Coluna André Bona

Investimentos com ou sem Imposto de Renda?

Você gosta de pagar imposto de renda nos seus investimentos?

Essa pergunta é provocativa e tenho certeza de que a grande maioria das pessoas diria (como já me disseram):

“Não, André! Você tá maluco? Lógico que eu não gosto de pagar imposto de renda nos meus investimentos! Quem é que gosta?”

Embora faça sentido não querer pagar imposto de renda nos investimentos, uma parte significativa dos investidores bloqueia com esse raciocínio e perde grandes oportunidades de rentabilizar seu capital sob premissas falsas! E essa, de não querer pagar imposto de renda, pode ser uma delas!

Fugindo um pouco da esfera dos investimentos e fazendo a mesma pergunta, muita gente dirá a mesma coisa: “odeio pagar imposto de renda sobre os meus investimentos ou sobre a minha renda”. E alguns chegam a ser ainda mais agressivos: “Se não fossem os impostos eu poderia ser rico!”.

No caso dos investimentos, é importante sempre lembrar que o imposto incide sobre a rentabilidade dos investimentos e não sobre o montante total. Ou seja: uma condição essencial para que se pague imposto de renda é que você tenha retorno positivo. Dessa forma, quanto mais rentabiliade você tiver com seus investimentos, mais imposto de renda você terá que pagar!

Então agora eu refaço a pergunta: Você gostaria de ter boa rentabilidade em seus investimentos? Já ouço a resposta:

“Sim, André, é claro!”

Oras, mas se você quer boa rentabilidade nos seus investimentos, saiba que pagarás mais imposto de renda, o que significa que pagar imposto de renda nos investimentos é um indicador de que seus investimentos estão rendendo!

E como funciona o imposto de renda nos investimentos?

Vou te explicar como funciona a tributação nos investimentos mais comuns no mercado.

Imposto de renda em renda fixa

A tributação de investimentos em renda fixa ocorre de acordo com uma tabela regressiva, onde a alíquota vai diminuindo conforme o tempo em que o dinheiro ficar aplicado.

  • Investimentos resgatados em até 180 dias: 22,50% de IR sobre a rentabilidade
  • Investimentos resgatados entre 181 e 360 dias: 20% de IR sobre a rentabilidade
  • Investimentos resgatados entre 361 e 720 dias: 17,5% de IR sobre a rentabilidade
  • Investimentos resgatados acima de 720 dias: 15% de IR sobre a rentabilidade

Como alguns exemplos de investimentos que seguem essa tributação, temos: títulos do tesouro direto, CDB, RDB, LF, LC e debêntures.

Imposto de renda em ações e fundos de ações

Já a tributação de investimentos nessas categorias não tem relação com o tempo do investimento. A tributação é única em função da rentabilidade obtida pelo investidor na aplicação.

Investimentos em ações e fundos de ações possuem alíquota de 15% de IR sobre a rentabilidade.

Imposto de renda em fundos de renda fixa e fundos multimercados

No caso dos fundos de renda fixa e suas sub-categorias e dos fundos multimercados (em grande maioria), a tributação funciona como nos investimentos em renda fixa, onde:

  • Investimentos resgatados em até 180 dias: 22,50% de IR sobre a rentabilidade
  • Investimentos resgatados entre 181 e 360 dias: 20% de IR sobre a rentabilidade
  • Investimentos resgatados entre 361 e 720 dias: 17,5% de IR sobre a rentabilidade
  • Investimentos resgatados acima de 720 dias: 15% de IR sobre a rentabilidade

No caso dessas categorias de fundos, existe também o imposto chamado come-cotas, que é uma antecipação do IR e é cobrado em maio e novembro. Importante observar que esse imposto não é um imposto adicional, mas uma antecipação. Portanto, quando é feito o resgate final pelo investidor, o valor que já foi tributado é abatido da conta final.

Mas, não existem investimentos que são isentos de imposto de renda?

Sim, existem. É lógico que você tem essa possibilidade e eu vou te falar dos principais investimentos em que o investidor pessoa física não paga imposto de renda.

São eles: poupança, LCI, LCA, CRI, CRA e as chamadas debêntures incentivadas.

Então o que é melhor? Investimento com IR ou sem IR?

Aqui entra aquela armadilha que já vi muitos investidores caírem, mas você, que está aqui comigo lendo esse artigo, não vai cair! A resposta para essa pergunta é: você precisa fazer a “conta de chegada”!

Você não deve bloquear a sua mente e simplesmente dizer: “só vou investir em aplicações sem IR!.” Se fizer isso, vai perder dinheiro.

Fazer a conta de chegada é simples e nós vamos dois exercícios agora!

Exemplo 01:

Você tem duas opções: um investimento em CDB com vencimento em 721 dias que te remunera em 10% ao ano e um investimento em LCI de 721 dias que remunera a 8,3% ao ano.

Qual você escolheria?

Nesse caso a conta é simples: se você vai ficar investido por 2 anos, então você pagará a alíquota de 15% na renda fixa no caso do CDB. Ou seja, o seu 10% ao ano vai virar 8,5% ao ano líquido. E a LCI te remunera em 8,3%. Logo, nesse caso, mesmo pagando IR, será mais rentável escolher o CDB.

Exemplo 02:

Você tem duas opções: um CDB de 360 dias e 10% de taxa anual e uma LCI de 360 dias e taxa anual de 8,3%.

