Coluna André Bona

Como investir em ouro: aprenda a proteger sua carteira em tempos de crise

Você sabe como investir em ouro?

O ouro é uma das moedas mais conhecidas da nossa civilização, tradicionalmente usado nas trocas financeiras e comerciais das sociedades antigas. E é interessante saber que o passar do tempo não diminuiu a importância dele como investimento.

Ainda que os papéis-moedas tenham surgido, aprender como investir em ouro é relevante para quem busca uma carteira diversificada e protegida de variações. Isso porque uma das principais funções dele é oferecer segurança.

O ouro está entre os ativos mais estáveis do mercado financeiro, ajudando a segurar quedas em períodos de crise e equilibrar o portfólio de investimentos. Então, que tal saber mais sobre ele?

Continue me acompanhando neste artigo descubra algumas das principais maneiras de investir em ouro!

Mas antes, não deixe de se inscrever no formulário abaixo para receber nossos conteúdos e fazer parte do grupo de investidores que sabem que o segredo do sucesso está no conhecimento!


Qual a importância do ouro?

No mercado financeiro, alguns ativos são conhecidos por oferecer um nível de estabilidade diante da queda das bolsas de valores. É o caso do dólar, usado como hedge por muitos investidores. A lógica por trás da escolha é que ele tem uma baixa correlação com a bolsa.

Ou seja, é esperado que, enquanto o preço das ações cai, a cotação do dólar aumenta. O mesmo acontece com o ouro. Contudo, ele é ainda mais estável do que a moeda norte-americana. Afinal, moedas estão expostas às decisões econômicas do país que as imprime.

Já o ouro é um metal precioso e raro. Sua escassez faz com que ele tenha preços significativos. Além disso, como não depende da impressão de papel-moeda, o metal mantém mais equilíbrio ao longo do tempo.

Muitos países, por exemplo, têm suas reservas financeiras no ouro — o que se configura como mais um fenômeno que dá importância ao ativo, especialmente durante crises. Com a junção de todas as características, ele se torna um dos investimentos mais estáveis.

É importante dizer que a estabilidade não significa ausência de riscos. Antes de saber como investir em ouro, você precisa entender que ele é um ativo da renda variável e está exposto às oscilações no preço devido à lei de oferta e demanda.

Como investir em ouro?

O ouro pode ser utilizado tanto para investimento quanto para especulação. No primeiro caso, o objetivo está no que foi comentado anteriormente: a proteção da carteira. O investidor se sente mais seguro em relação às instabilidades dos demais investimentos da renda variável.

Já na especulação o intuito é de acompanhar as oscilações na cotação do metal e conseguir lucrar com elas. Em ambos os casos, existem diversas formas de investir ou operar com o ouro. Conheça as principais a seguir!

Ouro físico

Uma das formas mais comuns de investir em ouro é adquirir ouro físico. É possível, portanto, comprar o ouro fisicamente, caso você tenha interesse.

Entretanto, existe alguma burocracia para organizar a compra e venda do ativo. Em primeiro lugar, ele só pode ser vendido por instituições financeiras autorizadas pelo Banco Central.

A compra é feita mediante um cadastro para lhe autorizar a ter o ativo físico. Além disso, é necessário escolher um banco custodiante para guardar seu ouro — é viável guardá-lo em casa, mas não é a alternativa mais segura.

Investir em ouro dessa forma tem algumas desvantagens relevantes. Uma delas está ligada à liquidez: é mais fácil vender o ativo quando você opera com ele pelo mercado financeiro, e não fisicamente.

Outro ponto que merece atenção é a própria segurança. Ter o ouro em casa gera o risco de sofrer furtos ou assaltos. Escolher uma instituição custodiante que não seja segura também envolve riscos de perda.

Leia também: Liquidez: o que é e para que serve

Contratos futuros

Mais uma opção para ter o ouro na carteira é por meio dos contratos futuros — muito utilizados em estratégias de especulação. Nesse caso, a compra e venda acontece por meio de derivativos no mercado futuro, e não por meio da compra do ouro em si.

