Existem diversos tipos de fundo de investimento. Muitos deles, por possibilitarem aportes acessíveis, atraem a atenção de diversos investidores – inclusive os iniciantes.

Por outro lado, há outros um pouco mais específicos e voltados aos investidores mais experientes (ou qualificados), como é o caso do Fundo de Investimento em Direitos Creditórios – o FIDC.

Se você acompanha as notícias do mundo financeiro, deve ter percebido também que o mercado de FIDC tem ganhado cada vez mais espaço no país. Mas, você sabe exatamente o que é e como funciona este fundo?

Pensando em esmiuçar um pouco mais o tema, elaborei este artigo. Confira então, nos próximos parágrafos, as principais informações sobre o FIDC e descubra se ele é uma boa opção de investimento para você.

O que é FIDC?

Para começar, é preciso entender sobre Direitos Creditórios. Chamamos de Direitos Creditórios todos os direitos que uma empresa tem de receber por meio de cheques, parcelas de cartão de crédito, aluguéis ou duplicatas.

Por exemplo, imagine que um cliente realizou uma compra para pagar em 30 dias. A loja tem o direito de receber esta quantia em 30 dias, mas o que acontece se ela precisar do dinheiro antes e não puder esperar?

Nesse caso, é possível que a loja transforme a dívida do cliente em título negociável, o qual é vendido para um investidor a um valor mais baixo. Dessa maneira, quando o pagamento do cliente for efetivado, o dinheiro não irá para a loja, mas sim para o investidor. A esse processo, damos o nome de securitização.

O FIDC busca retorno por meio desses direitos. Trata-se de um fundo que, legalmente, destina um mínimo de 50% em direitos creditórios.

Dei o exemplo de uma loja, mas a aplicação em direitos creditórios pode ser proveniente, além de operações comerciais, também de operações imobiliárias, financeiras, industriais, prestação de serviços, etc.

Para entender melhor, tenha em mente que o FIDC é um fundo que aplica em títulos de créditos formados por contas a receber de empresas.

Conheça nosso catálogo completo de fundos de investimento. Clique aqui e acesse.

Como funciona o Fundo de Investimento em Direitos Creditórios?

São as instituições financeiras que constituem o fundo e vendem cotas dos FDICs para captação de recursos. E os investidores de FIDC são chamados de cotistas.

O Fundo de Investimento em Direitos Creditórios pode ser aberto ou fechado. Quando constituído de forma aberta, as cotas podem ser resgatadas em qualquer momento – considerando, claro, as regras do fundo.

Já no caso do FIDC fechado, o resgate se dá ao término do prazo de duração do fundo ou de sua liquidação ou, ainda, ao findar o prazo de cada série ou classe de cotas – de acordo com o regulamento do FIDC.

Vale destacar também que todo FIDC possui um regulamento que determina a política de investimento do fundo, além de suas características de atuação – como a diversificação da carteira, por exemplo.

Quais os tipos de cotas de FIDC?

São dois os tipos de cotas do Fundo de Investimento em Direitos Creditório: cotas seniores e cotas subordinadas.

As cotas seniores possuem preferência no resgate dos investimentos e na amortização. A rentabilidade é prefixada – o que significa que o investimento se comporta como boa parte de outros títulos de renda fixa.

Já cotas subordinadas são, como o nome sugere, subordinadas às seniores. Desse modo, para o resgate ou amortização, elas não têm preferência.

Como os cotistas subordinados recebem somente depois, eles correm o risco de inadimplência. Em contrapartida, as cotas subordinadas possuem uma rentabilidade maior – uma vez que são esses cotistas que ficam com a margem de lucro que (e se) houver.

Isso significa que, quando o Fundo de Investimento em Direitos Creditório rende menos que o previsto, os cotistas seniores têm a garantia da rentabilidade fixa assegurada. Já os subordinados poderão receber menos rendimentos.

Por outro lado, caso o fundo renda mais do que o previsto, enquanto os seniores receberão o valor fixado, os cotistas subordinados deverão receber mais rendimentos.

Quais são as vantagens e desvantagens do FIDC?

Uma das vantagens do Fundo de Investimento em Direitos Creditório é a rentabilidade – a qual é, muitas vezes, bastante superior ao CDI.

