No artigo publicado aqui no site do BTG Pactual na semana passada, escrevi sobre os impactos das eleições nos investimentos em renda fixa. Afinal, em momentos de indecisão e instabilidade – como o período eleitoral, é comum que o investidor mantenha-se mais apreensivo quanto aos seus investimentos.

Hoje, será a vez de falar sobre o impacto das eleições nos investimentos em ações. Se você tem investimentos em renda variável, conhece alguém que investe em ações ou pretende realizar aportes na bolsa de valores em breve, vale a pena ler este artigo até o fim.

Continue a leitura e conheça qual o impacto das eleições nos investimentos de renda variável e entenda o motivo do aumento da volatilidade no mercado de renda variável durante este período eleitoral. Acompanhe!

A questão da previsibilidade

Assim como no caso dos investimentos em renda fixa, para compreender o impacto das eleições nos investimentos em ações é preciso assimilar – primeiramente – a questão da previsibilidade esperada pelos investidores e pelos agentes econômicos como um todo.

Imagine uma situação hipotética, na qual você é empreendedor e, como tal, precisa fomentar um plano de investimento de médio e longo prazo para o seu negócio – cujo objetivo seria trazer retornos financeiros à sua empresa ao longo dos anos. Suas decisões, neste caso, são baseadas nos objetivos do seu negócio e também na previsibilidade em relação ao futuro.

Esta situação também ocorre com investidores pessoa física que costumam fazer seus aportes no mercado financeiro. Independentemente do objetivo a ser buscado, todo investidor deseja obter boa rentabilidade dos seus investimentos – de modo que eles o ajudem a atingir determinadas metas definidas previamente. Este cenário, no entanto, só é possível graças à previsibilidade.

A previsibilidade é importante porque, quando o cenário está bastante claro e objetivo – e todos os agentes econômicos sabem o que esperar do governo, da política monetária e da economia como um todo, o futuro se torna algo mais simples de ser planejado. Quando existe, no entanto, modificações neste contexto ou possibilidade de alterações mais bruscas, o cenário se torna incerto.

E são estas incertezas que tendem a gerar certa volatilidade e oscilação no preço dos ativos – impactando nos investimentos em ações.

Os impactos das eleições nos investimentos em ações

Esta situação de incerteza e do impasse inerente ao período eleitoral – sobretudo quando há incertezas em relação aos resultados nas urnas, que gera um cenário de imprecisão em relação à condução econômica do país – afeta, de uma maneira bastante peculiar, as empresas – inclusive aquelas que possuem ações negociadas em bolsa. Neste contexto, a maior parte das empresas – independente do seu tamanho – acaba permanecendo em um impasse em relação aos seus lucros, seus investimentos e seus planos para o futuro.

Enquanto este impasse não se dissipa, os empreendedores e suas respectivas empresas não conseguem mensurar com exatidão suas estimativas de lucro e eventuais projeções de investimentos – resultando em uma imensa dificuldade de precificação de suas ações negociadas na bolsa de valores.

Imagine que, em um determinado cenário eleitoral, um candidato que defende uma política que não favorece o desenvolvimento econômico e o crescimento empresarial avance nas pesquisas de intenção de voto. Quase que imediatamente, o mercado financeiro reage – e as ações caem na bolsa brasileira.

Isso ocorre porque, com o aumento das chances de vitória deste candidato – que não é bem visto pelo mercado, empresas e investidores temem uma redução nos lucros das companhias e uma piora econômica – que impactaria negativamente todo o mercado.

O reflexo no preço das ações

Se as projeções de lucro das empresas são reduzidas, é de se esperar que eu – enquanto investidor – não terei o menor interesse em pagar o preço atual de cotação de uma determinada ação, uma vez que a perspectiva de crescimento para o futuro não é positiva. Além disso, neste cenário de incertezas, torna-se cada vez mais difícil precificar o valor dos ativos negociados em bolsa.