O CDB de 360 dias tem alíquota de 20%. Portanto, o CDB entregaria uma rentabilidade líquida de 8% ao ano contra uma rentabilidade líquida da LCI de 8,3% ao ano. Nesse outro caso, portanto, o investimento sem IR é mais vantajoso.

Conclusão:

Você não deve se ater a ideia de que investimentos sem IR são sempre melhores que investimentos com IR, pois isso não é verdade. Sempre será necessário fazer a conta de chegada!

Como se trata do seu dinheiro e tenho certeza de que você quer sempre tomar a melhor decisão, avalie com um pouco mais de atenção para não deixar dinheiro na mesa!

Inclusive, para facilitar a sua decisão, a plataforma de renda fixa do BTG Pactual digital já apresenta o cálculo das taxas pagas pelos ativos sem imposto comparados aos ativos com imposto, o que facilita muito a sua decisão!

Saiba mais sobre esse tema no vídeo abaixo:

Deixe seu comentário 0

Você está a um passo para investir com mais segurança e tranquilidade.
Crie sua conta agora


Preencha com seu nome

Preencha com seu e-mail

Preencha com seu telefone

Está com dúvidas? Entre em contato com a gente!

ENTRE EM CONTATO

O Grupo BTG Pactual (“BTG Pactual”) não fornece opiniões jurídicas ou tributárias. Sendo assim, essa apresentação não constitui aconselhamento legal de qualquer natureza. Essa apresentação é um breve resumo de cunho meramente informativo, não configurando análise de valores mobiliários nos termos da Instrução CVM Nº 598, de 03 de maio de 2018, e não tendo como objetivo a consultoria, oferta, solicitação de oferta e/ou recomendação para a compra ou venda de qualquer investimento e/ou produto específico. Embora as informações e opiniões expressas aqui tenham sido obtidas de fontes confiáveis e fidedignas, nenhuma garantia ou responsabilidade, expressa ou implícita é feita a respeito da exatidão, fidelidade e/ou totalidade das informações. Todas as informações, opiniões e valores eventualmente indicados estão sujeitos à alteração sem prévio aviso. Ressaltamos também, que as opiniões expressas neste material refletem a opinião do respectivo profissional convidado e não necessariamente expressam a opinião do BTG Pactual, não devendo ser tratadas como tal. As informações contidas nesta apresentação não podem ser consideradas como única fonte de informações no processo decisório do investidor, que, antes de tomar qualquer decisão, deverá realizar uma avaliação minuciosa do produto e respectivos riscos, face aos seus objetivos pessoais e ao seu perfil de risco ("Suitability"). Para maiores informações, acesse www.btgpactualdigital.com

Os riscos da operação com títulos de renda fixa (CDB, LCI e LCA) estão na capacidade de o emissor honrar a dívida; na impossibilidade de venda do título ou na ausência de investidores interessados em adquiri-lo; e na possibilidade de variação da taxa de juros e dos indexadores. É importante a adequada compreensão da natureza, forma de rentabilidade e riscos dos títulos de renda fixa antes da sua aquisição. CDB, LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante a devolução do principal investido acrescido de juros referente a rendimentos, na hipótese da incapacidade de pagamento da instituição financeira, de até R$ 250 mil reais por CPF e por instituição financeira, considerando o limite de garantia de R$ 1 milhão para cada período de quatro anos.

FUNDOS DE INVESTIMENTO NÃO CONTAM COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA. E recomendada a leitura cuidadosa do Formulário de Informações Complementares e Regulamento do Fundo de Investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos.

Ressaltamos que as opiniões e projeções referente COE, aqui apresentadas representam a opinião da área Structured Products do BTG Pactual, mas não necessariamente a opinião institucional do BTG Pactual, podendo o BTG Pactual, suas subsidiárias e/ou seus empregados podem, eventualmente, possuir uma posição comprada ou vendida, atuar em nome próprio e/ou como coordenador ou agente em operações envolvendo ações ou demais investimentos relevantes. COE NÃO CONTA COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA.

Os regulamentos completos dos Planos de Previdência da BTG Pactual Vida e Previdência S/A deverão ser lidos previamente a sua contratação. Os direitos e obrigações das partes estão definidos na Proposta e nos Regulamentos do plano contratado. É recomendada a leitura cuidadosa do regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. O registro do plano na Susep não implica, por parte da autarquia, incentivo ou recomendação de comercialização. O Participante/Segurado poderá consultar a situação cadastral de seu corretor de seguros no site www.susep.gov.br, por meio do número de seu registro na Susep, nome completo, CNPJ ou CPF. BTG Pactual Vida e Previdência S/A - CNPJ: 19.449.767/0001-20. Processos SUSEP PGBL: 15414.901924/2014-44 e VGBL: 15414.901922/2014-55.

Fundos de investimento não contam com garantia do administrador do fundo, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do fundo garantidor de créditos FGC. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de rentabilidade futura. É recomendada a leitura cuidadosa do prospecto e regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. Os investidores devem estar preparados para aceitar os riscos inerentes aos diversos mercados em que os fundos atuam e, consequentemente, possíveis variações no patrimônio investido. Os produtos e serviços aqui mencionados podem não estar disponíveis em todas as jurisdições ou para determinadas categorias de investidores. Adicionalmente, a legislação e regulamentação de proteção a investidores de determinadas jurisdições/países, pode não se aplicar a produtos e serviços registrados em outras jurisdições/países, sujeitos à legislação e regulamentação respectivamente aplicáveis, além de previsões contratuais específicas.

Anbima Anbima