Finanças

Ebitda: o que é, para que serve e como calcular?

Você certamente já ouviu ou leu o termo Ebitda. Mas sabe o que significa?

Esse é um conceito muito importante para investidores de todos os níveis. Ele ajuda a entender os balanços das empresas, auxilia a descobrir o potencial de geração de caixa na atividade fim e determina a evolução da produtividade e da eficiência ao longo dos anos.

Inscreva-se em nossa newsletter

Preecha com um e-mail válido

Inscrição concluída com sucesso!

Ficou interessado? Neste artigo, vamos entender melhor o que essa palavra significa, como aplicá-la na análise de empresas de capital aberto, como fazer o cálculo para descobrir o Ebitda de uma companhia, qual a diferença para Ebit e um exemplo prático usando informe da Petrobras com a divulgação dos resultados consolidados do último trimestre de 2016.

O que é Ebitda

ebitda-o-que-e-btg-pactual

Ebitda é a sigla em inglês para Earnings before interest, taxes, depreciation and amortization. Em português, “Lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização” (também conhecida como Lajida). É um indicador muito utilizado para avaliar empresas de capital aberto.

Se você ler uma entrevista de um analista de mercado, é provável que verá a repetição desse termo em diversas respostas. E não é por acaso.

Com ele, é possível descobrir quanto a empresa está gerando com suas atividades operacionais, não incluindo investimentos financeiros, empréstimos e impostos.

Dessa forma, a divulgação do Ebitda é uma forma de o investidor descobrir qual é a realidade financeira da companhia e se ela está melhorando sua competitividade e a sua eficiência ano a ano.

Mas atenção: apesar de ser um indicador importante, o Ebitda não é o único instrumento de avaliação de empresas na bolsa de valores. É importante analisar informações como alavancagem e lucros, por exemplo.

A seguir, vamos entender melhor o conceito do Ebitda, como aplicá-lo e como interpretar os números na divulgação dos balanços.

Conceito do Ebitda

ebitda-conceito-btg-pactual

O Ebitda representa a geração operacional de caixa da companhia, ou seja, o quanto a empresa gera de recursos apenas em suas atividades operacionais, sem levar em consideração os efeitos financeiros e de impostos.

A definição consta no livro Análise das Demonstrações Contábeis, de José Laudelino Azzolin (IESDE Brasil, 2012).

Para ficar mais claro, vamos a uma fala do professor de contabilidade Ariovaldo dos Santos, da Universidade de São Paulo, em entrevista à Revista Exame:

O Ebitda mostra o potencial de geração de caixa de um negócio, pois indica quanto dinheiro é gerado pelos ativos operacionais.”

Portanto, o Ebitda é um número muito interessante para analisar a competitividade e a eficiência da empresa, especialmente em comparação ano a ano e com os concorrentes.

Isso se deve ao fato de que o indicador não leva em conta questões como financiamentos, impostos, amortização e depreciação dos ativos.

Assim, por exemplo, duas empresas de países diferentes podem ser postas lado a lado em uma planilha sem interferências dos juros altos que uma paga ou dos impostos mais baixos da outra.

Embora seja muito utilizado, esse indicador, por si, não revela a situação completa das finanças da empresa. E pode levar a muitos erros, caso não seja complementado com mais dados, conforme Eduardo de Oliveira, sócio responsável por finanças corporativas e reestruturação de empresas da consultoria Deloitte Touche Tohmatsu.

“As pessoas começam a usar o Ebitda como se fosse uma medida exata de valor de empresa, mas ele é um instrumento que mostra, quando muito, se o negócio deve ou não ser analisado a fundo”, afirma Oliveira, também em entrevista à Revista Exame.

Para que serve o Ebitda

ebitda-para-que-serve-btg-pactual

Como já dito, o Ebitda ajuda a analisar a geração de caixa de uma empresa, medindo com maior precisão a produtividade e a eficiência do negócio.

Isso acontece porque ele desconsidera algumas variáveis complexas, como a tomada de financiamentos, que podem ser analisadas sob uma ótica própria.

Saber se a empresa dá lucro ou prejuízo é fundamental, mas contar apenas com esse dado primário em uma análise não é o melhor caminho para um bom diagnóstico financeiro.

