Coluna André Bona

Quando comprar e quando vender uma ação

Uma das principais dúvidas dos investidores quando o assunto é investir em renda variável é quando comprar e quando vender uma Ação. Afinal, são muitos fatores envolvidos, especialmente em relação aos seus objetivos e às perspectivas futuras para a empresa investida.

Portanto, saber o momento certo para a compra ou venda de um ativo pode ser crucial para um bom resultado. Para isso, existem algumas premissas que você deve analisar, além de entender que o investimento em Ações tem foco no longo prazo (ao contrário da especulação).

Quer saber mais sobre o assunto? Continue a leitura e saiba como avaliar se é hora de comprar ou vender uma Ação!

Qual é a diferença entre investidor e especulador?

Primeiramente, é importante entender qual é a principal diferença entre o investidor e o especulador. Eles se diferenciam porque o investidor estuda a empresa previamente para identificar se aquela é uma boa oportunidade ou não de fazer um investimento.

Assim, é possível tomar uma decisão mais acertada. O especulador, por outro lado, não faz esse trabalho porque ele está mais interessado na oscilação de preço do que na empresa em si.

O foco deste artigo é o investidor, ou seja, aquele que usa as Ações para o investimento em longo prazo. Essa é, inclusive, a maneira que eu considero mais correta de investir em renda variável.

O que analisar antes de adquirir uma Ação?

Para uma pessoa adquirir uma Ação, ela tem que ter um motivo. Afinal, por que um investidor compra uma Ação? Por que ele acha que determinado papel deve ser adquirido? Esses são exemplos de questões que devem ser levantados.

Para responder essas perguntas, o investidor pode utilizar uma folha, por exemplo. Depois, ele deve relacionar de 5 a 10 tópicos que abordam os motivos para fazer o investimento.

Também é importante que o investidor faça um texto ou um monólogo curto explicando o que aquela empresa faz, como ganha dinheiro e por que ele entende que ela é uma boa oportunidade.

Aqui, vale relacionar os tópicos que apresentam os motivos para comprar a Ação. Tente contar uma história com duração de cerca de 2 minutos explicando as principais informações sobre a empresa e por que você acha interessante fazer o investimento nela.

Com pesquisa e conhecimento sobre a realidade da empresa é possível validar os motivos para adquirir o papel. Com isso, o investidor pode ter maior certeza dos motivos que o levam a tomar a decisão de compra de um ativo.

Afinal, quando comprar uma Ação?

Na minha visão, o investidor deve comprar uma Ação quando ele enxergar motivos relacionados ao negócio, o que se converte em uma oportunidade. É necessário que essa motivação possa ser claramente identificada por ele mesmo e explicada para uma terceira pessoa.

E quando vender uma Ação?

Antes de vender uma Ação, é importante que o investidor olhe novamente para o texto e para os motivos que o levaram a adquirir o papel. Se ele identificar que alguns desses motivos (ou todos eles) não estão mais presentes, talvez seja hora de se desfazer da posição.

Imagine que você tenha investido em uma empresa pelo potencial de se expandir no mercado em que atua, por exemplo. Se esse foi um dos principais motivos para você adquirir o papel, é importante analisar depois de algum tempo se isso realmente aconteceu ou se está acontecendo.

Em um determinado momento, você pode chegar à conclusão que aquela empresa não tem o potencial de crescimento que você imaginou. Então, se esse era um motivo importante para a compra da Ação, agora há uma justificativa para se desfazer do papel.

Afinal, nesse exemplo, a expectativa que você tinha para comprar a Ação não aconteceu. Se não há mais o motivo principal para manter o ativo na carteira, é hora de se desfazer dos papéis e buscar novas oportunidades.

Como você pode ver, o investidor não deve se desfazer de uma Ação só porque o preço subiu muito, caiu muito ou está estagnado há muito tempo. Nenhum fator associado a preço deve fazer com que ele compre ou venda os papéis.

Quem realmente utiliza os critérios fundamentalistas deve tomar uma decisão de vender uma Ação que tenha na carteira apenas quando aqueles motivos que o fizeram comprar o papel não estiverem mais presentes.

Por que alguns investidores vendem Ações sem pensar?

O que acontece com a maioria dos investidores é que eles compram Ações sem fazer nenhuma reflexão embasada. Há grandes investidores que dizem que se deveria pesquisar sobre uma empresa pelo menos pela mesma quantidade de tempo que usa para comprar uma geladeira, por exemplo.

Mas, em geral, as pessoas pesquisam muito pouco e não gastam tempo suficiente para comprar Ações. Assim, podem comprar — e vender — os papéis sem pensar. Em muitos casos, seguindo uma manada.

Qual é a chave da questão?

A chave de tudo o que abordei aqui é que o investidor consiga, ao longo do tempo, construir um método que o leve a ter premissas de investimento. Você deve pensar em quais fatores considera preponderantes ou essenciais para tomar uma decisão de investimento.

Alguns fatores que podem ser considerados são que a empresa:

  • seja lucrativa há 10 anos seguidos;
  • tenha caixa com um determinado volume de dinheiro;
  • tenha nível de endividamento saudável;
  • tenha um determinado nível de crescimento.

Esses são só alguns exemplos que o investidor pode usar como premissas que vão servir para praticamente todas as escolhas de Ações. Com isso, basta verificar as companhias que se encaixam nesses fatores para tomar a decisão.

O mais importante é ter as premissas de qualidade para depois verificar as empresas. Se as premissas que o investidor estabelecer se mostrarem verdadeiras, então ele tem motivos para comprar uma Ação na bolsa de valores.

Da mesma forma, quando alguma desses critérios deixar de existir, ele terá um motivo para vender a Ação. Portanto, é assim que um investidor fundamentalista verifica os momentos de comprar e vender os papéis.

