Finanças

Mercado Financeiro: o que é, como funciona e para que serve

Está pensando em começar a investir e em dúvida sobre o que é o mercado financeiro e como você pode dar os primeiros passos na área? Então você chegou ao lugar certo: neste artigo, vamos explicar o que você precisa saber sobre o assunto.

  • Como você pode participar do mercado financeiro?
  • Quais são os principais produtos e serviços do mercado?
  • O que são emissores de títulos?
  • Quais são os riscos dos investimentos?
  • Quais são as garantias em renda fixa?
  • Como ocorre a negociação na bolsa de valores?
  • Quais são os principais agentes do mercado?
  • Quais são as principais instituições do mercado?
  • Qual é o melhor caminho para começar a investir em fundos?

Ficou interessado? Então siga a leitura.

O que é o Mercado Financeiro?

mercado-financeiro-o-que-e-btg-pactual

Mercado financeiro é, por definição, um ambiente de compra e venda de valores mobiliários (ações, opções, títulos), câmbio (moedas estrangeiras) e mercadorias (ouro, produtos agrícolas).

Nessa negociações, estão envolvidas diversas instituições, que facilitam o encontro entre agentes e regulam e fiscalizam as transações.

No mercado financeiro, o investidor é aquele que dispõe de dinheiro sobrando e que deseja multiplicá-lo.

Os caminhos para isso são diversos, mas partem da mesma premissa: a verba é destinada a uma aplicação que oferece valorização de acordo com diretrizes acordadas entre as partes.

Na renda fixa, por exemplo, o investidor pode projetar o rendimento na hora do investimento: ele saberá se o dinheiro vai se valorizar de forma prefixada, com um juro anual definido, pós-fixada, atrelada a um indicador, ou híbrida, pagando um juros fixo mais a variação de um índice de preços.

Já na renda variável, por outro lado, não há uma garantia de retorno. Um investimento em ações de uma empresa na bolsa de valores pode se valorizar ou desvalorizar, dependendo do interesse do mercado.

Mas se por um lado há investidores, o que há na outra ponta do mercado financeiro? Os tomadores de recursos. Eles são as empresas, instituições ou pessoas que querem captar dinheiro para diversos fins, como pagamento de dívidas, financiamento de maquinário, entre outros.

O mercado financeiro permite o devido fluxo da economia.

Quer um exemplo prático?

Digamos que você invista R$ 10.000,00 em um CDB (Certificado de Depósito Bancário) em um banco. Como contrapartida, você receberá, ao vencimento do título, juros prefixados de 10,3% ao ano.

Então outra pessoa procura a mesma instituição financeira para solicitar um financiamento de R$ 10.000,00 para cobrir parte do valor de um automóvel que ela está comprando.

O que acontece? O banco empresta esse dinheiro cobrando uma taxa superior àquela que está pagando para o investidor.

Assim, duas pontas da economia foram conectadas pelo mercado financeiro. Essas instituições intermediárias facilitam, portanto, o encontro entre os tomadores e os investidores.

Para isso, claro, o intermediário cobra uma taxa sobre as operações.

A seguir, vamos entender em detalhes como funciona o mercado financeiro e como você pode fazer proveito desse conhecimento para investir melhor.

Como funciona?

mercado-financeiro-como-funciona-btg-pactual

Como vimos, o mercado financeiro funciona de forma a aproximar agentes, como um investidor e um tomador de recursos.

Eles não precisam conversar ou estabelecer contato entre si, pois essa ponte é feita através de aplicações da própria instituição financeira.

Dessa forma, você pode investir seu dinheiro aplicando em um CDB e acabar fornecendo o capital necessário para que a instituição financeira ofereça um empréstimo a um empresário que precisa de capital de giro para o seu negócio.

Assim, o resumo é que quem possui recursos em excesso empresta para quem sofre com sua falta (e demonstra capacidade de pagar).

Para normatizar o mercado, existem diversos órgãos importantes, entre eles: Conselho Monetário Nacional (CMN), o Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) e o Conselho Nacional de Previdência Complementar (CNPC).