O Ebitda ajuda a ir além da conjuntura de financiamentos e alavancagem em que a empresa está inserida e mostra com maior clareza a situação operacional.

Mas lembre que, ao pesquisar sobre uma empresa, o Ebitda é um indicador que deve ser usado em conjunto com outros números, como lucro líquido, evolução do faturamento, situação dos custos, endividamento e lucro por ação.

Como calcular o Ebitda?

ebitda-como-calcular-btg-pactual

Para calcular o Ebitda, é necessário antes descobrir o lucro operacional. No Brasil, ele resulta da subtração, a partir da receita líquida, do custo das mercadorias comercializadas, das despesas operacionais e das despesas financeiras líquidas (despesas menos receitas com juros e instrumentos financeiros).

Depois, é preciso adicionar ao lucro operacional a depreciação e a amortização inclusos no custo de mercadoria vendida e nas despesas operacionais. O motivo é que essas contas não se constituem de uma redução efetiva do caixa no período.

Além disso, você deve somar ainda a despesa financeira líquida, uma das variáveis que não está no escopo operacional do negócio.

Ou seja, você vai acrescentar juros, amortização e depreciação ao lucro operacional líquido antes dos impostos.

Para quem pensa em investir em uma empresa de capital aberto na bolsa de valores brasileira, a boa notícia é que elas costumam publicar esse indicador em seus balanços, para facilitar o trabalho dos analistas do mercado.

Lucro operacional

Lucro operacional é o aquele gerado pela operação do negócio, subtraindo despesas administrativas, comerciais e operacionais. Ele oferece uma visão bem completa sobre os resultados financeiros da empresa.

Ele é calculado com esta fórmula:

Lucro operacional = Lucro Bruto – Despesas Operacionais + Receitas Operacionais.

Esse valor faz parte da Demonstração do Resultado do Exercício (DRE). Esse documento é um resumo dos resultados em um período, geralmente um ano. É uma das melhores ferramentas para analisar empreendimentos e é bastante usada no mercado.

É importante não confundir lucro operacional com o lucro bruto. O lucro bruto, na verdade, é um estágio anterior: dele, subtraem-se as despesas administrativas, comerciais e operacionais para chegar posteriormente ao lucro operacional.

Depreciação e amortização

A definição de depreciação pode parecer complicada, mas não é. Trata-se da apuração de um valor depreciável de um ativo ao longo da sua vida útil, isto é, a anotação da redução do valor dos bens por desgaste ou perda de utilidade, seja por ação da natureza, ação humana ou obsolescência.

A depreciação ocorre a partir do momento em que ele é disponibilizado para o uso, quando chega ao local de trabalho em condições plenas de funcionamento. Esse cálculo da depreciação não termina quando o ativo fica ocioso, a menos que ele esteja totalmente depreciado.

A amortização parte de uma lógica semelhante: consiste na alocação sistemática do valor amortizável de ativo intangível (uma dívida, por exemplo) ao longo do tempo.

A diferença básica entre os dois é que o primeiro se impõe sobre ativos físicos, como uma mesa de trabalho, e o segundo, sobre ativos intangíveis, como direitos ou despesas com prazo limitado, seja legal ou contratual.

Aplicação do Ebitda

Para entender a aplicação do Ebitda, vamos partir de uma Demonstração do Resultado de Exercício (DRE) hipotética de uma empresa XYZ, que possui Receita Operacional Bruta de R$ 12.000,00.

Vamos lá?

DRE da empresa XYZ
Receita Operacional Bruta:12.000,00
(-) Deduções da Receita Bruta:(1.500,00)
(=) Receita Operacional Líquida:10.500,00
(-) Custo dos Produtos Vendidos:(6.000,00)
(=) Lucro Bruto:4.500,00
(-) Despesas Operacionais:(1.500,00)
Despesas com Vendas Administrativas:(1.200,00)
Resultado Financeiro(1.000,00)
(=) Lucro Operacional:3.000,00

Pronto, temos aí as informações necessárias para o cálculo do Ebitda.