Outro ponto positivo é o fato de o risco de FIDCs ser classificado por agências de rating. Para os avessos ao risco, isso traz uma certa segurança.

Ainda sobre a segurança, é importante destacar que esses fundos são controlados por diversas instituições – gerando, consequentemente, maior fiscalização. Uma fiscalização mais ampla, por sua vez, tende a resultar em FIDCs mais seguros.

O Fundo de Investimento em Direitos Creditório, no entanto, não é garantido pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito). Adicionalmente a este aspecto negativo, é possível destacar o valor mínimo para investimento.

Conforme estabelecido pela CVM (Comissão de Valores Imobiliários), o aporte inicial deve ser de, no mínimo, R$ 25 mil – o que é um fator limitante a muitos investidores.

Uma outra desvantagem é que este investimento é destinado aos investidores profissionais e qualificados (explico melhor adiante). Além disso, possui liquidez baixa e um risco maior que outros investimentos, sendo que o principal é o risco de crédito.

Lembra que expliquei sobre Direito Creditório? Existe a possibilidade de os consumidores atrasarem o pagamento ou até mesmo não pagarem a dívida. Caso isso ocorra, é o FIDC que incorrerá em perda.

Como funciona a tributação?

Conhecidos os prós e os contras do FIDC, é importante também entender sobre a tributação. Na verdade, é algo bastante simples, pois ela segue a tabela regressiva de IR:

  • Resgates realizados em até 180 dias: tributação de 22,5%
  • Resgates realizados entre 181 e 360 dias: tributação de 20%
  • Resgates entre 361 e 720 dias: tributação de 17,5%
  • Resgates acima de 720 dias: tributação de 15%

Quem pode aplicar em FIDC?

Como citei, o investimento em FIDC é voltado para investidores qualificados. Inclusive, grande parte dos aportes são realizados por investidores institucionais, como fundos, gestores de fundos e seguradoras.

O Fundo de Investimento em Direitos Creditório é, portanto, uma opção para:

  • Investidores profissionais;
  • Investidores certificados pela CVM, como agentes autônomos, consultores de valores mobiliários, analistas ou administradores de carteira;
  • Clubes de investimentos geridos por investidores qualificados;
  • Pessoa física ou jurídica com investimentos acima de R$1 milhão, comprovados por termo assinado.

Concluindo

O FIDC é mais uma opção de investimento para diversificação de portfólio de investidores qualificados. Se você não tem esse perfil ou se acredita que o FIDC não é uma opção para você, saiba que há outras oportunidades no mercado.

Existem fundos mais simples de entender que o FIDC, e também mais acessíveis. Caso você se interesse em saber mais, recomendo a leitura da Série Melhores Investimentos: Qual é o melhor Fundo de Investimento?

Importante lembrar que qualquer tipo de investimento deve ser avaliado com base nos objetivos do investidor.

Além disso, independentemente de o FIDC ser ou não um bom investimento para você, não esqueça que diversificar a carteira é fundamental para equilibrar a rentabilidade e a segurança de seus investimentos.

Como escolher a melhor instituição para realizar meus investimentos?

Para tomar decisões de investimentos mais adequadas e em linha com seus objetivos, você deve contar com uma boa plataforma digital e assessoria de investimentos gabaritada.

Escolher um banco de investimentos conceituado e com expertise comprovada pode lhe ajudar a encontrar as melhores opções de investimentos, de acordo com seu planejamento pessoal.

Por isso, minha recomendação é a plataforma do BTG Pactual digital, onde é possível ter acesso a produtos de diversos bancos e contar com toda a expertise de mais de 35 anos em investimentos e gestão de recursos que só o banco de investimentos BTG Pactual pode oferecer.

Se o seu objetivo, no entanto, é realizar compra e venda de ações, basta utilizar o home broker do BTG Pactual digital.

Conheça nosso catálogo completo de fundos de investimento. Clique aqui e acesse.

 

Posts relacionados

Deixe seu comentário 0

Você está a um passo para investir com mais segurança e tranquilidade.
Crie sua conta agora


Preencha com seu nome

Preencha com seu e-mail

Preencha com seu telefone

Está com dúvidas? Entre em contato com a gente!

