Se para o investidor iniciante as oscilações características da renda variável podem causar náuseas, insônia e desespero, para aqueles que possuem experiência com investimentos, as ações fazem os olhos brilhar!

O desafio está sempre no fato de que é imprescindível entender a dinâmica do investimento em empresas, compreender os motivos das variações de preços e ter a clareza do que esperar no dia a dia do mercado, sem falsas ilusões.

Estratégia de investimento em ações

Uma das condições básicas para que um investidor entre no mercado de ações minimamente preparado, é definir de antemão qual é sua estratégia e compreendê-la.

Já falamos anteriormente aqui no Blog do BTG Pactual digital sobre as escolas de análise técnica e fundamentalista. Dentro da escolha fundamentalista já falamos também  da estratégia de dividendos, do value investing e também falamos sobre a fórmula mágica de Greenblatt para escolha de ações.

A definição de uma estratégia de investimento é o que separa torcedores de investidores. Torcedores comprar uma ação e torcem para que ela suba. Investidores tem uma estratégia e tem motivos claros para concluir que há um potencial de valorização numa empresa, e por isso, investem em suas ações.

O investidor sem estratégia compra a ação e não sabe o que fazer depois. Se ela sobe, ele não sabe o que faz! Se ela cai, ele também não sabe o que faz! Ele está 100% perdido e entregue ao mercado e, neste caso de despreparo total, certamente o investimento em ações pode se assemelhar a um cassino. Não porque a bolsa e as empresas sejam parte de um cassino, mas porque o investidor se comporta como um apostador e não como um investidor.

Maximizando lucros: Stop Gain

Seja qual for a sua estratégia tenha em mente que ela possui um alvo, uma meta de rentabilidade a ser atingida. Essa meta pode ser expressa em percentual – como por exemplo meta de 10% de rentabilidade num determinado ativo – ou pode não ser expressa em percentual nenhum, mas ainda assim ela existirá.

E qual é a importância do Stop Gain? O Stop Gain é justamente aquele momento em que o investidor decide realizar o seu lucro, se desfazendo de sua posição. Se ele comprou uma ação e essa ação atingiu sua meta, então o investidor faz a venda do papel para colocar “o lucro no bolso” como dizemos no mercado.

Ao ato de colocar o lucro no bolso, realizando-o de fato, chamamos de Stop Gain.

Utilizando o Stop Gain em diferentes estratégias

O investidor que utiliza a análise técnica e realiza uma “compra por suporte” poderá colocar a sua meta na “resistência” seguinte. Ele já entra na operação com tudo definido: preço de compra e meta para a operação e, uma vez atingida a meta, é acionado o Stop Gain. Inclusive ele pode deixar isso programado direto no seu home broker para que seja feito de maneira automática.

Já um investidor que utiliza o value investing pode não ter uma meta expressa em percentual, mas pode decidir acionar o Stop Gain quando verifica que o prêmio adicional por segurar uma posição pode não ser mais tão promissor quanto outras oportunidades de mercado no momento.

Exemplo: ele compra uma ação a 20,00 porque entende que a empresa vale 50. E então a ação vai se valorizando ao longo do tempo de maneira que alcance o valor de 40 (lembrando que na avaliação dele a empresa continua valendo 50). Então ele verifica uma outra empresa com valor de 25 reais, mas que em seu modelo de análise, valeria 48. Veja que o potencial de valorização de 25 para 48 é de 92%, ao passo que de 40 para 50, é de 25%. Assim ele pode acionar o Stop Gain no investimento que ele possuía (já com ganhos acumulados de 20 até 40) e se posicionar nessa nova oportunidade com maior potencial de valorização no momento.

Um investidor que utilize a estratégia de dividendos, por outro lado, pode ter como parâmetro principal de avaliação o dividend yield, que é um indicador que considera o dividendo pago por uma companhia com relação ao preço da ação. Uma vez que ele tenha em carteira empresas que performem bem durante muito tempo, sempre pagando dividendos de maneira satisfatória mas que, em função de alguma modificação do mercado, reduzam o dividend yield ao longo do tempo, ele poderá optar por acionar o Stop Gain de suas posições vencedores e trocá-las por ações de outras empresas que, agora, estão mais atrativas aos olhos da estratégia de dividendos.

Então como você pode perceber, não é porque você obtém ganhos em um determinado investimento ao longo de um tempo que você deverá permanecer eternamente no mesmo investimento. Pode ser que em algum momento as condições de mercado se modifiquem e aquilo que era promissor deixe de ser, o que te levaria a acionar o Stop Gain, colocando o lucro no bolso e partindo para uma nova posição.

O Stop Gain é para especuladores de curto prazo ou para investidores de longo prazo?

O ato de realizar lucro não é necessariamente relacionado apenas a investidores de curto ou de longo prazo. É a estratégia que poderá ser de curto ou de longo prazo e, sendo assim, o Stop Gain será acionado também de acordo com a estratégia. Portanto, podem existir investidores que acionarão o Stop Gain em períodos curtos de tempo e outros que podem acioná-lo em janelas longas de vários anos.

Conclusão

Portanto, ao ato de realizar lucros de uma operação em bolsa, chamamos de Stop Gain. O Stop Gain pode ser acionado para operações de análise técnica ou fundamentalista, em curto prazo ou longo prazo, dependendo da estratégia do investidor, sendo que para aqueles que operam com meta de ganhos definidos em percentual, é possível deixar o Stop Gain já configurado no home broker.

