Coluna André Bona

Como investir em dólar: 6 alternativas do mercado

O brasileiro é muito acostumado a acompanhar as variações no câmbio do dólar. Nos últimos anos, nossa moeda vem se desvalorizando em relação à moeda norte-americana e tem se tornado cada vez mais distante a equiparação.

Com isso, alguns custos relacionados à cotação internacional se tornam mais caros. Por exemplo, os gastos em viagens, a compra de produtos importados etc. Mas você sabia que aprender como investir em dólar pode ser útil para aliviar estas desvantagens?

Além disso, os investimentos também ajudam a proteger sua carteira em períodos de queda da bolsa. Continue comigo para saber mais sobre como investir em dólar e conheça 6 alternativas disponíveis no mercado!

Mas antes, aproveite para se inscrever em nossa newsletter no formulário abaixo. Você pode receber conteúdos exclusivos diretamente em seu e-mail. É rápido, fácil e gratuito!

Inscreva-se em nossa newsletter


Preencha com um e-mail válido

Vantagens de investir em dólar

Primeiro, é importante que você entenda por que é interessante investir em dólar. Muitas pessoas e empresas se beneficiam dos investimentos na moeda estrangeira como forma de equilibrar gastos que fazem no exterior. É o caso de quem quer viajar ou realizar um intercâmbio em breve.

Outro exemplo é de empresas importadoras de produtos. Como os pagamentos efetuados por elas dependem do dólar, há uma exposição de risco às variações da cotação. Aliás, de certa forma podemos dizer que todos estamos expostos a isso.

Afinal, muitos setores da economia brasileira são afetados pelo aumento do dólar — o que costuma gerar também um avanço no custo de vida geral da população. Logo, ter investimentos ligados à moeda pode ser uma forma de proteção.

Além disso, o dólar é visto como um ativo de hedge para quem tem investimentos em renda variável. O motivo é que a moeda apresenta uma correlação baixa com a bolsa de valores. Ou seja, em momentos de queda da bolsa é comum termos aumento do valor do dólar.

Como é a moeda utilizada pela maior economia mundial e tem grande força internacional, o dólar está presente nas reservas de segurança de muitos países. Consequentemente, momentos de crise aumentam a procura por ele.

Então, incluí-lo na sua carteira pode ser uma maneira de aumentar a estabilidade. Afinal, em períodos de baixa nas ações e em outros ativos, o aumento da cotação do dólar reduziria as quedas no seu portfólio.

Você também pode gostar: Comprar ou vender dólar? Eis a questão

6 alternativas para investir em dólar

Depois de saber por que o dólar pode ser um bom investimento, qual a sua opinião sobre o assunto? Há um espaço na sua carteira para investir em proteção por meio dele? Confira algumas opções pelas quais é possível fazer isso:

1. Compra de papel moeda

A primeira alternativa, na verdade, não representa um investimento de fato. Muitas pessoas adquirem o dólar fisicamente como forma de proteção, mas é importante evidenciar que a estratégia não apresenta vantagens no mercado financeiro.

Afinal, está sendo feito uma compra, e não um investimento em si. A compra do papel moeda não gera fluxo para você, não traz benefícios em relação aos juros e, portanto, não está ligada ao lucro ou ao rendimento.

Ela pode até mesmo representar custos mais altos, já que a compra se dá na cotação do dólar turismo e envolve taxas maiores do que aquelas do mercado financeiro. Também há a insegurança em relação a roubos ou furtos onde você guarda as cédulas.

A aquisição de dólares diretamente é útil apenas em situações específicas — como a de uma viagem internacional. Na ocasião, diversos turistas optam por fazer a compra antecipada para se proteger do câmbio e evitar taxas de cartões de crédito.

2. Mercado futuro

Abordando as alternativas do mercado financeiro, temos os contratos futuros de dólar como uma das maneiras de investir na moeda. No caso, não há a negociação do dólar em si, mas de contratos derivados do ativo.

