Análises

Análise de ações: Técnica x Fundamentalista

Qualquer investidor no início da sua jornada na bolsa de valores já teve essa dúvida inicial: Como avaliar se um investimento é bom ou ruim? Ou seja, vou ganhar ou perder dinheiro negociando aquele ativo? Procurando a resposta, chegamos na segunda pergunta: Qual análise devo utilizar, olharei apenas para os gráficos (análise técnica) ou tentarei entender os fundamentos da empresa (análise fundamentalista), mergulhando naquele emaranhado de números que para mim não dizem nada? É, eu sei, é um pouco desanimador. Eu escolhi o que eu achava mais fácil de entender, pelo menos naquele momento, segui então o caminho da análise gráfica.

Com o tempo, fui notando que faltava alguma coisa, e não era teoria – naquele momento já havia lido pelo menos 2 dúzias de livros. Na verdade, eu queria entender a empresa, o negócio, o mercado, eu queria entender a fundo o que eu estava fazendo e em que eu estava investindo. Acho a análise técnica sensacional, sempre achei que existe um fator comportamental e de sentimento (behavioral) muito forte por trás dos mercados e que esse tipo de análise consegue captar muito bem esse tipo de movimento (para alguns mercados e ativos). Novamente, eu acho que realmente VALE A PENA saber como funciona o grafismo e como se aplica, aliás, só sabemos se não gostamos de alguma coisa após entender ou experimentarmos aquilo, mas para mim não era o bastante, eu precisava de um pouco mais.

Análise técnica (ou gráfica)

A análise técnica utiliza os gráficos como ferramenta principal e foca no curto/médio prazo para a tomada de decisão. Ela pode ser subdividida em dois tipos, se podemos assim dizer: o primeiro é baseado no empirismo e nos padrões que tendem a se repetir com o tempo, o segundo tipo é a análise estatística, que utiliza osciladores e indicadores para realizar o estudo. O grafismo é baseado em três princípios:

  • O mercado desconta tudo.
  • O preço se move em tendências.
  • A história tende a se repetir.

A grande vantagem da análise técnica sobre a análise fundamentalista é a possibilidade de utiliza-la em qualquer ativo que tenha um histórico de negociações. Por exemplo, o investidor pode utilizar esse tipo de técnica para avaliar moedas, commodities, empresa, fundos imobiliários, índices e etc.

O funcionamento da análise técnica se baseia na negação da hipótese dos mercados eficientes na sua forma fraca, pois com a sua comprovação os preços se moveriam de forma aleatória e não seriam impactados por eventos passados. A hipótese dos mercados eficientes foi formulada por Eugene Fama em 1970, e a sua teoria na sua forma forte impossibilita os agentes financeiros ter retornos superiores à média do mercado no longo prazo. No quadro abaixo podemos ver um resumo sobre a hipótese dos mercados eficientes, em inglês EMH.

 

Análise Fundamentalista

Na análise fundamentalista, diferentemente da técnica, o investidor utiliza os balanços da empresa ao invés dos gráficos, com a intenção de medir o valor intrínseco da empresa (valuation). Podemos dividir a análise fundamentalista em três tipos:

Modelo de fluxo de caixa descontado

Nesse modelo, o valor intrínseco da ação pode ser estimado trazendo a valor presente os fluxos de dividendos futuros distribuídos para os acionistas, que é o modelo baseado em dividendos, ou também pode-se descontar os fluxos de caixa futuros disponíveis aos acionistas após os investimentos necessários na empresa — esse modelo é baseado no fluxo de caixa para os acionistas.

Vantagens:

  • Baseado e fundamento em conceitos da teoria financeira
  • Aceito vastamente na comunidade de analistas financeiros

Desvantagens:

  • As variáveis devem ser estimadas, o que pode adicionar erros excessivos no modelo
  • Os valores de saída (ex: o valor da ação) é muito sensível em relação as estimativas

Modelo de múltiplos

No modelo de múltiplos também temos dois tipos básicos. No primeiro, estimamos o valor da empresa comparando-o com o seu lucro líquido, vendas ou fluxo de caixa. Essa medida é utilizada para comparar com os seus competidores e verificar se seu múltiplo está acima ou abaixo do valor de mercado. Um dos múltiplos mais utilizados é o P/E, que compara o valor da ação pelo seu lucro líquido.

O segundo modelo avalia o valor da companhia como um todo, esse valor inclui tanto as ações quanto as dívidas e exclui o valor em caixa e investimentos de curto prazo. Nessa conta é utilizado normalmente a receita ou o Lajida (EBITDA). Um múltiplo muito utilizado é o EV/EBITDA, que compara o valor da companhia com o seu lucro operacional. Vale lembrar que a análise por múltiplos é uma análise comparativa, não chegamos no valor intrínseco do papel, saberemos apenas se ele está acima ou abaixo do valor dos seus concorrentes ou do mercado.

Vantagens:

  • É um método comprovadamente eficaz para prever performance das ações
  • Usado por analistas de mercado com dados amplamente divulgados
  • Podem ser usados como series temporais
  • EV/EBITDA pode ser usado independente da estrutura de capital da empresa (o quanto ela tem de dinheiro de acionistas e de dívida) ou se o seu lucro líquido é negativo.

Desvantagens:

  • Múltiplos podem não ser comparáveis se a empresa tiver tamanho, produto e crescimento diferentes.
  • A ação pode parecer sobrevalorizada sob o método de múltiplos e subvalorizada sob o método de fluxo de caixa
  • Denominadores negativos podem impossibilitar a análise. Se estivermos analisando o EV/EBITDA de uma empresa e ela tiver o EBITDA negativo, o múltiplo não terá significado.