São negociados contratos de compra ou venda visando uma data futura. Os contratos têm lastro em ouro, portanto, seguem as variações da cotação do ativo ao longo do tempo. Por isso, especuladores os utilizam para obter lucro com a subida ou queda do preço.

Os contratos futuros de ouro são operados na bolsa de valores, por meio de tickers específicos. Eles podem envolver um lote padrão de 250 gramas ou um lote fracionado padrão— de 10 gramas. Uma vantagem de utilizá-los é contar com maior liquidez.

Joias

Ter joias fabricadas em ouro é mais uma das formas tradicionais de investir no metal. Mas, assim como o ouro físico, ela apresenta a desvantagem da insegurança relacionada aos furtos ou roubos. Outro revés importante é a qualidade do material.

O ouro negociado em bolsa precisa ter qualidade garantia — de 24k. Já em joias, muitas vezes, são utilizados materiais de menor qualidade, como de 18k. A liquidez também se configura como uma desvantagem, já que nem sempre é simples ou rápido vender joias.

Fundos de investimentos

Por fim, uma alternativa com liquidez interessante e praticidade são os fundos de investimentos com aportes em ouro. Eles são muito utilizados por investidores que têm uma visão de longo prazo e desejam operar de maneira mais simples do que no mercado futuro.

Os fundos de investimentos apresentam gestor profissional e montam um portfólio de acordo com um objetivo central. No caso daqueles que investem em ouro, o intuito geralmente é o equilíbrio e a segurança contra instabilidades.

Uma vantagem dos fundos para quem quer saber como investir em ouro é a liquidez. As regras de resgate das cotas, contudo, dependem de cada fundo. Outro ponto positivo em relação às demais alternativas é ser acessível a investimentos menores.

Acesse nosso catálogo de fundos e encontre o fundo de investimento ideal para você!

Qual a melhor opção para investir?

Conhecendo as principais alternativas de como investir em ouro fica mais fácil escolher a melhor opção para o seu caso. Como visto, de modo geral, os fundos de investimentos se apresentam mais práticos e seguros para investidores.

Para investir neles basta ter uma conta em um banco de investimentos e conhecer os produtos oferecidos. O BTG Pactual digital, por exemplo, oferece fundos que investem em ouro tendo como base tanto o Real quanto o Dólar.

Um exemplo é o Fundo Multimercado Ouro. Ele segue uma estratégia multimercado e pode ser interessante a investidores que tenham um perfil moderado ou mais arrojado.

É possível investir neste fundo com exposição ao ouro com aportes relativamente baixos – o que aumenta a acessibilidade a mais investidores. Para conhecer todas as opções de fundos para investir em ouro, vale a pena conferir a plataforma do BTG Pactual digital.

E então, você gostou da ideia de saber mais sobre como investir em ouro? Considere as informações deste post, conheça as opções mais vantajosas para a sua carteira e veja se vale a pena utilizar o ativo como hedge para se proteger de variações.

Ficou com alguma dúvida sobre o assunto abordado? Deixe um comentário!

Você também pode gostar: Tudo sobre ouro e dólar | André Bona e Álvaro Frasson

André Bona:

Com mais de 10 anos de experiência no mercado financeiro, ensinando milhares de pessoas a investirem melhor, Bona é professor, palestrante e parceiro de conteúdo do BTG Pactual digital.

Deixe seu comentário 2

    1. Oi, Rogério. Como vai? Hoje no BTG Pactual digital você consegue investir em ouro apenas via fundos de investimentos e contratos futuros de forma mais rápida simples e segura.

Você está a um passo para investir com mais segurança e tranquilidade.
Crie sua conta agora


Preencha com seu nome

Preencha com seu e-mail

Preencha com seu telefone

Está com dúvidas? Entre em contato com a gente!

