Coluna André Bona

Indicadores importantes para a escolha de ações

Tradicionalmente, na hora de investir em ações  visando o longo prazo, investidores optam por fazer uma análise fundamentalista para balizar suas escolhas. Por meio dela, a empresa – cuja ação está sendo analisada – é examinada em termos econômicos e financeiros, a partir do que chamamos de fundamentos.

O raciocínio é muito simples: quando você compra uma ação, automaticamente torna-se sócio da empresa na qual está investindo. Mas, para que este negócio valha a pena, é preciso que haja uma boa perspectiva futura para a companhia na qual você tem interesse. Concorda?

Pois bem, a fim de ajudar o investidor a fazer esta análise e identificar se um papel vale ou não a pena, existem indicadores importantes para nortear a escolha de ações. É exatamente sobre alguns destes indicadores que falarei neste artigo.

Boa leitura!

A importância dos indicadores fundamentalistas

A partir do uso dos indicadores fundamentalistas, qualquer investidor pode avaliar a saúde e o desempenho de qualquer empresa. O objetivo é verificar fatores que afetam a empresa, tais como:

  • Gestão
  • Concorrência
  • Modelo de negócio
  • Indústria em que a empresa opera
  • Receitas, despesas e investimentos
  • Geração de caixa

Em linhas gerais, a verificação desses fatores ajuda a determinar o valor justo da empresa, assim como a decidir se esse valor está subvalorizado ou supervalorizado. Além disso, possibilita uma avaliação de oportunidades com expectativas de valorização futura previsão da ação com base em determinados parâmetros.

Esses indicadores ajudam a avalizar a solidez financeira e a capacidade da empresa de pagar dívidas e de vencer seus concorrentes.

Os indicadores fundamentalistas são parâmetros muito utilizados para notear as decosões dos investidores de longo prazo, que fazem investimentos visando um prazo maior de tempo e lidam bem com a volatilidade de curto prazo no preço das ações.

Alguns indicadores para escolha de ações?

Neste artigo falarei dos seguintes indicadores fundamentalistas:

  • Valor de mercado
  • Liquidez corrente
  • EV (Enterprise Value)
  • P/L (Preço/Lucro)
  • P/VPA

A seguir explico cada um separadamente. Antes, ressalto que os indicadores para escolha de ações são uma referência e não fornecem um número mágico.

Por isso, a análise deve ser sempre ponderada em conjunto com outras considerações, além de considerar também as necessidades e objetivos individuais de cada investidor.

Valor de mercado

Dos indicadores para escolha de ações, este é o que determina quanto vale uma empresa.

O cálculo para encontrar o valor de mercado é bastante simples:

  • Valor de mercado = Valor de uma ação x Número de ações emitidas

Não existe um resultado ideal. O recomendado é comparar o Valor de Mercado da empresa sendo avaliada com o Valor de Mercado de outras organizações da mesma indústria.

Destaco que este indicador não considera as dívidas da empresa. Por isso, se for avaliado individualmente, ele não conseguirá mostrar o risco financeiro oferecido por uma organização.

Sabemos que não existe nada que possa garantir a rentabilidade futura de um ativo.

Todavia, para aqueles investidores de longo prazo e que queiram estabelecer como filtro um tamanho mínimo da empresa em que queiram investir, ele pode ser útil.

Inclusive essa é uma sugestão do próprio Benjamin Graham no livro “O investidor inteligente” para o que ele chama de investidores defensivos em ações, que são aqueles investidores que querem ter uma boa carteira mas sem ter que acompanhar ou estudar mais profundamente o mercado.

Graham diz que o investidor defensivo em ações pode optar por não investir em empresas com valor de mercado menor que um valor a ser definido, como exemplo, 10 bilhões de reais.

Liquidez corrente

A liquidez corrente mostra a capacidade da empresa de cumprir com suas obrigações de curto prazo. O cálculo deste indicador segue conforme abaixo:

  • Liquidez corrente = ativo circulante / passivo circulante

Para esclarecer, o ativo circulante diz respeito aos direitos de curto prazo (estoque e dinheiro em caixa, por exemplo). Já o passivo circulante refere-se às dívidas de curto prazo (como pagamentos a fornecedores, impostos, empréstimos, etc.).

