Muitas pessoas perdem oportunidades no mercado financeiro por não saberem exatamente como dar os primeiros passos. A dúvida a respeito de como começar a investir é bastante comum e deve ser superada.

Neste artigo, vou apresentar um passo a passo sobre como começar a investir. São orientações que você pode colocar em prática desde já para aplicar seu dinheiro com inteligência. Essa sequência é útil também para quem já investe, mas tem alguma dificuldade em priorizar e estabelecer objetivos.

Um erro a ser evitado

É compreensível alguém se sentir aflito por não saber como começar a investir. Porém, isso não pode ser motivo para cometer um ingênuo erro que tem se repetido no Brasil, que é pesquisar por produtos no mercado financeiro em busca da maior rentabilidade possível. A falha nessa postura está em acreditar que rentabilidade é o único fator a ser considerado em escolhas de investimento.

Determinado produto pode até fazer o seu dinheiro se multiplicar mais rapidamente. Mas isso, necessariamente, faz dele a melhor opção? Produtos mais rentáveis envolvem maiores riscos e são adequados a pessoas com perfil arrojado. É recomendável que os chamados marinheiros de primeira viagem sejam mais comedidos em relação ao risco.

Carteira de investimentos deve refletir a sua necessidade

Rentabilidade acima de tudo? Talvez esse não seja o caminho mais prudente. Não quero dizer que você deva ganhar menos, mas sim que seus investimentos precisam refletir suas necessidades.

Há produtos financeiros para os mais diversos perfis, com vantagens e desvantagens. Cada um deles se adapta melhor a determinadas características que o investidor apresenta no momento em que aplica, identificadas, normalmente, pelo questionário chamado Avaliação do Perfil de Investidor.

Digamos que seu foco seja a construção de uma reserva de emergências. Naturalmente, você deve preferir produtos que apresentam boa liquidez, pois pode precisar ter acesso àquele dinheiro de forma imediata. Por outro lado, uma construção de prazo mais longo permite abrir mão da liquidez em nome de maior rentabilidade.

Uma boa carteira de investimentos é aquela que respeita, portanto, um projeto bem estruturado de alocação de ativos. Veja abaixo quais são os passos a serem seguidos para aplicar seu dinheiro com inteligência.

passo: avalie seu consumo

Antes de avaliar quais produtos são mais adequados ao seu perfil, existe uma etapa fundamental. Você deve analisar sua cesta de consumo mensal para verificar se o seu dinheiro está sendo bem gasto, e se seu orçamento possui flexibilidade suficiente para lidar com imprevistos.

Esse exame das próprias finanças vai lhe ajudar a detectar problemas que, mais à frente, poderiam prejudicar os investimentos. Um desses problemas é a falta de verba destinada a atividades de lazer. Isso mesmo, aqueles gastos que nos dão mais prazer são muito importantes para quem deseja entender como começar a investir.

Um orçamento que contempla atividades de lazer ou qualquer outro gasto relacionado a qualidade de vida tende a ser mais flexível. Em caso de imprevistos, essa pessoa pode remanejar tais gastos para cobrir despesas emergenciais. Por outro lado, um orçamento engessado e repleto de dívidas tira a desejável maleabilidade para lidar com imprevistos.

Em resumo, pessoas com um orçamento mais saudável ficam menos dependentes de investimentos com liquidez imediata.

passo: construa uma reserva de emergências

Quem deseja entender sobre como começar a investir deve se atentar para a reserva de emergências, necessária para lidar com imprevistos e oportunidades. É um carro que quebra, um acidente doméstico ou uma oportunidade de fazer um curso a um preço vantajoso quando pago à vista, por exemplo. Há muitas situações em que a reserva de emergências pode ser acionada.

Começar a investir sem ter uma reserva de emergências significa que seu esforço inicial deve ser para construí-la. Isso quer dizer foco total em produtos de liquidez imediata. Quem já possui uma reserva de emergências pode iniciar sua jornada no mercado financeiro com escolhas mais diversificadas.

A reserva de emergências deve ser composta, em média, por um valor equivalente a três meses de gastos totais do seu orçamento doméstico. Para quem possui um emprego sem grande estabilidade, a recomendação é de seis meses, para uma tranquilidade maior.

passo: desenhe um projeto de previdência

A discussão a respeito da reforma da previdência dominou as manchetes dos jornais nos últimos meses. Ainda que ela não aconteça agora, a tendência é que o governo reveja essa questão em algum momento. Por isso, é recomendável que as pessoas não dependam do dinheiro da previdência pública durante a velhice.

A melhor estratégia é se preparar desde já para uma vida tranquila após a aposentadoria. Isso significa adaptar a carteira de investimentos à necessidade de construir uma reserva para o futuro.

Como fazer isso? Existem planos de previdência específicos para esse fim, mas eles não são a única opção. A parcela da carteira focada na aposentadoria pode ser composta por produtos de baixa liquidez e alta rentabilidade. Essa estratégia possibilita ganhos mais substanciais em longo prazo.

Lembre-se que a previdência deve garantir uma renda mensal confortável para sua vida durante a aposentadoria.

passo: amplie sua carteira para produtos de maior risco

O cumprimento dos três passos iniciais garante uma liberdade de escolhas muito interessante. A partir deste momento, é plausível dar o quarto passo e diversificar a carteira com produtos de maior risco. São aqueles ativos que oferecem alto potencial de rentabilidade, mas podem implicar em perdas pontuais. Fundos de ações e fundos multimercados mais agressivos e de menor liquidez são bons exemplos.