ENTRE EM CONTATO

O Grupo BTG Pactual (“BTG Pactual”) não fornece opiniões jurídicas ou tributárias. Sendo assim, essa apresentação não constitui aconselhamento legal de qualquer natureza. Essa apresentação é um breve resumo de cunho meramente informativo, não configurando análise de valores mobiliários nos termos da Instrução CVM Nº 598, de 03 de maio de 2018, e não tendo como objetivo a consultoria, oferta, solicitação de oferta e/ou recomendação para a compra ou venda de qualquer investimento e/ou produto específico. Embora as informações e opiniões expressas aqui tenham sido obtidas de fontes confiáveis e fidedignas, nenhuma garantia ou responsabilidade, expressa ou implícita é feita a respeito da exatidão, fidelidade e/ou totalidade das informações. Todas as informações, opiniões e valores eventualmente indicados estão sujeitos à alteração sem prévio aviso. Ressaltamos também, que as opiniões expressas neste material refletem a opinião do respectivo profissional convidado e não necessariamente expressam a opinião do BTG Pactual, não devendo ser tratadas como tal. As informações contidas nesta apresentação não podem ser consideradas como única fonte de informações no processo decisório do investidor, que, antes de tomar qualquer decisão, deverá realizar uma avaliação minuciosa do produto e respectivos riscos, face aos seus objetivos pessoais e ao seu perfil de risco ("Suitability"). Para maiores informações, acesse www.btgpactualdigital.com

Os riscos da operação com títulos de renda fixa (CDB, LCI e LCA) estão na capacidade de o emissor honrar a dívida; na impossibilidade de venda do título ou na ausência de investidores interessados em adquiri-lo; e na possibilidade de variação da taxa de juros e dos indexadores. É importante a adequada compreensão da natureza, forma de rentabilidade e riscos dos títulos de renda fixa antes da sua aquisição. CDB, LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante a devolução do principal investido acrescido de juros referente a rendimentos, na hipótese da incapacidade de pagamento da instituição financeira, de até R$ 250 mil reais por CPF e por instituição financeira, considerando o limite de garantia de R$ 1 milhão para cada período de quatro anos.

FUNDOS DE INVESTIMENTO NÃO CONTAM COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA. E recomendada a leitura cuidadosa do Formulário de Informações Complementares e Regulamento do Fundo de Investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos.

Ressaltamos que as opiniões e projeções referente COE, aqui apresentadas representam a opinião da área Structured Products do BTG Pactual, mas não necessariamente a opinião institucional do BTG Pactual, podendo o BTG Pactual, suas subsidiárias e/ou seus empregados podem, eventualmente, possuir uma posição comprada ou vendida, atuar em nome próprio e/ou como coordenador ou agente em operações envolvendo ações ou demais investimentos relevantes. COE NÃO CONTA COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA.

Os regulamentos completos dos Planos de Previdência da BTG Pactual Vida e Previdência S/A deverão ser lidos previamente a sua contratação. Os direitos e obrigações das partes estão definidos na Proposta e nos Regulamentos do plano contratado. É recomendada a leitura cuidadosa do regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. O registro do plano na Susep não implica, por parte da autarquia, incentivo ou recomendação de comercialização. O Participante/Segurado poderá consultar a situação cadastral de seu corretor de seguros no site www.susep.gov.br, por meio do número de seu registro na Susep, nome completo, CNPJ ou CPF. BTG Pactual Vida e Previdência S/A - CNPJ: 19.449.767/0001-20. Processos SUSEP PGBL: 15414.901924/2014-44 e VGBL: 15414.901922/2014-55.

Fundos de investimento não contam com garantia do administrador do fundo, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do fundo garantidor de créditos FGC. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de rentabilidade futura. É recomendada a leitura cuidadosa do prospecto e regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. Os investidores devem estar preparados para aceitar os riscos inerentes aos diversos mercados em que os fundos atuam e, consequentemente, possíveis variações no patrimônio investido. Os produtos e serviços aqui mencionados podem não estar disponíveis em todas as jurisdições ou para determinadas categorias de investidores. Adicionalmente, a legislação e regulamentação de proteção a investidores de determinadas jurisdições/países, pode não se aplicar a produtos e serviços registrados em outras jurisdições/países, sujeitos à legislação e regulamentação respectivamente aplicáveis, além de previsões contratuais específicas.

Anbima Anbima