Se você possui dinheiro aplicado na Conta Poupança, deve ter recebido o conselho de resgatar o dinheiro e aplicar em um CDB. Mas, afinal, qual é o melhor investimento: CDB ou Poupança?

Este artigo faz parte da série “O fim da Conta Poupança?”, onde o objetivo é apresentar a dinâmica da rentabilidade da conta poupança e mostrar outras alternativas de investimento. Se você perdeu algum artigo, pode acompanhar pelo índice abaixo:

Parte 1: Ainda vale a pena investir na poupança? 

Parte 2: Quando rende a poupança atualmente? 

O CDB

Os CDB´s (ou Certificados de Depósito Bancário) são títulos emitidos por instituições financeiras. O objetivo de um banco quando emite um CDB é captar recursos e repassar para clientes que necessitam de empréstimos ou financiamentos.

Diferentemente da Conta Poupança, onde boa parte dos recursos obrigatoriamente devem ser direcionados para o crédito imobiliário ou rural, a utilização de uma parte dos recursos captados via CDB’s é livre, sendo assim um produto muito popular entre os bancos.

A segurança

O risco ao investir em um CDB é a quebra da instituição financeira. Entretanto, caso ocorra a falência do banco, você possui um instrumento de segurança denominado FGC (Fundo Garantidor de Crédito). O FGC é uma instituição sem fins lucrativos, que tem como objetivo proteger investidores contra instituições financeiras.

O mecanismo do FGC garante que o seu investimento, até o limite de R$ 250 mil por CPF e instituição financeira, seja reembolsado em caso de falência do banco.

Esta garantia não é exclusividade do CDB. Conta Poupança, LCI’s, LCA’s e até o seu dinheiro parado em conta corrente também estão cobertos pelo FGC.

Portanto, o CDB e a Conta Poupança oferecidos por um mesmo banco possuem o mesmo nível de segurança. Afinal, a cobertura do FGC será a mesma para ambos.

A Remuneração

Boa parte dos CDB’s são remunerados com uma taxa pós-fixada, que acompanha a Taxa CDI (Certificado de Depósitos Interbancários), que por consequência é próxima a Taxa Selic. O CDI é disponibilizado diariamente em portais como o Valor Econômico.

Ao receber uma oferta de um CDB rendendo 100% do CDI, esta remuneração representa aproximadamente 100% da Taxa Selic atual.

Também existem CDB’s que possuem taxas prefixadas, onde o investidor sabe no início do contrato a sua remuneração anual. Estes produtos são ofertados com uma carência de resgate, não sendo possível sacar o investimento antes do prazo predeterminado. Neste caso, pode ser cobrada uma taxa de saída que penaliza significativamente a rentabilidade.

Nesta série, não entraremos em mais detalhes sobre este produto

O CDB possui tributação, onde a alíquota é aplicada sobre o rendimento que varia conforme o período da aplicação:

CDB ou Poupança: O Comparativo

Qual é a remuneração ideal que um CDB deve ser ofertado, para valer a pena a migração da conta poupança?

Antes de prosseguirmos, é importante que você leia este artigo onde eu explico a diferença entre a remuneração nova e antiga da poupança.

Vamos analisar o exemplo abaixo, utilizando como base uma aplicação que será resgatada em menos de 180 dias:

De acordo com a tabela acima, CDB’s com rendimentos acima de 100% do CDI são mais rentáveis que a conta poupança em qualquer cenário, no critério da remuneração nova. Em um cenário com a Taxa Selic acima de 10% ao ano, CDB’s acima de 90% do CDI são vantajosos, em qualquer critério de remuneração.

Outros cenários

E qual será a rentabilidade mínima para que um CDB seja vantajoso, levando em consideração todos os cenários de tributação?  Veremos na tabela abaixo:

Como podemos ver acima, se o objetivo é guardar o dinheiro para o curto prazo, em um cenário onde a Taxa Selic está em 6,5% ao ano, um CDB rendendo acima de 90% do CDI será vantajoso.

