar. Duvida? É o que veremos a partir de agora.

Aqui você vai aprender mais sobre:

  • O rendimento da poupança
  • Por que a inflação é uma inimiga da poupança
  • Qual foi a valorização da poupança nos últimos anos
  • Como é calculado o rendimento do CDB
  • Impacto do Imposto de Renda sobre a valorização do CDB
  • Exemplos de rendimentos prefixados e pós-fixados do CDB
  • Comparação entre CDB e poupança em um investimento de quatro anos
  • Comparação entre CDB e poupança em uma aplicação de três meses
  • Dicas para organizar suas finanças para tomar as melhores decisões de investimentos.

Ficou interessado? Siga a leitura.

O que é a poupança

cdb-ou-poupanca-o-que-e-btg-pactual

A poupança é o investimento favorito dos brasileiros. Ela é reconhecida como uma aplicação com baixo risco, alta liquidez e baixo retorno. Pode ser feita facilmente com um depósito em um banco ou corretora. Cada vez mais, porém, vem perdendo espaço entre os investidores.

Em março de 2017, os saques da poupança superaram os depósitos em R$ 4,99 bilhões.

Esse resultado é decorrente de dois fatores: a crise na economia brasileira, que obriga muitos poupadores a usar dinheiro guardado para pagar suas contas, e a baixa rentabilidade da caderneta, que perde para praticamente qualquer outra aplicação de renda fixa.

Quanto a poupança rende

cdb-ou-poupanca-quanto-a-poupanca-rende-btg-pactual

A rentabilidade da poupança é baixa e compete de frente com a inflação. Em 2015, investidores que aplicaram na caderneta perderam 2,28% de seu poder de compra. Em 2016, o ganho real, descontada a inflação, foi de apenas 1,9% no ano.

O rendimento da poupança é calculado dependendo da Taxa Selic, que dita os juros básicos da economia.

Quando a meta da Selic está em patamar superior a 8,5% (em 13 de abril, foi definida em 11,25%), a valorização da caderneta é de 0,5% ao mês mais a variação da Taxa Referencial (TR), um percentual bem pequeno calculado a partir da média ponderada dos juros do CDBs (Certificados de Depósito Bancário).

Para calcular o histórico de rendimento da poupança, é possível usar uma ferramenta gratuita disponibilizada pelo Banco Central, chamada de Calculadora do Cidadão.

Nela, você pode consultar rendimentos entre quaisquer períodos e ver quão pequena é a diferença que a TR faz nessa valorização.

Exemplo de rendimento da poupança

Se você depositasse R$ 5.000,00 na poupança na primeira segunda-feira de 2017, dia 2 de janeiro, e mantivesse o dinheiro por três meses aplicado, até dia 3 de abril de 2017, a valorização seria de apenas R$ 62,18, totalizando 1,24% de juros no período.

Por um lado, você pode ficar feliz por não pagar Imposto de Renda sobre o rendimento. Por outro, pode considerar que até um CDB pós-fixado com vencimento mensal poderia ter valorização superior. Sobre esse outro investimento, falaremos mais em breve.

Agora é hora de entender por que tanta gente investe na poupança ainda.

Vantagens da Poupança

cdb-ou-poupanca-vantagens-btg-pactual

As maiores vantagens citadas para a poupança são a facilidade do investimento, a rapidez do resgate, a isenção do Imposto de Renda e a segurança oferecida pelo Fundo Garantidor de Crédito, que banca até R$ 250 mil por investidor por instituição financeira.

Abaixo, vamos conferir as vantagens uma a uma.

Baixo custo

A poupança não tem custo inicial nem taxas de administração ou performance e não paga Imposto de Renda. Você deposita um valor e, a partir de então, recebe a valorização mês a mês.

Não há chance de o dinheiro diminuir, mas existe, como já vimos, a possibilidade de que a valorização seja inferior à inflação oficial, o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo).

Isenção de IR

Ao contrário de alguns investimentos em renda fixa, os rendimentos obtidos com a poupança não têm incidência de Imposto de Renda. Ou seja, se você obtiver uma valorização de R$ 5.000,00, é exatamente isso que você terá de ganho se decidir sacar o valor.

Em aplicações como o CDB, o Imposto de Renda sobre os rendimentos é de 22,5% a 15%, de um tempo de aplicação inferior a 180 dias a um superior a 720 dias.

Garantido pelo FGC

A poupança tem o aval do Fundo Garantidor de Crédito, que é composto por uma associação não governamental que reúne bancos e corretoras do país.

Esse fundo garante o pagamento do saldo do investimento para valores de até R$ 250 mil por CPF por instituição financeira.

