Coluna Gustavo Cerbasi

Investimento em imóveis é um bom negócio atualmente?

Investimento em imóveis é um bom negócio atualmente?
Investimento em imóveis é um bom negócio atualmente?

Investimento em imóveis é um bom negócio atualmente?

Provavelmente, você já ouviu algum parente ou amigo indicar o investimento em imóveis como um grande negócio. Diz o senso comum que esse tipo de aplicação tem um potencial de retorno interessante e deve ser seriamente considerado.

No entanto, é essencial levar em conta os diversos fatores que tornam um produto atraente ou não. O investimento em imóveis pode ser feito de várias formas e tem chances de ser um bom negócio. No artigo de hoje, vou fazer algumas ponderações sobre o tema e explicar as variáveis a serem lembradas quando surgir a oportunidade de adquirir um imóvel.

 

Como uma afirmação se torna “verdade”

A ideia – amplamente difundida – de que o investimento em imóveis vale muito a pena vem de algumas décadas atrás. Um aspecto que ajudou a construir essa máxima foi a falta de boas alternativas de investimentos no mercado financeiro, naquela época. Quando sobrava algum dinheiro, não havia a possibilidade de investir em títulos públicos, por exemplo. Vale lembrar que o programa Tesouro Direto, que permite que pessoas físicas comprem títulos do Tesouro Nacional, foi criado pelo governo federal em 2002.

O segundo fator decisivo para os imóveis se tornarem a menina dos olhos da populaçãofoi o medo da inflação. Na década de 1980, o Brasil teve uma inflação anual média superior a 200%. O período em que produtos eram remarcados diariamente assustava a todos, por isso os imóveis representavam uma forma de manter o patrimônio relativamente seguro. Por fim, o crescimento da economia brasileira desde o final da década passada tornou mais acessível o investimento em imóveis.

 

Empolgação deve ser controlada

O contexto histórico garantiu aos imóveis uma aura de grande negócio, mas isso nem sempre condiz com a realidade. Recomendo que você deixe a empolgação de lado e seja o mais racional possível ao avaliar um imóvel. O mercado imobiliário oferece boas oportunidades, mas também tem suas armadilhas.

É irresponsabilidade afirmar que qualquer imóvel é um bom investimento. Existem alguns aspectos que precisam ser considerados para uma análise mais exata.

 

O que faz um imóvel ser bom negócio?

No mercado financeiro, produtos que têm grande potencial de valorização são tidos como bons negócios. A lógica também é verdadeira na análise de imóveis. Há três fatores fundamentais para indicar se determinado imóvel tem boas possibilidades de se valorizar:

  • Processo de urbanização: bairros menos maduros podem indicar boas oportunidades. Uma região com terrenos disponíveis tende a receber melhorias como supermercados e lojas de serviços. Esse processo contribui para uma valorização do bairro como um todo.
  • Saturação de regiões vizinhas: se o bairro escolhido está cercado por bairros com pouca margem para crescimento, pode ser um bom sinal. A tendência é de que o comércio cresça rapidamente nesse bairro e ajude a valorizar o imóvel.
  • Histórico da construtora e do arquiteto: procure conhecer obras anteriores da construtora e do arquiteto envolvidos no projeto do imóvel. Esse histórico gera uma segurança maior de que são realmente profissionais de alto nível.

 

Um período mais espinhoso

Os processos de urbanização e a saturação de regiões vizinhas podem ser mais difíceis de serem decifrados, dependendo da época e da situação da economia. Mas, nas últimas décadas, muitos bairros se valorizaram na esteira do crescimento das zonas urbanas pelo Brasil. Atualmente, diversas cidades atingiram maturidade e é comum faltar espaço para a expansão.

Essa transição histórica tornou o investimento em imóveis menos simples do que antes e a ideia de lucro certo ficou pelo caminho. Somente quem faz boas escolhas consegue um retorno significativo.

 

Comprar na planta vale a pena?