A oscilação dos preços não deve um elemento determinante. Afinal, ela muitas vezes não acompanha os fundamentos e pode levar a erros. Além disso, podem ser situações momentâneas e não ancoradas à realidade empresarial.

Agora que você sabe quando comprar uma Ação, pode tomar decisões de investimento mais acertadas para ter sucesso. Isso é importante também para entender o momento certo de vender e não se deixar levar pela volatilidade do mercado!

Gostou do assunto? Então complemente a leitura e confira 5 ensinamentos de Warren Buffett que você deve considerar ao investir!

 

André Bona:
Com mais de 10 anos de experiência no mercado financeiro, ensinando milhares de pessoas a investirem melhor, Bona é professor, palestrante e parceiro de conteúdo do BTG Pactual digital.

Posts relacionados

Deixe seu comentário 2

  1. Bom linquase tudo sobre investimentos e amei em mais já sou invertida na touro e todos estes bla bla bla eu já sei em mais isso e muito bom mesmo em para quem vai começar a investir mesmo em eu adorei ler todo mim manda mais sobre os investimentos em ações e tesouras ok.

    1. Olá Miguel, tudo bem? Agradecemos o feedback. Acompanhe nossos posts no Blog e nossos conteúdo diários nas redes sociais para entender tudo sobre o mundo dos investimentos.

O Grupo BTG Pactual (“BTG Pactual”) não fornece opiniões jurídicas ou tributárias. Sendo assim, essa apresentação não constitui aconselhamento legal de qualquer natureza. Essa apresentação é um breve resumo de cunho meramente informativo, não configurando análise de valores mobiliários nos termos da Instrução CVM Nº 598, de 03 de maio de 2018, e não tendo como objetivo a consultoria, oferta, solicitação de oferta e/ou recomendação para a compra ou venda de qualquer investimento e/ou produto específico. Embora as informações e opiniões expressas aqui tenham sido obtidas de fontes confiáveis e fidedignas, nenhuma garantia ou responsabilidade, expressa ou implícita é feita a respeito da exatidão, fidelidade e/ou totalidade das informações. Todas as informações, opiniões e valores eventualmente indicados estão sujeitos à alteração sem prévio aviso. Ressaltamos também, que as opiniões expressas neste material refletem a opinião do respectivo profissional convidado e não necessariamente expressam a opinião do BTG Pactual, não devendo ser tratadas como tal. As informações contidas nesta apresentação não podem ser consideradas como única fonte de informações no processo decisório do investidor, que, antes de tomar qualquer decisão, deverá realizar uma avaliação minuciosa do produto e respectivos riscos, face aos seus objetivos pessoais e ao seu perfil de risco ("Suitability"). Para maiores informações, acesse www.btgpactualdigital.com

Os riscos da operação com títulos de renda fixa (CDB, LCI e LCA) estão na capacidade de o emissor honrar a dívida; na impossibilidade de venda do título ou na ausência de investidores interessados em adquiri-lo; e na possibilidade de variação da taxa de juros e dos indexadores. É importante a adequada compreensão da natureza, forma de rentabilidade e riscos dos títulos de renda fixa antes da sua aquisição. CDB, LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante a devolução do principal investido acrescido de juros referente a rendimentos, na hipótese da incapacidade de pagamento da instituição financeira, de até R$ 250 mil reais por CPF e por instituição financeira, considerando o limite de garantia de R$ 1 milhão para cada período de quatro anos.

FUNDOS DE INVESTIMENTO NÃO CONTAM COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA. E recomendada a leitura cuidadosa do Formulário de Informações Complementares e Regulamento do Fundo de Investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos.

Ressaltamos que as opiniões e projeções referente COE, aqui apresentadas representam a opinião da área Structured Products do BTG Pactual, mas não necessariamente a opinião institucional do BTG Pactual, podendo o BTG Pactual, suas subsidiárias e/ou seus empregados podem, eventualmente, possuir uma posição comprada ou vendida, atuar em nome próprio e/ou como coordenador ou agente em operações envolvendo ações ou demais investimentos relevantes. COE NÃO CONTA COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA.

Os regulamentos completos dos Planos de Previdência da BTG Pactual Vida e Previdência S/A deverão ser lidos previamente a sua contratação. Os direitos e obrigações das partes estão definidos na Proposta e nos Regulamentos do plano contratado. É recomendada a leitura cuidadosa do regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. O registro do plano na Susep não implica, por parte da autarquia, incentivo ou recomendação de comercialização. O Participante/Segurado poderá consultar a situação cadastral de seu corretor de seguros no site www.susep.gov.br, por meio do número de seu registro na Susep, nome completo, CNPJ ou CPF. BTG Pactual Vida e Previdência S/A - CNPJ: 19.449.767/0001-20. Processos SUSEP PGBL: 15414.901924/2014-44 e VGBL: 15414.901922/2014-55.

Fundos de investimento não contam com garantia do administrador do fundo, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do fundo garantidor de créditos FGC. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de rentabilidade futura. É recomendada a leitura cuidadosa do prospecto e regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. Os investidores devem estar preparados para aceitar os riscos inerentes aos diversos mercados em que os fundos atuam e, consequentemente, possíveis variações no patrimônio investido. Os produtos e serviços aqui mencionados podem não estar disponíveis em todas as jurisdições ou para determinadas categorias de investidores. Adicionalmente, a legislação e regulamentação de proteção a investidores de determinadas jurisdições/países, pode não se aplicar a produtos e serviços registrados em outras jurisdições/países, sujeitos à legislação e regulamentação respectivamente aplicáveis, além de previsões contratuais específicas.

Anbima Anbima