Facilidade

A facilidade de aplicação e resgate é um dos fatores mais citados por quem utiliza a poupança. Você pode fazer um depósito a qualquer momento e realizar o saque a qualquer dia, recebendo de volta o valor imediatamente em sua conta do banco ou corretora.

Ficou impressionado com as vantagens da poupança? Calma, é importante conhecer a história inteira.

Desvantagens da Poupança

cdb-ou-poupanca-desvantagens-btg-pactual

Há muitas desvantagens associadas à poupança. A principal delas é o baixo rendimento, que briga de frente apenas com a inflação (nem sempre com vantagem).

Outra delas é a forma de remuneração, que ocorre mensalmente, e não diariamente, a cada aniversário do depósito.

Inflação

A poupança é um investimento prático e seguro, mas quando uma aplicação pode nem sequer superar a inflação, é melhor tomar cuidado.

Foi o que ocorreu em 2015 (e em muitos outros anos), quando o poder de compra de quem deixou o dinheiro na caderneta foi reduzido em 2,28%.

Rendimento

O rendimento da poupança é muito pequeno, e não há cenário no horizonte que projete boas perspectivas para ele.

No ano passado, o ganho real de quem investiu na caderneta foi de 1,9% apenas, descontando a inflação oficial do país.

O cálculo de valorização é o seguinte: 0,5% ao mês mais a variação da TR, uma taxa de cálculo complexo que não costuma ser atraente para o investidor.

Remuneração

Muita gente pensa que a poupança é o investimento de alta liquidez, já que você pode sacá-la a qualquer momento. Mas você sabia que a remuneração ocorre apenas uma vez por mês, no aniversário do depósito?

Assim, se você simplesmente decidir resgatar o saldo de uma hora para a outra, pode perder todo o rendimento dos últimos dias.

Entendeu melhor como funciona a poupança? Então, este é o momento de analisar uma alternativa bem interessante de investimento, o CDB.

O que é o CDB

cdb-ou-poupanca-o-que-e-cdb-btg-pactual

CDB é a sigla de Certificado de Depósito Bancário. Trata-se de títulos de renda fixa emitidos pelos bancos e corretoras para captação de divisas para empréstimos a terceiros.

A instituição emite o título, o investidor compra e recebe juros que podem ser prefixados ou pós-fixados (normalmente atrelados ao CDI, um índice de referência que segue de perto a Selic).

Quanto o CDB rende

cdb-ou-poupanca-quanto-cdb-rende-btg-pactual

O rendimento do CDB varia conforme a corretora e o banco de investimentos. Há diferentes títulos com diversos vencimentos e formas de remuneração.

Normalmente, quanto maior a duração da aplicação, maior a valorização oferecida pela instituição financeira.

No BTG Pactual digital, por exemplo, você encontra muitos títulos interessantes de CDB em nosso catálogo de produtos.

Os CDBs prefixados têm percentual de valorização já estabelecido na hora da compra. No caso de um CDB prefixado de 10,6% ao ano, por exemplo, significa que um investimento de R$ 25.000,00 vai se transformar em R$ 27.650,00 depois de 12 meses (antes do desconto do Imposto de Renda de 17,5%).

Já os títulos atrelados ao CDI dependem dessa referência, que normalmente segue de perto a Selic. Em 2016, por exemplo, o CDI foi de 14%.

Isso significa que um investimento que paga 100% do CDI se valorizou 14% em 2016.

Tomando como exemplo um título que paga 108% do CDI com prazo de 24 meses, um investimento de R$ 25.000,00 no início de 2015 teria uma valorização de 31,75% em dois anos e se transformaria em R$ 32.937,50 (antes do Imposto de Renda de 15%).

Esse cálculo pode ser feito na Calculadora do Cidadão, ferramenta gratuita disponibilizada pelo Banco Central.

Vantagens do CDB

cdb-ou-poupanca-vantagens-cdb-btg-pactual

Entre as vantagens do CDB, estão o rendimento elevado para a renda fixa, a proteção do Fundo Garantidor de Crédito, de até R$ 250 mil por pessoa e por instituição emissora, (ou seja, é uma aplicação tão segura quanto a poupança) e valorizações competitivas até para o curto prazo.

Prazo para resgate

Existem CDBs com prazos bem pequenos para o resgate, como um mês apenas, e até opções sem prazo de carência, normalmente com juros um pouco menores.

Normalmente, têm prazo de carência menor do que LCIs e LCAs (Letras de Crédito Imobiliárias e do Agronegócio).