O mercado futuro é complexo e apresenta riscos significativos de oscilação. Por isso, ele costuma ser bastante utilizado para atividades de especuladores. Para eles, o objetivo não seria tanto o de proteger a carteira, mas de obter ganhos com a variação das moedas.

3. Fundos cambiais

Os fundos cambiais estão entre as opções mais utilizadas por investidores que têm o intuito de proteção e estabilidade. Trata-se de fundos de investimentos focados na questão cambial. Logo, o objetivo é acompanhar moedas.

Muitos fundos cambiais têm o foco no dólar, exatamente com a função de promover segurança cambial para investidores que busquem o equilíbrio da carteira. Assim, eles são uma maneira prática de se organizar.

O investimento em fundos se dá pela compra das cotas. Você pode fazer isso diretamente na plataforma do seu banco de investimentos, observando os produtos que ele oferece. O BTG Pactual, por exemplo, apresenta fundos cambiais interessantes.

4. ETFs

Outra estratégia sobre como investir em dólar no mercado financeiro são os ETFs (Exchange Traded Fund). Eles também são um tipo de fundo de investimento — cujo foco está em acompanhar e replicar um índice econômico.

Existem vários ETFs no mercado, mas, como a intenção do investidor é aumentar sua exposição ao dólar, sua procura deve ser por algum fundo que replique um índice da bolsa internacional (como o S&P 500).

5. Ações

As ações também podem proporcionar que você tenha exposição ao dólar na sua carteira. E é possível conseguir isso sem realizar investimentos diretamente no mercado internacional (o que exigiria abertura de conta em instituição estrangeira).

Uma das maneiras de se expor ao dólar por meio de ações nacionais é comprar papéis de companhias que tenham receita ligada à moeda. Por exemplo, empresas exportadoras ou estrangeiras negociadas na bolsa brasileira.

6. Fundos de investimento

Assim como as ações, também existem fundos de investimentos com exposição ao mercado internacional. Ou seja, além dos fundos cambiais ou dos ETFs você pode conferir outros tipos que realizem investimentos atrelados ao dólar.

Considere, especialmente os fundos com estratégia multimercado. Muitos deles incluem os investimentos em dólar, em derivativos da moeda ou em ações de empresas estrangeiras no portfólio. Assim, seus ganhos também estão relacionados ao dólar.

Neste post, você entendeu a relevância de realizar escolhas para se proteger da variação cambial ou diversificar sua carteira. E descobriu como investir em dólar para estes objetivos.

Então avalie as 6 alternativas citadas e decida qual delas melhor se adéqua ao seu perfil e objetivos. Lembre-se de que é fundamental conhecer cada alternativa para analisar suas vantagens e desvantagens. Assim, fica mais fácil fazer escolhas condizentes e ter bons resultados!

Quer conhecer os produtos cambiais oferecidos ou mediados pelo BTG Pactual? Então abra sua conta no maior banco de investimentos da América Latina!

André Bona:

Com mais de 10 anos de experiência no mercado financeiro, ensinando milhares de pessoas a investirem melhor, Bona é professor, palestrante e parceiro de conteúdo do BTG Pactual digital.

Posts relacionados

Deixe seu comentário 0

Você está a um passo para investir com mais segurança e tranquilidade.
Crie sua conta agora


Preencha com seu nome

Preencha com seu e-mail

Preencha com seu telefone

Está com dúvidas? Entre em contato com a gente!

