Um período de acentuada queda nas ações gera grandes incertezas no mercado financeiro. Muitas pessoas ficam sem saber como reagir e acabam tomando decisões por impulso — como vender seus ativos por medo de perder dinheiro.

Ao mesmo tempo, existem aqueles investidores que encontram oportunidades nesse momento. Ou seja, enquanto há quem venda suas ações em épocas de queda, há compradores interessados em fazer bons negócios.

Por que isso acontece? Como encontrar as oportunidades que a bolsa pode apresentar durante a queda? É preciso saber responder a perguntas assim para fazer escolhas efetivas.

Confira as informações que trouxe neste artigo para ajudar você a aproveitar boas oportunidades na bolsa em tempos de queda nas ações.

Inscreva-se em nossa newsletter


Preencha com um e-mail válido

Por que a bolsa cai em uma crise?

Normalmente, a queda nas ações, quando ocorre de forma significativa, representa um momento crítico na economia de um setor, de um país ou mesmo de diversos países ao redor do mundo.

Foi o que aconteceu no contexto da pandemia causada pelo novo coronavírus. E, de modo semelhante, já havia acontecido em outros momentos — como na crise de 1929 nos Estados Unidos (provavelmente a mais conhecida no mercado financeiro) e na crise dos subprimes, em 2008.

Mas, afinal, por que a bolsa cai em períodos assim? As crises podem acontecer por razões variadas. Por exemplo, graves questões de saúde, instabilidades políticas ou problemas diretamente relacionados à economia nacional ou internacional.

Quando as dificuldades acontecem, geralmente é gerado um clima de incerteza em relação ao futuro. Diante das dúvidas, o mercado financeiro reage com movimentos de investidores e especuladores.

As empresas terão maiores obstáculos para lidar em um período crítico. Enquanto isso, quem opera na bolsa está revendo suas posições para se adaptar à instabilidade. Então, é comum existir a queda nas ações.

Como o efeito manada explica a queda nas ações?

Uma questão relevante é que a queda que expliquei acaba por se tornar mais acentuada devido a questões emocionais — especialmente com o chamado efeito manada. Ele ajuda a explicar as esperadas ondas de vendas de ações na baixa de preços.

Quando a bolsa está em queda não significa que todas as empresas ali listadas enfrentarão maus momentos na crise. Contudo, muitos investidores vendem suas ações a preços mais baixos por medo de sofrer maiores perdas no futuro.

De modo geral, boa parte das vendas é feita sem uma análise criteriosa. Isto é, o investidor não procura avaliar se a companhia na qual ele investiu anteriormente tem ou não condições favoráveis para superar as dificuldades.

O que está em evidência é o fator emocional: o medo do futuro e a tendência a seguir o que os outros estão fazendo. Logo, se a bolsa está em queda e as vendas aumentaram, o investidor sente que também deve se desfazer de suas posições.

Essa é a essência do efeito manada. O pânico de investidores que se deixam levar por ele causa uma queda ainda mais acentuada nas ações. Mas é prudente nos lembrarmos de que também há pessoas comprando as mesmas ações em queda.

Ou seja, existem oportunidades na bolsa de valores mesmo quando ela está em crise — ou deveríamos dizer “principalmente quando ela está em crise”? Afinal, grandes investidores seguem essa linha de investimento, buscando encontrar oportunidades em períodos adversos.

Leia também: Coronavírus: o cisne negro de 2020 | André Bona

Preços mais baixos sempre significam oportunidade?

Se é um erro vender as ações movido pelo efeito manada, sem realizar uma análise das empresas, devemos ficar atentos para não cair na falha oposta. Isto é, na tendência a considerar que tudo é oportunidade na crise.

Da mesma forma que um investidor não deve vender seus papéis sem avaliar a decisão com cuidado, também não é indicado que se compre por impulso. Afinal, nem tudo que está a preço mais baixo é oportunidade.

O que se deve buscar na bolsa de valores em um período de crise — e em todos os outros momentos — é uma boa relação entre preço e valor. Em outras palavras, a chave está em encontrar empresas de alto valor sendo negociadas a preços mais baixos do que valem.

Em momentos de estabilidade econômica é mais difícil encontrar esse cenário. Isso porque companhias de valor mais alto costumam estar valorizadas nestas situações. Logo, suas ações são negociadas a preços também mais altos.

Quando a crise surge, o movimento de queda nas ações pode levar as boas companhias a serem negociadas com preços descontados — sem que eles representem uma piora na qualidade da empresa.

Significa que a baixa dos preços está mais relacionada às incertezas temporárias do mercado do que a gestão e as expectativas do negócio em si. Então, adquirir as ações de companhias sólidas, que provavelmente se recuperarão bem da crise, configura oportunidades.

Em contraponto, alguns papéis que estão a preços mais baixos podem refletir não apenas o movimento do mercado, mas também a má gestão da empresa. Logo, nesse caso, não há oportunidade para se aproveitar.

Você também pode gostar:

Como analisar oportunidades na queda nas ações?

Em resumo, tenha sempre em mente que nem sempre os preços baixos na bolsa de valores significam possibilidades interessantes para os investidores. Como sempre, é preciso analisar a situação com cuidado antes de tomar suas decisões.

Então, como encontrar as oportunidades durante a queda nas ações?

Análise dos fundamentos

Uma estratégia eficiente é praticar a análise fundamentalista. Ela permite que o investidor observe os principais indicadores de saúde e estabilidade de um negócio.

Alguns aspectos importantes, por exemplo, são o fluxo de caixa e o nível de endividamento da empresa. É provável que companhias que não tinham bons indicadores antes da crise enfrentem maiores dificuldades para sair dela.

