Existem diferentes maneiras de multiplicar os ganhos mensais. Uma delas é vender um imóvel próprio e investir o capital obtido na operação. Outra alternativa é manter a propriedade e fechar um bom contrato de aluguel. A questão é avaliar qual das opções garante maior retorno financeiro. Será que vale a pena manter imóvel alugado ou vender para investir?

No artigo de hoje, esclareço a dúvida de uma de minhas seguidoras. Ela possuía uma propriedade na capital e foi morar no interior, mas não estava convicta sobre como proceder. Vender o imóvel ou para investir ou mantê-lo alugado é uma questão relevante e que deve levar alguns fatores em consideração.

Devemos pensar, por exemplo, qual rentabilidade pode ser conquistada por meio de aplicações de vultuosas.  A seguir, vou explicar os fatores a serem considerados na dúvida sobre manter imóvel alugado ou vender para investir.

O rendimento do aluguel não é determinante

No mercado imobiliário, o rendimento do aluguel não serve como base para indicar se vale a pena manter uma propriedade. Em geral, esse ganho mensal não é vantajoso se levarmos em conta o valor do imóvel.

Fato é que o aluguel sempre vai render menos do que outros produtos de renda fixa. Neste caso, consideramos aplicar o dinheiro da venda do imóvel em ativos como títulos públicos.

A razão para isso? O mercado imobiliário mantém este limite sobre o rendimento do aluguel porque inclui também o potencial de valorização do imóvel.

Qual é o potencial de valorização do imóvel?

A rentabilidade do aluguel de fato não é indicativo para determinar se a manutenção de um imóvel compensa. Por isso, o aspecto mais preponderante nesta equação é o potencial de valorização da propriedade.

Quando surgir a dúvida sobre  vender um imóvel, avalie se o seu valor pode crescer dentro de alguns anos. Por exemplo, se uma casa aumentar seu valor em 20% no período de um ano, vale a pena aguardar. É a velha história de comprar na baixa e vender na alta.

Para avaliar o potencial de valorização de um imóvel, considere dois fatores principais:

  • O bairro em que a propriedade está localizada vai receber melhorias e investimentos? (shoppings, estações de metrô, parques etc.)
  • Como está a relação de oferta e procura no bairro? (por exemplo, muitos imóveis estão disponíveis para locação ou a procura está maior do que a demanda?)

O Brasil privilegia os investidores

O cenário de dificuldade que a economia brasileira atravessou nos últimos anos beneficia os investidores. Produtos de baixo risco em renda fixa oferecem uma rentabilidade convidativa mesmo após a queda na taxa Selic.

Esse aspecto também deve pesar na decisão sobre manter imóvel alugado ou vender para investir. Considere, é claro, o potencial de valorização da propriedade antes de tomar qualquer decisão. Mas, na maior parte dos casos, só vale a pena manter o imóvel se o bairro estiver em plena expansão.

Vender o imóvel? Não se esqueça da liquidez

Afinal, é melhor vender o imóvel para investir ou mantê-lo alugado? Uma última dica que deixo é se lembrar da liquidez como trunfo da opção pela venda. Quando seu dinheiro está aplicado, existe uma flexibilidade maior para deslocar capital e buscar oportunidades melhores. Por outro lado, o dinheiro “parado” em um imóvel não oferece a mesma liberdade de escolha. Para aprender mais sobre investimentos, confira esse outro artigo do blog.

Posts relacionados

Deixe seu comentário 0

Você está a um passo para investir com mais segurança e tranquilidade.
Crie sua conta agora


Preencha com seu nome

Preencha com seu e-mail

Preencha com seu telefone

Está com dúvidas? Entre em contato com a gente!