O recomendado é que o valor do cálculo do indicador de liquidez corrente seja maior que 1. Mas isso vai depender do segmento em que cada empresa atua. Sendo assim, o ideal, é ao escolher uma determinada empresa, comparar o índice de liquidez corrente entre as principais concorrentes para verificar se esse número faz sentido. Quanto maior a liquidez corrente, maior a possibilidade de uma empresa passar por momentos turbulentos com caixa suficiente para honrar todos os seus compromissos.

Enterprise Value (EV)

Conhecido também como “valor do empreendimento”, o Enterprise Value traz um valor teórico de quanto a empresa valeria se fosse vendida. Para tal, o EV considera tanto os ativos (estoque, caixa e imobilizado) quanto os passivos (as dívidas).

Perceba que, dos indicadores para escolha de ações que vimos até agora, o Enterprise Value dá uma noção mais completa do valor do negócio. A fim de calculá-lo, siga a equação abaixo:

  • EV = Valor de Mercado da Empresa + Dívida Líquida – Caixa e Equivalentes (Valor total no caixa da empresa); ou
  • Multiplique o preço da ação pelo número total de ações circulantes.

Assim como no indicador de Valor de Mercado, recomenda-se comparar o Enterprise Value entre empresas da mesma indústria.

O EV mostra tanto o capital empregado pelos sócios no negócio (valor das ações emitidas) mais o valor do capital empregado por terceiros (dívida), e também pode ser um critério para filtro tal qual mencionei no indicador Valor de Mercado.

Preço/Lucro (P/L)

Quando tratamos de indicadores para escolha de ações, o P/L é um dos mais populares. Sua função é a de mostrar quanto o mercado está disposto a pagar pelos lucros da empresa.

Como o nome sugere, seu cálculo é:

  • P/L = Preço da ação / lucro da empresa nos últimos 12 meses

Quanto maior o P/L, melhor está o indicador, pois mais disposto o mercado se mostra para pagar pelos lucros da organização.

Não existe um resultado ideal para a equação. Por isso, mais uma vez, uma boa prática é comparar o P/L da empresa sendo avaliada com o P/L de empresas que operam no mesmo mercado.

Algo importante de entender é que:

  • P/L alto pode ser indicativo de uma ação muito cara, ao mesmo tempo que pode indicar que o mercado está pressionando o preço da ação para cima por ter grandes expectativas sobre ela.
  • P/L baixo pode significar tanto falta de confiança do mercado quanto representar uma oportunidade de investimento que o próprio mercado está negligenciado.

P/VPA

Dentre os indicadores para escolha de ações, este responde à pergunta: quanto os acionistas pagariam pelo patrimônio líquido da empresa? Portanto, ele informa o (P) Preço pago no mercado por uma ação dividido pelo (VPA) Valor Patrimonial individual de Ação. Ou:

  • P/VPA = Preço da ação / Valor Patrimonial da empresa

Quando o P/VPA está alto, há um indicativo de que as ações estejam sendo negociadas por um preço maior que o Patrimônio Líquido. Um P/VPA baixo indica o contrário, pois mostra que o preço da ação está abaixo do correspondente valor patrimonial.

Uma empresa que é negociada em valor de mercado abaixo do valor patrimonial por ação pode ser um indicativo de uma oportunidade (já que mesmo que a empresa fechasse e seus ativos todos fossem vendidos e distribuídos aos sócios, isso já seria lucrativo para o acionista que a comprou nessas condições) ou uma falta de perspectiva futura, de uma empresa que está deixando de entregar valor e se deteriorando ao longo do tempo.

Em tese, portanto, uma empresa com um P/VPA mais baixo do que outra pode ser uma empresa mais barata para ser adquirira por um investidor. Mas é preciso verificar todos os demais indicadores e saúde financeira para se certificar de que as demais bases continuam sólidas e em crescimento.

Concluindo

Esses indicadores são importantes de serem conhecidos e vão ajudar você, como investidor, a começar a se familiarizar com a avaliação financeira de empresas, o que certamente vai refinar a sua decisão.

Portanto, especialmente se você quiser manter o investimento em uma empresa por um longo prazo, recomendo que siga estudando os fundamentos das empresas. Nos próximos artigos aqui no BTG Pactual digital falarei sobre mais indicadores para te auxiliar nessa trajetória no mercado de ações.

 

Deixe seu comentário 0

Você está a um passo para investir com mais segurança e tranquilidade.
Crie sua conta agora


Preencha com seu nome

Preencha com seu e-mail

Preencha com seu telefone

Está com dúvidas? Entre em contato com a gente!

