Se você está acostumado a investir em planos de previdência privada, já deve ter recebido a instrução de investir até 12% da sua renda anual em PGBL e o restante em VGBL. Também deve ter ouvido que um plano de previdência é mais eficiente em comparação aos fundos de renda fixa e multimercado, uma vez que não há a cobrança de come-cotas.

Mas será que estas convenções informadas por muitos profissionais do mercado financeiro são verdadeiras? Investir em PGBL ou VGBL? Este é o tema do artigo de hoje.

O PGBL

O PGBL, Plano Gerador de Benefícios Livres, é o plano que oferece ao investidor a possibilidade de abater ou restituir, na declaração do imposto de renda do ano seguinte ao que aplica, os impostos pagos sobre a renda que foi poupada. No entanto, esta opção é disponível para quem contribui regularmente para o INSS ou outro regime de previdência social (como dos servidores públicos) e faz a declaração anual do imposto de renda no modelo completo.

O mecanismo é muito simples: até 12% do seu ganho total no ano podem ser investidos em um PGBL. Como resultado, o rendimento total que você tem no ano, para fins tributáveis, é reduzido. Se você ganhou R$ 100 mil no ano, R$ 12 mil investidos no PGBL farão com que a sua renda tributável para cálculo de Imposto de Renda seja de R$ 88 mil. Dessa forma, se pagou imposto sobre R$ 100 mil, uma parte será restituída.

De tudo que você aplica no PGBL, o imposto só será cobrado na hora do resgate, sobre o valor retirado. Como houve uma dedução no imposto a pagar no momento do investimento, ao resgatar o recurso haverá uma tributação sobre esse valor que foi investido. Na prática, o PGBL é uma postergação no pagamento de impostos.

O VGBL

Quer investir acima do limite de 12%? A recomendação é aplicar em um Vida Gerador de Benefícios Livres, ou VGBL. Esta modalidade não proporciona a postergação dos impostos como o PGBL. No entanto, futuramente, ao resgatar seus investimentos, o Imposto de Renda será calculado apenas pelo lucro obtido com o investimento, e não sobre o total resgatado, como acontece com o PGBL.

Se você não tem nada a deduzir agora, não faz sentido aplicar 1 centavo a mais no PGBL. Porque tudo que você aplicar a mais, será tributado lá na frente, fazendo com que você pague impostos em duplicidade. Neste caso, a recomendação é aplicar no VGBL.

Quer saber mais sobre o investimento em Previdência Privada? Baixe nosso guia completo sobre o assunto.


Quando não vale a pena aplicar 12% da renda tributável anual em um PGBL?

Gostaria de esclarecer um erro cometido por muita gente: não é porque você teve imposto retido na fonte que você deve aplicar 12% do que ganhou para ter a restituição do imposto cobrado em cima desses 12%.

Dependendo do quanto você ganha, você já tem algumas isenções. Existe uma faixa de isenção que muda a cada ano. Também existe um valor a deduzir do imposto a pagar de acordo com a sua quantidade de dependentes. Gastos com saúde, educação e doações realizadas ao longo do ano fiscal são utilizados para abater o imposto a pagar.

Isso significa que em muitas situações você terá, no modelo completo da declaração do seu Imposto de Renda, a restituição integral do seu imposto retido ou algo perto disso. Neste caso, você não precisará aplicar os 12% da sua renda. Você vai aplicar, somente, o necessário para restituir o máximo que pode.

Quanto seria esse necessário? É um cálculo a ser feito, com base no que você ganha e nos limites de isenção. Normalmente, quem vai te ajudar nessa conta é um corretor de seguros credenciado e especializado em previdência.

No BTG Pactual digital você conta com suporte para escolher o plano de previdência ideal para você. Ainda não tem conta? Clique aqui e comece a preencher o seu cadastro agora mesmo.

Leia também: Melhores Investimentos para 2021: descubra as verdadeiras oportunidades do mercado

Planos de Previdência vs Come-Cotas

Alguns profissionais recomendam planos de previdência privada para fugir do come-cotas de um fundo de renda fixa ou multimercado.

Em resumo, o come-cotas é o imposto de renda semestral, com a alíquota de 15%. Ele é calculado sobre os rendimentos produzidos por fundos de investimento. Os fundos com incidência de come-cotas são: Fundos de Renda Fixa, Fundos Multimercados, Fundos Cambiais e Fundos DI.

Quanto maior o prazo de investimento, maior será o impacto desse come-cotas. Ao invés de pagar o imposto de renda no resgate, você paga a cada 6 meses 15% sobre o que já lucrou. O fôlego que você teria sobre o capital crescente vai se perdendo a cada 6 meses, seu patrimônio vai ficando um pouco menor, então o ganho total será realmente menor.

No entanto, muitos planos de previdência oferecidos ainda cobram altas taxas de carregamento, a taxa paga no momento da aplicação. Então, num plano com 2% de taxa de carregamento, se você aplicar R$ 1 mil, R$ 20 ficam para o banco. Normalmente, a taxa de carregamento tem um efeito muito mais perverso do que o come-cotas.

Por isso, fique atento se o plano de previdência analisado cobra a taxa de carregamento. Graças à educação financeira, o número de planos com este tipo de cobrança está diminuindo.

Leia também: Como fazer uma Previdência Privada e quais são seus benefícios?

Conclusão

Investir em PGBL até 12% da sua renda e o excedente em VGBL não é uma estratégia válida para todos.

Primeiramente, avalie a sua estratégia tributária. Pode ser que suas despesas dedutíveis sejam suficientes para a restituição integral do imposto de renda. Assim, você não precisará aplicar os 12% da sua renda em um PGBL.

