Coluna André Bona

5 dicas para lidar com as contas do início do ano

A cada início do ano, uma realidade sempre se repete na vida de qualquer pessoa: o pagamento de despesas sazonais. Impostos e despesas adicionais, como IPTU, IPVA, material escolar, matrículas, e muitas outras chegam para serem pagas logo nos primeiros dias do ano – pesando no orçamento do brasileiro.

O pagamento destas despesas sazonais, no entanto, não precisa se tornar um pesadelo para o consumidor anualmente. No artigo de hoje dividirei com você algumas dicas de como se programar para estas despesas da melhor maneira possível – evitando dívidas e dificuldades a cada ano que se inicia.

Continue a leitura do texto e confira 5 dicas para lidar com as contas do início do ano!

Dica n°1: Faça um orçamento anual

Planejar um orçamento anual é a primeira dica para lidar melhor com as despesas sazonais do início do ano. Muitas pessoas têm o hábito de fazer orçamentos mensais – que acabam não considerando as despesas de início de ano e outras contas sazonais que aparecem ao longo dos 12 meses subsequentes.

Por conta disso, é comum que estas pessoas tenham problemas no orçamento devido à falta de mensuração das despesas extras que aparecem durante o ano. Para evitar este problema, vale a pena fazer um orçamento anual – projetando os gastos, mês a mês, a partir do ano anterior.

Imagine, por exemplo, que você precisou desembolsar R$ 5 mil para pagar despesas sazonais em janeiro do ano passado. Para o orçamento anual deste ano, você pode considerar o valor gasto no ano anterior e estimar um incremento de 10% a 15% no valor total, a fim de proteger seu orçamento de eventuais variações e aumento de preços para o ano vigente.

Para identificar os valores gastos no passado, você pode buscar, em extratos ou faturas arquivadas do ano anterior, as despesas com IPTU, IPVA, material escolar, seguro do carro, entre outras despesas – projetando, para este ano, os valores que devem ser pagos a partir dos dados recuperados de um ano antes.

Caso você não tenha estes gastos devidamente anotados ou arquivados, a dica é começar a projetar, neste ano, o orçamento anual para o próximo ano. Ao final do mês de janeiro, por exemplo, verifique quais foram os gastos – sazonais ou não – e comece a construir o seu planejamento financeiro para o ano seguinte – repetindo este controle mês a mês, até o final do ano.

Desta maneira, você conseguirá encerrar o ano com um planejamento bastante sólido para o ano seguinte – evitando dores de cabeça com despesas não consideradas e diminuindo as chances de se endividar ou apertar muito seu orçamento por conta das contas do início do ano e gastos sazonais que podem ocorrer ao longo de cada ano.

Dica n°2: Faça uma previsão de gastos sazonais

Fazer uma previsão de gastos sazonais é um hábito essencial para quem deseja lidar melhor com as contas do início do ano – e também com as despesas sazonais durante cada ano. Lembre-se que o planejamento anual nunca será assertivo e sólido o suficiente se você não considerar os gastos sazonais – que, quase sempre, interferem no orçamento.

Imagine que você tenha uma renda de R$ 5 mil mensais e seu custo mensal seja de R$ 4 mil – permitindo uma economia de R$ 1 mil todos os meses. Agora imagine que, em determinados meses do ano, seu custo mensal seja de R$ 6 mil – considerando gastos sazonais, como seguro do carro, pagamento de IPTU e IPVA, entre outros.

Nesta situação, considerando os seus gastos mensais, é quase certo que seu orçamento fique negativo em alguns períodos do ano – o que poderia resultar em endividamentos, atrasos de contas e dificuldades financeiras. Para evitar este problema, é fundamental prever com antecedência estes gastos sazonais e planejar-se.

Ao considerar os custos extras em determinados meses do ano, você consegue se planejar financeiramente para economizar ao longo do ano e poupar dinheiro para quitar os gastos sazonais à vista quando eles aparecerem.

Dica n°3: Prepare-se para os gastos sazonais

Quando você identifica quais são os gastos sazonais e quando e como irão acontecer ao longo do seu orçamento anual, chega o momento de criar uma estratégia para passar por estes custos extras sem prejudicar o seu orçamento.