Eles dão as diretrizes operacionais a partir das quais as instituições financeiras se baseiam.

E quando falamos em “mercado” ou “mercado financeiro”, não se trata apenas de títulos de renda fixa ou de ações na bolsa.

Veja como o mercado financeiro é dividido:

  • Mercado de crédito: trata dos empréstimos bancários. É o mercado que você acessa ao solicitar um financiamento ou usar o cheque especial.
  • Mercado aberto: cuida das empresas com capital aberto, ou seja, que negocia suas ações através da bolsa de valores, que regula a oferta e a demanda pelos papéis das companhias.
  • Mercado de câmbio: é a plataforma de negociação de moedas estrangeiras da relação justa entre as moedas dos países.

Principais instituições do mercado financeiro

mercado-financeiro-principais-instituicoes-btg-pactual

Confira abaixo quais são algumas das principais instituições do mercado financeiro:

Banco Central do Brasil

Criado no fim de 1964, o Banco Central do Brasil, também chamado de Bacen, BC ou BCB, é uma autarquia do Sistema Financeiro Nacional, vinculada ao Ministério da Fazenda.

É a principal instituição financeira do país. Cumpre a função de depositário do Tesouro Nacional e muitas outras. Confira:

  • Reservas cambiais do país (em ouro e em dólar)
  • Monitoramento e supervisão do sistema financeiro nacional
  • Emissão de papel-moeda e moeda metálica
  • Definição do controle de moeda nacional e estrangeira no país e regulação das taxas de juros
  • Provisionamento de liquidez e assistência para membros do sistema financeiro para garantir o equilíbrio do mercado.

Comissão de Valores Mobiliários

A Comissão de Valores Mobiliários busca fiscalizar o mercado de valores mobiliários, restringindo e punindo instituições que descumprem as diretrizes estabelecidas.

Instituições financeiras

Instituições financeiras são os bancos comerciais, corretoras, bancos de desenvolvimento, cooperativas de crédito, sociedades de financiamento, sociedades corretoras, bancos de investimento, entre outras.

Subdivisões do mercado financeiro

mercado-financeiro-subdivisoes-btg-pactual

O mercado financeiro pode ser subdividido da seguinte forma:

Mercado de Capitais

O Mercado de capitais trata de títulos, ações e derivativos em bolsas de valores, sociedades corretoras e outras instituições financeiras.

Quando você investe em uma LCI ou LCA de um banco de investimentos, está aplicando no mercado de capitais. Quando compra um lote de ações na bolsa de valores, também.

Mercado de Crédito

O mercado de crédito é onde são negociados os recursos de curto, médio e longo prazo para pessoas e empresas que buscam capital para capital de giro ou consumo.

O Banco Central é o responsável por controlar e normatizar esse mercado e, através do Conselho de Política Monetária, dita os juros básicos da economia, que se refletem nos empréstimos.

Mercado de Câmbio

O mercado de câmbio é onde ocorre a troca de moeda de uma nação pela moeda de um outro país. Quando você vai viajar para os Estados Unidos e quer comprar dólar para garantir suas compras ou um passeio na Disney, está atuando no mercado de câmbio.

Mercado Monetário

O mercado monetário é onde são realizados os empréstimos de curto prazo, com vencimentos inferiores a um ano. A negociação se dá principalmente através de títulos do Tesouro. O Banco Central e as instituições financeiras são os agentes desse mercado.

Tipos de investimentos

mercado-financeiro-tipos-investimentos-btg-pactual

O mercado financeiro oferece basicamente dois tipos de investimento, a renda fixa e a renda variável. Ambas são bastante interessantes e não devem ser descartadas pelo investidor.

No Brasil, a renda fixa tem muito maior adesão do que a variável. E a campeã de aplicações ainda é a poupança.

Renda Fixa

Renda fixa é o tipo de investimento que oferece uma base de projeção ou o cálculo do retorno exato antes da aplicação.

