Infográficos

Estratégia mensal Setembro – Melhora econômica em curso

A economia brasileira continua mostrando sinais de melhora, confirmados pelos últimos dados econômicos divulgados pelo mercado. Ao mesmo tempo, o governo continua se esforçando para aprovar a agenda de reformas, e a bola da vez é a nova taxa de longo prazo (TLP) e a privatização da Eletrobrás. Mesmo que alguns riscos não tenham sumido do mapa, o cenário político continua mostrando menos sinais de turbulência. Quer saber o que temos a dizer? Leia o texto abaixo.

Melhora econômica em curso; política sob controle… até agora

Os últimos dados econômicos mostram que o Brasil vem se recuperando gradualmente. A taxa de desemprego vem caindo nos últimos meses, os salários reais têm aumentado nos últimos 6 meses e o índice de confiança do empresariado mostrou também sinais positivos. Outros dois pontos nessa trajetória positiva, que não devemos esquecer, são: os resultados das empresas no último trimestre surpreenderam positivamente e a taxa de juros vem caindo rapidamente – esperamos que a taxa de juros chegue a 7,5% aa no final de 2017. Esses dois fatores, em conjunto, favorecem os resultados financeiros, e impulsionam o investimento de longo prazo.

A agenda de reformas do governo continua seguindo em frente. Em Setembro, a nova taxa de juros de longo prazo (TLP) foi aprovada pelo congresso, com uma nova metodologia que é mais eficiente e transparente que a antiga TJLP. E para a surpresa (positiva) da maioria, o governo também anunciou seus planos de privatizar a Eletrobrás.

No campo político, as turbulências do passado deram espaço a um cenário mais calmo (por enquanto…). É esperado que o Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, apresente a segunda denúncia contra o presidente da república, Michel Temer, porém, muito provavelmente, a denúncia não passará no congresso, como aconteceu com a primeira. O principal risco no curto prazo no que tange ao ambiente político, é a possibilidade de surgimento de novas delações premiadas envolvendo políticos do alto escalão.

No momento, não vemos nenhum risco político relevante no curto prazo, porém, achamos que a reforma da previdência tem grandes chances de não ser aprovada, mesmo sendo a reforma mais importante para o Brasil nesse momento. Com o déficit fiscal em uma situação não muito confortável, esse atraso na reforma da previdência pode prejudicar a confiança de que as contas públicas brasileiras serão eventualmente equilibradas.

Olhando um pouco mais a longo prazo, a eleição presidencial vem tomando lugar nos fóruns de conversa e adicionando uma pitada de volatilidade no mercado. Com a melhora na economia, a chance de eleger um candidato com a cabeça alinhada com a atual política econômica e com as recentes reformas aumentaram. Contudo, com muitos políticos brasileiros, de ambos os lados do espectro político, envolvidos em escândalos de corrupção, a eleição de 2018 nos parece completamente aberta.

Dados recentes mostram sinais de recuperação.

A última pesquisa, divulgada pelo IBGE, sobre o desemprego no Brasil, mostrou que o cenário continua positivo. Pela quarta vez consecutiva o resultado mensal tem indicado uma diminuição na taxa de desemprego. Esse mês a taxa sem ajuste sazonal alcançou 12,8%. O pico de desemprego foi atingido em março, chegando a 13,7%. No mesmo tom positivo, o salário real aumentou m/m, causando o aumento total na massa salarial pelo sexto mês consecutivo (+1,7% desde janeiro; 3,1% a/a).

Gráfico 1 | Taxa de Desemprego (Histórico com ajuste e sem ajuste sazonal)

 

Fonte: IBGE e BTG Pactual

Gráfico 2 | Salário médio e Salário total (R$ mil e R$ Bilhões)

 

Fonte: IBGE  e BTG Pactual

Depois de cair em junho, a confiança do empresariado marcou o segundo aumento consecutivo em agosto, com um crescimento de 1,4 pontos, seguindo a tendência positiva vista desde meados de 2015. Por outro lado, a confiança do consumidor caiu em agosto pelo terceiro mês consecutivo. O índice havia crescido 20 pontos entre setembro de 2015 e maio de 2017. Talvez mais importante que a confiança do consumidor para o varejo, a intenção de compra pelos consumidores, medida pela Fecormercio, continua crescendo (15,7 pontos em relação a mínima registrada em junho de 2016).

Gráfico 3 | Índice de Confiança do empresariado

 

Fonte: FGV e BTG Pactual

Gráfico 4 | Índice de Confiança do consumidor

 

Fonte: FGV e BTG Pactual

Gráfico 5 | Intenção de compra do consumidor | histórico índice

 

Fonte: Fecomercio  e BTG Pactual

Com os pontos citados, mantemos nossa visão mais otimista quanto ao mercado de ações brasileiro, mesmo com alguns riscos relevantes pela frente, principalemente a eleição presidencial em 2018 e o crescente déficit fiscal. Achamos que um portfólio exposto a baixa taxa de juros e uma melhora nas perspectivas econômicas possa ter uma boa performance, além de uma proteção adicional a um possível aumento na volatilidade.