Você pode, como no exemplo anterior, separar um determinado valor específico ao longo dos meses para quitar estes gastos quando eles aparecerem ou simplesmente buscar juntar dinheiro – mês após mês – e retirar do montante acumulado a quantia necessária para o pagamento dos gastos sazonais.

Uma terceira alternativa para pagamento destas despesas seria o parcelamento – alternativa esta utilizada por muitos brasileiros na hora de pagar tributos e contas sazonais. Esta, no entanto, não é a alternativa mais indicada em nenhuma situação.

Dica n°4: Priorize os pagamentos à vista

Priorizar pagamentos à vista dos gastos sazonais é uma dica preciosa para lidar com as contas do início do ano de maneira mais tranquila. Isso porque, normalmente, são ofertados descontos para pagamentos à vista destes gastos sazonais – o que permite ao consumidor uma economia financeira.

Além disso, mesmo que não exista desconto para pagamento à vista, é importante que o consumidor tenha em mente que, sem o correto planejamento financeiro, os parcelamentos podem comprometer o fluxo de caixa livre ao longo de diversos meses – o que pode gerar dificuldades em caso de imprevistos no futuro, já que a capacidade de articulação financeira será menor devido à quantia reduzida de dinheiro disponível mensalmente.

O pagamento de todas as despesas sazonais à vista gera simplicidade no controle financeiro e resulta em menos riscos para você em caso de imprevistos. Você deixa de comprometer a renda mensal que você sequer recebeu ainda e pode acabar sendo beneficiado com descontos e economizando dinheiro.

Dica n°5: Utilize sua reserva de emergência

Utilizar a sua reserva de emergência para quitar gastos sazonais e as contas do início o ano é uma boa maneira de manter seu orçamento e planejamento financeiro organizados e evitar dívidas. Se você tiver uma reserva de emergência de, no mínimo, seis vezes a sua renda mensal, é perfeitamente possível utilizar parte deste valor para quitar as despesas sazonais – resultando em zero de impacto nas suas finanças mensais.

Se você, por exemplo, ganha R$ 10 mil por mês, possui uma reserva de emergência de R$ 60 mil e precisa pagar despesas sazonais no valor total de R$ 5 mil no início do ano, pode tranquilamente utilizar parte da reserva para quitar estas pendências. Nos meses seguintes, você terá fluxo de caixa livre para priorizar a recomposição da sua reserva financeira sem precisar se preocupar com o pagamento de gastos adicionais.

Você também pode se planejar para aumentar a reserva de emergência – mantendo-a com valor equivalente a sete ou oito meses de renda justamente para ter dinheiro adicional para quitar suas despesas sazonais sem impactar em nada seu orçamento mensal e sem comprometer o seu salário.

O truque para lidar com as contas do início do ano, portanto, é sempre manter um planejamento anual sólido e alinhado com a realidade, projetando os gastos sazonais, priorizando os pagamentos à vista e utilizando, quando for necessário, a reserva de emergência para evitar quaisquer impactos no seu orçamento mensal.

Colocando estas 5 dicas para lidar com as contas do início do ano em prática, você nunca mais sentirá nenhum efeito das despesas sazonais de começo de ano no seu orçamento, já que você estará sempre preparado para lidar com estes gastos – como se fossem meros custos corriqueiros.

Como escolher os melhores investimentos?

Para tomar as melhores decisões de investimentos e escolher os melhores investimentos para formar sua reserva de emergência e para outros objetivos financeiros em qualquer tempo, você pode contar com a ajuda do BTG Pactual – o maior banco da América Latina.

Por meio da plataforma do BTG Pactual digital é possível ter acesso a produtos de diversos bancos e contar com toda a expertise de mais de 35 anos em investimentos e gestão de recursos que só o banco de investimentos BTG Pactual pode lhe oferecer.

Posts relacionados

Deixe seu comentário 0

Você está a um passo para investir com mais segurança e tranquilidade.
Crie sua conta agora


Preencha com seu nome

Preencha com seu e-mail

Preencha com seu telefone

Está com dúvidas? Entre em contato com a gente!

