Você já pensou em ter um plano de Previdência Privada? Talvez, ele seja um produto interessante para incluir na sua carteira como investidor. As vantagens vão desde planejamento financeiro até economia em tributos.

Quer conhecer mais sobre os benefícios de planejar sua aposentadoria ou construir planos de longo prazo com a ajuda de uma Previdência? Então continue comigo e confira a seguir 4 motivos para ter um plano!

O que é a Previdência Privada?

Antes de entender quais são as razões pelas quais vale a pena fazer uma Previdência Privada, você precisa saber, de fato, o que ela significa. O plano de Previdência é uma modalidade de investimento que se volta, principalmente, para o longo prazo.

Na prática, ela funciona como um fundo de investimentos. Ou seja, o investidor realiza aportes e o capital é administrado por um gestor. São realizados investimentos variados, a depender da estratégia adotada.

O perfil de risco da Previdência pode ser bem diferente. Logo, cabe a você escolher um plano que combine com o seu perfil de investidor e com os seus objetivos. Em geral, o gestor pode mesclar investimentos tanto de renda fixa quanto de renda variável.

Outro detalhe importante da escolha do plano é estabelecer como se dará o usufruto. Isto é, como o investidor receberá o dinheiro no prazo estabelecido em contrato. Ele pode se dar, basicamente, por resgate do valor total ou por recebimento de uma renda mensal.

Leia mais em: Previdência Privada: o que é e como começar a investir | Guia completo

4 motivos para ter um plano de Previdência

Depois de saber um pouco mais sobre o que é a Previdência Privada, a seguir você conhecerá 4 razões para considerar fazer um plano. Confira!

1. Planejamento da aposentadoria

O primeiro motivo não poderia ser outro, certo? A Previdência Privada é largamente conhecida por se configurar como uma alternativa à aposentadoria social. Diversos brasileiros buscam nos planos de Previdência o seu planejamento pessoal para aposentadoria.

O intuito é válido e muito relevante. Afinal, a aposentadoria social brasileira se organiza em torno do INSS (Instituto Nacional de Seguridade Social) e tem apresentado uma série de preocupações nos últimos anos.

As frequentes reformas políticas e econômicas mostram que a Previdência Social não tem condições de garantir boas condições financeiras para os aposentados. Se olharmos para o cenário considerando a mudança na pirâmide etária brasileira, a preocupação aumenta.

Então, o que fazer? Sem dúvida, tomar a iniciativa do seu planejamento de aposentadoria é uma necessidade. Investir em Previdência Privada funciona como uma estratégia para ter um futuro mais tranquilo, sabendo que sua renda será complementada.

Muitos aposentados brasileiros sofrem queda no padrão de vida por não terem conseguido se planejar nesse sentido. Então, se você pretende construir um futuro mais próspero, vale a pena ter um planejamento financeiro desde cedo.

Para saber mais sobre como se preparar para a aposentadoria, baixe o nosso guia completo sobre o assunto.


2. Planos de longo prazo

Apesar de ser muito conhecida por seu objetivo de garantir uma renda para aposentadoria, esse não é o único papel que a Previdência Privada pode assumir. Na verdade, ela tem função importante em qualquer plano que você possa ter para o longo prazo.

Por exemplo, adquirir um imóvel, fazer uma grande viagem, pagar uma faculdade, contribuir com o futuro dos filhos etc. Metas que tenham uma visão de longo prazo podem se beneficiar dos investimentos feitos a partir da Previdência Privada.

Lembre-se de que a Previdência funciona como fundos de investimentos diversificados que buscam rendimentos para os investidores. Assim, você pode aportar dinheiro nela e usufruir da rentabilidade conquistada pelo gestor, a partir da estratégia assumida pelo plano.

Ela pode ser um meio de você diversificar investimentos e aproveitar as chances de rentabilidade no longo prazo. As escolhas devem ser feitas de acordo com o seu perfil de risco e com as suas preferências para resgate do valor.

Se o seu intuito é construir um futuro mais tranquilo para os seus filhos, uma possibilidade é fazer um plano de Previdência Privada Infantil. Ele funciona de maneira semelhante ao tradicional, mas o beneficiado será a criança ou adolescente.

Ou seja, os pais ou responsáveis podem realizar aportes ao longo do tempo e, quando a data de usufruto chegar, o beneficiário recebe o dinheiro. Logo, ele pode ser utilizado, por exemplo, para custear estudos, pagar um intercâmbio, comprar bens duráveis, abrir um negócio etc.

Leia também: Como fazer uma Previdência Privada e quais são seus benefícios?

3. Sucessão patrimonial

Você sabia que a Previdência Privada também pode tornar muito mais simples o processo de sucessão patrimonial em uma família? Isso acontece porque os benefícios da Previdência não precisam passar por inventário, em caso de morte.

Ou seja, um investidor pode ter um plano de Previdência Privada e fazer seus aportes ao longo da vida. Caso ele venha a falecer antes do usufruto, seus familiares — que tenham sido adicionados como beneficiários no contrato — recebem o dinheiro diretamente.

Tal característica faz com que a Previdência seja vista por muitas pessoas como um investimento familiar. Então, os aportes realizados podem funcionar como um seguro. Em uma situação extrema, a família conta com o valor para se organizar antes do procedimento de inventário e distribuição da herança.

Ao falar sobre o planejamento financeiro familiar, a Previdência Privada também se destaca por estimular a disciplina. O plano funciona com investimentos mensais. Consequentemente, você tem a certeza de estar sempre poupando para o seu futuro (e o das pessoas que você ama).