ENTRE EM CONTATO

O Grupo BTG Pactual (“BTG Pactual”) não fornece opiniões jurídicas ou tributárias. Sendo assim, essa apresentação não constitui aconselhamento legal de qualquer natureza. Essa apresentação é um breve resumo de cunho meramente informativo, não configurando análise de valores mobiliários nos termos da Instrução CVM Nº 598, de 03 de maio de 2018, e não tendo como objetivo a consultoria, oferta, solicitação de oferta e/ou recomendação para a compra ou venda de qualquer investimento e/ou produto específico. Embora as informações e opiniões expressas aqui tenham sido obtidas de fontes confiáveis e fidedignas, nenhuma garantia ou responsabilidade, expressa ou implícita é feita a respeito da exatidão, fidelidade e/ou totalidade das informações. Todas as informações, opiniões e valores eventualmente indicados estão sujeitos à alteração sem prévio aviso. Ressaltamos também, que as opiniões expressas neste material refletem a opinião do respectivo profissional convidado e não necessariamente expressam a opinião do BTG Pactual, não devendo ser tratadas como tal. As informações contidas nesta apresentação não podem ser consideradas como única fonte de informações no processo decisório do investidor, que, antes de tomar qualquer decisão, deverá realizar uma avaliação minuciosa do produto e respectivos riscos, face aos seus objetivos pessoais e ao seu perfil de risco ("Suitability"). Para maiores informações, acesse www.btgpactualdigital.com

Os riscos da operação com títulos de renda fixa (CDB, LCI e LCA) estão na capacidade de o emissor honrar a dívida; na impossibilidade de venda do título ou na ausência de investidores interessados em adquiri-lo; e na possibilidade de variação da taxa de juros e dos indexadores. É importante a adequada compreensão da natureza, forma de rentabilidade e riscos dos títulos de renda fixa antes da sua aquisição. CDB, LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante a devolução do principal investido acrescido de juros referente a rendimentos, na hipótese da incapacidade de pagamento da instituição financeira, de até R$ 250 mil reais por CPF e por instituição financeira, considerando o limite de garantia de R$ 1 milhão para cada período de quatro anos.

FUNDOS DE INVESTIMENTO NÃO CONTAM COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA. E recomendada a leitura cuidadosa do Formulário de Informações Complementares e Regulamento do Fundo de Investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos.

Ressaltamos que as opiniões e projeções referente COE, aqui apresentadas representam a opinião da área Structured Products do BTG Pactual, mas não necessariamente a opinião institucional do BTG Pactual, podendo o BTG Pactual, suas subsidiárias e/ou seus empregados podem, eventualmente, possuir uma posição comprada ou vendida, atuar em nome próprio e/ou como coordenador ou agente em operações envolvendo ações ou demais investimentos relevantes. COE NÃO CONTA COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA.

Os regulamentos completos dos Planos de Previdência da BTG Pactual Vida e Previdência S/A deverão ser lidos previamente a sua contratação. Os direitos e obrigações das partes estão definidos na Proposta e nos Regulamentos do plano contratado. É recomendada a leitura cuidadosa do regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. O registro do plano na Susep não implica, por parte da autarquia, incentivo ou recomendação de comercialização. O Participante/Segurado poderá consultar a situação cadastral de seu corretor de seguros no site www.susep.gov.br, por meio do número de seu registro na Susep, nome completo, CNPJ ou CPF. BTG Pactual Vida e Previdência S/A - CNPJ: 19.449.767/0001-20. Processos SUSEP PGBL: 15414.901924/2014-44 e VGBL: 15414.901922/2014-55.

Fundos de investimento não contam com garantia do administrador do fundo, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do fundo garantidor de créditos FGC. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de rentabilidade futura. É recomendada a leitura cuidadosa do prospecto e regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. Os investidores devem estar preparados para aceitar os riscos inerentes aos diversos mercados em que os fundos atuam e, consequentemente, possíveis variações no patrimônio investido. Os produtos e serviços aqui mencionados podem não estar disponíveis em todas as jurisdições ou para determinadas categorias de investidores. Adicionalmente, a legislação e regulamentação de proteção a investidores de determinadas jurisdições/países, pode não se aplicar a produtos e serviços registrados em outras jurisdições/países, sujeitos à legislação e regulamentação respectivamente aplicáveis, além de previsões contratuais específicas.

Anbima Anbima