Você já ouviu falar no termo cisne negro no mercado financeiro? O coronavírus é o cisne negro de 2020 – trazendo com ele diversos desafios para a maioria das pessoas, inclusive para investidores.

Ninguém o viu chegar e não há como prever suas consequências. Logo, ele se configura como um acontecimento brusco – uma das principais características do cisne negro. Mas você sabe o que é, na prática, um cisne negro no mercado financeiro?

Conhecer e entender este fenômeno é fundamental para quem deseja estar mais preparado para fazer boas escolhas de investimentos em situações de crise. Por isso, decidir tratar sobre o assunto neste conteúdo.

Acompanhe a seguir e descubra mais sobre o conceito e sobre o cisne negro de 2020.

Inscreva-se em nossa newsletter


Preencha com um e-mail válido

O que é um cisne negro no mercado financeiro?

Na natureza, a descoberta da existência de cisnes negros causou grande impacto. Afinal, até o século XVII, acreditava-se que todos os animais deste tipo fossem da cor branca. Apesar de os cisnes de cor preta serem raros, eles fazem parte da espécie.

A partir dessa história, o termo é utilizado no mercado financeiro para representar eventos raros e imprevisíveis, mas que causam impacto significativo na economia. O conceito passou a ser utilizado por um autor de livros bastante famoso, Nassim Taleb, para evidenciar acontecimentos de grandes proporções.

Cisnes negros no mercado financeiro precisam apresentar, pelo menos, as três características a seguir:

  • não são previstos ou anunciados;
  • afetam diretamente a rotina de governos e empresas;
  • não é possível determinar sua duração.

Alguns exemplos de fatos do tipo podem ser as guerras ou eventos naturais, como catástrofes. São circunstâncias que, normalmente, não dão sinais seguros de que acontecerão. Assim, pegam governos, empresas e pessoas de surpresa.

O livro de Taleb “O Cisne Negro” explorou o assunto no ano de 2007. Em 2008, uma grande crise econômica impactou os Estados Unidos. Um dos pontos centrais na teoria do cisne negro é que os eventos são aleatórios, isto é, não se enquadram nas regras estatísticas utilizadas para compreender o mercado.

Imprevisibilidade

Quando se fala em eventos raros e de grande impacto na economia está se falando sobre imprevisibilidade. Não há como saber ao certo quando um acontecimento aleatório acontecerá ou que consequências virão dele.

O que se sabe, com certeza, é que há probabilidade deles acontecerem. Isso significa que estamos sempre expostos a cisnes negros, ainda que muitas pessoas não se deem conta do fato. Imagine quantos novos investidores tinham planos para 2020 e estão confusos com a crise do coronavírus?

A chance de algo inesperado acontecer a qualquer momento é o que leva Taleb a chamar atenção para a imprevisibilidade. Segundo ele, os modelos estatísticos são capazes somente de considerar eventos mais comuns. Com isso, guiar-se por eles é ter uma falsa sensação de segurança.

Por mais que se possa contar com estudiosos de finanças e diversos recursos tecnológicos úteis, é importante se manter atento às probabilidades raras. No mercado financeiro, não é possível ter certezas demais.

Você também pode gostar:

Quais foram os principais cisnes negros da história?

Durante a história mundial aconteceram muitos eventos imprevisíveis e de grandes proporções para a economia.

É impossível falar de todos com detalhes. Por isso, trouxe quatro acontecimentos recentes no mundo e no Brasil, que podem ser considerados, assim como o coronavírus, grandes cisnes negros do mercado financeiro:

11 de setembro de 2001

Provavelmente todos nós sabemos algo sobre o atentado que ocorreu nos Estados Unidos no dia 11 de setembro de 2001, quando as famosas torres gêmeas foram atacadas por aviões em Nova Iorque. Quem poderia prever algo do tipo?

Por mais que as práticas terroristas sejam investigadas frequentemente, não é possível se precaver para um ataque dessas proporções. Logicamente, a vida e a economia do país foram gravemente afetadas. A bolsa de valores sofreu grandes quedas nos EUA e em vários países.

Assim como o coronavírus é o cisne negro de 2020, o 11 de setembro foi o cisne negro de 2011.

Crise dos subprimes em 2008

A crise dos subprimes, nos Estados Unidos, foi um dos maiores cisnes negros recentes do mercado financeiro. Iniciada ainda em 2007, a crise financeira – também conhecida como “bolha imobiliária americana” se formou a partir da concessão de empréstimos hipotecários de alto risco sem controle no mercado norte-americano.