4. Planejamento tributário

Outra razão pela qual pode valer a pena ter uma Previdência Privada é a dedução de imposto de renda que acontece no plano do tipo PGBL. O Plano Gerador de Benefício Livre pode ser vantajoso para pessoas que fazem a declaração completa do Imposto de Renda.

O motivo é que os aportes feitos na Previdência são deduzidos do cálculo do Imposto de Renda. Semelhante ao que acontece com gastos em saúde ou educação, por exemplo. No caso do PGBL, os aportes podem corresponder a até 12% da renda anual tributável.

Então, dentro desse limite, você pode cadastrar o valor investido e, assim, pagar menos IR ao longo do ano — ou receber uma maior restituição. Além disso, a cobrança da alíquota sobre a quantia aportada na Previdência acontece apenas no resgate do investimento.

Agora, você tem pelo menos 4 motivos para considerar fazer um plano de Previdência, seja para si mesmo ou para seus filhos. Como visto, ele pode funcionar como uma estratégia eficiente para planejamento financeiro e investimento ao longo do tempo.

E então, o que você achou do assunto? Se o conteúdo foi útil para você, aproveite para compartilhar nas suas redes sociais!

Você também pode gostar: O que fazer até o final do ano para reduzir seu Imposto de Renda?

Posts relacionados

Deixe seu comentário 0

O Grupo BTG Pactual (“BTG Pactual”) não fornece opiniões jurídicas ou tributárias. Sendo assim, essa apresentação não constitui aconselhamento legal de qualquer natureza. Essa apresentação é um breve resumo de cunho meramente informativo, não configurando análise de valores mobiliários nos termos da Instrução CVM Nº 598, de 03 de maio de 2018, e não tendo como objetivo a consultoria, oferta, solicitação de oferta e/ou recomendação para a compra ou venda de qualquer investimento e/ou produto específico. Embora as informações e opiniões expressas aqui tenham sido obtidas de fontes confiáveis e fidedignas, nenhuma garantia ou responsabilidade, expressa ou implícita é feita a respeito da exatidão, fidelidade e/ou totalidade das informações. Todas as informações, opiniões e valores eventualmente indicados estão sujeitos à alteração sem prévio aviso. Ressaltamos também, que as opiniões expressas neste material refletem a opinião do respectivo profissional convidado e não necessariamente expressam a opinião do BTG Pactual, não devendo ser tratadas como tal. As informações contidas nesta apresentação não podem ser consideradas como única fonte de informações no processo decisório do investidor, que, antes de tomar qualquer decisão, deverá realizar uma avaliação minuciosa do produto e respectivos riscos, face aos seus objetivos pessoais e ao seu perfil de risco ("Suitability"). Para maiores informações, acesse www.btgpactualdigital.com

Os riscos da operação com títulos de renda fixa (CDB, LCI e LCA) estão na capacidade de o emissor honrar a dívida; na impossibilidade de venda do título ou na ausência de investidores interessados em adquiri-lo; e na possibilidade de variação da taxa de juros e dos indexadores. É importante a adequada compreensão da natureza, forma de rentabilidade e riscos dos títulos de renda fixa antes da sua aquisição. CDB, LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante a devolução do principal investido acrescido de juros referente a rendimentos, na hipótese da incapacidade de pagamento da instituição financeira, de até R$ 250 mil reais por CPF e por instituição financeira, considerando o limite de garantia de R$ 1 milhão para cada período de quatro anos.

FUNDOS DE INVESTIMENTO NÃO CONTAM COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA. E recomendada a leitura cuidadosa do Formulário de Informações Complementares e Regulamento do Fundo de Investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos.

Ressaltamos que as opiniões e projeções referente COE, aqui apresentadas representam a opinião da área Structured Products do BTG Pactual, mas não necessariamente a opinião institucional do BTG Pactual, podendo o BTG Pactual, suas subsidiárias e/ou seus empregados podem, eventualmente, possuir uma posição comprada ou vendida, atuar em nome próprio e/ou como coordenador ou agente em operações envolvendo ações ou demais investimentos relevantes. COE NÃO CONTA COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA.

Os regulamentos completos dos Planos de Previdência da BTG Pactual Vida e Previdência S/A deverão ser lidos previamente a sua contratação. Os direitos e obrigações das partes estão definidos na Proposta e nos Regulamentos do plano contratado. É recomendada a leitura cuidadosa do regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. O registro do plano na Susep não implica, por parte da autarquia, incentivo ou recomendação de comercialização. O Participante/Segurado poderá consultar a situação cadastral de seu corretor de seguros no site www.susep.gov.br, por meio do número de seu registro na Susep, nome completo, CNPJ ou CPF. BTG Pactual Vida e Previdência S/A - CNPJ: 19.449.767/0001-20. Processos SUSEP PGBL: 15414.901924/2014-44 e VGBL: 15414.901922/2014-55.

Fundos de investimento não contam com garantia do administrador do fundo, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do fundo garantidor de créditos FGC. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de rentabilidade futura. É recomendada a leitura cuidadosa do prospecto e regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. Os investidores devem estar preparados para aceitar os riscos inerentes aos diversos mercados em que os fundos atuam e, consequentemente, possíveis variações no patrimônio investido. Os produtos e serviços aqui mencionados podem não estar disponíveis em todas as jurisdições ou para determinadas categorias de investidores. Adicionalmente, a legislação e regulamentação de proteção a investidores de determinadas jurisdições/países, pode não se aplicar a produtos e serviços registrados em outras jurisdições/países, sujeitos à legislação e regulamentação respectivamente aplicáveis, além de previsões contratuais específicas.

Anbima Anbima