ENTRE EM CONTATO

O Grupo BTG Pactual (“BTG Pactual”) não fornece opiniões jurídicas ou tributárias. Sendo assim, essa apresentação não constitui aconselhamento legal de qualquer natureza. Essa apresentação é um breve resumo de cunho meramente informativo, não configurando análise de valores mobiliários nos termos da Instrução CVM Nº 598, de 03 de maio de 2018, e não tendo como objetivo a consultoria, oferta, solicitação de oferta e/ou recomendação para a compra ou venda de qualquer investimento e/ou produto específico. Embora as informações e opiniões expressas aqui tenham sido obtidas de fontes confiáveis e fidedignas, nenhuma garantia ou responsabilidade, expressa ou implícita é feita a respeito da exatidão, fidelidade e/ou totalidade das informações. Todas as informações, opiniões e valores eventualmente indicados estão sujeitos à alteração sem prévio aviso. Ressaltamos também, que as opiniões expressas neste material refletem a opinião do respectivo profissional convidado e não necessariamente expressam a opinião do BTG Pactual, não devendo ser tratadas como tal. As informações contidas nesta apresentação não podem ser consideradas como única fonte de informações no processo decisório do investidor, que, antes de tomar qualquer decisão, deverá realizar uma avaliação minuciosa do produto e respectivos riscos, face aos seus objetivos pessoais e ao seu perfil de risco ("Suitability"). Para maiores informações, acesse www.btgpactualdigital.com

Os riscos da operação com títulos de renda fixa (CDB, LCI e LCA) estão na capacidade de o emissor honrar a dívida; na impossibilidade de venda do título ou na ausência de investidores interessados em adquiri-lo; e na possibilidade de variação da taxa de juros e dos indexadores. É importante a adequada compreensão da natureza, forma de rentabilidade e riscos dos títulos de renda fixa antes da sua aquisição. CDB, LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante a devolução do principal investido acrescido de juros referente a rendimentos, na hipótese da incapacidade de pagamento da instituição financeira, de até R$ 250 mil reais por CPF e por instituição financeira, considerando o limite de garantia de R$ 1 milhão para cada período de quatro anos.

FUNDOS DE INVESTIMENTO NÃO CONTAM COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA. E recomendada a leitura cuidadosa do Formulário de Informações Complementares e Regulamento do Fundo de Investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos.

Ressaltamos que as opiniões e projeções referente COE, aqui apresentadas representam a opinião da área Structured Products do BTG Pactual, mas não necessariamente a opinião institucional do BTG Pactual, podendo o BTG Pactual, suas subsidiárias e/ou seus empregados podem, eventualmente, possuir uma posição comprada ou vendida, atuar em nome próprio e/ou como coordenador ou agente em operações envolvendo ações ou demais investimentos relevantes. COE NÃO CONTA COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA.

Os regulamentos completos dos Planos de Previdência da BTG Pactual Vida e Previdência S/A deverão ser lidos previamente a sua contratação. Os direitos e obrigações das partes estão definidos na Proposta e nos Regulamentos do plano contratado. É recomendada a leitura cuidadosa do regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. O registro do plano na Susep não implica, por parte da autarquia, incentivo ou recomendação de comercialização. O Participante/Segurado poderá consultar a situação cadastral de seu corretor de seguros no site www.susep.gov.br, por meio do número de seu registro na Susep, nome completo, CNPJ ou CPF. BTG Pactual Vida e Previdência S/A - CNPJ: 19.449.767/0001-20. Processos SUSEP PGBL: 15414.901924/2014-44 e VGBL: 15414.901922/2014-55.

Fundos de investimento não contam com garantia do administrador do fundo, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do fundo garantidor de créditos FGC. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de rentabilidade futura. É recomendada a leitura cuidadosa do prospecto e regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. Os investidores devem estar preparados para aceitar os riscos inerentes aos diversos mercados em que os fundos atuam e, consequentemente, possíveis variações no patrimônio investido. Os produtos e serviços aqui mencionados podem não estar disponíveis em todas as jurisdições ou para determinadas categorias de investidores. Adicionalmente, a legislação e regulamentação de proteção a investidores de determinadas jurisdições/países, pode não se aplicar a produtos e serviços registrados em outras jurisdições/países, sujeitos à legislação e regulamentação respectivamente aplicáveis, além de previsões contratuais específicas.

Anbima Anbima