ENTRE EM CONTATO

O Grupo BTG Pactual (“BTG Pactual”) não fornece opiniões jurídicas ou tributárias. Sendo assim, essa apresentação não constitui aconselhamento legal de qualquer natureza. Essa apresentação é um breve resumo de cunho meramente informativo, não configurando análise de valores mobiliários nos termos da Instrução CVM Nº 598, de 03 de maio de 2018, e não tendo como objetivo a consultoria, oferta, solicitação de oferta e/ou recomendação para a compra ou venda de qualquer investimento e/ou produto específico. Embora as informações e opiniões expressas aqui tenham sido obtidas de fontes confiáveis e fidedignas, nenhuma garantia ou responsabilidade, expressa ou implícita é feita a respeito da exatidão, fidelidade e/ou totalidade das informações. Todas as informações, opiniões e valores eventualmente indicados estão sujeitos à alteração sem prévio aviso. Ressaltamos também, que as opiniões expressas neste material refletem a opinião do respectivo profissional convidado e não necessariamente expressam a opinião do BTG Pactual, não devendo ser tratadas como tal. As informações contidas nesta apresentação não podem ser consideradas como única fonte de informações no processo decisório do investidor, que, antes de tomar qualquer decisão, deverá realizar uma avaliação minuciosa do produto e respectivos riscos, face aos seus objetivos pessoais e ao seu perfil de risco ("Suitability"). Para maiores informações, acesse www.btgpactualdigital.com

Os riscos da operação com títulos de renda fixa (CDB, LCI e LCA) estão na capacidade de o emissor honrar a dívida; na impossibilidade de venda do título ou na ausência de investidores interessados em adquiri-lo; e na possibilidade de variação da taxa de juros e dos indexadores. É importante a adequada compreensão da natureza, forma de rentabilidade e riscos dos títulos de renda fixa antes da sua aquisição. CDB, LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante a devolução do principal investido acrescido de juros referente a rendimentos, na hipótese da incapacidade de pagamento da instituição financeira, de até R$ 250 mil reais por CPF e por instituição financeira, considerando o limite de garantia de R$ 1 milhão para cada período de quatro anos.

FUNDOS DE INVESTIMENTO NÃO CONTAM COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA. E recomendada a leitura cuidadosa do Formulário de Informações Complementares e Regulamento do Fundo de Investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos.

Ressaltamos que as opiniões e projeções referente COE, aqui apresentadas representam a opinião da área Structured Products do BTG Pactual, mas não necessariamente a opinião institucional do BTG Pactual, podendo o BTG Pactual, suas subsidiárias e/ou seus empregados podem, eventualmente, possuir uma posição comprada ou vendida, atuar em nome próprio e/ou como coordenador ou agente em operações envolvendo ações ou demais investimentos relevantes. COE NÃO CONTA COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA.

Os regulamentos completos dos Planos de Previdência da BTG Pactual Vida e Previdência S/A deverão ser lidos previamente a sua contratação. Os direitos e obrigações das partes estão definidos na Proposta e nos Regulamentos do plano contratado. É recomendada a leitura cuidadosa do regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. O registro do plano na Susep não implica, por parte da autarquia, incentivo ou recomendação de comercialização. O Participante/Segurado poderá consultar a situação cadastral de seu corretor de seguros no site www.susep.gov.br, por meio do número de seu registro na Susep, nome completo, CNPJ ou CPF. BTG Pactual Vida e Previdência S/A - CNPJ: 19.449.767/0001-20. Processos SUSEP PGBL: 15414.901924/2014-44 e VGBL: 15414.901922/2014-55.

Fundos de investimento não contam com garantia do administrador do fundo, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do fundo garantidor de créditos FGC. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de rentabilidade futura. É recomendada a leitura cuidadosa do prospecto e regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. Os investidores devem estar preparados para aceitar os riscos inerentes aos diversos mercados em que os fundos atuam e, consequentemente, possíveis variações no patrimônio investido. Os produtos e serviços aqui mencionados podem não estar disponíveis em todas as jurisdições ou para determinadas categorias de investidores. Adicionalmente, a legislação e regulamentação de proteção a investidores de determinadas jurisdições/países, pode não se aplicar a produtos e serviços registrados em outras jurisdições/países, sujeitos à legislação e regulamentação respectivamente aplicáveis, além de previsões contratuais específicas.

Anbima Anbima