Títulos assim podem ter rendimento prefixado, com um juro anual definido, pós-fixado, atrelado a um indicador como o CDI (Certificado de Depósito Interbancário, referência de rentabilidade), ou híbrido, com um juro fixo mais a variação do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo, considerado a inflação oficial do país).

São exemplos de renda fixa boa parte das aplicações que você conhece, como a poupança, o CDB (Certificado de Depósito Bancário), a LCI/LCA (Letra de Crédito Imobiliário e Letra de Crédito do Agronegócio), Tesouro Direto, debêntures, LC (Letra de câmbio), entre outros.

Renda Variável

A renda variável ainda é pouco explorada pelo investidor pessoa física no Brasil. Em mercados mais desenvolvidos, como os Estados Unidos, a ela representa fatia bem mais ampla dos investimentos.

Exemplos de renda variável são ações, opções e derivativos na bolsa de valores, fundos de investimento de ações e multimercados, entre outros.

Na comparação com a renda fixa, a variável acarreta maior volatilidade e maior risco de prejuízo, embora ofereça potencial de retornos mais elevados.

Para quem está começando, é importante não alocar todas as suas reservas em renda variável. Procure saber o seu perfil de investidor, saber se esse tipo de investimento faz sentido para você e busque se informar primeiro e, se for o caso, destine, inicialmente, uma parcela pequena, como 5% ou 10%, para ações ou fundos.

Agentes do mercado

mercado-financeiro-agentes-btg-pactual

Confira abaixo quais são os principais agentes do mercado financeiro no Brasil:

Emissores de títulos

Na renda fixa, os emissores dos títulos podem ser o Tesouro (para os títulos públicos) ou instituições financeiras (para títulos privados).

Analisando o risco, nesse caso, é fácil entender por que o Tesouro Direto é considerado o investimento mais seguro: você está colocando seu dinheiro em dívida do Governo Federal, que se compromete a pagar seu dinheiro de volta acrescido de juros.

No caso dos títulos privados, o risco é maior, já que se trata de instituições privadas (bancos ou corretoras).

Para aumentar a segurança dessas aplicações, há um mecanismo de proteção ao investidor chamado de Fundo Garantidor de Crédito, que garante o saldo de algumas aplicações (como CDB, LCI/LCA, poupança) em caso de quebra do emissor, para um limite de até R$ 250 mil. Para ter essa garantia, certifique-se se o produto que você tem interesse conta com essa proteção antes de investir.

Bolsa de valores

A bolsa de valores é uma plataforma de negociação de ações de empresas de capital aberto.

No Brasil, a bolsa oficial se chama BMF&Bovespa (Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo), desde 2008, quando ocorreu a fusão da Bolsa de Valores de São Paulo com a Bolsa de Mercadorias e Futuros.

O investidor pode atuar no mercado à vista, comprando diretamente ações de empresas que considerar promissoras, ou optar por aplicar em fundos de investimento, nos quais o papel de alocação recai sobre o gestor, um profissional com larga experiência na área.

Tomadores

Tomadores de recursos são empresas ou indivíduos que precisam de capital (para fluxo de caixa, capital de giro, financiamento, etc) e estão dispostos a pagar juros pelo dinheiro.

Investidores

Investidores são pessoas físicas ou jurídicas que desejam multiplicar seu capital que está sobrando. Eles abrem mão da disponibilidade do recurso em um momento para colherem a valorização em um prazo previamente acertado na aplicação.

Fundos de investimentos

mercado-fiannceiro-fundos-investimentos-btg-pactual

Fundos de investimentos são uma excelente maneira de ingressar no mercado financeiro, já que oferecem a chance de você diversificar aplicações sem ter grande conhecimento sobre o assunto.

Em um fundo, você faz um aporte inicial, que é convertido em cotas, e depois espera esse dinheiro se valorizar.

Existem quatro tipos de fundos considerando as classes de ativos, de acordo com a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais: renda fixa, ações, multimercados e cambiais.

