Coluna André Bona

Commodities: o que são e como investir?

Como investir em commodities?

Com inúmeros produtos de investimentos disponíveis no mercado financeiro, escolher onde investir o dinheiro pode ser uma tarefa complicada. Dentre as opções, existe uma que é comum vermos em destaque nos noticiários: as commodities.

Sua “popularidade” é justificável. Afinal, além de serem mercadorias imprescindíveis para nações em desenvolvimento, o preço das commodities afeta a economia e tem efeitos na Bolsa de Valores. Isso explica o porquê dos investidores verem valor em negociá-las.

Se você tem interesse em saber como investir em commodities, invista alguns minutos neste artigo que preparei. Acompanhe a partir de agora!

O que são commodities?

A palavra commodities vem da língua inglesa. O singular – commodity – significa mercadoria.

No mercado o termo ganha uma funcionalidade mais específica, pois trata-se de produtos com baixo grau de transformação ou em estado bruto. Ou seja, commodities são as chamadas matérias-primas.

Para que você possa compreender bem, algumas das características das commodities incluem:

  • Possuir importância mundial;
  • Serem produzidas em larga escala;
  • Poderem ser estocadas sem que haja perda da qualidade.

Além destas características, outros pontos merecem atenção. São também classificadas como commodities as mercadorias básicas usadas como insumo de produção de outros produtos.

Um exemplo fácil de entender: o frango in natura é uma commodity, enquanto um produto feito a partir dele – como os nuggets – não recebe a mesma denominação.

O que faz as commodities terem importância em nível mundial é o fato de elas serem comercializadas no mundo inteiro e de possuírem características uniformes de produção (a soja cultivada e vendida como grão no Brasil é a mesma soja na China).

Além disso, por possuírem uma cotação mundial, toda vez que o preço de uma commodity oscila o mercado financeiro global sente o impacto.

Quais são os tipos de commodities?

Para investir em commodities é preciso entender quais os tipos existentes no mercado. Podemos classificá-las em quatro grupos:

  • Commodities agrícolas: como soja, milho, café, algodão, biocombustíveis, boi gordo e trigo;
  • Commodities ambientais: como a água e a madeira;
  • Commodities minerais: como petróleo, etanol, ouro, gás natural e minérios;
  • Commodities financeiras: índices como o Ibovespa, títulos públicos do governo federal (Tesouro Direto) e moedas (Euro, Dólar etc.).

Na economia brasileira, a posição de destaque está nas commodities agrícolas. Isso não significa, contudo, que investir em commodities deste tipo (agrícolas) venha a ser sinônimo de sucesso.

Isso porque cada commodity está atrelada à lei de oferta e demanda. Explico melhor sobre isso a seguir.

Qual é o impacto das commodities no Brasil?

O Brasil tem uma história de exportação de commodities. Na época colonial, o país foi marcado por exportações de cana-de-açúcar, café, algodão e ouro.

Alguns produtos produzidos internamente são consumidos em escala mundial, como o milho, por exemplo. Se por um lado isso é um fator positivo – afinal, existe alta demanda, por outro, o Brasil está sujeito à decisão externa de preços.

Continuando com o exemplo do milho, toda vez que a demanda internacional está alta, o preço da commodity aumenta e o país consegue lucrar bastante. O inverso também existe: quanto maior for a oferta de ações de comodities, menor será o preço.

O mercado interno também é influenciado pelas commodities. Imagine que tenhamos um aumento no preço da soja no mercado internacional. A fim de lucrarem mais, produtores internos irão preferir exportar o produto a comercializarem internamente.

Nesse caso, dentro do Brasil a commodity aumenta de preço e nós, brasileiros, sentiremos essa mudança ao irmos ao supermercado.

Na Bolsa de Valores o impacto das commodities pode ser visto de duas maneiras. Na primeira, a redução da demanda mundial resulta, geralmente, na queda do preço da commodity. Já a alta na demanda global traz, normalmente, o efeito contrário: aumento no preço.