Comprar ou não na planta é uma dúvida recorrente a respeito de investimento em imóveis. Se os três fatores apontados acima também forem considerados, há possibilidade de ser um bom negócio. Além disso, a aquisição anterior à construção possibilita um preço pelo menos 20% abaixo do que é cobrado pelo imóvel pronto.

Parece natural que comprar na planta seja uma boa alternativa, não é mesmo? No entanto, devo alertar sobre os riscos de se fazer esse tipo de negócio. Uma obra pode atrasar (ou nem mesmo ser iniciada) e a construtora pode ter problemas legais. Por isso, considere esses aspectos antes de tomar uma decisão pela compra de um imóvel na planta. 20% de ganhos em 2 ou 3 anos pode ser um prêmio baixo a se receber pelo nível de risco envolvido.

 

Como se preparar para o mercado imobiliário

Se você pensa em fazer investimento em imóveis, minha principal orientação é se preparar adequadamente. Primeiro passo: aprimore sua pesquisa, com visitas a imobiliárias e buscas por informações sobre o plano diretor da cidade. Esse estudo prévio ajudará na identificação de obras promissoras e lhe dará a chance de comprar ainda na planta.

Uma postura passiva diante do imóvel é um erro recorrente. Muitos imaginam que basta esperar a valorização e viver do aluguel. Recomendo que você tenha proatividade para rastrear oportunidades entre lançamentos e vendedores apressados.

 

Priorize a acumulação de ganhos sobre ganhos

A adoção de uma conduta mais proativa é também o caminho mais curto para o enriquecimento. Isso porque alguns podem imaginar que uma boa escolha basta. Porém, o investimento em imóvel funciona como qualquer outro negócio. O que quero dizer com isso? O lucro depende essencialmente da acumulação de ganhos sobre ganhos.

O bom investidor é aquele que sabe manter uma rotina de boas escolhas. É a sobreposição de grandes negócios que gera os resultados mais expressivos. Reinvestir o dinheiro da venda de um imóvel em outra oportunidade lhe permite criar os famosos juros sobre juros. Quanto mais você aplicar, maior o retorno.

 

Fundos imobiliários democratizaram o investimento em imóveis

Anos atrás, poucos imaginavam aplicar em imóveis com menos de R$ 1 mil. Hoje, isso é possível graças aos fundos imobiliários, que contribuíram para democratizar o investimento em imóveis.

A existência dessa modalidade de fundo ampliou o interesse pelo mercado, pois já não é necessário ter um capital inicial vultuoso. Com algumas centenas de reais, você consegue investir em cotas de grandes projetos.

 

Moradia não é investimento

Vale ressaltar ainda que há uma pequena confusão feita por muita gente e que precisa ser evitada. Estou falando sobre a compra da sua moradia como uma forma de investimento em imóveis. Trata-se de um raciocínio incorreto. Mesmo que haja bom potencial de valorização, a tendência é que você queira comprar outro imóvel ao vender sua casa em vez de reinvestir o dinheiro. Por isso, casa própria deve ser considerada como custo e não como investimento.

Uma alternativa é optar pelo aluguel, mas isso tende a funcionar melhor durante a primeira fase de construção de riqueza. Enxergo essa etapa como um passo para adquirir o conforto de morar em uma casa que será sua de fato.

Você pretende fazer algum investimento em imóveis? Neste artigo, explico quais aspectos devem ser levados em conta na definição do melhor investimento para cada pessoa.

Deixe seu comentário 0

Posts relacionados

Você está a um passo para investir com mais segurança e tranquilidade.
Crie sua conta agora


Preencha com seu nome

Preencha com seu e-mail

Preencha com seu telefone

Está com dúvidas? Entre em contato com a gente!