ENTRE EM CONTATO

O Grupo BTG Pactual (“BTG Pactual”) não fornece opiniões jurídicas ou tributárias. Sendo assim, essa apresentação não constitui aconselhamento legal de qualquer natureza. Essa apresentação é um breve resumo de cunho meramente informativo, não configurando análise de valores mobiliários nos termos da Instrução CVM Nº 598, de 03 de maio de 2018, e não tendo como objetivo a consultoria, oferta, solicitação de oferta e/ou recomendação para a compra ou venda de qualquer investimento e/ou produto específico. Embora as informações e opiniões expressas aqui tenham sido obtidas de fontes confiáveis e fidedignas, nenhuma garantia ou responsabilidade, expressa ou implícita é feita a respeito da exatidão, fidelidade e/ou totalidade das informações. Todas as informações, opiniões e valores eventualmente indicados estão sujeitos à alteração sem prévio aviso. Ressaltamos também, que as opiniões expressas neste material refletem a opinião do respectivo profissional convidado e não necessariamente expressam a opinião do BTG Pactual, não devendo ser tratadas como tal. As informações contidas nesta apresentação não podem ser consideradas como única fonte de informações no processo decisório do investidor, que, antes de tomar qualquer decisão, deverá realizar uma avaliação minuciosa do produto e respectivos riscos, face aos seus objetivos pessoais e ao seu perfil de risco ("Suitability"). Para maiores informações, acesse www.btgpactualdigital.com

Os riscos da operação com títulos de renda fixa (CDB, LCI e LCA) estão na capacidade de o emissor honrar a dívida; na impossibilidade de venda do título ou na ausência de investidores interessados em adquiri-lo; e na possibilidade de variação da taxa de juros e dos indexadores. É importante a adequada compreensão da natureza, forma de rentabilidade e riscos dos títulos de renda fixa antes da sua aquisição. CDB, LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante a devolução do principal investido acrescido de juros referente a rendimentos, na hipótese da incapacidade de pagamento da instituição financeira, de até R$ 250 mil reais por CPF e por instituição financeira, considerando o limite de garantia de R$ 1 milhão para cada período de quatro anos.

FUNDOS DE INVESTIMENTO NÃO CONTAM COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA. E recomendada a leitura cuidadosa do Formulário de Informações Complementares e Regulamento do Fundo de Investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos.

Ressaltamos que as opiniões e projeções referente COE, aqui apresentadas representam a opinião da área Structured Products do BTG Pactual, mas não necessariamente a opinião institucional do BTG Pactual, podendo o BTG Pactual, suas subsidiárias e/ou seus empregados podem, eventualmente, possuir uma posição comprada ou vendida, atuar em nome próprio e/ou como coordenador ou agente em operações envolvendo ações ou demais investimentos relevantes. COE NÃO CONTA COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA.

Os regulamentos completos dos Planos de Previdência da BTG Pactual Vida e Previdência S/A deverão ser lidos previamente a sua contratação. Os direitos e obrigações das partes estão definidos na Proposta e nos Regulamentos do plano contratado. É recomendada a leitura cuidadosa do regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. O registro do plano na Susep não implica, por parte da autarquia, incentivo ou recomendação de comercialização. O Participante/Segurado poderá consultar a situação cadastral de seu corretor de seguros no site www.susep.gov.br, por meio do número de seu registro na Susep, nome completo, CNPJ ou CPF. BTG Pactual Vida e Previdência S/A - CNPJ: 19.449.767/0001-20. Processos SUSEP PGBL: 15414.901924/2014-44 e VGBL: 15414.901922/2014-55.

Fundos de investimento não contam com garantia do administrador do fundo, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do fundo garantidor de créditos FGC. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de rentabilidade futura. É recomendada a leitura cuidadosa do prospecto e regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. Os investidores devem estar preparados para aceitar os riscos inerentes aos diversos mercados em que os fundos atuam e, consequentemente, possíveis variações no patrimônio investido. Os produtos e serviços aqui mencionados podem não estar disponíveis em todas as jurisdições ou para determinadas categorias de investidores. Adicionalmente, a legislação e regulamentação de proteção a investidores de determinadas jurisdições/países, pode não se aplicar a produtos e serviços registrados em outras jurisdições/países, sujeitos à legislação e regulamentação respectivamente aplicáveis, além de previsões contratuais específicas.

Anbima Anbima