Outra importância das commodities é que, muitas vezes, elas conseguem assegurar que o Brasil receba mais dinheiro ao exportar do que a quantia gasta para importar. Isso resulta no superávit na balança comercial.

E como o que acontece no país como um todo (e no mundo) reflete no nosso dia a dia, podemos dizer que as commodities impactam também no nosso orçamento. Basta pensarmos no preço do combustível ou da energia para entendermos como o assunto está bem presente nas nossas vidas.

Como investir em commodities?

Agora que você já entendeu o que são commodities, quais são os tipos de commodities e o impacto delas no Brasil, vamos ao que interessa: como você deve proceder para investir em commodities?

O primeiro ponto a entender é que elas são negociadas no Mercado Futuro (e as principais commodities da B3 estão disponíveis no site da Bolsa de Valores).

O Mercado Futuro é um ambiente que ajuda a proteger produtores e compradores contra as oscilações – em operações conhecidas como hedge. Em uma explicação simples, o que ele faz é bloquear a cotação das commodities para o futuro.

Na prática, significa que:

  • Se no dia da liquidação da commodity o preço estiver abaixo do contratado, o vendedor é que sai ganhando, pois terá lucrado com a venda;
  • Já se o preço estiver acima, quem ganha é quem comprou a commodity, isto é, o investidor.

Para saber mais sobre investimento no mercado futuro, recomendo este post bem completo: Como investir no mercado futuro?

O segundo fator a entender é que, se você pensa em investir em commodities, deve ter uma conta em uma instituição financeira. Considerar seu perfil de investidor antes de fazer suas operações e investir em commodities também é fundamental.

Finalmente, é preciso atentar-se também aos custos destas operações – os quais, geralmente, dizem respeito à taxa de custódia e a taxa de corretagem – e às oscilações deste mercado.

Tenha sempre em mente que, para quem deseja operar commodities, acompanhar o mercado de perto, bem como as oscilações de preço que acontecem em um curto período de tempo, pode ser um hábito necessário para o sucesso das suas operações neste ambiente.

Como escolher a melhor instituição para realizar meus investimentos?

Para tomar decisões de investimentos mais adequadas e em linha com seus objetivos, você deve contar com uma boa plataforma digital e assessoria de investimentos gabaritada.

Escolher um banco de investimentos conceituado e com expertise comprovada pode lhe ajudar a encontrar as melhores opções de investimentos, de acordo com seu planejamento pessoal.

Por isso, minha recomendação é a plataforma do BTG Pactual digital, onde é possível ter acesso a produtos de diversos bancos e contar com toda a expertise de mais de 35 anos em investimentos e gestão de recursos que só o banco de investimentos BTG Pactual pode oferecer.

Se o seu objetivo, no entanto, é realizar compra e venda de ações, basta utilizar o home broker do BTG Pactual digital.

André Bona
Educador financeiro, criador do Blog de Valor – site de educação financeira independente – e possui mais de 10 anos de experiência no mercado financeiro tendo auxiliado milhares de investidores a investirem melhor seus recursos.

Deixe seu comentário 0

Você está a um passo para investir com mais segurança e tranquilidade.
Crie sua conta agora


Preencha com seu nome

Preencha com seu e-mail

Preencha com seu telefone

Está com dúvidas? Entre em contato com a gente!