A cada nova pesquisa eleitoral – que tende a sinalizar para onde deve caminhar a economia e o ambiente de negócios como um todo, altera-se também as perspectivas de lucro das empresas – resultando em uma reação em cadeia com o mercado reagindo a estas alterações.

Quando estas pesquisas de intenção de voto são encaradas de maneira negativa pelo mercado – com projeções negativas para a economia e para as empresas – as ações tendem a cair, com investidores cada vez mais preocupados com a rentabilidade das empresas das quais possui ações e desinteressados em pagar o valor atual pelo papel de uma companhia que poderá gerar menos lucros no futuro. Neste contexto, os papéis das companhias perdem valor.

Se, no entanto, as pesquisas eleitorais apontarem para a vitória de um candidato bem visto pelo mercado, a expectativa de fluidez da economia – para uma perspectiva mais liberal – e da manutenção de um ambiente mais propício para geração de negócios tendem a favorecer a valorização das ações na bolsa de valores.

As projeções para o futuro

Diante deste ambiente de indecisão, o mercado segue tentando precificar esta nova realidade – de acordo com os resultados das pesquisas – para o futuro, buscando projetar o cenário econômico e político para mais à frente.

Um ambiente no qual se prevê maior lucratividade para as empresas, mais empregos, aumento do consumo e aumento da renda para a população, por exemplo, tende a favorecer o preço das ações na bolsa, enquanto um cenário de piora do mercado de trabalho, retração econômica, menor lucratividade e menor renda tendem a impactar negativamente nas ações.

E é exatamente por conta dos eventuais impactos que uma mudança de governo pode gerar na sociedade como um todo que o mercado tem necessidade de fazer ajustes diários de preços – que vão se alterando de acordo com cada novo fator eleitoral que vai surgindo ao longo do caminho.

As projeções para o futuro se alteram, assim como o preço dos ativos, que podem se valorizar ou desvalorizar a medida que vão sendo definidas as perspectivas de crescimento econômico – baseadas na projeção de qual plataforma política e de governo prevalecerá após as eleições.

Por isso, se você investe em ações ou conhece alguém que costuma realizar aportes na bolsa de valores, saiba que a oscilação no preço das ações é comum em qualquer momento, mas que, especialmente durante o período eleitoral, a volatilidade tende a ser muito maior. E tenha sempre em mente que, por mais apolítico que um investidor possa ser, os resultados de uma eleição sempre terão impactos nos seus investimentos em ações – sejam eles positivos ou negativos.

Como escolher a melhor instituição para realizar meus investimentos?

Para tomar decisões de investimentos mais adequadas e em linha com seus objetivos a qualquer momento, você deve contar com uma boa plataforma digital e assessoria de investimentos gabaritada. Escolher um banco de investimentos conceituado e com expertise comprovada pode lhe ajudar a encontrar as melhores opções de investimentos, de acordo com seu planejamento pessoal.

Por isso, minha recomendação é a plataforma do BTG Pactual digital, onde é possível ter acesso a produtos de diversos bancos e contar com toda a expertise de mais de 35 anos em investimentos e gestão de recursos que só o banco de investimentos BTG Pactual pode oferecer.

Se o seu objetivo, no entanto, é realizar compra e venda de ações, basta utilizar o home broker do BTG Pactual digital.

Deixe seu comentário 0

Posts relacionados

Você está a um passo para investir com mais segurança e tranquilidade.
Crie sua conta agora


Preencha com seu nome

Preencha com seu e-mail

Preencha com seu telefone

Está com dúvidas? Entre em contato com a gente!