Fundo de renda fixa

Tem foco em retornos por meio de investimentos em ativos de renda fixa (também são aceitos títulos sintetizados via derivativos), com estratégias que envolvam risco de juros e de índice de preços. São indicados para quem quer menor volatilidade e riscos bastante controlados, com alta liquidez.

Fundo de ações

Possui principalmente ativos de renda variável, como ações à vista, bônus ou recibos de subscrição, certificados de depósito de ações. No mínimo, 67% da carteira é alocada nessas aplicações.

Fundo multimercado

É o mais versátil dos fundos e oferece estratégias complexas, sem muitas restrições sobre as alocações em determinados ativos ou derivativos.

Fundos cambiais

Pelo menos 80% da carteira é destinada a ativos relacionados diretamente ou sintetizados, via derivativos, a moedas estrangeiras. É uma opção bastante atraente para quem possui contratos em moeda estrangeira e busca se proteger de oscilações do dólar ou do euro, por exemplo.

Fundos de investimento da família Tesouro no BTG Pactual digital

mercado-financeiro-fundo-investimento-familia-btg-pactual

Ficou interessado em investir em fundos? O BTG Pactual digital possui uma família de fundos que investem prioritariamente em títulos do Tesouro.

Esses fundos de investimentos aplicam recursos dos cotistas em títulos do Tesouro com variados vencimentos e rendimentos, com o objetivo de obter o melhor retorno para cada perfil de investidor.

Com eles, em vez de pagar uma taxa de custódia anual de 0,3% no Tesouro Direto, você paga uma taxa de administração anual de 0,2%.

Abaixo, você vai conhecer quatro fundos desse tipo: o IPCA Curto, o IPCA Longo, o IPCA Geral e o Tesouro Selic.

IPCA Curto

O IPCA Curto mira a rentabilidade atrelada ao IPCA e coloca os recursos dos cotistas em títulos Tesouro IPCA com prazo de até cinco anos. É uma maneira acessível e prática de conseguir boa rentabilidade protegida de inflação, com alta liquidez.

Liquidez financeira: D+1 (em um dia útil).

Investimento mínimo: R$ 3.000,00.

IPCA Longo

O IPCA Longo busca a superação do índice IMA-B5+ e destina a maior parte do capital títulos Tesouro IPCA com prazo superiores a cinco anos. Ele oferece o rendimento do Tesouro atrelada ao IPCA e serve para quem quer se blindar da inflação.

Liquidez financeira: D+2 (em dois dias úteis).

Investimento mínimo: R$ 3.000,00.

IPCA Geral

O IPCA Geral tem o objetivo de proporcionar rentabilidade superior ao índice IMA-B, que representa o desempenho de uma carteira de títulos federais atrelados à inflação. A alocação dos recursos visa principalmente os títulos Tesouro IPCA com prazos variados. Serve para quem busca se proteger da inflação e garantir rentabilidade real.

Liquidez financeira: D+2 (em dois dias úteis).

Investimento mínimo: R$ 3.000,00.

Tesouro Selic

O fundo Tesouro Selic investe em títulos Tesouro Selic, ou seja, na taxa de juros definida pelo Banco Central. É o mais indicado para o perfil conservador. Aqui você pode resgatar seu dinheiro a qualquer momento e não precisa se preocupar com a volatilidade.

Liquidez financeira: D+0 (no mesmo dia).

Investimento mínimo: R$ 3.000,00.

Ao considerar a opção de investir em fundos, é preciso lembrar como funciona o recolhimento do Imposto de Renda nesse tipo de aplicação.

Nesse caso, existe um elemento de nome curioso, o “come-cotas”, que faz a antecipação do recolhimento do IR a cada semestre.

O que acontece, portanto: há o pagamento da alíquota mínima, de 15% sobre o rendimento, no fim de maio e no fim de novembro, em vez de um pagamento apenas no resgate.

Gostou dessas opções? Então conheça mais sobre o BTG Pactual digital.

Conclusão

mercado-financeiro-planejar-financas-btg-pactual

Compreendeu melhor como funciona o mercado financeiro?