O estouro da bolha levou os índices dos Estados Unidos a caírem forte – movimento que foi seguido por bolsas ao redor do mundo. Como resultado, inúmeras instituições financeiras foram à falência e a economia mundial sofreu impactos severos por anos.

Joesley Day em 2017

Nosso país tem um cisne negro recente, que ficou conhecido como Joesley Day. Ele aconteceu em 2017, ano em que a bolsa brasileira apresentava alguns sinais de recuperação depois de uma crise. Contudo, novas quedas fortes foram causadas por questões políticas.

Joesley Batista, um empresário brasileiro investigado pela operação Lava Jato na época, apresentou uma gravação comprometedora do então presidente Michel Temer. Os impactos políticos e econômicos foram fortes e o Ibovespa apresentou grande queda.

Brumadinho em 2019

Mais um forte exemplo de cisne negro ocorrido no Brasil foi a tragédia na cidade de Brumadinho, em 2019 – causada pelo rompimento de uma barragem da mineradora Vale. A cidade foi tomada por rejeitos de minério e lama, matando muitas pessoas.

Como é de se esperar, um desastre dessas proporções causa comoção em todo o país e também traz desafios para a economia. A Vale é uma das principais empresas brasileiras e sofreu fortes quedas na bolsa, empurrando também o Ibovespa.

Quais são as consequências do coronavírus como cisne negro?

Até aqui, entendemos como os cisnes negros trazem impacto significativo na vida e nas finanças de empresas e pessoas em todo o mundo. Mais uma vez, nos vemos diante de um acontecimento do tipo — agora, uma pandemia global.

As consequências econômicas já estão sendo vivenciadas em diversos países. E lidar com as instabilidades é um desafio, especialmente para quem subestima a existência de eventos raros. Afinal, como não se sabe quando ocorrerão, é comum que muitas pessoas não considerem a possibilidade de um cisne negro ao tomar suas decisões.

A economia norte americana, que vinha de sucessivos resultados positivos e ótimas perspectivas, precisou rever expectativas e medidas governamentais devido ao coronavírus. No Brasil, tivemos 6 circuit breakers em 10 dias, no mês de março de 2020, devido às complicações da quarentena.

Em poucos meses, um problema que começou na China atingiu fortemente o mundo todo e causou graves efeitos na saúde e na economia. É assim que se apresentam os cisnes negros: raros, imprevisíveis e impactantes.

Como lidar com o imprevisível?

No momento atual, muitos investidores — sejam iniciantes ou experientes — se perguntam como poderiam prever e se antecipar à crise que estamos vivendo. Na verdade, como você viu, não é possível predizer cisnes negros com segurança.

Entretanto, existem sim possibilidades para lidar com eventos raros e imprevisíveis. Em primeiro lugar, é preciso tomar decisões seguras em relação aos seus investimentos.

Devemos lembrar que muitos novos investidores entraram na bolsa em 2019. Graças ao bom momento do mercado, diversas pessoas se apressaram a comprar ações e fundos, mesmo sem entender os detalhes do mercado. Sem dúvida, elas estão sentindo um impacto forte durante a crise causada pelo coronavírus – e aprendendo bastante.

O primeiro ponto a se observar diante do imprevisível, portanto, é a necessidade de entender os motivos pelos quais você está fazendo um investimento. E respeitar, além dos seus objetivos, o seu perfil enquanto investidor.

Mas, se você deseja investir de forma mais segura e estar protegido de eventuais crises, não deixe de considerar a existência de eventos raros. Podemos não saber quando eles surgirão, mas sabemos que eles podem — e vão — acontecer em algum momento.

Então, a principal dica para lidar com o coronavírus e outros cisnes negros ao longo da história é planejar sua carteira de investimentos de maneira equilibrada. Faça uma gestão de riscos, invista com objetivos e tenha cuidado com as certezas exageradas sobre o mercado financeiro.

Desta forma, você ficará mais confortável com suas decisões de investimento quando as oscilações mais bruscas surgirem e saberá que, independente das crises, você estará sempre seguindo a estratégia de investimento cuidadosamente escolhida por você.

Quer investir em uma instituição que ofereça segurança e solidez?

Abra sua conta no BTG Pactual digtal.

Talvez você se interesse por:

André Bona:

Mais de 10 anos de experiência no mercado financeiro, ensinando milhares de pessoas a investirem melhor.

 

Posts relacionados

Deixe seu comentário 0

Você está a um passo para investir com mais segurança e tranquilidade.
Crie sua conta agora


Preencha com seu nome

Preencha com seu e-mail

Preencha com seu telefone

Está com dúvidas? Entre em contato com a gente!

