O ansioso movimento da mídia jornalística em torno dos temas “investimento na crise” ou “onde investir” denuncia nossa imaturidade para lidar com crises econômicas. Isso seria um absurdo no Brasil, berço de dezenas de crises nas últimas décadas, não fosse nossa também imatura – para muitos, inexistente – educação financeira. Por mais que estejamos vivendo um momento único em termos de gravidade da crise, não nos faltaram experiências para nos avisar de que crises vêm e vão, de tempos em tempos, e que, por isso, temos que nos preparar para elas.

A preparação não consiste simplesmente em manter reservas financeiras. A qualidade de nossa poupança, seu equilíbrio com um consumo de qualidade e a consciência das pessoas em relação ao que deve ser feito em tempos de escassez são primordiais para que atravessemos as nuvens negras com um sentimento de segurança. A regra é simples: nas crises econômicas, há pouco a ser feito para amenizar situações graves como a perda do emprego, a perda de rentabilidade de um investimento ou o enfraquecimento de um negócio próprio. Se há algo a ser feito, é no sentido preventivo, antes da bomba estourar.

O equilíbrio no consumo é conquistado com uma estrutura de vida mais simples. Você pode gastar a quase totalidade de sua renda sempre, mas a forma como gasta faz muita diferença. Se seus gastos se concentram apenas em compromissos fixos considerados relevantes, como moradia, financiamento do automóvel, planos de saúde, escola e alimentação, a perda total ou parcial da renda irá inviabilizar as condições mínimas de dignidade e sobrevivência de sua família. O desemprego de um dos membros da família inevitavelmente resultará no caos e em atitudes nada racionais durante a busca por recolocação.

Se por outro lado, sua opção fosse por viver com custos fixos menores, incluindo uma moradia mais simples, um automóvel menor e um padrão de moda um pouquinho inferior ao que seus pares usam, estaria criada a situação que chamo de estrutura de vida mais simples. O menor conforto nos itens considerados de sobrevivência poderia ser compensado com maior disponibilidade de verba para a qualidade de vida, incluindo sua diversão, cuidados com o corpo, educação complementar e cultivo de pequenas manias. Diante de uma crise, tais itens podem ser mais facilmente administrados, pois não precisam ser caracterizados como custos fixos e podem aguardar um período de reestabilização do orçamento da família para voltarem a ser consumidos.

Nos investimentos, a situação é semelhante. Nas crises, você deve ter de onde tirar recursos, seja para manter uma família sem emprego, seja para viabilizar um plano B. Evite assumir grandes compromissos com suas especulações. Cultive uma carteira de investimentos que privilegie sempre (mesmo nas crises) a segurança e previsibilidade, deixando uma parcela reduzida de seus investimentos para ser multiplicada com alternativas de risco significativo.

Quem não se preparou para esta crise, seja por estar com um orçamento estrangulado por grandes compromissos, seja por estar com sonhos estrangulados por perdas significativas nos investimentos, não tem alternativa a reconhecer o erro, assumir mudanças drásticas em sua estratégia e construir uma base sólida para a próxima crise que, quando menos esperarmos, chegará às nossas contas. Sim, reduzir o padrão da moradia, para diminuir custos e criar um fôlego financeiro, é uma boa escolha. Redesenhar sua carteira de investimentos para ter uma participação reduzida em alternativas de risco é outra atitude sábia.

Perceba que não falo de fugir do risco, mas sim em contar com parcelas reduzidas dele, para colhermos, no longo prazo, diferenciais dos ganhos entre cada crise. Se a crise forçou a composição de sua carteira a uma predominância da cada vez menos rentável renda fixa, não faça nada com o dinheiro que você já tem. Apenas cuide de manter essa distribuição nos aportes futuros, preservando uma carteira que sempre lhe trará segurança, e também liquidez diante de oportunidades certas. Com tanta perda vista nessa crise, certamente na próxima teremos mais lições a colocar em prática e menos a reclamar.

Deixe seu comentário 0

Posts relacionados

Você está a um passo para investir com mais segurança e tranquilidade.
Crie sua conta agora


Preencha com seu nome

Preencha com seu e-mail

Preencha com seu telefone

Está com dúvidas? Entre em contato com a gente!