Seguimos:

DRE da empresa XYZ
Receita Operacional Bruta:12.000,00
(-) Deduções da Receita Bruta:(1.500,00)
(=) Receita Operacional Líquida:10.500,00
(-) Custo dos Produtos Vendidos:(6.000,00)
(=) Lucro Bruto:4.500,00
(-) Despesas Operacionais:(1.500,00)
Despesas com Vendas e Administrativas:(1.200,00)
(=) Ebit3.300,00
(+) Depreciação e amortização300,00
(=) Ebitda3.600,00
(=) Ebitda em percentual da Receita Operacional Bruta30%

Viu como não é tão difícil quanto parecia?

Abaixo, vamos conferir um exemplo de um Ebitda divulgado pela Petrobras, que serve para ilustrar como se dá esse tipo de anúncio e como esses números são divulgados para o investidor.

Exemplo prático de Ebitda

ebitda-exemplo-pratico-btg-pactual

Em março de 2017, a Petrobras[i] divulgou seus resultados financeiros referentes ao último trimestre de 2016. Entre os dados, está o Ebitda da empresa e sua evolução ao longo do ano.

Informações como essas são muito úteis para os investidores que pensam em aplicar na Petrobras.

Com esses dados, eles podem tomar decisões mais bem embasadas a respeito da saúde financeira da estatal e de suas perspectivas de geração de caixa nos próximos meses.

Mas antes de chegar ao Ebitda, é importante contextualizar os resultados e mostrar a importância de outros indicadores.

No consolidado de 2016, a Petrobras teve um prejuízo líquido de R$ 14,824 bilhões. Esse foi o terceiro ano seguido de prejuízos para a estatal, que havia registrado um recorde negativo de R$ 34,8 bilhões em 2015 e perdas de R$ 21,6 bilhões em 2014.

Por outro lado, no último trimestre de 2016, a Petrobras teve lucro de R$ 2,5 bilhões, após um prejuízo de R$ 16,4 bilhões no terceiro trimestre. A previsão do mercado, porém, era de lucro maior, de R$ 3,7 bilhões no último período do ano.

No mesmo informe, a estatal explicou os motivos para os prejuízos recentes (reavaliação dos ativos) e comunicou a redução de seu endividamento, que teve queda de 20% do fim de 2015 (em R$ 392 bilhões) para o fim de 2016 (em R$ 314,2 bilhões).

Além disso, a publicação prevê mais um ano sem pagamento de dividendos aos acionistas, já que as contas ainda não o permitem, de acordo com o presidente da Petrobras, Pedro Parente.

Por fim, aquela informação que aguardávamos: o Ebitda. Ele foi de R$ 24,8 bilhões no quarto trimestre e de R$ 88,7 bilhões em 2016, 16% superior em relação a 2015.

Veja abaixo a evolução do Ebitda da Petrobras em 2015 e 2016:

ebitda-petrobras

Reparou como você não pode analisar apenas o Ebitda de uma empresa? Considerando apenas esse indicador, a Petrobras merece os parabéns, não?

Mas e a dívida de R$ 314,2 bilhões? É uma das mais altas entre empresas de todo o mundo e teve uma melhora de 2015 para 2016 principalmente porque ela é em dólar, que caiu de R$ 4,00 para pouco mais de R$ 3,30 no período.

Abaixo, vamos entender melhor como tornar o Ebitda um indicador mais confiável e em quais contextos ele pode ser analisado.

O Ebitda é confiável?

ebitda-e-confiavel-btg-pactual

O Ebitda é um indicador confiável para a tendência de lucros da atividade principal de uma empresa. Mas para usá-lo adequadamente, é preciso levar em conta suas limitações.

Uma delas é que ele pode oferecer uma falsa noção da efetiva liquidez da empresa.

É comum que gestores contratem financiamentos para alavancar suas operações, o que leva a casos em que as despesas financeiras se tornam superiores às receitas.

No fim das contas, é possível ter um Ebitda positivo e uma demonstração de resultados com prejuízo líquido.

Além disso, o Ebitda não deixa claro qual será o reinvestimento necessário nos ativos nos próximos anos, o que também pode promover uma visão distorcida da saúde financeira da empresa.

Ou seja, avaliar uma empresa exclusivamente através desse indicador pode não proporcionar as respostas mais corretas sobre as habilidades de geração de caixa no futuro.

Por isso, esse indicador não é o único avaliado pelos especialistas e analistas do mercado.

Hoje os resultados são percebidos também considerando o “lucro por ação” e o Fluxo de Caixa Operacional, para apresentar uma dimensão mais completa da capacidade da empresa em se sustentar, crescer e dar lucro.