A chave aqui é entender que o poder do mercado está com quem detém o dinheiro: o investidor pode se valor das necessidades de recursos de terceiros para fazer o seu capital aumentar.

Então, se você valoriza o seu trabalho e não quer perder todo o esforço em uma aplicação que mal consegue superar a inflação (como a poupança), é bom ir atrás de mais conhecimento sobre o mercado financeiro e suas principais aplicações.

Não esqueça: em 2015, quem manteve o dinheiro na poupança perdeu 2,28% de seu poder de compra. Em 2016, o ganho real (valorização menos a inflação) ficou em apenas 1,9%.

E mesmo com a perspectiva de redução da Selic, a poupança não tende a ganhar nem das piores aplicações de renda fixa.

Enquanto isso, há no mercado títulos de renda fixa que pagam a variação da inflação e mais de 5% ao ano.

Por isso, o quanto antes, comece a planejar as suas finanças pessoais para dar os primeiros passos de investimentos de verdade.

Nesse diagnóstico financeiro, é hora de se perguntar o seguinte:

  • Quanto você tem de rendimentos mensais?
  • Qual é a estabilidade desses ganhos?
  • Quais são seus custos por mês?
  • Quais são as despesas em 12 meses, incluindo um percentual (como 15%) para imprevistos?

De posse desses números, você deve estabelecer a sua estratégia de investimentos.

Ela começa, com essa definição, em uma alocação de recursos em um colchão financeiro que sirva de reserva de emergência.

O que significa isso?

Trata-se de aplicações de alta liquidez (isto é, facilmente conversíveis em dinheiro, sem perda de valor), nas quais você manterá pelo menos quatro ou cinco meses de custo de vida.

Assim, você estará protegido para emergências e eventualidades e não terá problemas para recuperar seu dinheiro alocado em investimentos de longo prazo.

Por que é importante essa diferenciação de prazos?

Porque é no longo prazo que estão os melhores retornos.

Faça o teste: vá na seção de títulos de renda fixa do BTG Pactual digital e veja quais são os papéis que oferecem as melhores taxas.

Viu? São aqueles com prazo de vencimento mais longo.

Além de retornos expressamente maiores, eles também oferecem um benefício oculto: uma alíquota menor de Imposto de Renda a partir de 720 dias de prazo para as aplicações com incidência desse tributo.

Isso porque a tabela do IR segue um esquema regressivo, que começa em 22,5% para aplicações inferiores a 180 dias e cai para 15% em aplicações superiores a 720 dias.

Então, vamos lá: primeiro, providencie um colchão financeiro, para garantir sua liquidez.

Nesse portfólio de curto prazo, podem constar Fundos DI, como aquele fundo Tesouro Selic apresentado no tópico anterior, títulos de CDB com vencimentos de um mês ou três meses  e aplicações em LCI/LCA com prazos de até um ano.

Depois, mire os títulos mais longos para captar a melhor valorização possível para o seu dinheiro.

Identifique o seu perfil de investidor para saber se os exemplos de produtos que mencionamos aqui fazem sentido para você.

E não custa lembrar: fique longe da poupança.

Deixe seu comentário 1

  1. O ideal é que todas as pessoas conhecesse um pouco sobre o mercado financeiro, sobre investimentos, assim iria diminuir a taxa de individamento, e almentar a de investimentos.

Posts relacionados

Você está a um passo para investir com mais segurança e tranquilidade.
Crie sua conta agora


Preencha com seu nome

Preencha com seu e-mail

Preencha com seu telefone

Está com dúvidas? Entre em contato com a gente!