Como escolher os melhores investimentos?

Para tomar as melhores decisões de investimentos e escolher os melhores investimentos para formar sua reserva de emergência e para outros objetivos financeiros em qualquer tempo, você pode contar com a ajuda do BTG Pactual – o maior banco da América Latina.

Por meio da plataforma do BTG Pactual digital é possível ter acesso a produtos de diversos bancos e contar com toda a expertise de mais de 35 anos em investimentos e gestão de recursos que só o banco de investimentos BTG Pactual pode lhe oferecer.

Posts relacionados

Deixe seu comentário 0

Você está a um passo para investir com mais segurança e tranquilidade.
Crie sua conta agora


Preencha com seu nome

Preencha com seu e-mail

Preencha com seu telefone

Está com dúvidas? Entre em contato com a gente!

ENTRE EM CONTATO

O Grupo BTG Pactual (“BTG Pactual”) não fornece opiniões jurídicas ou tributárias. Sendo assim, essa apresentação não constitui aconselhamento legal de qualquer natureza. Essa apresentação é um breve resumo de cunho meramente informativo, não configurando análise de valores mobiliários nos termos da Instrução CVM Nº 598, de 03 de maio de 2018, e não tendo como objetivo a consultoria, oferta, solicitação de oferta e/ou recomendação para a compra ou venda de qualquer investimento e/ou produto específico. Embora as informações e opiniões expressas aqui tenham sido obtidas de fontes confiáveis e fidedignas, nenhuma garantia ou responsabilidade, expressa ou implícita é feita a respeito da exatidão, fidelidade e/ou totalidade das informações. Todas as informações, opiniões e valores eventualmente indicados estão sujeitos à alteração sem prévio aviso. Ressaltamos também, que as opiniões expressas neste material refletem a opinião do respectivo profissional convidado e não necessariamente expressam a opinião do BTG Pactual, não devendo ser tratadas como tal. As informações contidas nesta apresentação não podem ser consideradas como única fonte de informações no processo decisório do investidor, que, antes de tomar qualquer decisão, deverá realizar uma avaliação minuciosa do produto e respectivos riscos, face aos seus objetivos pessoais e ao seu perfil de risco ("Suitability"). Para maiores informações, acesse www.btgpactualdigital.com

Os riscos da operação com títulos de renda fixa (CDB, LCI e LCA) estão na capacidade de o emissor honrar a dívida; na impossibilidade de venda do título ou na ausência de investidores interessados em adquiri-lo; e na possibilidade de variação da taxa de juros e dos indexadores. É importante a adequada compreensão da natureza, forma de rentabilidade e riscos dos títulos de renda fixa antes da sua aquisição. CDB, LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante a devolução do principal investido acrescido de juros referente a rendimentos, na hipótese da incapacidade de pagamento da instituição financeira, de até R$ 250 mil reais por CPF e por instituição financeira, considerando o limite de garantia de R$ 1 milhão para cada período de quatro anos.

FUNDOS DE INVESTIMENTO NÃO CONTAM COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA. E recomendada a leitura cuidadosa do Formulário de Informações Complementares e Regulamento do Fundo de Investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos.

Ressaltamos que as opiniões e projeções referente COE, aqui apresentadas representam a opinião da área Structured Products do BTG Pactual, mas não necessariamente a opinião institucional do BTG Pactual, podendo o BTG Pactual, suas subsidiárias e/ou seus empregados podem, eventualmente, possuir uma posição comprada ou vendida, atuar em nome próprio e/ou como coordenador ou agente em operações envolvendo ações ou demais investimentos relevantes. COE NÃO CONTA COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA.

Os regulamentos completos dos Planos de Previdência da BTG Pactual Vida e Previdência S/A deverão ser lidos previamente a sua contratação. Os direitos e obrigações das partes estão definidos na Proposta e nos Regulamentos do plano contratado. É recomendada a leitura cuidadosa do regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. O registro do plano na Susep não implica, por parte da autarquia, incentivo ou recomendação de comercialização. O Participante/Segurado poderá consultar a situação cadastral de seu corretor de seguros no site www.susep.gov.br, por meio do número de seu registro na Susep, nome completo, CNPJ ou CPF. BTG Pactual Vida e Previdência S/A - CNPJ: 19.449.767/0001-20. Processos SUSEP PGBL: 15414.901924/2014-44 e VGBL: 15414.901922/2014-55.

Fundos de investimento não contam com garantia do administrador do fundo, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do fundo garantidor de créditos FGC. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de rentabilidade futura. É recomendada a leitura cuidadosa do prospecto e regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. Os investidores devem estar preparados para aceitar os riscos inerentes aos diversos mercados em que os fundos atuam e, consequentemente, possíveis variações no patrimônio investido. Os produtos e serviços aqui mencionados podem não estar disponíveis em todas as jurisdições ou para determinadas categorias de investidores. Adicionalmente, a legislação e regulamentação de proteção a investidores de determinadas jurisdições/países, pode não se aplicar a produtos e serviços registrados em outras jurisdições/países, sujeitos à legislação e regulamentação respectivamente aplicáveis, além de previsões contratuais específicas.

Anbima Anbima