ENTRE EM CONTATO

O Grupo BTG Pactual (“BTG Pactual”) não fornece opiniões jurídicas ou tributárias. Sendo assim, essa apresentação não constitui aconselhamento legal de qualquer natureza. Essa apresentação é um breve resumo de cunho meramente informativo, não configurando análise de valores mobiliários nos termos da Instrução CVM Nº 598, de 03 de maio de 2018, e não tendo como objetivo a consultoria, oferta, solicitação de oferta e/ou recomendação para a compra ou venda de qualquer investimento e/ou produto específico. Embora as informações e opiniões expressas aqui tenham sido obtidas de fontes confiáveis e fidedignas, nenhuma garantia ou responsabilidade, expressa ou implícita é feita a respeito da exatidão, fidelidade e/ou totalidade das informações. Todas as informações, opiniões e valores eventualmente indicados estão sujeitos à alteração sem prévio aviso. Ressaltamos também, que as opiniões expressas neste material refletem a opinião do respectivo profissional convidado e não necessariamente expressam a opinião do BTG Pactual, não devendo ser tratadas como tal. As informações contidas nesta apresentação não podem ser consideradas como única fonte de informações no processo decisório do investidor, que, antes de tomar qualquer decisão, deverá realizar uma avaliação minuciosa do produto e respectivos riscos, face aos seus objetivos pessoais e ao seu perfil de risco ("Suitability"). Para maiores informações, acesse www.btgpactualdigital.com

Os riscos da operação com títulos de renda fixa (CDB, LCI e LCA) estão na capacidade de o emissor honrar a dívida; na impossibilidade de venda do título ou na ausência de investidores interessados em adquiri-lo; e na possibilidade de variação da taxa de juros e dos indexadores. É importante a adequada compreensão da natureza, forma de rentabilidade e riscos dos títulos de renda fixa antes da sua aquisição. CDB, LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante a devolução do principal investido acrescido de juros referente a rendimentos, na hipótese da incapacidade de pagamento da instituição financeira, de até R$ 250 mil reais por CPF e por instituição financeira, considerando o limite de garantia de R$ 1 milhão para cada período de quatro anos.

FUNDOS DE INVESTIMENTO NÃO CONTAM COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA. E recomendada a leitura cuidadosa do Formulário de Informações Complementares e Regulamento do Fundo de Investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos.

Ressaltamos que as opiniões e projeções referente COE, aqui apresentadas representam a opinião da área Structured Products do BTG Pactual, mas não necessariamente a opinião institucional do BTG Pactual, podendo o BTG Pactual, suas subsidiárias e/ou seus empregados podem, eventualmente, possuir uma posição comprada ou vendida, atuar em nome próprio e/ou como coordenador ou agente em operações envolvendo ações ou demais investimentos relevantes. COE NÃO CONTA COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA.

Os regulamentos completos dos Planos de Previdência da BTG Pactual Vida e Previdência S/A deverão ser lidos previamente a sua contratação. Os direitos e obrigações das partes estão definidos na Proposta e nos Regulamentos do plano contratado. É recomendada a leitura cuidadosa do regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. O registro do plano na Susep não implica, por parte da autarquia, incentivo ou recomendação de comercialização. O Participante/Segurado poderá consultar a situação cadastral de seu corretor de seguros no site www.susep.gov.br, por meio do número de seu registro na Susep, nome completo, CNPJ ou CPF. BTG Pactual Vida e Previdência S/A - CNPJ: 19.449.767/0001-20. Processos SUSEP PGBL: 15414.901924/2014-44 e VGBL: 15414.901922/2014-55.

Fundos de investimento não contam com garantia do administrador do fundo, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do fundo garantidor de créditos FGC. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de rentabilidade futura. É recomendada a leitura cuidadosa do prospecto e regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. Os investidores devem estar preparados para aceitar os riscos inerentes aos diversos mercados em que os fundos atuam e, consequentemente, possíveis variações no patrimônio investido. Os produtos e serviços aqui mencionados podem não estar disponíveis em todas as jurisdições ou para determinadas categorias de investidores. Adicionalmente, a legislação e regulamentação de proteção a investidores de determinadas jurisdições/países, pode não se aplicar a produtos e serviços registrados em outras jurisdições/países, sujeitos à legislação e regulamentação respectivamente aplicáveis, além de previsões contratuais específicas.

Anbima Anbima