Por isso, vamos entender agora um pouquinho dos prós e contras de utilizar esse indicador para o diagnóstico financeiro das empresas.

Vantagens e desvantagens de usar o ebitda como indicador da saúde financeira da empresa

ebitda-vantagens-desvantagens-btg-pactual

Existem vantagens e desvantagens no uso do Ebitda como medida da saúde financeira de uma empresa.

Na verdade, é essencial que você o utilize em sua análise, mas não dependa apenas dele. Se ele for incorporado a uma avaliação maior, que compreenda ainda números relacionados à alavancagem e ao lucro por ação, terá uma utilidade muito grande.

Abaixo, vamos desvendar os principais argumentos a favor e contra:

Vantagens do Ebitda

Entre elas, estão:

  • Oferece uma régua importante para o analista determinar a produtividade e a eficiência de um negócio, já que retira da equação os efeitos de decisões contábeis e financiamentos
  • A evolução do Ebitda ao longo dos anos mostra aos acionistas a capacidade da empresa em promover e entregar eficiência e produtividade
  • A comparação do Ebitda de diferentes empresas, inclusive de diferentes setores, fornece análise de competitividade ao remover o impacto dos custos de financiamentos, que podem ser muito altos em indústrias pesadas e de tecnologia
  • Essa comparação pode ser até de duas (ou mais) empresas de países diferentes, já que o Ebitda acaba sendo um indicador universal, especialmente porque deixa de fora fatores locais, como a tributação.

Desvantagens do Ebitda

Entre as desvantagens, podemos elencar:

  • O uso exclusivo do Ebitda como indicador elimina da lupa de análise, por exemplo, uma possível alta alavancagem que pode comprometer os resultados e o caixa no futuro
  • Uma empresa que investe em ativos financeiros para o seu futuro não terá esse esforço de economia recompensado pelo Ebitda e passará batido de um analista que se basear apenas nesse indicador
  • A liquidez de uma empresa não pode ser determinada pelo Ebitda, e essa capacidade de converter investimento em dinheiro também é essencial para compreender o valor real da companhia
  • Investidores leigos podem não entender que um Ebitda positivo pode esconder prejuízo líquido da empresa.

Diferença entre o Ebit e o Ebitda

ebitda-ebti-diferenca-btg-pactual

As expressões Ebit e Ebitda são semelhantes, mas oferecem indicadores distintos da saúde financeira da empresa.

O primeiro se refere aos lucros antes de juros e tributos e, o segundo, aos lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização.

Ainda parece confuso? Vamos por partes.

Ebit é a sigla da expressão Earning before interest and taxes, também conhecido no Brasil como Lajir. Em português, significa “Lucro antes dos juros e tributos”.

Essa ferramenta mostra o verdadeiro lucro contábil das atividades genuinamente ligadas ao negócio, ou seja, excluindo tudo que não é auferido pela atividade fim da empresa, como um investimento financeiro.

Em relação ao Ebitda, a diferença é muito simples. É o Ebit sem a dedução do valor da depreciação de ativos tangíveis (máquinas, por exemplo) e da amortização de ativos intangíveis (dívida de longo prazo, por exemplo).

Ou seja, trata-se da capacidade de geração de caixa considerando apenas a atividade fim.

Não é tão complicado, não é?

Conclusão

ebitda-apresentado-btg-pactual

Ficou mais claro o conceito de Ebitda? Sim, a contabilidade parece um universo à parte, mas deve fazer parte do seu vocabulário e do seu conhecimento como investidor.

Ela oferece respostas muito importantes para quem tem apreço pelo seu dinheiro e busca avaliar papéis que o farão render ao máximo.

Para entender em quais ações aplicar, por exemplo, você precisa ler nas entrelinhas e saber apurar, em meio a tantas informações, quais serão úteis para suas projeções.

Afinal, a empresa avaliada tem boas perspectivas no médio prazo ou será castigada pela concorrência?

Será que ela está melhorando a sua competitividade ou ainda é muito ineficiente?

Quais números devem preocupá-lo além do Ebitda apresentado?