ENTRE EM CONTATO

O Grupo BTG Pactual (“BTG Pactual”) não fornece opiniões jurídicas ou tributárias. Sendo assim, essa apresentação não constitui aconselhamento legal de qualquer natureza. Essa apresentação é um breve resumo de cunho meramente informativo, não configurando análise de valores mobiliários nos termos da Instrução CVM Nº 598, de 03 de maio de 2018, e não tendo como objetivo a consultoria, oferta, solicitação de oferta e/ou recomendação para a compra ou venda de qualquer investimento e/ou produto específico. Embora as informações e opiniões expressas aqui tenham sido obtidas de fontes confiáveis e fidedignas, nenhuma garantia ou responsabilidade, expressa ou implícita é feita a respeito da exatidão, fidelidade e/ou totalidade das informações. Todas as informações, opiniões e valores eventualmente indicados estão sujeitos à alteração sem prévio aviso. Ressaltamos também, que as opiniões expressas neste material refletem a opinião do respectivo profissional convidado e não necessariamente expressam a opinião do BTG Pactual, não devendo ser tratadas como tal. As informações contidas nesta apresentação não podem ser consideradas como única fonte de informações no processo decisório do investidor, que, antes de tomar qualquer decisão, deverá realizar uma avaliação minuciosa do produto e respectivos riscos, face aos seus objetivos pessoais e ao seu perfil de risco ("Suitability"). Para maiores informações, acesse www.btgpactualdigital.com

Os riscos da operação com títulos de renda fixa (CDB, LCI e LCA) estão na capacidade de o emissor honrar a dívida; na impossibilidade de venda do título ou na ausência de investidores interessados em adquiri-lo; e na possibilidade de variação da taxa de juros e dos indexadores. É importante a adequada compreensão da natureza, forma de rentabilidade e riscos dos títulos de renda fixa antes da sua aquisição. CDB, LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante a devolução do principal investido acrescido de juros referente a rendimentos, na hipótese da incapacidade de pagamento da instituição financeira, de até R$ 250 mil reais por CPF e por instituição financeira, considerando o limite de garantia de R$ 1 milhão para cada período de quatro anos.

FUNDOS DE INVESTIMENTO NÃO CONTAM COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA. E recomendada a leitura cuidadosa do Formulário de Informações Complementares e Regulamento do Fundo de Investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos.

Ressaltamos que as opiniões e projeções referente COE, aqui apresentadas representam a opinião da área Structured Products do BTG Pactual, mas não necessariamente a opinião institucional do BTG Pactual, podendo o BTG Pactual, suas subsidiárias e/ou seus empregados podem, eventualmente, possuir uma posição comprada ou vendida, atuar em nome próprio e/ou como coordenador ou agente em operações envolvendo ações ou demais investimentos relevantes. COE NÃO CONTA COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA.

Os regulamentos completos dos Planos de Previdência da BTG Pactual Vida e Previdência S/A deverão ser lidos previamente a sua contratação. Os direitos e obrigações das partes estão definidos na Proposta e nos Regulamentos do plano contratado. É recomendada a leitura cuidadosa do regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. O registro do plano na Susep não implica, por parte da autarquia, incentivo ou recomendação de comercialização. O Participante/Segurado poderá consultar a situação cadastral de seu corretor de seguros no site www.susep.gov.br, por meio do número de seu registro na Susep, nome completo, CNPJ ou CPF. BTG Pactual Vida e Previdência S/A - CNPJ: 19.449.767/0001-20. Processos SUSEP PGBL: 15414.901924/2014-44 e VGBL: 15414.901922/2014-55.

Fundos de investimento não contam com garantia do administrador do fundo, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do fundo garantidor de créditos FGC. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de rentabilidade futura. É recomendada a leitura cuidadosa do prospecto e regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. Os investidores devem estar preparados para aceitar os riscos inerentes aos diversos mercados em que os fundos atuam e, consequentemente, possíveis variações no patrimônio investido. Os produtos e serviços aqui mencionados podem não estar disponíveis em todas as jurisdições ou para determinadas categorias de investidores. Adicionalmente, a legislação e regulamentação de proteção a investidores de determinadas jurisdições/países, pode não se aplicar a produtos e serviços registrados em outras jurisdições/países, sujeitos à legislação e regulamentação respectivamente aplicáveis, além de previsões contratuais específicas.

Anbima Anbima