Modelo de avaliação dos ativos

O valor intrínseco das ações ordinárias nesse modelo é estimado em função dos ativos totais da empresa menos os passivos e as ações preferenciais. Normalmente, ao determinar o valor justo dos ativos e passivos da companhia devemos ajustar o valor contábil para o valor de mercado.

Vantagens:

  • Ajuda a determinar um valor mínimo para a empresa
  • Tem mais relevância quando a empresa é constituída em sua maioria por ativos tangíveis de curto prazo, valores claros de mercado, ou quando a companhia está sendo liquidada.

Desvantagens:

  • Valores de mercado para os ativos e passivos são difíceis de se obter
  • Valores de mercado são diferentes dos valores contábeis
  • O método não funciona bem para empresas com quantidade relevante de ativos intangíveis

Resumindo

A intenção desse texto é dar uma visão geral sobre os tipos de análise de investimentos. Nos próximos textos vamos entrar um pouco mais a fundo em cada um dos tipos e explicar como funciona e para que serve cada modelo de análise.

Deixe seu comentário 0

Você está a um passo para investir com mais segurança e tranquilidade.
Crie sua conta agora


Preencha com seu nome

Preencha com seu e-mail

Preencha com seu telefone

Está com dúvidas? Entre em contato com a gente!

ENTRE EM CONTATO

O Grupo BTG Pactual (“BTG Pactual”) não fornece opiniões jurídicas ou tributárias. Sendo assim, essa apresentação não constitui aconselhamento legal de qualquer natureza. Essa apresentação é um breve resumo de cunho meramente informativo, não configurando análise de valores mobiliários nos termos da Instrução CVM Nº 598, de 03 de maio de 2018, e não tendo como objetivo a consultoria, oferta, solicitação de oferta e/ou recomendação para a compra ou venda de qualquer investimento e/ou produto específico. Embora as informações e opiniões expressas aqui tenham sido obtidas de fontes confiáveis e fidedignas, nenhuma garantia ou responsabilidade, expressa ou implícita é feita a respeito da exatidão, fidelidade e/ou totalidade das informações. Todas as informações, opiniões e valores eventualmente indicados estão sujeitos à alteração sem prévio aviso. Ressaltamos também, que as opiniões expressas neste material refletem a opinião do respectivo profissional convidado e não necessariamente expressam a opinião do BTG Pactual, não devendo ser tratadas como tal. As informações contidas nesta apresentação não podem ser consideradas como única fonte de informações no processo decisório do investidor, que, antes de tomar qualquer decisão, deverá realizar uma avaliação minuciosa do produto e respectivos riscos, face aos seus objetivos pessoais e ao seu perfil de risco ("Suitability"). Para maiores informações, acesse www.btgpactualdigital.com

Os riscos da operação com títulos de renda fixa (CDB, LCI e LCA) estão na capacidade de o emissor honrar a dívida; na impossibilidade de venda do título ou na ausência de investidores interessados em adquiri-lo; e na possibilidade de variação da taxa de juros e dos indexadores. É importante a adequada compreensão da natureza, forma de rentabilidade e riscos dos títulos de renda fixa antes da sua aquisição. CDB, LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante a devolução do principal investido acrescido de juros referente a rendimentos, na hipótese da incapacidade de pagamento da instituição financeira, de até R$ 250 mil reais por CPF e por instituição financeira, considerando o limite de garantia de R$ 1 milhão para cada período de quatro anos.

FUNDOS DE INVESTIMENTO NÃO CONTAM COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA. E recomendada a leitura cuidadosa do Formulário de Informações Complementares e Regulamento do Fundo de Investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos.

Ressaltamos que as opiniões e projeções referente COE, aqui apresentadas representam a opinião da área Structured Products do BTG Pactual, mas não necessariamente a opinião institucional do BTG Pactual, podendo o BTG Pactual, suas subsidiárias e/ou seus empregados podem, eventualmente, possuir uma posição comprada ou vendida, atuar em nome próprio e/ou como coordenador ou agente em operações envolvendo ações ou demais investimentos relevantes. COE NÃO CONTA COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR, DO GESTOR, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA.

Os regulamentos completos dos Planos de Previdência da BTG Pactual Vida e Previdência S/A deverão ser lidos previamente a sua contratação. Os direitos e obrigações das partes estão definidos na Proposta e nos Regulamentos do plano contratado. É recomendada a leitura cuidadosa do regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. O registro do plano na Susep não implica, por parte da autarquia, incentivo ou recomendação de comercialização. O Participante/Segurado poderá consultar a situação cadastral de seu corretor de seguros no site www.susep.gov.br, por meio do número de seu registro na Susep, nome completo, CNPJ ou CPF. BTG Pactual Vida e Previdência S/A - CNPJ: 19.449.767/0001-20. Processos SUSEP PGBL: 15414.901924/2014-44 e VGBL: 15414.901922/2014-55.

Fundos de investimento não contam com garantia do administrador do fundo, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do fundo garantidor de créditos FGC. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de rentabilidade futura. É recomendada a leitura cuidadosa do prospecto e regulamento do fundo de investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. Os investidores devem estar preparados para aceitar os riscos inerentes aos diversos mercados em que os fundos atuam e, consequentemente, possíveis variações no patrimônio investido. Os produtos e serviços aqui mencionados podem não estar disponíveis em todas as jurisdições ou para determinadas categorias de investidores. Adicionalmente, a legislação e regulamentação de proteção a investidores de determinadas jurisdições/países, pode não se aplicar a produtos e serviços registrados em outras jurisdições/países, sujeitos à legislação e regulamentação respectivamente aplicáveis, além de previsões contratuais específicas.

Anbima Anbima