 

 

Deixe seu comentário 0

Você está a um passo para investir com mais segurança e tranquilidade.
Crie sua conta agora


Preencha com seu nome

Preencha com seu e-mail

Preencha com seu telefone

Está com dúvidas? Entre em contato com a gente!

ENTRE EM CONTATO

O Grupo BTG Pactual (“BTG Pactual”) não fornece opiniões jurídicas ou tributárias. Sendo assim, essa apresentação não constitui aconselhamento legal de qualquer natureza. Essa apresentação é um breve resumo de cunho meramente informativo, não configurando análise de valores mobiliários nos termos da Instrução CVM Nº 598, de 03 de maio de 2018, e não tendo como objetivo a consultoria, oferta, solicitação de oferta e/ou recomendação para a compra ou venda de qualquer investimento e/ou produto específico. Embora as informações e opiniões expressas aqui tenham sido obtidas de fontes confiáveis e fidedignas, nenhuma garantia ou responsabilidade, expressa ou implícita é feita a respeito da exatidão, fidelidade e/ou totalidade das informações. Todas as informações, opiniões e valores eventualmente indicados estão sujeitos à alteração sem prévio aviso. Ressaltamos também, que as opiniões expressas neste material refletem a opinião do respectivo profissional convidado e não necessariamente expressam a opinião do BTG Pactual, não devendo ser tratadas como tal. As informações contidas nesta apresentação não podem ser consideradas como única fonte de informações no processo decisório do investidor, que, antes de tomar qualquer decisão, deverá realizar uma avaliação minuciosa do produto e respectivos riscos, face aos seus objetivos pessoais e ao seu perfil de risco ("Suitability"). Para maiores informações, acesse www.btgpactualdigital.com

Os riscos da operação com títulos de renda fixa (CDB, LCI e LCA) estão na capacidade de o emissor honrar a dívida; na impossibilidade de venda do título ou na ausência de investidores interessados em adquiri-lo; e na possibilidade de variação da taxa de juros e dos indexadores. É importante a adequada compreensão da natureza, forma de rentabilidade e riscos dos títulos de renda fixa antes da sua aquisição. CDB, LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante a devolução do principal investido acrescido de juros referente a rendimentos, na hipótese da incapacidade de pagamento da instituição financeira, de até R$ 250 mil reais por CPF e por instituição financeira, considerando o limite de garantia de R$ 1 milhão para cada período de quatro anos.

FUNDOS DE INVESTIMENTO NÃO CONTAM COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA. E recomendada a leitura cuidadosa do Formulário de Informações Complementares e Regulamento do Fundo de Investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos.

Ressaltamos que as opiniões e projeções referente COE, aqui apresentadas representam a opinião da área Structured Products do BTG Pactual, mas não necessariamente a opinião institucional do BTG Pactual, podendo o BTG Pactual, suas subsidiárias e/ou seus empregados podem, eventualmente, possuir uma posição comprada ou vendida, atuar em nome próprio e/ou como coordenador ou agente em operações envolvendo ações ou demais investimentos relevantes. COE NÃO CONTA COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA.

Os regulamentos completos dos Planos de Previdência da BTG Pactual Vida e Previdência S/A deverão ser lidos previamente a sua contratação. Os direitos e obrigações das partes estão definidos na Proposta e nos Regulamentos do plano contratado. É recomendada a leitura cuidadosa do regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. O registro do plano na Susep não implica, por parte da autarquia, incentivo ou recomendação de comercialização. O Participante/Segurado poderá consultar a situação cadastral de seu corretor de seguros no site www.susep.gov.br, por meio do número de seu registro na Susep, nome completo, CNPJ ou CPF. BTG Pactual Vida e Previdência S/A - CNPJ: 19.449.767/0001-20. Processos SUSEP PGBL: 15414.901924/2014-44 e VGBL: 15414.901922/2014-55.

Fundos de investimento não contam com garantia do administrador do fundo, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do fundo garantidor de créditos FGC. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de rentabilidade futura. É recomendada a leitura cuidadosa do prospecto e regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. Os investidores devem estar preparados para aceitar os riscos inerentes aos diversos mercados em que os fundos atuam e, consequentemente, possíveis variações no patrimônio investido. Os produtos e serviços aqui mencionados podem não estar disponíveis em todas as jurisdições ou para determinadas categorias de investidores. Adicionalmente, a legislação e regulamentação de proteção a investidores de determinadas jurisdições/países, pode não se aplicar a produtos e serviços registrados em outras jurisdições/países, sujeitos à legislação e regulamentação respectivamente aplicáveis, além de previsões contratuais específicas.

Anbima Anbima