Por outro lado, se você possui um dinheiro aplicado antes de 08/05/2012, só valerá a pena resgatar se o rendimento for superior a 111% do CDI, para investimentos superiores a 2 anos e um cenário da Taxa Selic em 6,5% ao ano.

Liquidez

Como comentamos em nosso primeiro artigo da série, a remuneração do CDB é diária. Independentemente do momento do resgate, você receberá os juros proporcionais ao período aplicado. Diferente da poupança, onde é necessário aguardar a data de aniversário para resgatar os juros proporcional do período.

Onde achar CDB’s que rendem mais que 100% do CDI? 

Anteriormente, rentabilidades acima de 100% do CDI eram um privilégio de quem possuía um bom volume investido.

Esse tipo de poupador, com maior acesso à informação, certamente já não investia na poupança ou investia pouco.

Os aplicativos permitiram a bancos e corretoras a redução no custo de captação e atendimento em escala. Assim, investidores em fase inicial de aplicação tem a oportunidade de acessar produtos bastante interessantes, até ultrapassando 100% do CDI.

Bancos considerados “médios” e corretoras possuem em sua prateleira CDB’s com rentabilidade próxima ou superior a 100% do CDI. Diferentemente dos bancos considerados “grandes” que ainda não disponibilizam este tipo de produto para o público em geral.

Apesar da garantia do FGC, o investidor precisa ter algumas cautelas para tomar esta decisão, como a avaliar o rating de crédito da instituição, por exemplo.

Liquidez 

CDB’s com liquidez diária possuem sua disponibilidade imediata, se solicitado o resgate em horário comercial. Assim que solicitar o resgate, o dinheiro será creditado imediatamente em sua conta corrente.

Saques com menos de 30 dias

O CDB, o Tesouro Selic e os Fundos DI possuem a cobrança de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras). Esta tributação, regressiva, incide sobre o os rendimentos dos resgates com menos de 30 dias após a aplicação.

Se o produto possui liquidez diária, você resgatará o dinheiro a qualquer momento. Entretanto, as aplicações com menos de 30 dias serão tributadas, conforme tabela abaixo:

Como podemos ver, investimentos com até 15 dias de aplicação terão no mínimo 50% do seu rendimento “mordido” pelo IOF.

Isso é ruim? A resposta é NÃO

Como comentei ao longo do artigo, uma aplicação com menos de 30 dias na conta poupança gera rendimento zero. A aplicação, mesmo que fique por poucos dias, vai lhe gerar rendimento, coisa que a conta poupança não proporcionará.

Conclusão

O CDB é uma ótima alternativa para investidores conservadores, pois possui o mesmo mecanismo de segurança da conta poupança (FGC), e seu rendimento é diário, diferentemente da poupança onde seu rendimento é apurado somente no dia do aniversário.

Portanto, é necessário procurar bons CDB’s, que remunerem acima dos percentuais apresentados neste artigo. Provavelmente você encontrará ofertas interessantes fora dos grandes bancos de varejo.

Analisar a reputação do banco, diversificar os investimentos e procurar investir até o limite permitido pelo FGC são uma das formas de diminuir seus riscos em relação ao CDB e maximizar seus ganhos.

No próximo artigo, faremos a comparação da conta poupança com outro produto que está se tornando cada vez mais popular: O Tesouro Selic.

Que você tenha ótimas escolhas.

Posts relacionados

Deixe seu comentário 0

Você está a um passo para investir com mais segurança e tranquilidade.
Crie sua conta agora


Preencha com seu nome

Preencha com seu e-mail

Preencha com seu telefone

Está com dúvidas? Entre em contato com a gente!