Assim, pode haver um risco maior ao comprar as ações durante a queda. Já empresas que vinham mantendo um bom fluxo de caixa e baixo endividamento poderão ter maior conforto para reagir à crise. Portanto, os dois são indicadores a analisar na busca por oportunidades no mercado.

Entretanto, eles não são os únicos. A ideia da análise fundamentalista é avaliar de forma combinada vários fundamentos importantes. O objetivo é ter o máximo de informações possíveis sobre a capacidade da empresa de gerar lucro futuro.

Lembre-se também que, em uma crise, as ações de diversas companhias podem estar sendo vendidas na bolsa por seus preços reais. A baixa nos valores pode indicar que as dificuldades econômicas trouxeram graves efeitos para a perspectiva de seu caixa. É preciso atenção na hora da avaliação.

Ao seguir os critérios da análise fundamentalista, é possível diferenciar os contextos. Assim, você pode avaliar a situação de cada companhia de seu interesse e, de fato, encontrar oportunidades durante a queda nas ações — identificando empresas que estão realmente sendo negociadas a preços mais baixos do que valem.

 

especial-coronavirus

Posts relacionados

Deixe seu comentário 0

Você está a um passo para investir com mais segurança e tranquilidade.
Crie sua conta agora


Preencha com seu nome

Preencha com seu e-mail

Preencha com seu telefone

Está com dúvidas? Entre em contato com a gente!

ENTRE EM CONTATO

O Grupo BTG Pactual (“BTG Pactual”) não fornece opiniões jurídicas ou tributárias. Sendo assim, essa apresentação não constitui aconselhamento legal de qualquer natureza. Essa apresentação é um breve resumo de cunho meramente informativo, não configurando análise de valores mobiliários nos termos da Instrução CVM Nº 598, de 03 de maio de 2018, e não tendo como objetivo a consultoria, oferta, solicitação de oferta e/ou recomendação para a compra ou venda de qualquer investimento e/ou produto específico. Embora as informações e opiniões expressas aqui tenham sido obtidas de fontes confiáveis e fidedignas, nenhuma garantia ou responsabilidade, expressa ou implícita é feita a respeito da exatidão, fidelidade e/ou totalidade das informações. Todas as informações, opiniões e valores eventualmente indicados estão sujeitos à alteração sem prévio aviso. Ressaltamos também, que as opiniões expressas neste material refletem a opinião do respectivo profissional convidado e não necessariamente expressam a opinião do BTG Pactual, não devendo ser tratadas como tal. As informações contidas nesta apresentação não podem ser consideradas como única fonte de informações no processo decisório do investidor, que, antes de tomar qualquer decisão, deverá realizar uma avaliação minuciosa do produto e respectivos riscos, face aos seus objetivos pessoais e ao seu perfil de risco ("Suitability"). Para maiores informações, acesse www.btgpactualdigital.com

Os riscos da operação com títulos de renda fixa (CDB, LCI e LCA) estão na capacidade de o emissor honrar a dívida; na impossibilidade de venda do título ou na ausência de investidores interessados em adquiri-lo; e na possibilidade de variação da taxa de juros e dos indexadores. É importante a adequada compreensão da natureza, forma de rentabilidade e riscos dos títulos de renda fixa antes da sua aquisição. CDB, LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante a devolução do principal investido acrescido de juros referente a rendimentos, na hipótese da incapacidade de pagamento da instituição financeira, de até R$ 250 mil reais por CPF e por instituição financeira, considerando o limite de garantia de R$ 1 milhão para cada período de quatro anos.

FUNDOS DE INVESTIMENTO NÃO CONTAM COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA. E recomendada a leitura cuidadosa do Formulário de Informações Complementares e Regulamento do Fundo de Investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos.

Ressaltamos que as opiniões e projeções referente COE, aqui apresentadas representam a opinião da área Structured Products do BTG Pactual, mas não necessariamente a opinião institucional do BTG Pactual, podendo o BTG Pactual, suas subsidiárias e/ou seus empregados podem, eventualmente, possuir uma posição comprada ou vendida, atuar em nome próprio e/ou como coordenador ou agente em operações envolvendo ações ou demais investimentos relevantes. COE NÃO CONTA COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA.

Os regulamentos completos dos Planos de Previdência da BTG Pactual Vida e Previdência S/A deverão ser lidos previamente a sua contratação. Os direitos e obrigações das partes estão definidos na Proposta e nos Regulamentos do plano contratado. É recomendada a leitura cuidadosa do regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. O registro do plano na Susep não implica, por parte da autarquia, incentivo ou recomendação de comercialização. O Participante/Segurado poderá consultar a situação cadastral de seu corretor de seguros no site www.susep.gov.br, por meio do número de seu registro na Susep, nome completo, CNPJ ou CPF. BTG Pactual Vida e Previdência S/A - CNPJ: 19.449.767/0001-20. Processos SUSEP PGBL: 15414.901924/2014-44 e VGBL: 15414.901922/2014-55.

Fundos de investimento não contam com garantia do administrador do fundo, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do fundo garantidor de créditos FGC. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de rentabilidade futura. É recomendada a leitura cuidadosa do prospecto e regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. Os investidores devem estar preparados para aceitar os riscos inerentes aos diversos mercados em que os fundos atuam e, consequentemente, possíveis variações no patrimônio investido. Os produtos e serviços aqui mencionados podem não estar disponíveis em todas as jurisdições ou para determinadas categorias de investidores. Adicionalmente, a legislação e regulamentação de proteção a investidores de determinadas jurisdições/países, pode não se aplicar a produtos e serviços registrados em outras jurisdições/países, sujeitos à legislação e regulamentação respectivamente aplicáveis, além de previsões contratuais específicas.

Anbima Anbima