Garantido pelo FGC

O CDB é tão seguro quanto a poupança, pois conta com a mesma proteção do Fundo Garantidor de Crédito, que se compromete a bancar o saldo de investimentos para valores de até R$ 250 mil por CPF por instituição financeira. Mesmo que o banco ou corretora entrar com pedido de falência, seu dinheiro está garantido.

Margem de garantia

Títulos de renda fixa como o CDB podem servir de margem de garantia para operação em contratos futuros da bolsa de valores. Essa margem serve para a negociação de derivativos, como o dólar futuro e contratos agrícolas.

Assim, em vez de depositar um valor de garantia (um percentual variável do total do contrato), você pode usar o CDB.

Desvantagens do CDB

Três das desvantagens do CDB são:

  • A cobrança de Imposto de Renda, de 22,5% a 15% dos rendimentos dependendo do tempo de aplicação
  • A grande quantidade de títulos com valorizações diferentes, que pode atrapalhar o investidor iniciante
  • O prazo de carência dos títulos, que varia bastante.

Imposto de Renda

O Imposto de Renda no CDB (e em muitos títulos de renda fixa) é cobrado de acordo com uma tabela regressiva, que premia quem mantém o investimento por mais tempo.

A alíquota máxima é de 22,5%, para aplicações inferiores a 180 dias, e a mínima, de 15%, para aplicações superiores a 720 dias. Importante: o imposto incide apenas sobre a valorização (juros), e não sobre o total aplicado.

Confira a tabela:

Tempo do investimentoAlíquota do IR
Até 180 dias22,5%
De 181 a 365 dias20%
De 365 a 720 dias17,5%
Acima de 720 dias15%

Entendeu como funciona?

Imagine um investimento que tenha rendido R$ 3.000,00 em três anos. Como o tempo de aplicação é superior a 720 dias (dois anos), o imposto será de 15%. Ou seja, do total da valorização, é preciso subtrair R$ 450,00. A valorização final: R$ 2.550,00.

Agora, considere uma aplicação de CDB com valorização de R$ 1.000,00 em três meses. Nesse curto período de tempo, a alíquota é a mais alta, de 22,5%. Ou seja, do rendimento de R$ 1.000,00, é preciso subtrair R$ 225,00. Resultado final: R$ 775,00.

Diversidade de rendimentos

Há muitas opções de CDB à disposição. Por um lado, essa diversidade é positiva, já que oferece alternativas para diferentes perfis. Por outro, pode deixar confuso o investidor que está ingressando há pouco no universo da renda fixa.

Na prática, simplificando bastante, os melhores títulos vão depender do capital disponível, da liquidez necessária e das projeções para a Selic.

Prazo de carência

Muitos títulos de CDB têm um prazo de carência, seja de um mês, seja de 60 meses. Nesse período, não dá para resgatar o título e convertê-lo em dinheiro.

Assim, investidores que não possuem um bom planejamento financeiro podem se perder nas contas ou deixar de aplicar por medo de precisarem da reserva antes da hora.

IOF

Há títulos de CDB sem prazo de carência, que costumam pagar juros menores ao investidor. O problema aqui é ter atenção para não fazer o resgate antes de 30 dias da aplicação, para que não haja a incidência do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras).

Esse é um tributo bastante agressivo, que começa em 96% sobre os rendimentos para um dia de aplicação e regride ao longo dos 30 primeiros dias.

Confira a tabela:

Dias corridosIOF sobre o rendimentoDias corridosIOF sobre o rendimento
196%1646%
293%1743%
390%1840%
486%1936%
583%2033%
680%2130%
776%2226%
873%2323%
970%2420%
1066%2516%
1163%2613%
1260%2710%
1356%286%
1453%293%
1550%300%

Entendeu um pouco melhor como funciona o CDB e como se dá a sua remuneração e os seus custos? Agora vamos a uma comparação com exemplos práticos de valorização da poupança e do CDB em diferentes cenários.

Investir em Poupança ou CDB?

cdb-ou-poupanca-qual-investir-btg-pactual

Se você tiver dinheiro para investir e estiver em dúvida entre poupança e CDB, não é preciso pensar muito: o CDB geralmente tem rendimento superior e deve ser privilegiado nessa conta.

Antes de tomar a decisão, porém, você deve fazer um planejamento para ter certeza do quanto pode aplicar de fato sem se preocupar com o período de carência do título.

Comparativo de aplicação em CDB e Poupança

Vamos comparar quanto é possível ganhar a mais com o CDB em detrimento da poupança? Para isso, tomemos como exemplo um título pós-fixado com prazo de 48 meses, taxa de 109,8% do CDI.