Se você já investiu os 12% em um PGBL, considere investir o valor excedente em um VGBL, mas procure pesquisar no mercado como está o desempenho dos fundos de previdência oferecidos por corretoras, por bancos de investimentos e procurar o mais eficiente. Não deixe de analisar quais são as taxas de administração, performance e carregamento cobradas.

Pensando em longo prazo, planos de previdência fazem sentido para quem tem um perfil, pelo menos, moderado. Não é em comparação com um fundo de renda fixa que você vai tomar a decisão de investir em um plano de previdência, mas sim em comparação com o fundo multimercado, aquele que tem uma parcela em renda variável, compatível com a construção que você quer fazer no longo prazo.

Tudo isso para que você faça melhores escolhas de investimento, afinal, enriquecer é uma questão de escolha. Sucesso nas suas.

Você também pode gostar: Série Melhores Investimentos: Qual a melhor previdência privada para investir?

Gustavo Cerbasi
Gustavo Cerbasi:
Cerbasi é um parceiro de conteúdo do BTG Pactual digital. Consultor, professor, palestrante, autor de 16 livros com mais de 2,5 milhões de exemplares vendidos, entre eles, o best-seller “Casais Inteligentes Enriquecem Juntos”.

Posts relacionados

Deixe seu comentário 0

Você está a um passo para investir com mais segurança e tranquilidade.
Crie sua conta agora


Preencha com seu nome

Preencha com seu e-mail

Preencha com seu telefone

Está com dúvidas? Entre em contato com a gente!

ENTRE EM CONTATO

O Grupo BTG Pactual (“BTG Pactual”) não fornece opiniões jurídicas ou tributárias. Sendo assim, essa apresentação não constitui aconselhamento legal de qualquer natureza. Essa apresentação é um breve resumo de cunho meramente informativo, não configurando análise de valores mobiliários nos termos da Instrução CVM Nº 598, de 03 de maio de 2018, e não tendo como objetivo a consultoria, oferta, solicitação de oferta e/ou recomendação para a compra ou venda de qualquer investimento e/ou produto específico. Embora as informações e opiniões expressas aqui tenham sido obtidas de fontes confiáveis e fidedignas, nenhuma garantia ou responsabilidade, expressa ou implícita é feita a respeito da exatidão, fidelidade e/ou totalidade das informações. Todas as informações, opiniões e valores eventualmente indicados estão sujeitos à alteração sem prévio aviso. Ressaltamos também, que as opiniões expressas neste material refletem a opinião do respectivo profissional convidado e não necessariamente expressam a opinião do BTG Pactual, não devendo ser tratadas como tal. As informações contidas nesta apresentação não podem ser consideradas como única fonte de informações no processo decisório do investidor, que, antes de tomar qualquer decisão, deverá realizar uma avaliação minuciosa do produto e respectivos riscos, face aos seus objetivos pessoais e ao seu perfil de risco ("Suitability"). Para maiores informações, acesse www.btgpactualdigital.com

Os riscos da operação com títulos de renda fixa (CDB, LCI e LCA) estão na capacidade de o emissor honrar a dívida; na impossibilidade de venda do título ou na ausência de investidores interessados em adquiri-lo; e na possibilidade de variação da taxa de juros e dos indexadores. É importante a adequada compreensão da natureza, forma de rentabilidade e riscos dos títulos de renda fixa antes da sua aquisição. CDB, LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante a devolução do principal investido acrescido de juros referente a rendimentos, na hipótese da incapacidade de pagamento da instituição financeira, de até R$ 250 mil reais por CPF e por instituição financeira, considerando o limite de garantia de R$ 1 milhão para cada período de quatro anos.

FUNDOS DE INVESTIMENTO NÃO CONTAM COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA. E recomendada a leitura cuidadosa do Formulário de Informações Complementares e Regulamento do Fundo de Investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos.

Ressaltamos que as opiniões e projeções referente COE, aqui apresentadas representam a opinião da área Structured Products do BTG Pactual, mas não necessariamente a opinião institucional do BTG Pactual, podendo o BTG Pactual, suas subsidiárias e/ou seus empregados podem, eventualmente, possuir uma posição comprada ou vendida, atuar em nome próprio e/ou como coordenador ou agente em operações envolvendo ações ou demais investimentos relevantes. COE NÃO CONTA COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA.

Os regulamentos completos dos Planos de Previdência da BTG Pactual Vida e Previdência S/A deverão ser lidos previamente a sua contratação. Os direitos e obrigações das partes estão definidos na Proposta e nos Regulamentos do plano contratado. É recomendada a leitura cuidadosa do regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. O registro do plano na Susep não implica, por parte da autarquia, incentivo ou recomendação de comercialização. O Participante/Segurado poderá consultar a situação cadastral de seu corretor de seguros no site www.susep.gov.br, por meio do número de seu registro na Susep, nome completo, CNPJ ou CPF. BTG Pactual Vida e Previdência S/A - CNPJ: 19.449.767/0001-20. Processos SUSEP PGBL: 15414.901924/2014-44 e VGBL: 15414.901922/2014-55.

Fundos de investimento não contam com garantia do administrador do fundo, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do fundo garantidor de créditos FGC. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de rentabilidade futura. É recomendada a leitura cuidadosa do prospecto e regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. Os investidores devem estar preparados para aceitar os riscos inerentes aos diversos mercados em que os fundos atuam e, consequentemente, possíveis variações no patrimônio investido. Os produtos e serviços aqui mencionados podem não estar disponíveis em todas as jurisdições ou para determinadas categorias de investidores. Adicionalmente, a legislação e regulamentação de proteção a investidores de determinadas jurisdições/países, pode não se aplicar a produtos e serviços registrados em outras jurisdições/países, sujeitos à legislação e regulamentação respectivamente aplicáveis, além de previsões contratuais específicas.

Anbima Anbima