ENTRE EM CONTATO

O Grupo BTG Pactual (“BTG Pactual”) não fornece opiniões jurídicas ou tributárias. Sendo assim, essa apresentação não constitui aconselhamento legal de qualquer natureza. Essa apresentação é um breve resumo de cunho meramente informativo, não configurando análise de valores mobiliários nos termos da Instrução CVM Nº 598, de 03 de maio de 2018, e não tendo como objetivo a consultoria, oferta, solicitação de oferta e/ou recomendação para a compra ou venda de qualquer investimento e/ou produto específico. Embora as informações e opiniões expressas aqui tenham sido obtidas de fontes confiáveis e fidedignas, nenhuma garantia ou responsabilidade, expressa ou implícita é feita a respeito da exatidão, fidelidade e/ou totalidade das informações. Todas as informações, opiniões e valores eventualmente indicados estão sujeitos à alteração sem prévio aviso. Ressaltamos também, que as opiniões expressas neste material refletem a opinião do respectivo profissional convidado e não necessariamente expressam a opinião do BTG Pactual, não devendo ser tratadas como tal. As informações contidas nesta apresentação não podem ser consideradas como única fonte de informações no processo decisório do investidor, que, antes de tomar qualquer decisão, deverá realizar uma avaliação minuciosa do produto e respectivos riscos, face aos seus objetivos pessoais e ao seu perfil de risco ("Suitability"). Para maiores informações, acesse www.btgpactualdigital.com

Os riscos da operação com títulos de renda fixa (CDB, LCI e LCA) estão na capacidade de o emissor honrar a dívida; na impossibilidade de venda do título ou na ausência de investidores interessados em adquiri-lo; e na possibilidade de variação da taxa de juros e dos indexadores. É importante a adequada compreensão da natureza, forma de rentabilidade e riscos dos títulos de renda fixa antes da sua aquisição. CDB, LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante a devolução do principal investido acrescido de juros referente a rendimentos, na hipótese da incapacidade de pagamento da instituição financeira, de até R$ 250 mil reais por CPF e por instituição financeira, considerando o limite de garantia de R$ 1 milhão para cada período de quatro anos.

FUNDOS DE INVESTIMENTO NÃO CONTAM COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA. E recomendada a leitura cuidadosa do Formulário de Informações Complementares e Regulamento do Fundo de Investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos.

Ressaltamos que as opiniões e projeções referente COE, aqui apresentadas representam a opinião da área Structured Products do BTG Pactual, mas não necessariamente a opinião institucional do BTG Pactual, podendo o BTG Pactual, suas subsidiárias e/ou seus empregados podem, eventualmente, possuir uma posição comprada ou vendida, atuar em nome próprio e/ou como coordenador ou agente em operações envolvendo ações ou demais investimentos relevantes. COE NÃO CONTA COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA.

Os regulamentos completos dos Planos de Previdência da BTG Pactual Vida e Previdência S/A deverão ser lidos previamente a sua contratação. Os direitos e obrigações das partes estão definidos na Proposta e nos Regulamentos do plano contratado. É recomendada a leitura cuidadosa do regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. O registro do plano na Susep não implica, por parte da autarquia, incentivo ou recomendação de comercialização. O Participante/Segurado poderá consultar a situação cadastral de seu corretor de seguros no site www.susep.gov.br, por meio do número de seu registro na Susep, nome completo, CNPJ ou CPF. BTG Pactual Vida e Previdência S/A - CNPJ: 19.449.767/0001-20. Processos SUSEP PGBL: 15414.901924/2014-44 e VGBL: 15414.901922/2014-55.

Fundos de investimento não contam com garantia do administrador do fundo, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do fundo garantidor de créditos FGC. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de rentabilidade futura. É recomendada a leitura cuidadosa do prospecto e regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. Os investidores devem estar preparados para aceitar os riscos inerentes aos diversos mercados em que os fundos atuam e, consequentemente, possíveis variações no patrimônio investido. Os produtos e serviços aqui mencionados podem não estar disponíveis em todas as jurisdições ou para determinadas categorias de investidores. Adicionalmente, a legislação e regulamentação de proteção a investidores de determinadas jurisdições/países, pode não se aplicar a produtos e serviços registrados em outras jurisdições/países, sujeitos à legislação e regulamentação respectivamente aplicáveis, além de previsões contratuais específicas.

Anbima Anbima