Em quatro anos, de janeiro de 2013 ao fim de 2016, considerando essa taxa e um investimento de R$ 25.000,00, o investidor teria uma valorização de 61,33% (R$ 15.332,12). Desse rendimento, seriam descontados 15% de Imposto de Renda (R$ 2.299,81). O resultado final: R$ 38.032,31.

Quanto será que essa mesma aplicação teria rendido no mesmo período na poupança? R$ 32.930,24, ou seja, R$ 5.206,73 a menos.

Nessa comparação, a poupança se valorizou quase 40% a menos do que o CDB (já descontado o Imposto de Renda).

Essa comparação fica menos positiva para o CDB em aplicações de menor duração. Por exemplo, em um CDB de três meses, o Imposto de Renda é de 22,5% sobre a valorização, e os juros, menores.

Mesmo assim, o CDB costuma levar vantagem mesmo no curto prazo. Um título de R$ 25.000,00 com juros prefixados de 10% ao ano resultaria em três meses, descontando o Imposto de Renda de 22,5%, uma valorização de R$ 468,72.

Já a poupança, considerando aplicação no início de janeiro de 2017 e resgate no aniversário de abril de 2017, teria valorização de R$ 460,00.

Na prática, se você está achando que a poupança pode valer a pena, é porque não fez as contas direito, não organizou suas finanças de forma adequada ou não pesquisou a fundo boas alternativas de renda fixa, como CDB, LCI, LCA e Tesouro Direto.

Conclusão

Não há dúvida de que o CDB é um melhor investimento do que a poupança na maioria dos casos. Mas, para ter certeza, você deve encontrar bons títulos de CDB que se encaixem na sua capacidade de aplicação e que tenham um prazo de resgate que não vá atrapalhar seu fluxo financeiro.

Isso significa que o primeiro passo antes de aplicar seu dinheiro em um desses investimentos é descobrir qual é a sua situação financeira atual:

  • Quanto você ganha por mês e por ano
  • Quais são seus gastos mensais (com previsão para as despesas extraordinárias)
  • Qual é a estabilidade do seu emprego.

Com esses dados, você deve separar um valor equivalente a cinco ou seis meses de seus gastos mensais para ter à disposição de forma rápida, ou seja, aplicados em um investimento de alta liquidez.

Você pode colocar parte dos recursos em fundos DI, que aplicam em títulos de renda fixa. Outra fatia pode ser destinada a títulos Tesouro Selic, que acompanham a taxa de juros, têm pequena oscilação e podem ser vendidos a qualquer momento.

Há ainda a opção de deixar parte das reservas em títulos de CDB ou LCI e LCA com prazo pequeno para o resgate.

Depois dessa medida de prevenção, você pode pesquisar um CDB com rendimentos atraentes, de preferência em um banco de investimentos ou corretora que ofereça uma boa assistência, como o BTG Pactual digital.

Depois, é hora de encontrar boas taxas de retorno e alocar a maior parcela dos seus investimentos.

Ficou intrigado sobre onde andará a poupança nessa história? Bom, a caderneta deve sair de sua vida o quanto antes.

Essa afirmação não é exagero. Se a poupança é parte dos seus investimentos neste momento, tudo bem: você está começando a organizar suas finanças e suas aplicações.

Mas, a partir de agora, comece a traçar seu plano de fuga da caderneta e o seu ingresso no mundo das boas práticas de investimentos.

Para isso, siga o nosso blog, confira nossos guias e textos com dicas e orientações de investimentos e invista tempo na sua educação econômica e financeira.

abra_sua_conta_btg_pactual_digital

Artigos relacionados

Deixe seu comentário 4

  1. Obrigado pelo artigo é um excelente material fácil de entender e as explicações com exemplo faz agente ter uma noção real de valores. Parabéns !
    Mas faltou comentar sobre as taxas de administração do investimento, pois elas variam muito e fazem parte da composição final da análise de comparação entre os investimentos. Vocês poderiam adicionar ao material?
    Obrigado!

    1. Olá, Ricardo. Obrigado pelo comentário. Esse investimento não tem taxa de administração no BTG Pactual digital. Qualquer dúvida, estamos à disposição para te ajudar por meio dos nossos canais de atendimento: (011) 3383-2222 ou atendimento@btgpactualdigital.com.

  2. Estou querendo investir meu dinheiro e ter um juro bom, mais estou com dúvida e gostaria de um ajuda?…

    1. Olá, Alexssandro, tudo bom? Um de nossos assessores de investimento entrou em contato por email. Se preferir, também estamos à disposição para te ajudar por meio dos nossos canais de atendimento: (011) 3383-2222 ou atendimento@btgpactualdigital.com.