ENTRE EM CONTATO

O Grupo BTG Pactual (“BTG Pactual”) não fornece opiniões jurídicas ou tributárias. Sendo assim, essa apresentação não constitui aconselhamento legal de qualquer natureza. Essa apresentação é um breve resumo de cunho meramente informativo, não configurando análise de valores mobiliários nos termos da Instrução CVM Nº 598, de 03 de maio de 2018, e não tendo como objetivo a consultoria, oferta, solicitação de oferta e/ou recomendação para a compra ou venda de qualquer investimento e/ou produto específico. Embora as informações e opiniões expressas aqui tenham sido obtidas de fontes confiáveis e fidedignas, nenhuma garantia ou responsabilidade, expressa ou implícita é feita a respeito da exatidão, fidelidade e/ou totalidade das informações. Todas as informações, opiniões e valores eventualmente indicados estão sujeitos à alteração sem prévio aviso. Ressaltamos também, que as opiniões expressas neste material refletem a opinião do respectivo profissional convidado e não necessariamente expressam a opinião do BTG Pactual, não devendo ser tratadas como tal. As informações contidas nesta apresentação não podem ser consideradas como única fonte de informações no processo decisório do investidor, que, antes de tomar qualquer decisão, deverá realizar uma avaliação minuciosa do produto e respectivos riscos, face aos seus objetivos pessoais e ao seu perfil de risco ("Suitability"). Para maiores informações, acesse www.btgpactualdigital.com

Os riscos da operação com títulos de renda fixa (CDB, LCI e LCA) estão na capacidade de o emissor honrar a dívida; na impossibilidade de venda do título ou na ausência de investidores interessados em adquiri-lo; e na possibilidade de variação da taxa de juros e dos indexadores. É importante a adequada compreensão da natureza, forma de rentabilidade e riscos dos títulos de renda fixa antes da sua aquisição. CDB, LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante a devolução do principal investido acrescido de juros referente a rendimentos, na hipótese da incapacidade de pagamento da instituição financeira, de até R$ 250 mil reais por CPF e por instituição financeira, considerando o limite de garantia de R$ 1 milhão para cada período de quatro anos.

FUNDOS DE INVESTIMENTO NÃO CONTAM COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA. E recomendada a leitura cuidadosa do Formulário de Informações Complementares e Regulamento do Fundo de Investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos.

Ressaltamos que as opiniões e projeções referente COE, aqui apresentadas representam a opinião da área Structured Products do BTG Pactual, mas não necessariamente a opinião institucional do BTG Pactual, podendo o BTG Pactual, suas subsidiárias e/ou seus empregados podem, eventualmente, possuir uma posição comprada ou vendida, atuar em nome próprio e/ou como coordenador ou agente em operações envolvendo ações ou demais investimentos relevantes. COE NÃO CONTA COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA.

Os regulamentos completos dos Planos de Previdência da BTG Pactual Vida e Previdência S/A deverão ser lidos previamente a sua contratação. Os direitos e obrigações das partes estão definidos na Proposta e nos Regulamentos do plano contratado. É recomendada a leitura cuidadosa do regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. O registro do plano na Susep não implica, por parte da autarquia, incentivo ou recomendação de comercialização. O Participante/Segurado poderá consultar a situação cadastral de seu corretor de seguros no site www.susep.gov.br, por meio do número de seu registro na Susep, nome completo, CNPJ ou CPF. BTG Pactual Vida e Previdência S/A - CNPJ: 19.449.767/0001-20. Processos SUSEP PGBL: 15414.901924/2014-44 e VGBL: 15414.901922/2014-55.

Fundos de investimento não contam com garantia do administrador do fundo, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do fundo garantidor de créditos FGC. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de rentabilidade futura. É recomendada a leitura cuidadosa do prospecto e regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. Os investidores devem estar preparados para aceitar os riscos inerentes aos diversos mercados em que os fundos atuam e, consequentemente, possíveis variações no patrimônio investido. Os produtos e serviços aqui mencionados podem não estar disponíveis em todas as jurisdições ou para determinadas categorias de investidores. Adicionalmente, a legislação e regulamentação de proteção a investidores de determinadas jurisdições/países, pode não se aplicar a produtos e serviços registrados em outras jurisdições/países, sujeitos à legislação e regulamentação respectivamente aplicáveis, além de previsões contratuais específicas.

Anbima Anbima