ENTRE EM CONTATO

O Grupo BTG Pactual (“BTG Pactual”) não fornece opiniões jurídicas ou tributárias. Sendo assim, essa apresentação não constitui aconselhamento legal de qualquer natureza. Essa apresentação é um breve resumo de cunho meramente informativo, não configurando análise de valores mobiliários nos termos da Instrução CVM Nº 598, de 03 de maio de 2018, e não tendo como objetivo a consultoria, oferta, solicitação de oferta e/ou recomendação para a compra ou venda de qualquer investimento e/ou produto específico. Embora as informações e opiniões expressas aqui tenham sido obtidas de fontes confiáveis e fidedignas, nenhuma garantia ou responsabilidade, expressa ou implícita é feita a respeito da exatidão, fidelidade e/ou totalidade das informações. Todas as informações, opiniões e valores eventualmente indicados estão sujeitos à alteração sem prévio aviso. Ressaltamos também, que as opiniões expressas neste material refletem a opinião do respectivo profissional convidado e não necessariamente expressam a opinião do BTG Pactual, não devendo ser tratadas como tal. As informações contidas nesta apresentação não podem ser consideradas como única fonte de informações no processo decisório do investidor, que, antes de tomar qualquer decisão, deverá realizar uma avaliação minuciosa do produto e respectivos riscos, face aos seus objetivos pessoais e ao seu perfil de risco ("Suitability"). Para maiores informações, acesse www.btgpactualdigital.com

Os riscos da operação com títulos de renda fixa (CDB, LCI e LCA) estão na capacidade de o emissor honrar a dívida; na impossibilidade de venda do título ou na ausência de investidores interessados em adquiri-lo; e na possibilidade de variação da taxa de juros e dos indexadores. É importante a adequada compreensão da natureza, forma de rentabilidade e riscos dos títulos de renda fixa antes da sua aquisição. CDB, LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante a devolução do principal investido acrescido de juros referente a rendimentos, na hipótese da incapacidade de pagamento da instituição financeira, de até R$ 250 mil reais por CPF e por instituição financeira, considerando o limite de garantia de R$ 1 milhão para cada período de quatro anos.

FUNDOS DE INVESTIMENTO NÃO CONTAM COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA. E recomendada a leitura cuidadosa do Formulário de Informações Complementares e Regulamento do Fundo de Investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos.

Ressaltamos que as opiniões e projeções referente COE, aqui apresentadas representam a opinião da área Structured Products do BTG Pactual, mas não necessariamente a opinião institucional do BTG Pactual, podendo o BTG Pactual, suas subsidiárias e/ou seus empregados podem, eventualmente, possuir uma posição comprada ou vendida, atuar em nome próprio e/ou como coordenador ou agente em operações envolvendo ações ou demais investimentos relevantes. COE NÃO CONTA COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA.

Os regulamentos completos dos Planos de Previdência da BTG Pactual Vida e Previdência S/A deverão ser lidos previamente a sua contratação. Os direitos e obrigações das partes estão definidos na Proposta e nos Regulamentos do plano contratado. É recomendada a leitura cuidadosa do regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. O registro do plano na Susep não implica, por parte da autarquia, incentivo ou recomendação de comercialização. O Participante/Segurado poderá consultar a situação cadastral de seu corretor de seguros no site www.susep.gov.br, por meio do número de seu registro na Susep, nome completo, CNPJ ou CPF. BTG Pactual Vida e Previdência S/A - CNPJ: 19.449.767/0001-20. Processos SUSEP PGBL: 15414.901924/2014-44 e VGBL: 15414.901922/2014-55.

Fundos de investimento não contam com garantia do administrador do fundo, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do fundo garantidor de créditos FGC. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de rentabilidade futura. É recomendada a leitura cuidadosa do prospecto e regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. Os investidores devem estar preparados para aceitar os riscos inerentes aos diversos mercados em que os fundos atuam e, consequentemente, possíveis variações no patrimônio investido. Os produtos e serviços aqui mencionados podem não estar disponíveis em todas as jurisdições ou para determinadas categorias de investidores. Adicionalmente, a legislação e regulamentação de proteção a investidores de determinadas jurisdições/países, pode não se aplicar a produtos e serviços registrados em outras jurisdições/países, sujeitos à legislação e regulamentação respectivamente aplicáveis, além de previsões contratuais específicas.

Anbima Anbima