O investimento em renda variável ajuda na construção de objetivos com maior flexibilidade. Caso os ganhos sejam favoráveis, é possível concretizar essas metas mais rapidamente. Se o resultado não for o esperado, esses objetivos podem ser postergados por não terem um caráter emergencial.

Veja um caso que ilustra bem essa realidade. Imagine que você possui um carro e deseja trocá-lo por um modelo que custa 50 mil reais mais caro. Uma carteira de ações pode ser montada com o foco específico de reunir esse montante. Caso a estratégia dê errado em um primeiro momento, você poderá adiar a troca. Se der certo, a troca será antecipada.

sabe como começar a investir? Então, mãos à obra!

Entender como começar a investir é fundamental para você não dar um passo em falso em suas aplicações. Procure seguir as orientações deste artigo em sua jornada de investimentos. Para fazer escolhas inteligentes, vale a pena conhecer os diferentes produtos disponíveis no mercado. Clique aqui para conferir o catálogo do BTG Pactual digital.

Deixe seu comentário 0

Posts relacionados

ABRA SUA CONTA E COMECE A INVESTIR!

ABRA SUA CONTA
  • Cadastro 100% Online.
  • Sem custo para abertura, manutenção de conta e envio de TED ou DOC.
  • Tire suas dúvidas por telefone, e-mail ou chat com nossos assessores de investimento.

O Grupo BTG Pactual (“BTG Pactual”) não fornece opiniões jurídicas ou tributárias. Sendo assim, essa apresentação não constitui aconselhamento legal de qualquer natureza. Essa apresentação é um breve resumo de cunho meramente informativo, não configurando análise de valores mobiliários nos termos da Instrução CVM Nº 598, de 03 de maio de 2018, e não tendo como objetivo a consultoria, oferta, solicitação de oferta e/ou recomendação para a compra ou venda de qualquer investimento e/ou produto específico. Embora as informações e opiniões expressas aqui tenham sido obtidas de fontes confiáveis e fidedignas, nenhuma garantia ou responsabilidade, expressa ou implícita é feita a respeito da exatidão, fidelidade e/ou totalidade das informações. Todas as informações, opiniões e valores eventualmente indicados estão sujeitos à alteração sem prévio aviso. Ressaltamos também, que as opiniões expressas neste material refletem a opinião do respectivo profissional convidado e não necessariamente expressam a opinião do BTG Pactual, não devendo ser tratadas como tal. As informações contidas nesta apresentação não podem ser consideradas como única fonte de informações no processo decisório do investidor, que, antes de tomar qualquer decisão, deverá realizar uma avaliação minuciosa do produto e respectivos riscos, face aos seus objetivos pessoais e ao seu perfil de risco ("Suitability"). Para maiores informações, acesse www.btgpactualdigital.com

Os riscos da operação com títulos de renda fixa (CDB, LCI e LCA) estão na capacidade de o emissor honrar a dívida; na impossibilidade de venda do título ou na ausência de investidores interessados em adquiri-lo; e na possibilidade de variação da taxa de juros e dos indexadores. É importante a adequada compreensão da natureza, forma de rentabilidade e riscos dos títulos de renda fixa antes da sua aquisição. CDB, LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante a devolução do principal investido acrescido de juros referente a rendimentos, na hipótese da incapacidade de pagamento da instituição financeira, de até R$ 250 mil reais por CPF e por instituição financeira, considerando o limite de garantia de R$ 1 milhão para cada período de quatro anos.

FUNDOS DE INVESTIMENTO NÃO CONTAM COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA. E recomendada a leitura cuidadosa do Formulário de Informações Complementares e Regulamento do Fundo de Investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos.

Ressaltamos que as opiniões e projeções referente COE, aqui apresentadas representam a opinião da área Structured Products do BTG Pactual, mas não necessariamente a opinião institucional do BTG Pactual, podendo o BTG Pactual, suas subsidiárias e/ou seus empregados podem, eventualmente, possuir uma posição comprada ou vendida, atuar em nome próprio e/ou como coordenador ou agente em operações envolvendo ações ou demais investimentos relevantes. COE NÃO CONTA COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA.

Os regulamentos completos dos Planos de Previdência da BTG Pactual Vida e Previdência S/A deverão ser lidos previamente a sua contratação. Os direitos e obrigações das partes estão definidos na Proposta e nos Regulamentos do plano contratado. É recomendada a leitura cuidadosa do regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. O registro do plano na Susep não implica, por parte da autarquia, incentivo ou recomendação de comercialização. O Participante/Segurado poderá consultar a situação cadastral de seu corretor de seguros no site www.susep.gov.br, por meio do número de seu registro na Susep, nome completo, CNPJ ou CPF. BTG Pactual Vida e Previdência S/A - CNPJ: 19.449.767/0001-20. Processos SUSEP PGBL: 15414.901924/2014-44 e VGBL: 15414.901922/2014-55.

Fundos de investimento não contam com garantia do administrador do fundo, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do fundo garantidor de créditos FGC. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de rentabilidade futura. É recomendada a leitura cuidadosa do prospecto e regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. Os investidores devem estar preparados para aceitar os riscos inerentes aos diversos mercados em que os fundos atuam e, consequentemente, possíveis variações no patrimônio investido. Os produtos e serviços aqui mencionados podem não estar disponíveis em todas as jurisdições ou para determinadas categorias de investidores. Adicionalmente, a legislação e regulamentação de proteção a investidores de determinadas jurisdições/países, pode não se aplicar a produtos e serviços registrados em outras jurisdições/países, sujeitos à legislação e regulamentação respectivamente aplicáveis, além de previsões contratuais específicas.

Anbima Anbima