São muitas questões, e se trata de um tema delicado. Por isso, para resumir um pouquinho do que aprendemos, vamos retomar aqui os principais tópicos abordados:

  • Ebitda significa lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização
  • Trata-se de um indicador muito usado para analisar empresas de capital aberto
  • O Ebitda deve ser apenas um dos componentes dessa análise, e não o único
  • Outros indicadores importantes são o lucro por ação e a alavancagem da empresa, por exemplo
  • Como vimos no informe dos resultados do último trimestre de 2016 da Petrobras, a estatal é um exemplo real de empresa com Ebitda interessante e dívida preocupante
  • O Ebitda por si só não fornece um quadro preciso da liquidez das empresas
  • Muitas vezes, investidores leigos, por só ouvirem falar em Ebitda, acabam não se dando conta de que esse indicador, mesmo que positivo, pode esconder um prejuízo líquido
  • O Ebitda ajuda a determinar a produtividade e a eficiência de um negócio
  • O Ebit tem conceito um pouquinho mais fácil do que o Ebitda: lucro antes dos juros e tributos.

Feita a primeira lição de casa, que tal aplicar o conceito a sua jornada de investidor? Pegue o balanço de uma empresa e busque descobrir por conta própria qual é o Ebitda dela.

Depois, compare esse dado com informações como o faturamento, a dívida da empresa e o lucro por ação.

E não pare por aí. Agora que você tem em mãos um dos conceitos mais difundidos de análise de empresas de capital aberto, use-o com sabedoria.

Assista a entrevistas com analistas, pesquise mais sobre o assunto e comece a utilizar o conhecimento para tomar suas próprias decisões na bolsa de valores.

Mas não esqueça: é importante começar devagar.

Destine às ações uma parte pequena de suas reservas, como 5% a 15%. E não basta alocar parte do capital e depois esquecer o assunto.

Você precisa acompanhar as cotações, traçar planos para o futuro, economizar para futuros investimentos e montar um portfólio bem diversificado.

Isso vai lhe permitir mirar o longo prazo (sempre) com ativos e derivativos de diferentes tipos, em renda fixa e variável.

Nessa jornada de investimentos, rumo ao conhecimento financeiro e econômico, saiba que você pode contar com a assistência especializada do time de consultores do BTG Pactual digital, que oferece todos os recursos para você realizar as operações com segurança, praticidade e os maiores retornos para o seu dinheiro.

Gostou deste post sobre o Ebitda e sua utilização no diagnóstico de empresas e na bolsa de valores? Compartilhe nas redes sociais!


[i]  Informações públicas disponibilizadas no site da Petrobras e divulgadas no primeiro trimestre de 2017 (http://www.investidorpetrobras.com.br/pt/resultados-financeiros/holding).

As informações contidas neste material não podem ser consideradas como uma recomendação de compra e venda de nenhum ativo financeiro em particular. Não pode ainda ser presumido que qualquer transação envolvendo ativos financeiros seja rentável, ou que as recomendações ou decisões de investimento a serem tomadas no futuro, sejam rentáveis ou equivalentes a performance dos ativos financeiros referidos neste documento.

 

Deixe seu comentário 7

  1. Excelente artigo, muito bem explicado! Acredito que o maior erro de alguns investidores é olhar apenas o EBITDA e esquecer de outros fatores. Obrigado!

  2. Artigo de alto nível, explica de maneira clara e com riqueza de detalhes as nuances da geração operacional de caixa, desmistificando um assunto tão complicado para muitos. Estou iniciando estudos para desenvolvimento de minha tese de mestrado com base em indicadores financeiros e valuation e essa foi um ótimo ponta-pé inicial para formulação de perguntas e esclarecimento de pontos ainda obscuros. Caso alguém tenha alguma sugestão de continuidade ou assuntos relacionados a este tema que possa contribuir para minha tese ficaria imensamente grato pela contribuição. Desde já ponho-me a disposição para discussão. Parabéns pela iniciativa e obrigado!

Posts relacionados

ABRA SUA CONTA E COMECE A INVESTIR!

ABRA SUA CONTA
  • Cadastro 100% Online.
  • Sem custo para abertura, manutenção de conta e envio de TED ou DOC.
  • Tire suas dúvidas por telefone, e-mail ou chat com nossos assessores de investimento.