ENTRE EM CONTATO

O Grupo BTG Pactual (“BTG Pactual”) não fornece opiniões jurídicas ou tributárias. Sendo assim, essa apresentação não constitui aconselhamento legal de qualquer natureza. Essa apresentação é um breve resumo de cunho meramente informativo, não configurando análise de valores mobiliários nos termos da Instrução CVM Nº 598, de 03 de maio de 2018, e não tendo como objetivo a consultoria, oferta, solicitação de oferta e/ou recomendação para a compra ou venda de qualquer investimento e/ou produto específico. Embora as informações e opiniões expressas aqui tenham sido obtidas de fontes confiáveis e fidedignas, nenhuma garantia ou responsabilidade, expressa ou implícita é feita a respeito da exatidão, fidelidade e/ou totalidade das informações. Todas as informações, opiniões e valores eventualmente indicados estão sujeitos à alteração sem prévio aviso. Ressaltamos também, que as opiniões expressas neste material refletem a opinião do respectivo profissional convidado e não necessariamente expressam a opinião do BTG Pactual, não devendo ser tratadas como tal. As informações contidas nesta apresentação não podem ser consideradas como única fonte de informações no processo decisório do investidor, que, antes de tomar qualquer decisão, deverá realizar uma avaliação minuciosa do produto e respectivos riscos, face aos seus objetivos pessoais e ao seu perfil de risco ("Suitability"). Para maiores informações, acesse www.btgpactualdigital.com

Os riscos da operação com títulos de renda fixa (CDB, LCI e LCA) estão na capacidade de o emissor honrar a dívida; na impossibilidade de venda do título ou na ausência de investidores interessados em adquiri-lo; e na possibilidade de variação da taxa de juros e dos indexadores. É importante a adequada compreensão da natureza, forma de rentabilidade e riscos dos títulos de renda fixa antes da sua aquisição. CDB, LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante a devolução do principal investido acrescido de juros referente a rendimentos, na hipótese da incapacidade de pagamento da instituição financeira, de até R$ 250 mil reais por CPF e por instituição financeira, considerando o limite de garantia de R$ 1 milhão para cada período de quatro anos.

FUNDOS DE INVESTIMENTO NÃO CONTAM COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA. E recomendada a leitura cuidadosa do Formulário de Informações Complementares e Regulamento do Fundo de Investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos.

Ressaltamos que as opiniões e projeções referente COE, aqui apresentadas representam a opinião da área Structured Products do BTG Pactual, mas não necessariamente a opinião institucional do BTG Pactual, podendo o BTG Pactual, suas subsidiárias e/ou seus empregados podem, eventualmente, possuir uma posição comprada ou vendida, atuar em nome próprio e/ou como coordenador ou agente em operações envolvendo ações ou demais investimentos relevantes. COE NÃO CONTA COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA.

Os regulamentos completos dos Planos de Previdência da BTG Pactual Vida e Previdência S/A deverão ser lidos previamente a sua contratação. Os direitos e obrigações das partes estão definidos na Proposta e nos Regulamentos do plano contratado. É recomendada a leitura cuidadosa do regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. O registro do plano na Susep não implica, por parte da autarquia, incentivo ou recomendação de comercialização. O Participante/Segurado poderá consultar a situação cadastral de seu corretor de seguros no site www.susep.gov.br, por meio do número de seu registro na Susep, nome completo, CNPJ ou CPF. BTG Pactual Vida e Previdência S/A - CNPJ: 19.449.767/0001-20. Processos SUSEP PGBL: 15414.901924/2014-44 e VGBL: 15414.901922/2014-55.

Fundos de investimento não contam com garantia do administrador do fundo, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do fundo garantidor de créditos FGC. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de rentabilidade futura. É recomendada a leitura cuidadosa do prospecto e regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. Os investidores devem estar preparados para aceitar os riscos inerentes aos diversos mercados em que os fundos atuam e, consequentemente, possíveis variações no patrimônio investido. Os produtos e serviços aqui mencionados podem não estar disponíveis em todas as jurisdições ou para determinadas categorias de investidores. Adicionalmente, a legislação e regulamentação de proteção a investidores de determinadas jurisdições/países, pode não se aplicar a produtos e serviços registrados em outras jurisdições/países, sujeitos à legislação e regulamentação respectivamente aplicáveis, além de previsões contratuais específicas.

Anbima Anbima