ENTRE EM CONTATO

O Grupo BTG Pactual (“BTG Pactual”) não fornece opiniões jurídicas ou tributárias. Sendo assim, essa apresentação não constitui aconselhamento legal de qualquer natureza. Essa apresentação é um breve resumo de cunho meramente informativo, não configurando análise de valores mobiliários nos termos da Instrução CVM Nº 598, de 03 de maio de 2018, e não tendo como objetivo a consultoria, oferta, solicitação de oferta e/ou recomendação para a compra ou venda de qualquer investimento e/ou produto específico. Embora as informações e opiniões expressas aqui tenham sido obtidas de fontes confiáveis e fidedignas, nenhuma garantia ou responsabilidade, expressa ou implícita é feita a respeito da exatidão, fidelidade e/ou totalidade das informações. Todas as informações, opiniões e valores eventualmente indicados estão sujeitos à alteração sem prévio aviso. Ressaltamos também, que as opiniões expressas neste material refletem a opinião do respectivo profissional convidado e não necessariamente expressam a opinião do BTG Pactual, não devendo ser tratadas como tal. As informações contidas nesta apresentação não podem ser consideradas como única fonte de informações no processo decisório do investidor, que, antes de tomar qualquer decisão, deverá realizar uma avaliação minuciosa do produto e respectivos riscos, face aos seus objetivos pessoais e ao seu perfil de risco ("Suitability"). Para maiores informações, acesse www.btgpactualdigital.com

Os riscos da operação com títulos de renda fixa (CDB, LCI e LCA) estão na capacidade de o emissor honrar a dívida; na impossibilidade de venda do título ou na ausência de investidores interessados em adquiri-lo; e na possibilidade de variação da taxa de juros e dos indexadores. É importante a adequada compreensão da natureza, forma de rentabilidade e riscos dos títulos de renda fixa antes da sua aquisição. CDB, LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante a devolução do principal investido acrescido de juros referente a rendimentos, na hipótese da incapacidade de pagamento da instituição financeira, de até R$ 250 mil reais por CPF e por instituição financeira, considerando o limite de garantia de R$ 1 milhão para cada período de quatro anos.

FUNDOS DE INVESTIMENTO NÃO CONTAM COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA. E recomendada a leitura cuidadosa do Formulário de Informações Complementares e Regulamento do Fundo de Investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos.

Ressaltamos que as opiniões e projeções referente COE, aqui apresentadas representam a opinião da área Structured Products do BTG Pactual, mas não necessariamente a opinião institucional do BTG Pactual, podendo o BTG Pactual, suas subsidiárias e/ou seus empregados podem, eventualmente, possuir uma posição comprada ou vendida, atuar em nome próprio e/ou como coordenador ou agente em operações envolvendo ações ou demais investimentos relevantes. COE NÃO CONTA COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA.

Os regulamentos completos dos Planos de Previdência da BTG Pactual Vida e Previdência S/A deverão ser lidos previamente a sua contratação. Os direitos e obrigações das partes estão definidos na Proposta e nos Regulamentos do plano contratado. É recomendada a leitura cuidadosa do regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. O registro do plano na Susep não implica, por parte da autarquia, incentivo ou recomendação de comercialização. O Participante/Segurado poderá consultar a situação cadastral de seu corretor de seguros no site www.susep.gov.br, por meio do número de seu registro na Susep, nome completo, CNPJ ou CPF. BTG Pactual Vida e Previdência S/A - CNPJ: 19.449.767/0001-20. Processos SUSEP PGBL: 15414.901924/2014-44 e VGBL: 15414.901922/2014-55.

Fundos de investimento não contam com garantia do administrador do fundo, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do fundo garantidor de créditos FGC. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de rentabilidade futura. É recomendada a leitura cuidadosa do prospecto e regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. Os investidores devem estar preparados para aceitar os riscos inerentes aos diversos mercados em que os fundos atuam e, consequentemente, possíveis variações no patrimônio investido. Os produtos e serviços aqui mencionados podem não estar disponíveis em todas as jurisdições ou para determinadas categorias de investidores. Adicionalmente, a legislação e regulamentação de proteção a investidores de determinadas jurisdições/países, pode não se aplicar a produtos e serviços registrados em outras jurisdições/países, sujeitos à legislação e regulamentação respectivamente aplicáveis, além de previsões contratuais específicas.

Anbima Anbima