ENTRE EM CONTATO

O Grupo BTG Pactual (“BTG Pactual”) não fornece opiniões jurídicas ou tributárias. Sendo assim, essa apresentação não constitui aconselhamento legal de qualquer natureza. Essa apresentação é um breve resumo de cunho meramente informativo, não configurando análise de valores mobiliários nos termos da Instrução CVM Nº 598, de 03 de maio de 2018, e não tendo como objetivo a consultoria, oferta, solicitação de oferta e/ou recomendação para a compra ou venda de qualquer investimento e/ou produto específico. Embora as informações e opiniões expressas aqui tenham sido obtidas de fontes confiáveis e fidedignas, nenhuma garantia ou responsabilidade, expressa ou implícita é feita a respeito da exatidão, fidelidade e/ou totalidade das informações. Todas as informações, opiniões e valores eventualmente indicados estão sujeitos à alteração sem prévio aviso. Ressaltamos também, que as opiniões expressas neste material refletem a opinião do respectivo profissional convidado e não necessariamente expressam a opinião do BTG Pactual, não devendo ser tratadas como tal. As informações contidas nesta apresentação não podem ser consideradas como única fonte de informações no processo decisório do investidor, que, antes de tomar qualquer decisão, deverá realizar uma avaliação minuciosa do produto e respectivos riscos, face aos seus objetivos pessoais e ao seu perfil de risco ("Suitability"). Para maiores informações, acesse www.btgpactualdigital.com

Os riscos da operação com títulos de renda fixa (CDB, LCI e LCA) estão na capacidade de o emissor honrar a dívida; na impossibilidade de venda do título ou na ausência de investidores interessados em adquiri-lo; e na possibilidade de variação da taxa de juros e dos indexadores. É importante a adequada compreensão da natureza, forma de rentabilidade e riscos dos títulos de renda fixa antes da sua aquisição. CDB, LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante a devolução do principal investido acrescido de juros referente a rendimentos, na hipótese da incapacidade de pagamento da instituição financeira, de até R$ 250 mil reais por CPF e por instituição financeira, considerando o limite de garantia de R$ 1 milhão para cada período de quatro anos.

FUNDOS DE INVESTIMENTO NÃO CONTAM COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA. E recomendada a leitura cuidadosa do Formulário de Informações Complementares e Regulamento do Fundo de Investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos.

Ressaltamos que as opiniões e projeções referente COE, aqui apresentadas representam a opinião da área Structured Products do BTG Pactual, mas não necessariamente a opinião institucional do BTG Pactual, podendo o BTG Pactual, suas subsidiárias e/ou seus empregados podem, eventualmente, possuir uma posição comprada ou vendida, atuar em nome próprio e/ou como coordenador ou agente em operações envolvendo ações ou demais investimentos relevantes. COE NÃO CONTA COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA.

Os regulamentos completos dos Planos de Previdência da BTG Pactual Vida e Previdência S/A deverão ser lidos previamente a sua contratação. Os direitos e obrigações das partes estão definidos na Proposta e nos Regulamentos do plano contratado. É recomendada a leitura cuidadosa do regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. O registro do plano na Susep não implica, por parte da autarquia, incentivo ou recomendação de comercialização. O Participante/Segurado poderá consultar a situação cadastral de seu corretor de seguros no site www.susep.gov.br, por meio do número de seu registro na Susep, nome completo, CNPJ ou CPF. BTG Pactual Vida e Previdência S/A - CNPJ: 19.449.767/0001-20. Processos SUSEP PGBL: 15414.901924/2014-44 e VGBL: 15414.901922/2014-55.

Fundos de investimento não contam com garantia do administrador do fundo, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do fundo garantidor de créditos FGC. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de rentabilidade futura. É recomendada a leitura cuidadosa do prospecto e regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. Os investidores devem estar preparados para aceitar os riscos inerentes aos diversos mercados em que os fundos atuam e, consequentemente, possíveis variações no patrimônio investido. Os produtos e serviços aqui mencionados podem não estar disponíveis em todas as jurisdições ou para determinadas categorias de investidores. Adicionalmente, a legislação e regulamentação de proteção a investidores de determinadas jurisdições/países, pode não se aplicar a produtos e serviços registrados em outras jurisdições/países, sujeitos à legislação e regulamentação respectivamente aplicáveis, além de previsões contratuais específicas.

Anbima Anbima