O Grupo BTG Pactual (“BTG Pactual”) não fornece opiniões jurídicas ou tributárias. Sendo assim, essa apresentação não constitui aconselhamento legal de qualquer natureza. Essa apresentação é um breve resumo de cunho meramente informativo, não configurando análise de valores mobiliários nos termos da Instrução CVM Nº 598, de 03 de maio de 2018, e não tendo como objetivo a consultoria, oferta, solicitação de oferta e/ou recomendação para a compra ou venda de qualquer investimento e/ou produto específico. Embora as informações e opiniões expressas aqui tenham sido obtidas de fontes confiáveis e fidedignas, nenhuma garantia ou responsabilidade, expressa ou implícita é feita a respeito da exatidão, fidelidade e/ou totalidade das informações. Todas as informações, opiniões e valores eventualmente indicados estão sujeitos à alteração sem prévio aviso. Ressaltamos também, que as opiniões expressas neste material refletem a opinião do respectivo profissional convidado e não necessariamente expressam a opinião do BTG Pactual, não devendo ser tratadas como tal. As informações contidas nesta apresentação não podem ser consideradas como única fonte de informações no processo decisório do investidor, que, antes de tomar qualquer decisão, deverá realizar uma avaliação minuciosa do produto e respectivos riscos, face aos seus objetivos pessoais e ao seu perfil de risco ("Suitability"). Para maiores informações, acesse www.btgpactualdigital.com

Os riscos da operação com títulos de renda fixa (CDB, LCI e LCA) estão na capacidade de o emissor honrar a dívida; na impossibilidade de venda do título ou na ausência de investidores interessados em adquiri-lo; e na possibilidade de variação da taxa de juros e dos indexadores. É importante a adequada compreensão da natureza, forma de rentabilidade e riscos dos títulos de renda fixa antes da sua aquisição. CDB, LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante a devolução do principal investido acrescido de juros referente a rendimentos, na hipótese da incapacidade de pagamento da instituição financeira, de até R$ 250 mil reais por CPF e por instituição financeira, considerando o limite de garantia de R$ 1 milhão para cada período de quatro anos.

FUNDOS DE INVESTIMENTO NÃO CONTAM COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA. E recomendada a leitura cuidadosa do Formulário de Informações Complementares e Regulamento do Fundo de Investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos.

Ressaltamos que as opiniões e projeções referente COE, aqui apresentadas representam a opinião da área Structured Products do BTG Pactual, mas não necessariamente a opinião institucional do BTG Pactual, podendo o BTG Pactual, suas subsidiárias e/ou seus empregados podem, eventualmente, possuir uma posição comprada ou vendida, atuar em nome próprio e/ou como coordenador ou agente em operações envolvendo ações ou demais investimentos relevantes. COE NÃO CONTA COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA.

Os regulamentos completos dos Planos de Previdência da BTG Pactual Vida e Previdência S/A deverão ser lidos previamente a sua contratação. Os direitos e obrigações das partes estão definidos na Proposta e nos Regulamentos do plano contratado. É recomendada a leitura cuidadosa do regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. O registro do plano na Susep não implica, por parte da autarquia, incentivo ou recomendação de comercialização. O Participante/Segurado poderá consultar a situação cadastral de seu corretor de seguros no site www.susep.gov.br, por meio do número de seu registro na Susep, nome completo, CNPJ ou CPF. BTG Pactual Vida e Previdência S/A - CNPJ: 19.449.767/0001-20. Processos SUSEP PGBL: 15414.901924/2014-44 e VGBL: 15414.901922/2014-55.

Fundos de investimento não contam com garantia do administrador do fundo, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do fundo garantidor de créditos FGC. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de rentabilidade futura. É recomendada a leitura cuidadosa do prospecto e regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. Os investidores devem estar preparados para aceitar os riscos inerentes aos diversos mercados em que os fundos atuam e, consequentemente, possíveis variações no patrimônio investido. Os produtos e serviços aqui mencionados podem não estar disponíveis em todas as jurisdições ou para determinadas categorias de investidores. Adicionalmente, a legislação e regulamentação de proteção a investidores de determinadas jurisdições/países, pode não se aplicar a produtos e serviços registrados em outras jurisdições/países, sujeitos à legislação e regulamentação respectivamente aplicáveis, além de previsões contratuais específicas.

Anbima Anbima